“Não tenha medo”.  mensagem ecumênica pascal

“Não tenha medo”. mensagem ecumênica pascal

Foto de Ignacio Joaquin Silveyra de Avila – Unsplash

Roma (NEV), 12 de abril de 2020 – Uma mensagem pascal ecumênica dirigida aos cristãos da Itália: é uma novidade bem-vinda que nos traz esta Páscoa anômala, que quase todos celebraremos individualmente ou, no máximo, em família, encerrados em nossas casas para conter a infecção. De fato, todos os anos há uma espécie de mensagem ecumênica, mas por ocasião da “Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos”, que acontece de 18 a 25 de janeiro: o tema da Semana é apresentado conjuntamente pelo bispo católico Ambrogio Spreafico , presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo, pelo Metropolita Gennadios, arcebispo ortodoxo da Itália e Malta, e pelo orador, como presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Mas este ano, ao aproximar-se a Páscoa, que as nossas Igrejas celebrarão em datas diferentes (12 de abril na tradição ocidental e 19 de abril na tradição oriental), “com base na fraternidade que nasce da confissão do mesmo Senhor, senti a necessidade de voltar a nos expressar juntos pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro. Uma pandemia global, portanto, que não poupa nenhuma região do mundo e que, além de causar desconforto, sofrimento e morte, condicionará fortemente as celebrações pascais das Igrejas cristãs, com o risco de obscurecer aquele sentimento de alegria que é típico do tempo pascal”.

A mensagem parte do relato da Páscoa do Evangelho segundo Mateus, em que a ressurreição de Jesus é anunciada por um terremoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, causando grande temor em todos os presentes – que isto é, os guardas e as “mulheres piedosas” que foram ao túmulo. Só que, enquanto o medo literalmente paralisa os guardas, as mulheres aceitam o convite do anjo para não temer e, verificando que o sepulcro está vazio, fogem “com medo e grande alegria”.

“Uma mistura de medo e alegria que os põe em movimento e os torna os primeiros arautos da ressurreição. Por isso – lê-se na mensagem – mesmo neste tempo de contágio, queremos aceitar o convite do anjo: “Não tenhais medo”. Cumprindo as regras de prudência a que teremos de continuar a cumprir para evitar o alastramento da pandemia, como Igrejas sentimo-nos chamadas a ser, como piedosas mulheres, arautos da ressurreição, do facto de a morte não ter a última palavra. Esta pandemia também fortalece em nós a vocação de estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados”. A mensagem termina com um convite à oração que une todos os cristãos: Pai nosso que estais nos céus… livrai-nos do Mal”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

75 anos do Ente Spettacolo.  Há também a Associação de Cinema Protestante

75 anos do Ente Spettacolo. Há também a Associação de Cinema Protestante

Foto Noom Peerapong -Unsplash Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2023 – A Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi", representada por seu vice-presidente, pároco Luca Barattoparticipou esta manhã da audiência papal pelo 75º aniversário da Fondazione Ente dello Spettacolo. Cerca de 160 pessoas presentes. Além de representantes da Fundação, expoentes religiosos, instituições e do mundo do cinema, incluindo Giuseppe Tornatore, Liliana Cavani, Antonio Albanese, James Poretti (do trio Aldo, Giovanni e Giacomo), Gianni Riotta. A audiência foi aberta com a saudação do presidente da Fundação, dom David Milani, seguido por uma intervenção do Papa Francisco. “Gosto da obra que você faz, da obra de cinema, da obra de arte, da obra de beleza como grande expressão de Deus, que sempre foi deixada de lado, ou pelo menos no canto. Os livros de teologia falam muito sobre verum, de verdade; eles falam sobre o bônus; de beleza, de beleza, nem tanto […] Aquela beleza que nos salvará, como alguém disse; aquela beleza que é harmonia, obra do Espírito Santo […] tudo é diferente, tudo parece contraditório, mas a harmonia é superior a tudo. E seu trabalho segue o caminho da harmonia”, disse Francisco em seu discurso. Para saber mais e ver algumas fotos clique aqui. Fundada pela Conferência Episcopal Italiana em 1947, a Fondazione Ente dello Spettacolou divulga e promove a cultura cinematográfica na Itália. “A história em palavras e imagens tem cada vez mais peso na comunicação e nas relações da sociedade contemporânea e a Fundação propõe-se como um espaço de reflexão e mediação dos seus significados”, lê-se no site da Fundação. Entre suas atividades: crítica, treinamento, planejamento, comunicação, organização de eventos, workshops, exposições e festivais. Há vários anos, a Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" colabora com a Fundação no âmbito do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), um festival de cinema de diálogo inter-religioso que envolve as comunidades católica, protestante, judaica, islâmica, hindu e budista . De fato, o TMFF conta com o patrocínio de três Dicastérios da Santa Sé e de várias entidades e organizações, entre as quais o próprio "Roberto Sbaffi". Associação de cinema protestante "Roberto Sbaffi" Fundada em 2003, a Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" é constituída por cinéfilos, nomeadamente de várias denominações evangélicas. Ele é membro de INTERFILM, organização fundada em 1955, que reúne delegados de associações de cinema protestantes da Europa, mas também ortodoxos, anglicanos e judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, a INTERFILM organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados. ...

