2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo.  O compromisso valdense e metodista

2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo. O compromisso valdense e metodista

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo (WAAD) é celebrado todos os anos em 2 de abril, um evento que vê o compromisso concreto do Otto per Mille da Igreja Valdense em primeiro plano: na verdade, existem mais de 100 projetos que são apoiados financeiramente todos os anos graças às assinaturas dos contribuintes italianos.

“Como uma Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense, e como crentes, ele comenta Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense, estamos empenhados em estar a serviço dos mais vulneráveis: os fundos Otto per Mille nos permitem, portanto, apoiar muitas associações (muitas vezes compostas por pais) que agem para oferecer crianças e para as meninas, uma chance de uma vida melhor. Os projetos dedicados a crianças e adolescentes autistas preocupam-se principalmente com a possibilidade de oferecer oportunidades de socialização para aumentar a autoestima e fortalecer o caminho para a autossuficiência, começando pelas pequenas coisas do dia a dia”.

Entre as iniciativas mais significativas relacionadas com o mundo do autismo, o Centro BUM em Pinerolo, na província de Turim, também com sede em Grugliasco, é gerido diretamente pela Diaconia Valdense: “Em acordo e em rede com a ASL e os Serviços Sociais , explica Loretta Costantino, Responsável do Centro, oferecemos projetos de intervenção multidisciplinares para crianças e jovens dos seis aos 12 anos. Graças ao Otto per Mille, podemos ajudar financeiramente as famílias que utilizam serviços não contratados, garantindo o acompanhamento específico dos vários projetos e promovendo a formação contínua e fundamental do pessoal. O apoio de Otto per Mille também nos permite implementar redes territoriais para a criação de novos projetos voltados para a conscientização de uma comunidade inclusiva e aberta à convivência das diferenças”.

A Igreja Valdense, a União das Igrejas Metodistas e Valdenses, contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e em o mundo.

O Otto per Mille pode ser doado por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Confie em uma “temporada de direitos civis”.  Entrevista com Fausto Tortora

Confie em uma “temporada de direitos civis”. Entrevista com Fausto Tortora

Aaron Blanco Tejedor, unsplash Roma (NEV), 14 de março de 2023 - O "Especial de Liberdade Religiosa" da Agência NEV continua com a voz de Fausto Maria Tortora, vice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, que promoveu a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Entre os parceiros da iniciativa, também a Revista Confronti e Centro de Estudos, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Para ver o especial completo, clique AQUI. Entrevista com Fausto Tortora. A Fundação da qual o senhor é vice-presidente organizou recentemente a conferência intitulada: “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Que equilíbrio você gostaria de fazer em termos de participação e conteúdo? A conferência a que se refere e da qual a Fundação Lelio e Lisli Basso foi uma das organizadoras, a partir de uma solicitação que nos foi enviada por um grupo de Magistrados altamente qualificados, foi sem dúvida um sucesso. Em primeiro lugar, após a pandemia e os consequentes métodos de encontro que todos sofremos, ver salas cheias, estilos de interlocução não mediados por telas de computador, foi emocionante. Mas, ao lado desses dados (que não são puramente quantitativos), eu diria que conseguimos uma conversa de primeira, que foi recebida por um público generoso e atento. Acredito que acima de tudo temos evidenciado a necessidade e uma vontade coletiva de repropor o grande tema da liberdade religiosa neste país, sem tabus nem timidez. Todas as confissões religiosas que convidamos sabiam e quiseram aproveitar para reconhecer o local da Conferência como um lugar para relançar uma batalha pela civilização e pela liberdade. E a amplitude, mesmo internacional, dos oradores deu um forte prestígio a toda a iniciativa. Na sua opinião, quais são as principais resistências da política em relação à questão da liberdade religiosa? Ignorância e preguiça intelectual: estes são os dois pólos que explicam a estagnação da política italiana nesta matéria. Gostaria de fazer um questionário entre os nossos parlamentares: deputados e senadores, para saber quantos deles sabem se movimentar no "mundo das religiões", além dos boatos. No entanto, a realidade da Itália, país de imigração, obrigaria qualquer figura que ocupe um cargo público a saber para decidir, pelo menos para questionar além dos clichês. E, no entanto, testemunhas do pluralismo religioso habitam nossas próprias casas, os bairros de nossas cidades: do lojista ao "pizzettaro", da empregada à auxiliar de idosos ou à enfermeira que encontramos nos mesmos hospitais públicos. Digo também preguiça intelectual porque para muitos políticos o lema "quieto não se mexa” parece ser o imperativo válido para qualquer temporada. Também por isso, que mesmo sob o impulso do atual pontificado poderia permitir que os “católicos” obedientes ousassem alguma manifestação de secularismo, ou melhor, de liberdade e, talvez, de maior fidelidade aos valores e à mensagem do Evangelho. Do ponto de vista, porém, da sociedade italiana: na sua opinião, existe o medo do pluralismo religioso? Ou estamos diante de uma incapacidade coletiva e mútua de reconhecer as próprias identidades e as dos outros? Também neste caso eu falaria de ignorância: medo resultante da desconfiança ou desconhecimento do outro. O que é certo é que, se a política não fizer o seu trabalho, principalmente educacional, e fomentar a competição em vez do espírito de coesão, os fechamentos culturais em vez da curiosidade sobre a diversidade que cada um de nós traz, os problemas conflitantes estão destinados a aumentar e, talvez, , alguém poderia obter uma vantagem política mesquinha e míope. Claro que, deste ponto de vista, a escola é a instituição fundamental, e não só para as crianças e jovens, mas também para as famílias e as comunidades: também assim se derrubam os muros e se cria a cultura comunitária. Ele acha que esse assunto pode ser tratado considerando todos os aspectos da questão, incluindo: o estado laico; símbolos religiosos, edifícios e roupas; ensino da religião católica nas escolas públicas; disponibilidade e transparência na aplicação dos recursos (oito por mil in primis)? Se eu não confiasse que não só deveria, mas poderia dar conta do assunto, aproveitando inclusive a "janela histórica" ​​oferecida pela atitude de um papa da Igreja Católica que vem do "fim do mundo ", certamente não teria me comprometido com a Fundação onde trabalho. Em vez disso, sinto um novo interesse na temporada dos direitos civis e, portanto, no declínio dos privilégios anti-históricos que a denominação majoritária tem desfrutado há alguns séculos. Neste contexto, não considero tabu discutir publicamente os 8 por mil e a sua utilização, mas acima de tudo gostaria de uma discussão pública sobre o privilégio do ensino (e dos professores) da religião católica nas escolas e sobretudo sobre o escândalo dos capelães militares: padres empregados nas fileiras do exército na época da terceira guerra mundial em pedaços. ...

