“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

“Os direitos humanos são a coisa mais importante”

Martin juge. Foto FLM/Albin Hillert

Roma (NEV/CELI CS11), 30 de abril de 2021 – É o convidado de honra do Sínodo Luterano, totalmente digital pela primeira vez e encerrando amanhã. Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), trouxe ao Sínodo uma profunda reflexão sobre o sistema. Papel da igreja, direitos humanos, ecumenismo, tradição e inovação, justiça de gênero. Estas são apenas algumas das palavras-chave usadas por Junge, que falou para quase 100 pessoas reunidas para a 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Título do atual Sínodo: “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja”.

O secretário da FLM, Junge, falou da misericórdia como uma “preocupação evangélica profundamente espiritual” e dos direitos humanos como “o desenvolvimento cultural e histórico mais importante do século XX”. A pandemia questionou os sistemas e o conceito de liberdade. Além disso, no contexto atual, é necessário defender-se prontamente contra a intolerância, o ódio e a violência. Fenômenos que parecem estar crescendo e estão chamando as igrejas e a sociedade como um todo para intervir. A indiferença, para Junge, é um dos males de nosso tempo. “A misericórdia é a antítese da indiferença”, diz o secretário-geral, que nos chama a superar estes tempos “de competição implacável e lutas raivosas pela supremacia ou sobrevivência”.

“Você já amou o seu próximo o suficiente?”

Essa é uma das questões sobre as quais Junge quis refletir, lembrando que na história esse é o “pedido constante de Jesus diante da violência, da exclusão e da opressão”. Um pedido de amor e justiça. O próprio Jesus lutou “diante da mulher adúltera, do publicano, das crianças, da estrangeira siro-fenícia, e sempre fez a pergunta implícita ou expressa abertamente: onde está a misericórdia?”

Quebre o ciclo da violência

E é «o que representa, em última análise, a cruz de Cristo, a última tentativa de Deus de afastar a desgraça de nós, seres humanos, de quebrar o ciclo da violência, da exclusão e da marginalização, com o próprio Deus a expor-se e a entregar-se a esta violência e marginalização ao portas da cidade de Jerusalém”.

Trabalho com refugiados

Quando cerca de 50 milhões de refugiados estavam em movimento na Europa após a Segunda Guerra Mundial, o Serviço Mundial da WLF foi estabelecido. As igrejas luteranas em todo o mundo ainda hoje colaboram na ação humanitária global no espírito da caridade cristã. Junge usou palavras de apreço pelo trabalho diaconal na Itália, incluindo o chamado “Dublinati”, e acrescentou: “Seu trabalho na área está em maravilhosa harmonia com nosso trabalho global. Sim, mais do que isso, nosso trabalho global, com quase 3 milhões de pessoas que apoiamos todos os anos em parceria com a Agência das Nações Unidas para Refugiados, pega seu trabalho e o expande em escala global. […] junto com as 148 Igrejas membros da FLM vocês fazem parte integral deste trabalho”.

O futuro da igreja

Junge então abordou grandes questões atuais, incluindo a crise de valores na Europa e além: solidariedade, democracia, estado de direito, direitos humanos, liberdade de imprensa.

“Um silêncio insuportável caiu sobre os direitos humanos hoje. Ainda os considero a mais importante conquista cultural e histórica do século passado. A ausência deles abre a porta para o arbítrio, violência e terror, um pesadelo para todos os que vivem vidas estigmatizadas e oprimidas e, em última análise, um pesadelo para todos sem distinção”, continuou Junge.

“Precisamos de fundamentos confiáveis, um sistema de coordenadas que nos ajude a classificar a imensurável complexidade da vida, dos relacionamentos e das diversas áreas da vida em que nos movemos. A incerteza e o medo se espalharam. E onde isso acontece – continuou o secretário –, o tom da interação fica mais áspero. As sociedades se polarizam em campos opostos, muitas vezes em uma irreconciliabilidade dissonante. Vivemos em uma época em que parece difícil viver Junto. Da proximidade passamos à inimizade. Da cooperação ao confronto. Vivemos em uma era de crescente alienação uns dos outros. E então a pandemia vem e joga tudo em mais confusão.” Quanto às perspectivas para as igrejas, Junge disse: “O futuro da igreja não está em seu passado. A pretensão de querer ser igreja hoje como foi igreja ontem falhará”. E, citando um teólogo americano de origem eslovaca, disse: “A tradição é a fé viva de pessoas que já morreram, à qual podemos acrescentar nosso capítulo, desde que tenhamos o dom da vida. O tradicionalismo é a fé morta de pessoas vivas que temem que todo o edifício desmorone se você o mudar”.

gênero

Finalmente, em seu discurso articulado, Junge abordou os temas da justiça de gênero e do ecumenismo, também do ponto de vista teológico. Sobre o tema “gênero”, Junge concluiu: “A questão da justiça de gênero está profundamente enraizada na mensagem libertadora de Jesus Cristo e, portanto, é uma questão relevante e importante que a Igreja deve abordar neste momento”.

