Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Otto per mille aos valdenses e metodistas, compromisso e esperança

Roma (NEV), 4 de maio de 2021 – A campanha Otto per mille está em andamento para as igrejas valdenses e metodistas. No centro está o tema da mudança: “Mudar o mundo, mudar a terra… e ninguém vai ficar no chão” é o slogan principal, ilustrado pelo cartunista e designer gráfico Takoua Ben Mohamed. O narrador é de Lella Costa e a campanha foi criada pela Web&Com di Sérgio Veludo.

“Num momento tão difícil, marcado pela pandemia e exposto ao risco de miopia, miopia, queremos passar uma mensagem de esperança e empenho, que sabe olhar longe, com confiança, no espaço e no tempo – explica Alessandra Trotta, moderador da Mesa Valdense, em nota publicada hoje no site chiesavaldese.org -. Acreditamos que mudar o olhar sobre os outros e sobre as coisas é o primeiro passo para ajudar a mudar o mundo para melhor. No comercial de rádio e televisão, algumas mulheres testemunham o poder transformador da confiança na mudança, o motor do compromisso em favor dos outros. No final, a imagem, leve mas cheia de esperança, de uma criança pendurada num balão que o levanta, enquanto o slogan remete para a responsabilidade de todos perante o mundo”.

Em 2020 o Otto per mille atribuído à Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses, com base nas assinaturas dos contribuintes, atingiu a cifra de 42,8 milhões de euros. Cerca de 800 projetos na Itália e 450 no exterior foram financiados com esse recurso. Oito milhões de euros foram alocados para financiar intervenções de saúde para terapias ou ações para combater a propagação do COVID 19 e apoiar a recuperação do país a partir das necessidades dos sujeitos mais desfavorecidos ou vulneráveis.

Crescem as participações investidas em “projectos de promoção de modelos de partilha e solidariedade humana como os da habitação social; e o apoio a projetos de integração de pessoas com deficiência e de apoio às suas famílias, entre as mais afetadas nos últimos anos pela redução dos recursos sociais”, explicam os promotores.

Mantém-se também o “significativo compromisso de apoio ao projeto dos corredores humanitários”, promovido pela Junta Valdense com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Comunidade de Sant’Egidio, e outros projetos em favor dos refugiados e migrantes, “na direção do desenvolvimento de sociedades abertas e inclusivas”.

A parcela destinada a intervenções culturais também é expressiva. “Devido à pandemia, o setor da cultura está entre os que mais sofrem – continua Trotta -. Sentimos assim particularmente a responsabilidade de apoiar projetos teatrais e artísticos, de investigação e divulgação sobre temas importantes de compromisso civil e social. Valdenses e metodistas, por outro lado, possuem uma longa tradição de compromisso no campo da educação, salvaguardando e valorizando o patrimônio histórico e cultural e sempre afirmaram que a cultura é um recurso essencial também para o crescimento civil e democrático e para o crescimento econômico e desenvolvimento social do país”.

A campanha Otto per mille de 2021 para as Igrejas valdenses e metodistas termina com um apelo aos contribuintes: “Sua assinatura é a diferença”. “Queremos sublinhar – conclui Trotta – que quem assina pelos valdenses e metodistas também apoia uma forma particular de gestão dos fundos Otto per mille, que podemos definir como transparente, laica e participativa: qualquer pessoa, com um simples acesso ao site www.ottopermillevaldese .org, pode verificar a quem se destinam os valores recebidos do Estado; nenhum euro é destinado ao culto; todos os anos centenas de associações, ONGs, comunidades de vários tipos nos oferecem projetos que financiamos, acompanhamos e monitoramos, porque nos sentimos parte de uma comunidade global de homens e mulheres que nos cinco continentes fazem o possível para mudar o mundo, como construtores de paz, justiça e desenvolvimento sustentável. Uma meta ambiciosa, mas é isso que nossa fé e nossa tradição nos sugerem”.