Ler artigo
Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Roma (NEV), 4 de maio de 2023 – O decreto do governo sobre imigração agora é lei. Para as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “isso não é uma boa notícia”. Segundo Ero Straniero, seria uma medida: "inadequada face às entradas de trabalho no nosso país dado que, apesar das proclamações sobre o aumento regular dos fluxos, das promessas ao mundo produtivo carente de mão-de-obra e das intervenções mínimas para maior agilidade dos procedimentos, o sistema de contratação de estrangeiros continua sendo o, insuficiente e ultrapassado, de vinte anos atrás. Nem mesmo os previsíveis resultados do click day de 27 de março do ano passado, com mais de 240.000 pedidos de emprego contra 82.000 vagas disponíveis, serviram para pressionar o governo a dar um passo à frente e permitir que todos os empregadores que o solicitassem pudessem contratar o homem e trabalhadoras de que precisam nos próximos meses; desumano porque limita o acesso à protecção especial e priva milhares de pessoas que já se encontram em Itália e que aqui construíram relações e estabeleceram laços familiares e laborais, da possibilidade de sair da invisibilidade, obrigando-as novamente a viver na precariedade e provocando a criação constante de irregularidade; ilegítimo porque o respeito pela vida privada e familiar é um direito consagrado no artigo 8.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem (CEDH) e o nosso país tem a obrigação de assegurá-lo e não de negá-lo, como de facto prevê a intervenção do Governo sobre proteção especial; inúteis porque continuamos, já há vinte anos, a iludir-nos de que basta construir CPR em todas as regiões e aumentar os tempos de detenção para resolver o problema da irregularidade, quando já se constatou que o número de repatriamentos efectuados todos os anos é muito menor do que o número de pessoas mantidas nessas estruturas onde o abuso e a violência estão na ordem do dia; errado e contraproducente em termos de inclusão e segurança social porque o sistema de acolhimento é intervencionado cortando serviços e impedindo o acesso ao circuito SAI e o acolhimento generalizado de requerentes de asilo: o governo opta por negar o precioso trabalho de autarcas e organizações da sociedade civil nos últimos anos para uma acolhida voltada para a inclusão nos territórios das pessoas que chegam à Itália e se casa com a abordagem míope e perigosa dos decretos Salvini de 2018 porque se pretende criar precariedade, invisibilidade, exploração, com o objetivo de transformar imigração um problema, um bicho-papão a abalar e não uma oportunidade para a sociedade”. Por isso, hoje a campanha renova seu compromisso de “reformar a gestão dos fluxos migratórios em nosso país e garantir aos estrangeiros que aqui vivem e trabalham dignidade, oportunidade e participação”, conclui uma nota divulgada hoje por Ero Straniero. artigo anteriorVocê não está sozinho! Evangelização e direitos das mulheresPróximo artigoA fabrica Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
“Uma pessoa que acredita em Deus”

“Uma pessoa que acredita em Deus”