Ler artigo
30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

foto WCC Por ocasião do trigésimo aniversário da Convocação Ecumênica de Seul (5 a 12 de março de 1990) sobre "Justiça, paz e proteção da criação", publicamos uma prévia do texto do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que será transmitido no próximo domingo, 22 de março, no programa de rádio "Culto evangelico" da Radio1 RAI. Roma (NEV), 17 de março de 2020 – “Chegou a hora de confirmar nossa aliança com Deus, que também nos une uns aos outros. Vivemos um momento único na história. Toda a vida na terra está ameaçada pela injustiça, pela guerra, pela destruição da criação porque quebramos a aliança com Deus”. Assim começa a mensagem final da Assembleia Ecumênica Mundial sobre "Justiça, Paz e Integridade da Criação", realizada há trinta anos em Seul, Coreia do Sul, de 5 a 12 de março de 1990. Mais de mil pessoas, pertencentes a todas as confissões cristãs, participaram deste grande encontro promovido pelo Conselho Ecumênico de Igrejas; cerca de oitenta italianos, a maioria católicos, apesar de o Vaticano ter recusado o convite para ser co-convidador do evento e ter limitado sua presença oficial a vinte consultores. A Assembléia concluiu com quatro “Atos de Aliança” e com dez afirmações. Os Atos do Pacto diziam respeito: 1) ao compromisso com uma ordem econômica justa; 2) pela desmilitarização das relações internacionais e por uma cultura de não violência; 3) preservar a dádiva da atmosfera terrestre e combater o efeito estufa; 4) e, finalmente, para erradicar o racismo. E aqui estão as dez afirmações, todas muito oportunas: 1) devemos prestar contas a Deus de todo exercício de poder; 2) Deus faz uma escolha em favor dos pobres; 3) todos os povos e raças têm o mesmo valor; 4) homens e mulheres são criados à imagem de Deus; 5) a verdade é o fundamento de uma comunidade de seres livres; 6) Jesus Cristo traz paz; 7) a criação é amada por Deus; 8) a terra pertence a Deus; 9) a dignidade e o compromisso dos jovens devem ser reconhecidos; 10) Os direitos humanos são um dom de Deus. Recordando o aniversário da Assembléia em Seul nestes dias, o pároco Martin Robraengajada há décadas no Conselho Ecumênico de Genebra precisamente no setor "Justiça, paz e proteção da criação", sublinhou o caráter profético da prioridade dada ao tema da mudança climática, tema que há trinta anos não era de forma alguma moda, muito menos entre as igrejas cristãs. E recordou a imagem do culto final, com o seu significativo gesto simbólico: participantes de todos os continentes reunidos em torno de uma cruz, segurando nas mãos um grande globo terrestre, "sinal de reconciliação, cura e bênção, mantendo-o unido num equilíbrio frágil". Cristãos que se comprometem a apoiar conjuntamente o frágil equilíbrio da terra, portanto: uma imagem e um compromisso sempre presentes, especialmente nestes tempos em que, devido ao coronavírus, vivemos de maneira particular nossa vulnerabilidade em um mundo globalizado. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.