#IoCelebroACasa.  Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

#IoCelebroACasa. Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

Roma (NEV), 27 de maio de 2020 – Esta proposta litúrgica para o Pentecostes nasceu informalmente na web, entre católicos e protestantes. Uma celebração doméstica em duas versões, uma para adultos e jovens ou pequenos grupos, outra para famílias com crianças, que inclui, entre outras coisas, orações, canções de ninar, “ginástica da alma” e a construção de um cata-vento da paz. O auxílio litúrgico pode ser baixado aqui e utilizado no Domingo de Pentecostes, domingo 31 de maio de 2020: Livreto Definitivo de Pentecostes.

Muitas igrejas, especialmente no norte, decidiram por precaução permanecer fechadas por mais algum tempo, apesar da possibilidade de retomar o culto após a assinatura dos protocolos no Palazzo Chigi em 15 de maio. A liturgia proposta pelo grupo ecumênico pode ser praticada em casa por quem quiser, mesmo por quem por diversos motivos não pode ir à igreja.

“O contexto do coronavírus nos levou a nos perguntar como ser uma igreja aberta apesar da impossibilidade de nos encontrarmos”, explica à agência NEV Lydia Maggipastora batista que desenvolve seu “ministério itinerante” para a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI).

Lidia Maggi, que está envolvida na iniciativa, conta: “Voltar para casa como um lugar para viver a fé é uma das formas de sentir que a igreja não está fechada. Há novos ministros, que são familiares. Um grupo católico havia proposto o roteiro de preparação para a Páscoa #IoCelebroACasa. Depois da experiência pascal, sentiu-se a necessidade de estender este caminho de Pentecostes ao mundo ecuménico. Parece-nos a ocasião ideal para uma proposta que encontramos alinhada não só com o espírito ecuménico que caracteriza as nossas Igrejas, mas também por outro motivo. Existe uma espiritualidade que corremos o risco de perder, que é a dimensão da meditação diária em casa. Talvez o coronavírus nos ofereça a oportunidade de recuperar esse espaço. Não há apenas a web e o zoom, mas podemos redescobrir a igreja doméstica, a dimensão doméstica da celebração onde podemos dar autoridade aos pais e familiares que se reúnem em torno da Palavra”.

A intenção é “transformar a tragédia do coronavírus em uma oportunidade – conclui o pastor Maggi – de entender o que o espírito diz às nossas vidas, de permitir que o espírito transforme o que é ruim em bom”.

O projeto de uma liturgia doméstica católica e protestante “mista” nasceu na web em meio à pandemia de covid-19 e reúne pessoas de diferentes origens. A subvenção #IoCelebroACasa di Pentecostes foi elaborada por
alguns membros do grupo “juntos no mesmo barco” (Alexandre Cortesi,
André Grillo, Simone Morandini, Serena Nogueira, Morena Baldacci), de
pertencente ao movimento Pax Christi (rosa siciliana, Tonio dell’Olio, Máximo
preço
), do pastor Lydia Maggi E Ulrike Jourdan e pelo pastor William Jourdan.

Baixe aqui: Livreto Definitivo de Pentecostes

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial da AIDS.  O amor conta

Dia Mundial da AIDS. O amor conta

Foto Albin Hillert / CEC Roma (NEV), 1º de dezembro de 2022 – Hoje é o Dia Mundial da AIDS. Várias iniciativas são organizadas para conscientizar a população sobre esta doença. Todos os dias no mundo 301 crianças e adolescentes (entre 0 e 19 anos) morrem de causas ligadas à AIDS (dados da UNICEF, retirados de Riforma.it). Além disso, 850 novas infecções ocorrem todos os dias na mesma faixa etária (em 2021 morreram cerca de 110.000 crianças). Foto Albin Hillert / CEC O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) organizou uma oração para homenagear as vítimas e reafirmar seu compromisso na luta contra a AIDS. Além disso, o WCC promoveu um seminário intitulado "Love Matters", dirigido à geração mais jovem, para dar-lhes a oportunidade de explorar as questões de saúde física e mental e gestão de traumas. O seminário, organizado no âmbito das iniciativas ecuménicas sobre SIDA em colaboração com a Kecher Africa (quarto de uma série), contou com a participação online de jovens do Burundi, Etiópia, Quénia, Ruanda, Sudão do Sul, Tanzânia, Togo, Nigéria, Gana, Zimbábue e Uganda. “Sofremos por acaso e curamos por escolha” Paul Boylefundador deInstituto Albain, incentivou os jovens a não olhar para o passado: “Estamos feridos pelo passado que não podemos mudar. O que podemos mudar é o efeito do passado e como ele está afetando nossas vidas. Podemos superar a causa focando no efeito – disse Boyle -. Se o trauma não for enfrentado, se não for administrado e controlado, terá como efeito a raiva, agressividade, depressão, ansiedade, pensamentos autodestrutivos, pois o cérebro - o hipotálamo, o sistema nervoso simpático - será ativado levando lutar, agir e reagir como se estivéssemos naquele passado, que não podemos mudar”. 85 por cento das doenças fisiológicas, disse Boyle, estão relacionadas ao estresse e ao trauma. Esses distúrbios afetam particularmente adultos jovens e crianças. Entre as ferramentas propostas para superar o trauma, segundo Boyle: paciência, esperança, fé, gratidão e confiança. “Devemos nos concentrar nas escolhas que fazemos, porque sofremos por acaso e curamos por escolha.” Boyle acrescentou que é importante curar a mente, a alma e o coração. “Quando curamos, curamos os outros também”, disse ele. Enfatizando também a necessidade de evitar os "fatores desencadeantes" por meio do "discernimento", uma palavra espiritual. “Conforme nos relacionamos com as pessoas, nos conectamos, saímos e fazemos amigos, há aleatoriedade. Os jovens devem discernir com quem estão, perguntar-se se estão fazendo uma diferença positiva ou negativa em suas vidas: complementam ou complicam?” concluiu Boyle. Conversamos também sobre como superar traumas pedindo ajuda, saindo das situações com equilíbrio, tentando olhar para o futuro enfrentando o presente, enfrentando as dificuldades. Além disso, de 27 a 29 de novembro, representantes de 14 igrejas e organizações religiosas de 10 países europeus reuniram-se em Minsk, Bielorrússia, para uma consulta sobre “O Ministério da Cura”, em colaboração com o CEC e a Conferência das Igrejas Europeias (CEC). . ...