E agora, na Itália, a Comissão de Justiça do Senado agendou a discussão do projeto de lei Zan (ddlZan) contra a discriminação e a violência com base na orientação sexual, gênero, identidade de gênero e capacidade (após discussões acaloradas e alegações obscuras que duraram semanas).

No contexto italiano, portanto, ressoam com particular força as palavras de Junge: “Em última análise, trata-se de compreender a que tipo de partilha nos conduz a mensagem libertadora de Jesus Cristo, que no fundo diz que Deus nos acolhe e nos liberta para viver nossas vidas, não com base no que fazemos ou em quem somos, mas com base em quem Deus é e no que Deus faz por nós em Jesus Cristo. Esta é a mensagem central da justificação somente pela fé. […] O Apóstolo Paulo diz em sua carta aos Gálatas, lembrando à comunidade que as diferenças e categorias existentes com as quais tentamos distinguir, separar e às vezes subordinar as pessoas umas das outras são, do ponto de vista de Deus, irrelevantes, senão contrárias ao que fez em Cristo: nem grego nem judeu, diz Paulo, nem escravo nem livre, nem mulher nem homem, mas um em Cristo (Gálatas 3:28)”.

Questão de números?

Finalmente, o secretário-geral da Federação Luterana Mundial Junge também mencionou os temas da reconciliação, da Ceia do Senhor, das feridas ainda abertas entre confissões e possíveis saídas. E falou de números, uma questão que se faz sentir particularmente num contexto minoritário como o das igrejas luteranas e protestantes na Itália, mas “se o crescimento só é o horizonte da Igreja… algo está errado. O importante são os conteúdos, é com eles que queremos chegar ao maior número de pessoas. Primeiro vem o conteúdo, depois o crescimento. Não o outro”.

Para saber mais:

leia a entrevista com Martin Junge

Leia o discurso completo de Martin Junge no Sínodo

Veja todos os especiais do Sínodo Luterano 2021

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

Foto de Kenny Eliason/Unsplash Roma (NEV/CS14), 30 de maio de 2023 – Tempo de escolhas para quem decide não frequentar a aula de religião católica na escola. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) recorda isso. De 31 de maio a 30 de junho, de fato, é preciso manifestar preferência por uma das opções alternativas à aula de religião católica. Coincidindo com a abertura das inscrições para o ano letivo 2023/2024, o balcão “Escola, laicidade, pluralismo” da FCEI disponibiliza um novo “manual” para o exercício do direito de não usufruir do ensino religioso católico. O documento oferece "esclarecimentos para uma escolha informada" e analisa as várias opções possíveis. Além disso, aborda a questão do crédito escolar, explicando como e por que o autoestudo também participa da definição dos créditos escolares para o arredondamento da média. A Sportello também está à disposição para auxílio na realização do procedimento online. Em um manual anterior, também online, o Sportello coletou algumas perguntas frequentes sobre o assunto. Caso seja decidida a não utilização do IRC, os alunos e famílias são chamados a proceder a uma nova escolha entre as possíveis atividades alternativas previstas na legislação em vigor. Esta escolha deverá ser efetuada através do preenchimento do formulário C SHEET na função específica do sistema “INSCRIÇÃO ONLINE”, ligado a cada escola, acessível apenas no período de 31 de maio a 30 de junho de 2023 com recurso às credenciais SPID, CIE ou eiDAS. Entre as coisas a saber, para quem escolhe o chamado "horário alternativo", está a obrigação da escola de organizá-lo mesmo que seja para apenas um aluno. Além disso, ao contrário do que se possa pensar, a ativação do horário alternativo não envolve nenhum custo adicional porque a atividade é financiada por fundos ministeriais e não pelos orçamentos de cada escola. Portanto, a escola não pode apresentar razões orçamentárias. Além disso, “Não existe um número mínimo de alunos necessário para a ativação da disciplina alternativa. Mesmo na presença de um único aluno que tenha optado por atividades alternativas de ensino e formação, a escola é obrigada a garantir a efetividade do direito de escolha. Isso significa também que, uma vez designado para lecionar a disciplina alternativa, o professor é obrigado a exercer tal ensino, não podendo ser utilizado pela escola para cobrir faltas ou suplentes que coincidam com o horário letivo da disciplina alternativa. Nenhum impedimento de ordem organizativa, económica ou outra pode ser invocado pelas escolas pelo atraso ou, no pior dos casos, pela não ativação desse ensino”, escreve o advogado. Ilaria Valenzipessoa de contato do Sportello e consultor jurídico da FCEI. Finalmente, a questão dos créditos escolares. Quem não frequenta a aula de religião fica com crédito escolar ou, caso contrário, a sua escolha penaliza-o, subtraindo uma nota à avaliação final? “A este respeito, pretendemos esclarecer alguns aspectos – lê-se no documento -. Sabemos, porém, que as situações individuais variam de escola para escola e, demasiadas vezes, as indicações da lei estão sujeitas a interpretações nem sempre coerentes, acabando por atribuir um peso excessivo à aula de religião”. O julgamento do professor do IRC, no entanto, “não tem valor obrigatório na determinação do quadro final da média geral do aluno. Recorde-se ainda que, caso tenha optado por atividades de ensino e formação (a 'disciplina alternativa'), o professor responsável por esse ensino participará nos conselhos de turma e manifestará a sua opinião sobre o aluno, no da mesma forma que acontece na hora da religião”. Para pedidos de ajuda e mais informações, baixe o novo manual ou escreva para [email protected] ...