Os custos totais da campanha são inferiores a 5% dos valores recebidos. Além da publicidade nos principais jornais, estão previstos comerciais de rádio e televisão e cartazes afixados em algumas cidades italianas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

O culto de abertura do Sínodo 2022. Foto de Daniele Vola Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – A um mês das eleições políticas, o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim), manifesta sua preocupação com a tendência à radicalização entendida como recusa ao diálogo e a demonização do adversário político e hoje aprovou uma moção para expressar uma "oração pelo bem da cidade" (Jeremias 29). O Sínodo não se pronuncia sobre o mérito do voto - segundo a sua tradição secular e respeitando as distintas áreas entre Igreja e Estado - e ao mesmo tempo espera dos eleitores e eleitores, especialmente dos cristãos, que a sua livre escolha na urna nasce de um discernimento responsável. Por fim, os Valdenses, conscientes de que muitos não votam porque não têm cidadania, têm pedido a favor do alargamento do direito à cidadania, conscientes de que as escolhas pessoais também recaem sobre aqueles que (ainda) não têm direito à escolher. AQUI O TEXTO COMPLETO do Ato do Sínodo_elections_text.docx ...

Ler artigo
COP27.  Clima, a situação é difícil.  O que podemos “dar em troca”?

COP27. Clima, a situação é difícil. O que podemos “dar em troca”?

Foto FLM/Albin Hillert Roma (NEV), 17 de novembro de 2022 – No site da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Peter Pavlovic* assinar um estudo sobre justiça econômica e ecológica. Reproduzimos a tradução abaixo. O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) confirma que as emissões totais de gases de efeito estufa aumentaram, apesar de todos os esforços, no período 2010-2019, mais do que em qualquer década anterior. A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), em andamento no Egito, visa colmatar a lacuna de credibilidade no processo decorrente do Acordo de Paris e a falta de confiança entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para empreender esse processo. Ambos os lados estão olhando para a mudança climática de diferentes perspectivas. Os países desenvolvidos o veem como uma oportunidade de mudança, os países em desenvolvimento o veem como o momento em que os países ricos devem reconhecer que seu bem-estar foi amplamente alcançado nas costas do mundo pobre e menos desenvolvido. Eles esperam que os países ricos paguem um preço justo pelo bem-estar de que desfrutam e que contribuam significativamente, compensando financeiramente o sofrimento que os impactos das mudanças climáticas trouxeram para as partes do mundo que não os causaram e, finalmente, para permitir um caminho em direção a uma futuro justo, equitativo e sustentável para todos. O aquecimento global em curso e os impactos cada vez mais devastadores das mudanças climáticas fornecem ampla razão para admitir que o tempo está se esgotando. Como expressou um dos líderes mundiais: “O objetivo de manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau, conforme acordado em Paris, ainda está vivo, mas está em terapia intensiva”. Em resposta aos impactos devastadores das mudanças climáticas que afetam pessoas vulneráveis ​​em todo o mundo, a presidência da COP27 lançou uma “Agenda de Adaptação” de Sharm El Sheikh, com o objetivo de melhorar a resiliência dos 4 bilhões de pessoas que vivem nas comunidades mais vulneráveis. Este é o primeiro plano global para um conjunto de ações compartilhadas necessárias até o final desta década para reduzir o impacto das mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, é cada vez mais reconhecido que uma parte significativa do esforço para reduzir a mudança climática deve depender da diminuição da demanda do consumidor nos países desenvolvidos. Os relatórios do IPCC sugerem que a mudança comportamental precisa ser mais estudada. A ciência estima que as estratégias nessa área (a da demanda do consumidor) têm o potencial de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40-70%. Igrejas e religiões têm um papel a desempenhar. Para a maioria das pessoas no mundo, a religião é um dos principais fatores que determinam seus padrões de vida. O papel das igrejas em enfatizar o conceito do mundo como uma criação, que não é nossa propriedade, é mais importante do que nunca. À luz das alterações climáticas, as palavras do Salmo 24: "Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele habitam", a propósito da pergunta suscitada no Salmo 116: "O que retribuo ao Senhor toda a sua generosidade para comigo?” eles exigem uma nova compreensão de justiça e equidade. As igrejas devem elaborar esse entendimento com novo vigor e determinação. *Peter Pavlovic é pastor, faz parte do CEC e da European Christian Network for the Environment (ECEN). Além disso, ele é membro da equipe ecumênica liderada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) na COP27 no Egito. Foto Valter Hugo Muniz/CEC Ainda hoje, durante a COP27, foi realizada uma oração ecumênica entre outras coisas. Hospedado pelo Patriarcado Copta Ortodoxo, Diocese de South Sinai, foi realizado na Catedral do Céu em Sharm el-Sheikh. Tema: “Ó Senhor, contempla a obra das tuas mãos”. Na foto, o Metropolitano Seraphim Kykkotis Zimbábue. Além disso, o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) lançou recentemente uma Declaração sobre a COP27, chamando-a de "uma oportunidade crítica" para revisar o roteiro para um amanhã sustentável. Na Declaração, o CMI observa que existem comunidades e nações que já lidam com os impactos catastróficos da mudança climática, mas cujos apelos urgentes não foram atendidos por outros membros da comunidade internacional. ...