Ler artigo
Informação, caminho para a paz entre os povos.  Escrevendo a história com o coração

Informação, caminho para a paz entre os povos. Escrevendo a história com o coração

Roma (NEV), 30 de junho de 2023 – O seminário gratuito promovido pela Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) e pela Ordem dos Jornalistas do Lácio intitulado “Informação, um caminho para a paz entre os povos. Escrever a história com o coração”. O curso "analisará a contribuição fundamental que as confissões religiosas podem dar às relações humanas significativas e à linguagem da paz que não é a linguagem da guerra", escrevem os organizadores. Aberto a todos os interessados, o seminário também concederá três créditos para jornalistas. Entre os palestrantes, também o jornalista Elena Ribeteditor da agência de notícias NEV. Atendimento das 10 às 13 na sala Walter Tobagi da FNSI, no Corso Vittorio Emanuele II 349. “Até a informação é uma forma de contribuir para a construção da paz e da harmonia entre os povos. Quem trabalha com informação e comunicação profissional, de fato, tem a responsabilidade de usar a palavra depois de tê-la pensado, ponderado e escolhido. Ele é o responsável pelos efeitos de cada palavra que sai da caneta, do rádio, da TV, dos jornais online e até do uso privado das redes sociais. A fala pode se tornar a arma mais perigosa se for distorcida, hostil e fonte de instigação à violência.O objetivo do curso é ajudar as pessoas a saberem ler e reler nosso tempo 'juntos', vivenciar mudanças 'juntos' com sabedoria e apoiar o uso responsável das palavras” continua no site da FNSI. Plano Apresentação e saudações Alexandra Constant (secretário-geral da FNSI), Guido D'Ubaldo (Presidente Odg Lazio) e Vicente Varagonapresidente da União da Imprensa Católica Italiana (UCSI). Os palestrantes, moderados por Maurizio Di Schino (membro do conselho da Fnsi), são: França Eckert Coen (vice-presidente de “Religiões pela paz Itália”); Asmae Dachan (jornalista, fotógrafo e escritor ítalo-sírio, professor contratado na Universidade de Macerata de Árabe Multimídia e Árabe para Cooperação Internacional); Michael Lipori (jornalista, editor-chefe Confronti); Elena Ribet (jornalista, agência de notícias Nev-Evangelical News/Federação de Igrejas Evangélicas na Itália); David Meghnagi (Professor de Psicologia Clínica e Dinâmica na Universidade Roma Tre); Paulo Ruffini (jornalista, prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé), Ivano Maiorella (membro do Conselho de Disciplina da Ordem dos Jornalistas do Lácio). ...

Ler artigo
O Comitê Interfedi de Turim torna-se um órgão consultivo da cidade

O Comitê Interfedi de Turim torna-se um órgão consultivo da cidade

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de dezembro de 2020 – O Comitê Interfedi de Turim foi criado por ocasião dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2006. Presidido pelo então prefeito Valentino Castellanireuniu numa mesa de debate vários representantes das confissões religiosas presentes na zona. “É uma instituição municipal que nos últimos anos já representou um órgão importante para a cidade mas que nos últimos dias tem visto o seu papel reconhecido de forma mais formal – escreve na Riforma Susana Ricci –. Tornou-se efetivamente um órgão consultivo. Isso significa que a opinião do Comitê entra em jogo sobre algumas questões que podem dizer respeito à relação entre as religiões e a cidade, por exemplo, na gestão do enterro e da morte, e as várias sensibilidades em relação a este aspecto da vida”. Ricci questiona a pastora e ex-moderadora da Mesa Valdense sobre a questão, maria bonafede, representante no Comitê: "É um comitê técnico, não político de pensamento... Quer haja judeus, muçulmanos, protestantes, budistas, hindus, católicos que se sentam à mesa para conversar sobre as coisas e encontrar soluções harmoniosas é um evento de valor extremamente precioso, difícil de quantificar”, diz o pastor. E conclui: “É claro que Turim ainda tem muito a fazer”, mas o caminho está aberto para criar cultura e conscientização sobre os temas do diálogo. Leia o artigo completo no Riforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.