desafios e riscos, entre fé e ecologia

desafios e riscos, entre fé e ecologia

Foto NEV/er

Roma (NEV), 20 de junho de 2022 – Recebemos e publicamos o relatório completo da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) que participou da 14ª Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Ambiente (ECEN ). A Assembleia, intitulada “Os desafios que vivemos”, decorreu de 13 a 15 de junho. Entre os principais temas que surgiram estavam o risco de ecocídio e teocídio; a necessidade de transformação em todos os níveis, espiritual e prático; o desejo de esperança e reconciliação; justiça climática.

Abaixo, a reportagem do GLAM.


O contexto

A European Christian Environmental Network (ECEN) é uma rede que trabalha em estreita colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), bem como com o Conselho das Conferências Episcopais Católicas Romanas na Europa (CCEE). A ECEN costuma organizar uma Assembleia Internacional a cada dois anos. As Assembléias ECEN fornecem uma ampla plataforma ecumênica para cooperação e compartilhamento entre representantes das igrejas anglicana, ortodoxa, protestante e católica romana.

A última Assembleia foi realizada em junho de 2021 em formato online e a anterior foi realizada em 2018 em Katowice, pouco antes da COP24 em que pela primeira vez Greta Thunberg falou em um escritório da ONU.

Os fatores contextuais incluem as diferentes formas como a espécie humana continua a afetar o equilíbrio vital do planeta (incluindo a proliferação de guerras e sua crescente violência nos ecossistemas) e os efeitos em termos de poluição e mudanças climáticas.

Comprometem-se tanto as temperaturas como o ciclo da água (e com ele a hidrelétrica) e a biodiversidade terrestre e marinha.

Face aos compromissos que a ONU tenta arrancar aos Governos durante as Conferências das partes para as alterações climáticas, a mesma Europa que quer ser ambiciosa (o European Green Deal e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050) ainda considera as renováveis ​​como uma diversificação e não uma linha prioritária, mantendo uma dependência energética que corre o risco de passar para terras raras de combustíveis fósseis.

A avaliação dos resultados alcançados pelos esforços dos governos a nível global para reduzir as emissões de CO2 6 anos após a assinatura do histórico acordo de Paris (COP21 2015, que entrou em vigor em 2016) e os novos dados científicos na avaliação do os progressos das alterações climáticas, apresentados no âmbito do 6.º Relatório de Avaliação do IPCC, são motivos de crescente preocupação.

Nesta situação, o networking e a troca de experiências estão se tornando mais importantes do que nunca.

A montagem

Os objetivos da Assembleia ECEN definidos no convite foram:

  • Oferecer um espaço de compartilhamento e intercâmbio de ações ambientais em igrejas na Europa e no mundo, e intensificar o trabalho das igrejas na Europa e a cooperação com parceiros, com atenção especial às preocupações dos jovens.
  • Enfatizar a dimensão ética, espiritual e teológica do compromisso ambiental das igrejas.
  • Destaque os esforços das Igrejas para uma ação global coordenada sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável e apoie o tema do desenvolvimento sustentável e justiça ecológica na Assembleia do CMI 2022 agendada para setembro em Karlsruhe, Alemanha.
  • Fornecer às igrejas orientação e apoio em seu trabalho ambiental e desenvolver sua capacidade de trabalhar em rede, cooperar e agir em conjunto.

As intervenções

Na sessão teológica introdutória, o arcebispo luterano sueco Karl Gustav Hammar (1943) expressou a urgência da mudança e o anúncio da esperança a partir de Romanos 12 e Filipenses 2. Devemos viver na tensão produzida por estar no mundo de forma crítica, não porque estejamos menos expostos ao pecado, mas pela fé , procurando fazer a vontade de Deus, para dar sinais do reino. Devemos deixar-nos guiar pela humildade, feita de justiça e simplicidade, para mudar o exterior.

A teologia deve ser transformadora, kenótica (do grego kenosisesvaziamento), ecológico.

