Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Foto do filme “A Baleia” de Darren Aronofsky (EUA 2022)

Roma (NEV), 12 de setembro de 2022 – No 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza (31 de agosto a 10 de setembro de 2022), o júri INTERFILM concedeu o Prêmio INTERFILM para a Promoção do Diálogo Inter-religioso ao filme “A Baleia” de Darren Aronofsky (EUA 2022).

Este é o raciocínio:

Em “A Baleia”, de Darren Aronofsky, um pai está confinado ao corpo, ao lar e à vida. Em busca de libertação, ele é visitado por personagens que, enojados com a visão de sua aparência física, lhe oferecem várias maneiras de sobreviver. O filme retrata de forma poderosa a fragilidade das relações humanas e a possibilidade de perdão e salvação.

Os membros do Júri Internacional INTERFILM

Júri INTERFILM, Veneza 79 (2022) – foto inter-film.org

O Júri Internacional INTERFILM, sigla que reúne associações europeias de cinema protestante, é este ano constituído pelo pastor e “teólogo pop” Pedro CiaccioPresidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – membro italiano da INTERFILM. Alina Gabriela Birzache (Reino Unido). Robert K. Johnston (EUA). Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente). Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço).

O filme também recebeu outros três prêmios de júris independentes (Prêmio Cinema Sara, Prêmio Leoncino d’Oro, ‘Prêmio Sorriso Diverso Veneza’)”.

O Júri da INTERFILM também sublinhou a “qualidade especial de ‘Mestre Jardineiro’ de Paul Schrader (EUA 2022), ‘Argentina, 1985’ de mitra de santiago (Argentina, EUA 2022) e ‘The Son’ de Florian Zeller (Grã-Bretanha 2022) durante a cerimônia de premiação no Hotel Excelsior”.

Desde 2011, explica a INTERFILM, um júri concedeu a Veneza o Prêmio INTERFILM pela promoção do diálogo inter-religioso. O objetivo do prêmio, conforme consta no regulamento, é “apoiar filmes que promovam compreensão, respeito, simpatia e paz entre pessoas de diferentes origens, histórias e crenças, ao invés de conflito, violência e opressão”. O júri leva em consideração tanto os filmes da Competição Internacional quanto os da seção Horizontes. Este é o décimo primeiro Prêmio INTERFILM concedido, nos 90 anos de fundação do Festival.

Leone d’Oro e outros prêmios

O Leão de Ouro do Júri do Festival, presidido por Julianne Moorefoi premiado com o documentário “All the Beauty and the Bloodshed” de Laura Poitras (EUA 2022). O Grande Prêmio do Júri para “Saint Omer” de Alice Diop (França 2022). Na seção Horizontes, o prêmio de Melhor Filme foi para “Jang-e jahani sevom” (Terceira Guerra Mundial), de Houman Seyedi (Irã 2022), o Prêmio de Melhor Diretor a Tizza Covi E Rainer Frimmel para “Vera” (Áustria 2022). Prêmios pelo conjunto da obra também foram para Paul Schrader como diretor ea Catherine Deneuve como atriz.

O júri da Federação Internacional de Críticos de Cinema (FIPRESCI) atribuiu o prémio da competição internacional a “Argentina, 1985” e o da secção Horizontes a “Autobiografia” de Makbul Mubarak (Indonésia, França, Alemanha, Polônia, Cingapura, Filipinas, Catar 2022). “Argentina, 1985” também obteve uma menção honrosa do júri SIGNIS, que premiou “Chiara” de Susana Nichiarelli (Itália, Bélgica 2022).

Para mais informações: www.inter-film.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Consulta Metodista: Adoração, Reflexão, Festa.  FOTO