Foto de Pietro Romeo/Reforma Roma (NEV), 8 de março de 2023 – 10 anos de papa Francisco. A escolha do nome, ligada a um percurso de pobreza. A cruz de ferro em vez de ouro. Apelo urbi et orbi como "Bispo de Roma". O chamado evangélico ao amor e à misericórdia. A sensação de que uma "transição" estava prestes a se abrir no cristianismo. Esses são apenas alguns dos elementos que caracterizaram as reações do mundo ao novo papa em 2013. Há dez anos, o boletim do NEV e o semanário Riforma reuniram as vozes das igrejas protestantes italianas, européias, mundiais e especialmente latino-americanas. Na celebração do início do pontificado, no Vaticano, estiveram presentes 33 delegações de igrejas cristãs e do movimento ecumênico. Ao assentamento, pela primeira vez desde o cisma de 1054, também Bartolomeu I, o Patriarca de Constantinopla. E depois, entre outros, Olav Fykse Tveitentão Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), representantes da Federação Luterana Mundial (WLF), da Aliança Batista Mundial e da Conferência das Igrejas Européias (KEK). O teólogo valdense Paulo rico comentou assim a homilia: “Ternura, amor, atenção ao outro. Todos os temas evangélicos. Belas palavras, que fazem bem a todos nós precisamente porque são as palavras do Evangelho”. O então moderador da Mesa Valdense, pastor Eugênio Bernardini, escreveu uma carta a Francisco, que começava com "Querido irmão em Cristo". E lembrou-se das semelhanças entre Francisco de Assis E Valdo de Lyon, que na mesma época compartilhou "a ideia de uma Igreja a serviço dos humildes e excluídos, inspirada e renovada pela Palavra de Deus". Bergoglio já conhecia a igreja valdense, que com a emigração do Piemonte se estabeleceu há mais de um século entre a Argentina e o Uruguai. Uma intensa amizade também ligou Jorge Mario Bergoglio ao pastor valdense Norberto Bertonque faleceu em 2010. Entre as reações do início do pontificado, a agência NEV recebeu também a do pároco maria bonafedeque esteve no Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do pastor batista Gabriela Liodo teólogo Fulvio Ferrario. É um editorial de Sérgio Rostagno, com o emblemático título “Francesco?”. Falou-se de luzes e sombras, das ambiguidades relativas às relações com a ditadura na Argentina, mas também de sobriedade, de esperanças de ecumenismo e de caminhos comuns para a afirmação dos direitos humanos e o combate à pobreza. Pedimos ao pároco Massimo Aquilanteentão presidente da FCEI, para nos contar sobre o clima daquele momento. “Lembro-me de três coisas desse período – diz Aquilante -. Imediatamente após a eleição, houve reações cautelosas no mundo protestante que, no entanto, destacou como novidade a eleição de um papa que vem do sul e seu conhecimento dos pentecostais da América Latina. Além disso, houve muitos comentários sobre a escolha de chamar-se Francisco por um jesuíta. A segunda lembrança está relacionada à conferência com Lúcio Caracciolo, Paulo Naso, Núncio Galantino – presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI) – e outros. Limes havia lançado uma edição monográfica dedicada a Bergoglio. Descobriu-se que o Papa Francisco é uma pessoa que “acredita em Deus”. Como se dissesse que este papa não era simplesmente um político, como Woytila, ou um católico ortodoxo, como Ratzinger. Bergoglio é, portanto, um crente 'normal'. Isso me impressionou e gostaria de confirmá-lo, por exemplo, pensando nas meditações matinais que o Papa Francisco fez durante a pandemia. Como protestantes, podemos ser tentados a não ouvir um papa precisamente “como papa”, mas me parece que Bergoglio é acima de tudo um homem de fé, e algumas de suas escolhas o demonstram. Portanto, um fio nos liga que diz respeito à nossa pertença comum a Jesus Cristo. Em terceiro lugar, gostaria de recordar a visita histórica do Papa Francisco ao templo valdense de Turim, onde pediu perdão aos valdenses à Igreja Católica. Gesto que trouxe consigo críticas e oposição interna, que foi seguido por outros, confirmando sua atenção e sensibilidade para com o mundo evangélico e evangélico”. Em suma, poucos meses depois do Sínodo dos Bispos e na sequência do que se pode definir como um percurso sinodal sem precedentes, pode-se dizer que o balanço de dez anos de pontificado do Papa Francisco é positivo. Aquilante conclui: “Esperávamos uma pessoa que pudesse fazer uma mudança no caminho ecumênico. Depois de dez anos, ele tenta novamente, tendo no coração os temas da misericórdia e da caridade. Os bispos têm uma grande consciência histórica, agora trata-se de levar esta mensagem até a base do catolicismo, especialmente italiano, para uma profunda transformação da teologia e da espiritualidade. Como crentes, de fato, devemos tentar superar as contradições entre altos pronunciamentos, por um lado, e uma população cristã que nem sempre está em sintonia com os tempos, por outro”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.