Guiados pela fé, a teologia e a experiência nos dizem que é necessário um novo sistema econômico para superar o consumismo, a legitimação da posse baseada no ego, na propriedade e na violência.

Rute Valério (da Zâmbia, para a Tearfund – uma agência cristã internacional de assistência e desenvolvimento com sede no Reino Unido) enfatizou que a transformação requer cooperação. Além disso, ele falou sobre o papel da impaciência na vida cristã. É tempo de enfrentar os desafios com a oração, a ação, o testemunho da esperança.

Desafios que não são enfrentados com as mesmas ferramentas em diferentes contextos. E isso, segundo Valerio, produz injustiça climática.

No debate, foi mencionado o tema do ecocídio, que está destruindo a resiliência da criação (David Colemann, Escócia). Fala-se também em “teocídio”, considerando que o espírito do mundo vem de Deus, é seu sopro; a extinção foi chamada de blasfêmia.

Mais do que a sessão com deputados do Parlamento Europeu e com o diretor de A Rocha (1983, rede internacional de organizações ambientais de origem cultural cristã), a oportunidade de continuar a refletir sobre os fundamentos da nossa fé foi durante o dedicado painel no 11º Assembleia do Conselho Ecumênico (Karlsruhe, 31 de agosto – 8 de setembro). Durante esta sessão, de facto, emergiram os temas, em particular, da interpretação antropocêntrica das Escrituras, da fronteira entre o humano e o não-humano, do uso de mordomia em vez de parcerias e suas consequências.

Em Karlsruhe, a Assembleia do Concílio Ecumênico deu a si mesma uma indicação cristológica (o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade). Presume-se que o foco no amor, na compaixão, na reconciliação, na cura e na unidade, no contexto de uma emergência de saúde global e de uma guerra multiterritorial, marcará seus documentos na história do Concílio Ecumênico.

Foi dada especial atenção ao envolvimento dos jovens e às suas preocupações específicas relacionadas com o cuidado de um futuro sustentável. A estreita colaboração com o Conselho Ecumênico da Juventude da Europa e com a Federação Mundial de Estudantes Cristãos/Movimento Estudantil Cristão – Europa, foi parte essencial do processo.

Além disso, durante a Assembleia, foram apresentados os materiais para o Tempo da Criação e as iniciativas do movimento sueco www.walkforfuture.se, criado para organizar a peregrinação de 103 dias rumo à COP26.

Por fim, surgiu a preocupação com o futuro do ECEN, em particular no que diz respeito à decisão do CEC de alterar as suas relações organizacionais e financeiras, e de cooperar de diversas formas com as redes que gravitam para ele (ECEN, Rede de Ação da Igreja no Trabalho e na Vida ( CALL) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME).

Os relatórios para a Assembleia estarão disponíveis em www.ecen.org


Para saber mais

Abaixo alguns links compartilhados no chat da Assembleia

https://www.spiegel.de/wissenschaft/abstimmung-im-eu-parlament-vorschlag-zur-taxonomie-faellt-ueberraschend-durch-a-681ff121-6322-43eb-9379-34461966ffe2