Consulta Metodista: Adoração, Reflexão, Festa. FOTO

Um instantâneo do trabalho - cortesia de Greetje van der Veer Roma (NEV), 22 de maio de 2023 – Fechou ontem em Ecumene (Velletri), com o culto da Renovação da Aliança, a Consulta Metodista. Marcação habitual das igrejas metodistas da Itália, a Consulta reuniu delegados de toda a Itália. As três palavras que acompanharam o encontro, disse o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, foram: adoração, reflexão, celebração. O versículo escolhido para a Consulta de 2023 é retirado de Romanos 5:1-2: "Justificados, pois, pela fé, temos paz com Deus, por Jesus Cristo, nosso Senhor, por meio de quem também tivemos, pela fé, acesso a esta graça na qual permanecemos firmes”. Entre os destaques, o relatório do Comitê Permanente da OPCEMI. Ação social das igrejas metodistas e colaborações intereclesiásticas são apenas alguns dos temas abordados ao longo do trabalho. O pastor Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), introduziu a discussão. Intervieram também o Coro Nacional do Gana e alguns elementos do Coro da Igreja Metodista Coreana de Roma. A Consulta Metodista representa um importante momento de reflexão para definirmos juntos a visão do presente e do futuro da OPCEMI. O próximo compromisso é o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, que será realizado no final de agosto na Torre Pellice, na província de Turim. Mais informações sobre o NEV em breve. Abaixo está uma galeria de fotos. artigo anteriorEm 28 de maio adoração evangélica de Pentecostes na EurovisãoPróximo artigoLuteranos e ortodoxos: 40 anos de diálogo Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
batistas.  Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Começa em Roma o Festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 4 de setembro de 2013 - A história dos batistas em nosso país, os desafios da sociedade italiana, o acolhimento dos estrangeiros, as relações intergeracionais, as "igrejas verdes" e a salvaguarda da criação, o mundo da prisão, as relações com os outros igrejas protestantes. Estes são apenas alguns dos temas que serão abordados durante os quatro dias da Festa Batista, que acontecerá em Roma de 5 a 8 de setembro próximo. O evento será aberto amanhã à tarde com um culto presidido pelo pastor Raffaele Volpe, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Os momentos de reflexão previstos pelo programa (www.ucebi.it) são muitos, a partir das oficinas organizadas principalmente pelos departamentos de teologia, para as igrejas internacionais e de evangelização da UCEBI. Duas entrevistas públicas também estão planejadas. A primeira, sexta-feira à tarde, no chamado BMV - isto é, a colaboração entre as igrejas batista, metodista e valdense: entrevistar o presidente batista Volpe, a presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Alessandra Trotta , e o moderador da Mesa Valdense Eugenio Bernardini, será Luca Maria Negro, diretor do semanário "Riforma". No sábado de manhã, a Pastora Anna Maffei moderará um encontro sobre a dimensão internacional dos batistas, com intervenções de Tony Peck, secretário-geral da Federação Batista Europeia; Karin Wiborn, secretária geral do Conselho das Igrejas Cristãs da Suécia; e Regina Claas, vice-presidente da Aliança Batista Mundial. Também na tarde de sábado, a imigração, o meio ambiente e a política serão discutidos em uma conferência moderada por Gian Mario Gillio, diretor da revista "Confronti", que contará com a presença de Franca Di Lecce, diretora do Serviço de Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Herbert Anders, membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, e Mercedes Frias, ex-deputada do Parlamento italiano. Uma exibição documental sobre a história e os princípios batistas estará em exibição durante todo o Festival. A programação do Festival será apresentada amanhã, quinta-feira, 5 de setembro, em entrevista coletiva a ser realizada às 13h na sala de imprensa da Câmara dos Deputados na via della Missione 4. Além do presidente da UCEBI Raffaele Volpe, o teólogo batista Também falarão Elizabeth Green e o parlamentar Luigi Lacquaniti. ...

Ler artigo
“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

Detalhe de uma obra de Oswaldo Guayasamin Roma (NEV), 14 de agosto de 2020 – Filipe Adolfopastor da Igreja Evangélica Luterana no Equador e ex-presidente e secretário do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI), recorda com carinho e emoção o encontro que teve em 1992 com o bispo, teólogo e poeta Pedro Casaldáligaque faleceu há uma semana, aos 93 anos. "A Felipe, irmão no espírito de Jesus e na missão solidária da única Igreja universal que Ele ama" diz a dedicatória escrita por Casaldáliga sobre o livro "Espiritualidad de la Liberación", do próprio Casaldáliga e José María Vigil, que Adolf queria compartilhar com a Agência NEV. De origem catalã Casaldáliga, no Brasil desde 1968, foi consagrado bispo em 1971 na Prelazia de São Félix do Araguaia-MT. Ele se aliou às populações indígenas e camponesas que haviam sido expulsas de suas terras devido ao avanço dos latifundiários. Sua carta pastoral de 1971 “Uma Igreja na Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social” lhe custou várias ameaças de morte e várias tentativas de expulsão do país pela ditadura militar. “Quando pessoas como Pedro Casaldáliga nos deixarem – disse Adolf à Agência NEV – digamos que a floresta está acabando porque a 'queda' de uma árvore como essa tira o oxigênio vital da vida. Sua vida sacerdotal foi toda vivida no Brasil, na Amazônia, ao lado dos mais pobres dos pobres que hoje choram sua partida”. Adolf recorda o encontro com o teólogo católico e o diálogo entre eles sobre o tema da espiritualidade: “A sua fé baseava-se numa espiritualidade libertadora e macro-ecuménica; o ecumenismo não deve ser vivido apenas entre as igrejas, mas em unidade com as populações mais pobres e marginalizadas e, neste sentido, Casaldáliga participou ativamente das Assembleias do Povo de Deus na América Latina. Para ele, espiritualidade é vida e não sistematização teórica, mas é justamente essa espiritualidade vivida em termos de libertação que tem custos políticos”. “O bispo hispano-brasileiro – lembra Adolf – nunca se cansou de imaginar uma verdadeira igreja latino-americana e disse: 'Temos o direito e o dever de ser nós mesmos, aqui e agora, e viver nosso tempo de maneira cristã. Ser aqui a Igreja universal de Jesus, mas com rosto indígena, indígena-afro-latino-americano'”. “O livro “Espiritualidad de la Liberación” – continua Adolf – deve ser um guia para os viajantes. O vento do Espírito não se prende e 'sopra onde quer' movendo e renovando corações e estruturas. Este volume, como se diz no Prólogo, testemunha a existência de 'santos patriarcas e matriarcas indígenas e negros, de mulheres heroicas do povo - índios, negros, mestiços crioulos -, de trabalhadores do campo, das minas, na indústria, nos rios, a multidão de santos inocentes – prematuramente martirizados – e toda a legião de filhos e filhas do único Deus que tem muitos nomes, que compôs a totalidade da espiritualidade latino-americana antes e depois de 1492'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.