Ler artigo
“Cuidem-se”

“Cuidem-se”

Matheus Ferrero, unsplash Roma (NEV), 3 de janeiro de 2022 – Encontrar energia e impulso para concretizar o compromisso de cuidar uns dos outros. Não no sentido privado mas na dimensão mais pública, que vai “além da simpatia e do conhecimento”, ou seja, cuidar dos outros, de todos os outros. Esta é a mensagem central do vídeo com o qual o moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta queria enviar votos de felicidades para 2022. Aqui o vídeo completo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=6gSIkgW_F6M[/embed] De chiesavaldese.org. artigo anteriorUma noite em um jantar com Desmond TutuPróximo artigo501 anos atrás, a excomunhão de Martinho Lutero Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
“Construindo juntos o futuro luterano”

“Construindo juntos o futuro luterano”

Cordelia Vitiello, Jerusalém 2022. Ao fundo o Monte das Oliveiras Roma (NEV), 28 de junho de 2022 – O Conselho da Federação Luterana Mundial (WLF) concluiu recentemente em Genebra. Nós perguntamos Cordelia Vitiellomembro do Conselho e representante legal do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), para nos contar sobre essa experiência. “Reencontramo-nos pessoalmente depois de dois anos – disse Cordelia Vitiello -. Foi a primeira experiência do novo Secretário Geral, Rev. Anne Burghardt. o arcebispo Panti Filibus Musapresidente da FLM, abriu oficialmente a reunião na assinatura dos versículos de Colossenses 1:9-20”. A agenda é sempre muito densa e, em particular, houve um foco no planejamento da próxima Assembleia Geral a ser realizada em 2023 em Cracóvia sobre o tema da identidade luterana e das mulheres nos ministérios ordenados (“Lutheran Identity and women in ordenado minister”) . Além disso, informou Vitiello, foram discutidos os relatórios das diversas Comissões. "Meu mandato mudou - disse Vitiello -, sendo primeiro na comissão de Serviço Mundial (braço humanitário/operacional da Federação) e agora na de Advocacia e Voz Pública, onde cuidaremos de fortalecer o serviço e o trabalho da igrejas em seu território, à luz das reflexões realizadas nos últimos anos. Entre os temas mais debatidos, a guerra na Ucrânia. A Federação Luterana Mundial conclama o mundo inteiro a orar pelo fim de todos os conflitos. Tivemos também presente no Concílio um jovem luterano russo, que se absteve durante a discussão e cuja presença foi significativa”. Mais desafios luteranos O trabalho também continua em outras frentes, explicou Vitiello: “Faço parte de uma comissão do Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém, onde fui recentemente para a primeira reunião pós-pandemia. Executamos uma variedade de programas internos. Especificamente, sou o referente do grupo para o sistema de qualidade no hospital. É uma comissão trienal, cuja tarefa já me foi confiada no ano passado pelo anterior Secretário-Geral Martin Junge, como também sou presidente da Fundação Evangélica Betânia e do Hospital Evangélico de Nápoles. Na verdade, nessas funções construí uma expertise específica na área”. Quanto à Itália e ao CELI, continuou Vitiello, "será interessante construir o futuro da igreja luterana junto com o novo reitor Carsten Gerdes. Os temas a serem abordados são centrais: a relação do consistório com as comunidades, a comunicação, a captação de recursos, o luterano Otto per mille. Em suma, trata-se de como melhorar nossa organização interna e nossa visibilidade externa. É importante para nós e para o nosso futuro”, concluiu Vitiello. A FLM comemora este ano 75 anos de fundação. O Conselho aprovou quatro declarações públicas sobre fome, pandemias, conflito Israel-Palestina e guerras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.