https://casa-comun-2022.de/

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

COP28 à vista.  Entrevista com Irene Abra

COP28 à vista. Entrevista com Irene Abra

Roma (NEV), 14 de agosto de 2023 - Irene Abbra é membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além disso, foi embaixadora do clima do Conselho Metodista Europeu e é representante da campanha global Clima SIM, liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Pedimos a ela que conhecesse as novidades e os compromissos em vista da próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28). Esta é a 28ª conferência do clima e será realizada de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023 na Expo City, Dubai. Em uma recente reunião do GLAM, você falou sobre seus próximos compromissos para a COP28. Você pode nos dar alguma antecipação? Estamos pensando em um evento que possa ser uma oportunidade de discussão, encontro e confronto sobre os temas que serão tratados durante a COP28. A ideia é reunir online e envolver vários atores-chave da sociedade civil, dando espaço a testemunhos e experiências sobre sustentabilidade e ação climática. Esta Conferência é particular, antes de tudo pela localização. Estando em Dubai, de fato, acho que será interessante ver como os vários lobistas, principalmente os do petróleo, tentarão se fazer ouvir. Espero sinceramente que, como sociedade civil, como igrejas, como ativistas, também nós possamos nos fazer ouvir. Felizmente as igrejas participam da COP28, elas estão lá e podem fazer suas vozes serem ouvidas. GLAM falou em julho sobre o quanto a mídia italiana está "tratando mal" a questão climática. O que você acha? O tema das mudanças climáticas ainda hoje é tratado superficialmente, e até negado, até mesmo por representantes das instituições. Acho que o que vivemos nos últimos meses e nas últimas semanas é uma evidência clara de que existe uma crise climática em curso. Basta dizer que algumas pessoas, tanto do norte quanto do sul, tiveram que colocar suas vidas em espera e começar do zero, tentando retomar a vida depois do que aconteceu devido ao clima. Um pensamento comum a todos os jovens, penso eu, é como é realmente frustrante ter que viver em um país que dificilmente pode garantir um futuro. Se continuarmos neste ritmo, como podemos ter uma ideia, um pensamento positivo sobre o nosso futuro? Nossos políticos negam a evidência de um problema, de uma emergência que ainda vivemos. Isso pode nos roubar nosso futuro, nossas esperanças. A comunicação e a precisão na escolha das palavras são essenciais, sobretudo nesta altura, porque ajudam a sensibilizar as pessoas para estas questões que afetam o futuro de todos. Este ano ela será novamente embaixadora do clima e ativa na campanha Clima SIM: o que ela fará nessa função e como as igrejas da FCEI podem ajudar? Tanto como referente da Itália quanto como referente do GLAM, um dos meus objetivos é aumentar a presença de jovens cristãos para a sustentabilidade, no ativismo climático. É essencial ter representação e ter uma voz unida quando se trata de justiça climática e crise climática. Portanto, um dos objetivos que nos propusemos como movimento Clima SIM é certamente fortalecer a rede de jovens local e globalmente. Acima de tudo, queremos ser ecumênicos. Somos um movimento que une a diversidade e inclui diversas vozes cristãs. Entre as palavras-chave do nosso compromisso: networking; conhecer diferentes redes juvenis e redes cristãs na Itália; criar um grupo mais forte e estável que também pode ser ouvido como uma voz italiana em nível global. Deste ponto de vista, as igrejas podem certamente ser o nosso melhor suporte, numa perspetiva de intergeracionalidade, tema fundamental quando falamos de futuro, reunindo também experiências passadas, em termos de ensino e soluções, numa comparação aberta. Nossas igrejas também podem nos apoiar por meio de projetos, convidando pessoas que possam compartilhar suas experiências, ativistas. Por fim, podem também tentar ajudar-nos a pensar juntos em soluções concretas, em boas práticas que podemos implementar nas diferentes realidades eclesiais existentes. Em breve haverá o Sínodo Valdense. Que mensagem você gostaria de compartilhar neste importante encontro para as igrejas metodista e valdense? Uma mensagem que gostaria de deixar ao Sínodo Valdense é a de nos distanciarmos um pouco mais de nossas realidades locais e continuarmos a ser promotores desses temas. Fizemos muito progresso nos últimos anos e seria muito importante garantir que nossas vozes, como igrejas valdenses e metodistas, possam alcançar tanto a sociedade civil quanto os líderes políticos e, portanto, nosso governo. Outra mensagem muito importante que gostaria de lançar diz respeito ao diálogo entre as gerações e à necessidade da presença dos jovens também nos processos decisórios de nossas igrejas. Veja também: ...

