Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Roma (NEV), 13 de maio de 2020 – A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) adere ao dia global de oração anti-covid na quinta-feira, 14 de maio. A iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, que também inclui o Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dirigida a todos os líderes religiosos e povos ao redor do mundo.

Ao meio-dia, milhões de pessoas se reunirão em oração, mesmo que muitas iniciativas sejam planejadas ao longo do dia.

“A adesão da Federação se deve principalmente à ideia básica que animou a convocação desta oração” explica o pároco valdense à agência NEV Pawel Gajewskicoordenadora da seção “Diálogo” da Comissão de Estudos de Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI.

A Federação convida todas as suas igrejas membros e todos os fiéis a se reunirem em oração no dia 14 de maio “só pensando na situação inédita que estamos vivendo – continua o pastor -. É um gesto de solidariedade com todas as pessoas que sofreram perdas, que estão doentes ou que sofrem com a pandemia. Será uma oração de intercessão por todas essas pessoas e um compromisso de ajudá-las, de criar meios adequados para responder às suas necessidades espirituais e materiais”.

Numerosas igrejas locais, crentes individuais, corpos religiosos e ecumênicos também se juntaram à oração global anti-covid, incluindo o grupo de Diálogo Islâmico Judaico-Cristão (DECI) de Florença e a União Hindu Italiana.

Estão previstas reuniões virtuais em plataformas web e orações simultâneas em casas e lares individuais.

“Como FCEI decidimos propor uma oração retirada do dossiê da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, especialmente no 4º dia da semana – conclui Gajewski -. Colocamos à disposição de quem quiser, e pedimos que seja divulgado, compartilhado em grupos, via web ou de outras formas por se tratar de uma oração fortemente ecumênica”.


Oração global de 14 de maio de 2020

Senhor, Deus de amor, de plenitude e de vida,
nós nos voltamos para você em oração e trazemos o sofrimento de nosso mundo e da humanidade da qual fazemos parte.

Em oração lamentamos as muitas vidas perdidas e trazemos a vocês as muitas vidas frágeis dos mais expostos ao vírus.

Na oração, pedimos-te que estejas perto de quem se expõe todos os dias para o bem de todos nos hospitais e locais de trabalho.

Na oração trazemos incertezas para o nosso futuro e o do próximo.

E vamos orar: que o amor e não o medo se torne viral.

Porque se há medo no mundo, não precisa haver ódio também; se houver isolamento, não deve haver solidão; se houver preocupação, não precisa haver mesquinhez também.

Ajude-nos a encontrar novas formas criativas de nos mantermos unidos em espírito e solidariedade.

Hoje alcançamos aqueles que rezam conosco, seja qual for o seu credo, onde quer que vivam no mundo, seja qual for a língua que falem: suas palavras são preciosas, sua humanidade é a mesma que a nossa. Juntos, ajudem-nos a construir um mundo melhor, mais pacífico e solidário.

Dá-nos a alegria da tua presença, segundo a tua promessa: estarei contigo todos os dias da tua vida.

Em nome de Jesus Amém.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cuidar de pacientes em relação à religião

Cuidar de pacientes em relação à religião

Roma (NEV), 12 de abril de 2019 - Cuidar dos doentes significa cuidar da pessoa, em todos os seus aspectos, inclusive religiosos. É por isso que a Autoridade de Saúde Social do CTO Gaetano Pini realiza um curso de formação dirigido a profissionais de saúde, mas aberto a toda a população intitulado: “Acompanhamento da pessoa que sofre e da família nos cuidados de saúde nas três religiões monoteístas e na espiritualidade budista”. No dia 15 de abril, das 14h às 18h, representantes de diversas religiões se sentarão à mesa para conversar com profissionais de saúde e cidadãos e explicar como cuidar dos pacientes, conforme sejam cristãos, islâmicos, judeus ou budistas. O encontro é organizado pela Capelania e Gabinete de Formação da ASST Gaetano Pini-CTO e pelas Associações AILS e ALOMAR, em colaboração com o Grupo Juntos para Cuidar de Nós, nascido do encontro de realidades sanitárias e religiosas Colégio IPASVI de Enfermeiras Milan -Lodi-Monza e Brianza, Biblioteca Ambrosiana, Associação Médica Judaica e Comunidade Religiosa Islâmica Italiana Após cumprimentos do Dr. Francesco Laurelligerente geral da ASST Gaetano Pini-CTO, intervirá Rav Alfonso ArbibRabino Chefe da Comunidade Judaica de Milão, Daniela DiCarlopastora valdense, Abd al-Sabur TurriniDiretor Geral da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (Coreis), Tenzin Khentsevenerável monge budista de tradição tibetana, Mons. Pierfrancesco Fumagallimédico da Ambrosiana. “Muitas vezes encontramos doentes e famílias de diferentes religiões no mesmo quarto que se encontram convivendo durante o período de internação no mesmo ambiente. Por isso, considero importante ajudar os profissionais de saúde a entender como cuidar das pessoas como um todo e aprender a fazer a ponte entre as diferentes religiões, cada uma com suas especificidades e implicações também no tratamento de patologias, em o nome da integração", explica padre Simone, capelão da ASST Gaetano Pini-CTO. ...