Ler artigo
Trabalhar.  Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

Trabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

9 de janeiro, Mannheim (Alemanha). “Rumo a uma digitalização sustentável”. Encontro do caminho para o bem-estar nas sociedades e locais de trabalho digitalizados promovido pela rede “Church Action on Labor and Life” - Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Roma (NEV), 12 de janeiro de 2023 – O seminário intitulado "Rumo a uma digitalização sustentável" foi realizado em 9 de janeiro em Mannheim, Alemanha. A reunião representa um passo fundamental na jornada de bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados promovidos pela web “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Da Itália participou do encontro Antonella Visintin, da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O seminário, segundo de dois, conclui o projeto Erasmus+ promovido pelo CALL e é apoiado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e cofinanciado pela União Europeia. A rede CALL, constituída em 2010 no seio do mesmo KEK, propõe desde 2017 uma reflexão sobre os efeitos da digitalização na sociedade e nos locais de trabalho. “Este tema é muito dinâmico do ponto de vista tecnológico, mas também como um desafio para a sociedade” lê-se no relatório final do seminário. Trabalho, ética, economia. Uma trama para o bem-estar social “A vida na Europa continua a ser marcada por crises financeiras, económicas, sociais e de emprego. Estas realidades dizem respeito a muitas pessoas e famílias na Europa, incluindo as pessoas que compõem as Igrejas membros da CEC – escreve a rede CALL -. A CEC monitora as políticas europeias voltadas para a superação dessas crises”. O ponto de vista é o da fé: “Vamos refletir sobre como nossa experiência e nossas tradições teológicas podem contribuir para uma política europeia socialmente inclusiva e sustentável. O KEK abordou a questão do trabalho e suas implicações econômicas e sociais desde o ponto de vista da teologia cristã, apoiando também o trabalho de nossa rede” continua o relatório. Para os anos de 2022 e 2023, a rede CALL recebeu financiamento para um projeto ERASMUS+ da educação de adultos sobre a ética da digitalização sustentável em uma abordagem global. Essa abordagem considera aspectos sociais, ecológicos e econômicos. O projeto é liderado pela Igreja Luterana da Finlândia e Alemanha. Abriu com uma conferência em Estrasburgo (França) e envolveu vários atores, incluindo representantes do Parlamento Europeu. Rumo à digitalização sustentável Nos últimos anos, o CALL já havia promovido uma série de webinars, os “CALL Talks”, sobre aspectos técnicos e teórico-éticos; da transição digital do trabalho e da vida; ao teletrabalho; até a sustentabilidade em TI. Em 2020, o CALL também emitiu uma declaração sobre a incerteza e o agravamento da desigualdade durante a pandemia do COVID-19. O documento denuncia a brecha social digital caracterizada pela aceleração das capacidades digitais, por um lado, e a exclusão de muitas pessoas, por outro. As duas oficinas, uma em Helsinki e a segunda em Mannheim, definiram o processo de criação de “uma bússola ética para a digitalização sustentável em três níveis: ecologia, economia e relações sociais. O processo organizou-se num diálogo dirigido a políticos, autoridades, empresas, sindicatos e decisores de diferentes níveis, bem como organizações eclesiásticas”, escreve novamente a rede CALL. Que termina com o relato de algumas boas práticas de empresas e iniciativas locais das igrejas (por exemplo a campanha para um sustento digital na Alemanha) e outros projetos, apresentados e discutidos numa perspetiva ética. As diretrizes éticas "Rumo à digitalização sustentável" sairão posteriormente do seminário de Mannheim. Para saber mais sobre a rede CALL, clique abaixo: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.