desafios e riscos, entre fé e ecologia

desafios e riscos, entre fé e ecologia

Foto NEV/er

Roma (NEV), 20 de junho de 2022 – Recebemos e publicamos o relatório completo da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) que participou da 14ª Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Ambiente (ECEN ). A Assembleia, intitulada “Os desafios que vivemos”, decorreu de 13 a 15 de junho. Entre os principais temas que surgiram estavam o risco de ecocídio e teocídio; a necessidade de transformação em todos os níveis, espiritual e prático; o desejo de esperança e reconciliação; justiça climática.

Abaixo, a reportagem do GLAM.


O contexto

A European Christian Environmental Network (ECEN) é uma rede que trabalha em estreita colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), bem como com o Conselho das Conferências Episcopais Católicas Romanas na Europa (CCEE). A ECEN costuma organizar uma Assembleia Internacional a cada dois anos. As Assembléias ECEN fornecem uma ampla plataforma ecumênica para cooperação e compartilhamento entre representantes das igrejas anglicana, ortodoxa, protestante e católica romana.

A última Assembleia foi realizada em junho de 2021 em formato online e a anterior foi realizada em 2018 em Katowice, pouco antes da COP24 em que pela primeira vez Greta Thunberg falou em um escritório da ONU.

Os fatores contextuais incluem as diferentes formas como a espécie humana continua a afetar o equilíbrio vital do planeta (incluindo a proliferação de guerras e sua crescente violência nos ecossistemas) e os efeitos em termos de poluição e mudanças climáticas.

Comprometem-se tanto as temperaturas como o ciclo da água (e com ele a hidrelétrica) e a biodiversidade terrestre e marinha.

Face aos compromissos que a ONU tenta arrancar aos Governos durante as Conferências das partes para as alterações climáticas, a mesma Europa que quer ser ambiciosa (o European Green Deal e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050) ainda considera as renováveis ​​como uma diversificação e não uma linha prioritária, mantendo uma dependência energética que corre o risco de passar para terras raras de combustíveis fósseis.

A avaliação dos resultados alcançados pelos esforços dos governos a nível global para reduzir as emissões de CO2 6 anos após a assinatura do histórico acordo de Paris (COP21 2015, que entrou em vigor em 2016) e os novos dados científicos na avaliação do os progressos das alterações climáticas, apresentados no âmbito do 6.º Relatório de Avaliação do IPCC, são motivos de crescente preocupação.

Nesta situação, o networking e a troca de experiências estão se tornando mais importantes do que nunca.

A montagem

Os objetivos da Assembleia ECEN definidos no convite foram:

  • Oferecer um espaço de compartilhamento e intercâmbio de ações ambientais em igrejas na Europa e no mundo, e intensificar o trabalho das igrejas na Europa e a cooperação com parceiros, com atenção especial às preocupações dos jovens.
  • Enfatizar a dimensão ética, espiritual e teológica do compromisso ambiental das igrejas.
  • Destaque os esforços das Igrejas para uma ação global coordenada sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável e apoie o tema do desenvolvimento sustentável e justiça ecológica na Assembleia do CMI 2022 agendada para setembro em Karlsruhe, Alemanha.
  • Fornecer às igrejas orientação e apoio em seu trabalho ambiental e desenvolver sua capacidade de trabalhar em rede, cooperar e agir em conjunto.

As intervenções

Na sessão teológica introdutória, o arcebispo luterano sueco Karl Gustav Hammar (1943) expressou a urgência da mudança e o anúncio da esperança a partir de Romanos 12 e Filipenses 2. Devemos viver na tensão produzida por estar no mundo de forma crítica, não porque estejamos menos expostos ao pecado, mas pela fé , procurando fazer a vontade de Deus, para dar sinais do reino. Devemos deixar-nos guiar pela humildade, feita de justiça e simplicidade, para mudar o exterior.