Ler artigo
cuidado com as sirenes do populismo

cuidado com as sirenes do populismo

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 11 de fevereiro de 2020 – O Sínodo da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata foi realizado entre 1 e 3 de fevereiro. O site Chiesavaldese.org falou sobre isso com o diácono Alessandra Trottaque foi membro do próprio Sínodo como moderador da Mesa Valdense, órgão máximo de decisão das igrejas metodista e valdense. Trotta destacou a riqueza de fazer parte de uma igreja que tem expressão no Sul do mundo e outra no Norte do mundo, falando de “uma oportunidade única para uma visão alargada e integrada de temas e desafios comuns que a globalização nos apresenta cada vez mais interligados, mas muitas vezes em tensão. Basta pensar no tema da salvaguarda da criação, que a sessão italiana escolheu como tema da noite pública do próximo sínodo”. A moderadora antecipou a ativação de novos programas de intercâmbio, visitas e participação em experiências de formação e se perguntou "Como viver uma grande história de testemunho e resistência ao longo dos séculos, como aquela de onde viemos como valdenses, na qual somos enraizado (para as igrejas do Rio da Prata também feito das agruras e agruras da experiência imigratória), sem fazer dele um objeto de culto, um fóssil a ser guardado numa vitrine de museu mas considerando-o um recurso a ser gasto de forma que seja significativo, compreensível, crível para hoje". Os desafios são grandes: “Aí também paira a palavra crise: econômica, política (com os olhos voltados para o que está acontecendo nas vizinhas Colômbia e Venezuela), mas sobretudo uma crise espiritual e motivacional, que faz caminhar com um olhar baixo que impede vos de reconhecer e valorizar – como pediu contundentemente uma deputada num dos seus discursos – os lugares, os espaços onde, por outro lado, se manifestam o entusiasmo, as energias positivas, as ações proféticas. Um pedido profundamente sentido pelos mais novos”. Entre as palavras-chave enucleadas pelo moderador Trotta: formação, competência, horizontalidade, gênero, corporeidade entendida como trama global de relações e experiências da vida concreta que interagem com o caminho da fé. Uma “formação coletiva sobre o tema da educação cristã, na qual se reconhecem claramente as linhas da teologia da libertação e da educação popular, que caracterizam a reflexão e a prática das igrejas valdenses (e de outras igrejas protestantes) naquela região”. Entre as estratégias que surgiram para o trabalho presente e futuro, a da transformação pessoal e social, a escuta, a formação de "equipes pastorais" de leigos e leigas, a tematização da "realidade predominantemente rural das igrejas […] que na Itália e no mundo são os que sofrem mais que os outros pela falta de reconhecimento (de seus próprios valores e valor) e que mais que os outros sofrem o encanto das sereias dos populismos e dos nacionalismos identificadores agressivos”, argumenta Trotta , que regressa à Itália também com uma segunda "surpresa: a forte preocupação com que olhamos para o crescimento (financeiramente sustentado a nível internacional) dos fundamentalismos evangélicos como uma ameaça à própria existência de Igrejas mais abertas e dialogantes, fez com que alvo de ataques cada vez mais agressivos no quadro de um projeto político que visa a aprovação de leis de cariz confessional, que visam um forte controlo da vida privada das pessoas, limitando direitos e liberdades”. Leia a contribuição completa do moderador Trotta em chiesavaldese.org ...

Ler artigo
igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.