Ler artigo
um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

Foto retirada do site do CEC Roma (NEV), 21 de junho de 2018 – Na capela do Centro Ecumênico de Genebra, na Suíça, repleta de autoridades religiosas de várias confissões protestantes, ortodoxas e católicas antigas, o Papa Francisco falou da “viagem como uma metáfora”. A oração ecuménica, acompanhada de cânticos, leituras e profissão de fé, abriu com a entrada na capela do Olav Fykse Tveitsecretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Agnes Abuommoderador do Comitê Central do CMI e outras autoridades religiosas junto com Papa Francisco que está visitando o WCC para o 70º aniversário da organização. “O coração nos convida a ir e alcançar uma meta, mas caminhar também é uma disciplina, um esforço. Requer humildade para refazer os próprios passos. Só juntos podemos caminhar bem. Mas o caminhar exige uma contínua autoconversão”, disse o Papa, que continuou: “Caminhar desta forma é um trabalho perdido, porque os interesses das próprias comunidades não são devidamente protegidos, muitas vezes fortemente ligados a filiações étnicas ou orientações consolidadas, sejam elas eles são mais 'conservadores' ou 'progressistas'. Sim, escolher pertencer a Jesus antes de Apolo ou Cefas, de Cristo antes de 'judeus ou gregos', do Senhor antes da direita ou da esquerda, escolher seu irmão em nome do Evangelho e não em si mesmo muitas vezes significa, aos olhos do mundo , trabalhar com prejuízo”. “O ecumenismo – continuou o Papa – é 'um grande empreendimento deficitário'. Mas trata-se de uma perda evangélica segundo o caminho traçado por Jesus: Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas quem a perder por minha causa, salvá-la-á» (Lc 9, 24). Ansiei vir aqui como peregrino em busca de unidade e paz. Dou graças a Deus porque aqui vos encontrei, irmãos e irmãs já a caminho. Para nós, cristãos, caminhar juntos não é uma estratégia para fazer valer mais o nosso peso, mas um ato de obediência ao Senhor e de amor ao mundo, o verdadeiro amor que salva. Peçamos ao pai que caminhemos juntos com mais vigor no caminho do espírito, nada nos separará do seu amor”. Após a oração, uma delegação foi almoçar no Centro Ecumênico de Bossey onde haverá troca de presentes e encontro com os alunos. À tarde, a visita continuará novamente no Centro Ecumênico de Genebra. Uma coletiva de imprensa está marcada para as 14h. Você pode acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Alguns frames do vídeo realizado por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 Roma (NEV), 17 de janeiro de 2023 – A unidade no cristianismo passa pela escuta de outras confissões. Essa, em resumo, é a mensagem do vídeo de lançamento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) que começa amanhã, 18 de janeiro. O texto bíblico que acompanha a Semana, retirado de Isaías 1.17, é “um convite que o próprio Senhor dirige ao seu povo no contexto de uma invectiva muito dura”, diz o pároco no vídeo Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “O povo é repreendido por associar adoração com violência e abuso. E Deus diz: 'Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça'. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão», continua Garrone. Derio Olivero, bispo de Pinerolo e presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo, afirma que “continuamos sonhando que vale a pena construir um mundo mais justo. Trabalhando a seriedade na construção de relacionamentos”. Dionísio de Kotyeonbispo auxiliar do metropolita ortodoxo da Itália Polykarpos, fala em vez disso como é importante "aprender a ouvir as diversas tradições cristãs, nesta unidade visível que tanto falta no mundo contemporâneo". A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 terminará no dia 25 de janeiro. Os textos litúrgicos foram preparados pelos irmãos e irmãs das igrejas de Minnesota. O contexto em que foram escritos é o da morte de George Floyd e eles também se concentram na violência sofrida pelos nativos americanos. O vídeo é editado pelo Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, dirigido por Maria Amata Calò e a supervisão da Direção Nacional de Comunicação Social. “O vídeo situa a Semana no caminho sinodal e sublinha a sua atualidade, num momento histórico de grande conflito”, escreveu Agensir. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=-X_L44z2Dqw[/embed] Para saber mais: Clique AQUI para ver os compromissos na Itália. Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo: Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.