A teologia deve ser transformadora, kenótica (do grego kenosisesvaziamento), ecológico.

Guiados pela fé, a teologia e a experiência nos dizem que é necessário um novo sistema econômico para superar o consumismo, a legitimação da posse baseada no ego, na propriedade e na violência.

Rute Valério (da Zâmbia, para a Tearfund – uma agência cristã internacional de assistência e desenvolvimento com sede no Reino Unido) enfatizou que a transformação requer cooperação. Além disso, ele falou sobre o papel da impaciência na vida cristã. É tempo de enfrentar os desafios com a oração, a ação, o testemunho da esperança.

Desafios que não são enfrentados com as mesmas ferramentas em diferentes contextos. E isso, segundo Valerio, produz injustiça climática.

No debate, foi mencionado o tema do ecocídio, que está destruindo a resiliência da criação (David Colemann, Escócia). Fala-se também em “teocídio”, considerando que o espírito do mundo vem de Deus, é seu sopro; a extinção foi chamada de blasfêmia.

Mais do que a sessão com deputados do Parlamento Europeu e com o diretor de A Rocha (1983, rede internacional de organizações ambientais de origem cultural cristã), a oportunidade de continuar a refletir sobre os fundamentos da nossa fé foi durante o dedicado painel no 11º Assembleia do Conselho Ecumênico (Karlsruhe, 31 de agosto – 8 de setembro). Durante esta sessão, de facto, emergiram os temas, em particular, da interpretação antropocêntrica das Escrituras, da fronteira entre o humano e o não-humano, do uso de mordomia em vez de parcerias e suas consequências.

Em Karlsruhe, a Assembleia do Concílio Ecumênico deu a si mesma uma indicação cristológica (o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade). Presume-se que o foco no amor, na compaixão, na reconciliação, na cura e na unidade, no contexto de uma emergência de saúde global e de uma guerra multiterritorial, marcará seus documentos na história do Concílio Ecumênico.

Foi dada especial atenção ao envolvimento dos jovens e às suas preocupações específicas relacionadas com o cuidado de um futuro sustentável. A estreita colaboração com o Conselho Ecumênico da Juventude da Europa e com a Federação Mundial de Estudantes Cristãos/Movimento Estudantil Cristão – Europa, foi parte essencial do processo.

Além disso, durante a Assembleia, foram apresentados os materiais para o Tempo da Criação e as iniciativas do movimento sueco www.walkforfuture.se, criado para organizar a peregrinação de 103 dias rumo à COP26.

Por fim, surgiu a preocupação com o futuro do ECEN, em particular no que diz respeito à decisão do CEC de alterar as suas relações organizacionais e financeiras, e de cooperar de diversas formas com as redes que gravitam para ele (ECEN, Rede de Ação da Igreja no Trabalho e na Vida ( CALL) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME).

Os relatórios para a Assembleia estarão disponíveis em www.ecen.org


Para saber mais

Abaixo alguns links compartilhados no chat da Assembleia

https://www.spiegel.de/wissenschaft/abstimmung-im-eu-parlament-vorschlag-zur-taxonomie-faellt-ueberraschend-durch-a-681ff121-6322-43eb-9379-34461966ffe2

https://casa-comun-2022.de/

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a "peregrinação ecumênica" por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas. A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund No centro de sua visita ao CMI intitulada "Caminhando, rezando e trabalhando juntos" estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à "unidade visível dos cristãos", com a "oração ecumênica" que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias. O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco. Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC. O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto. O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI. Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias. Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 - Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em Lampedusa como sinal de boas-vindas. Um momento ecumênico de oração acontecerá na ilha siciliana na próxima sexta-feira, 24 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando. Ele falará pela Federação das Igrejas Evangélicas na Itália marta bernardiniWaldensian, operador do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, que trabalhou alguns anos na ilha. “Pela terceira vez – declara Marta Bernardini – estamos organizando um evento ecumênico em Lampedusa para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Todos os anos procuramos oferecer não só um momento de oração e reflexão, mas também uma oportunidade de envolver as pessoas. Em 2019, por exemplo, distribuímos folhetos com frases a partir do tema escolhido, que foi “Tente ser verdadeiramente justo”, notas que por sua vez os participantes da oração deveriam deixar ou endereçar a alguém”. Este ano, o tema "Eles nos trataram com bondade" foi escolhido pelas Igrejas de Malta e é retirado de uma passagem dos Atos do Apóstolo Paulo, que conta como ele foi acolhido pelos malteses. "Eles propõem o naufrágio de Paulo nos capítulos 27 e 28 do livro de Atos - explica a pastora valdense maria bonafede em Riforma.it hoje - , do navio em que o apóstolo Paulo é um dos prisioneiros que os centuriões romanos devem trazer para Roma, naquelas mesmas águas dos naufrágios dos últimos anos. Um naufrágio de 276 pessoas, incluindo marinheiros que são contrabandistas, e estão prontos para escapar do barco para se salvar, votando todos os outros até a morte; os prisioneiros, incluindo Paulo, que seriam julgados em Roma; os soldados, centuriões romanos, que planejam matar todos os prisioneiros para não deixá-los escapar, exceto um deles que tomou o apóstolo sob sua proteção e que, para salvar Paulo, evita o massacre dos outros e insta todos se joguem do navio que entretanto encalhou num banco de areia: primeiro os que sabem nadar, depois os outros que se agarram aos destroços do navio. "E assim aconteceu que todos chegaram sãos e salvos à terra" (27, 44). O autor do texto bíblico registra que havia 276 naquele navio, um número verdadeiramente grande de pessoas, um número semelhante aos dos últimos anos, nas mesmas costas, nas mesmas rochas”. Assim, as migrações estão no centro da reflexão ecumênica de 2020, um fio vermelho que liga Malta à outra ilha, local de desembarque de muitas pessoas, ambas envolvidas diariamente no acolhimento daqueles que são obrigados a seguir a rota marítima para fugir da Líbia ou de outros países do outro lado do Mediterrâneo. "Para nós é muito significativo - explica Marta Bernardini - organizar e promover este evento ecumênico em Lampedusa, um lugar que é precisamente o emblema da acolhida dos migrantes e, infelizmente, também dos naufrágios de tantas mulheres, crianças, homens que morreu no Mediterrâneo. É também uma forma de testemunhar a nossa presença na ilha, onde estamos envolvidos desde 2014 com o observatório das migrações e onde tentamos, todos os dias, colocar em prática aquela “gentileza” com quem desembarca na ilha. Um momento importante, junto com o aniversário de 3 de outubro, da obra ecumênica que realizamos em Lampedusa com dom Carmelo la Magra“. Amanhã, sábado 18, em Cagliari, para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, haverá outro encontro com marta bernardiniintitulado "Viagem, desembarque e hospitalidade: práticas ecumênicas". ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 14: 8 DE DEZEMBRO Aproveite em nome de Jesus SOLICITARdiscutir Por que tanto desprezo eexploração das mulheres pelos religiosos cristãos? Gabriela65 anos, Bolívia Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons. Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a "orações" exaustivas e autoflagelação.Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja. Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante. Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de "tráfico de pessoas, exploração e escravização" perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data. proposta de visão MADALENA dirigido por Peter Mullan Reino Unido, 2002, 114' Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60. Bibliografia A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz - minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros. VERSÍCULO BÍBLICO Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9) COMENTE A ordem de Jesus "ide e pregai o evangelho a toda criatura" se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O "serviço" realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência. ORAÇÃO Em nome de Jesus Cristo,nós te pedimos Senhorpara nos apoiar e acompanharno trabalho que você nos confiou.Faça-nos dignos de ser seufilhas capazes da luzpara espalhar a sua verdade para o mundomensagem de amor, justiça e verdade.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.