“Você só cresce se sonhar”.  Reflexões sobre humilhação e humildade

“Você só cresce se sonhar”. Reflexões sobre humilhação e humildade

Foto Annie Spratt / Unsplash

Roma (NEV), 25 de novembro de 2022 – Publicamos a nota do pastor evangélico batista Cristina Arquidiáconatransmitido pela Rádio RAI 1 no domingo, 27 de novembro de 2022, na transmissão “Culto evangelico” – seção “Finestra Aperta”.


Você só cresce se sonhar.

Então ele disse Danilo Doces, pacifista, educador, sociólogo, muito atuante nas áreas mais pobres e esquecidas do país, desde a década de 1950. Você só cresce se sonhado, só se reconhecido como parte de uma visão mais ampla, de uma vida que vai além da minha também.

Você cresce apenas se humilhado parece significar hoje.

Humilhar é um verbo que se refere à terra. Húmus, terra que fertiliza, que nutre. A humildade é característica de quem sabe que ser baixo é uma condição comum e oferece um ponto de observação diferente. Na Bíblia, no Evangelho de Lucas, Deus é cantado pela voz de uma jovem grávida, Maria, abraçada e reconhecida por Isabel, sua parente, também grávida, como aquela que se rebaixa (se humilha?) que já está abaixo, apenas ela, como aquela que levantou os humildes e tirou o poder dos orgulhosos, enviou os ricos de mãos vazias e encheu de bens tantos e quantos tinham fome. Humilhar, nas palavras do poder, assume o sentido não só de rebaixar, mais, de envergonhar, de não reconhecer, de castigar. Talvez os adultos de hoje humilhem meninos e meninas mesmo quando não os veem, não os escutam, não confiam neles. E ao invés de se questionarem sobre suas próprias escolhas e ações, talvez atuem tal qual foram humilhados, em outros contextos e em outros tempos, e reproponham uma pedagogia “negra”, feita de pequenas e grandes torturas psicológicas e físicas de honra, de poder. Tudo isso nada tem a ver com a possibilidade de reparar uma relação, de participar materialmente da restauração de algo que está quebrado, coisas pelas quais um adolescente estaria mais do que disposto. Na última semana, foram comemorados o Dia dos Direitos da Criança e o Dia Internacional contra a Violência contra a Mulher. No espaço de tempo de um dia, condensa-se o cotidiano de dificuldades de reconhecimento, relações de poder, abuso psicológico, violência física, exploração infantil, venda de crianças, disparidades nas condições de trabalho e econômicas, reproposição pública de clichês e estereótipos, desde a infância de mulheres e homens. Diariamente.

Sonhar com uma nova forma de ser comunidade passa pela possibilidade de nos reconhecermos sonhados e sonhados, já amados. Juntamente com Maria que canta o magnificat, os Evangelhos propõem um José que sonha e no sonho deixa Deus sonhá-lo, para ser um homem diferente do que o poder gostaria que fosse: José é acompanhado para nascer de novo, graças a uma parteira de Deus , que a reconhece como parte do projeto de amor pela humanidade. Um homem não patriarcal em uma sociedade patriarcal dará o exemplo de um homem para seu filho. E assim o poder será humilhado, trazido de volta à terra.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Sínodo Luterano está em andamento.  Encontrar de novo

O Sínodo Luterano está em andamento. Encontrar de novo

Última reunião do Consistório antes do início do Sínodo. foto CELI Roma (NEV CS/41), 8 de outubro de 2020 – A 1ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começará em Roma na sexta-feira, 9 de outubro, com o título "Escolha = Wählen". Estão marcadas as eleições para a Presidência e leigos do Consistório. Entre os temas: futuro, igreja digital, medidas anti-pandemia. O Sínodo terminará no domingo, 11 de outubro. O Sínodo do CELI decorrerá à porta fechada e em conformidade com os regulamentos anti-covid. “Mais de quatro quintos dos membros sinodais confirmaram sua presença – escreve o CELI em um comunicado intitulado 'Reencontro' -. Apesar do calendário reduzido, haverá tempo para traçar rumos para o futuro. Um dos temas que tem ganhado importância, também por conta da pandemia do coronavírus, é a igreja digital”. O presidente sinodal cessante, Georg Schedereitnão reaplicou. seu vice, Wolfgang Praderapresentou a sua candidatura, enquanto a tesoureira cessante Ingrid Pfrommer é candidata ao cargo de vice-presidente do Sínodo. A quarta sessão do XXII Sínodo, realizada no final de abril de 2019, abordou o tema "Fé e ação", um programa sinodal no qual o CELI quis aprofundar os temas de ecologia, sustentabilidade e migração e empreendeu uma ação orientada para o futuro e inspirados pela fé. A primeira sessão do XXIII Sínodo estava originalmente marcada para 30 de abril a 3 de maio em Castellamare di Stabia/ Nápoles, mas foi cancelada devido a medidas para limitar a pandemia. Esta sessão terá lugar em Roma na Casa La Salle, em instalações que permitem uma distância superior a um metro; os participantes estarão equipados com máscaras FP2. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, "é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa". Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo
Função pública, rankings publicados

Função pública, rankings publicados

John Schnobrich, unsplash Roma (NEV), 21 de abril de 2022 – Já foram publicados os rankings das seleções dos projetos de Serviço Público Universal da Organização da Diaconia Valdense - Comissão Sinodal para a Diaconia e das instituições parceiras de acolhimento. No site no endereço constam os nomes das pessoas que participaram da seleção, com as respectivas pontuações. Dois em particular serão os jovens que prestarão seu serviço como voluntários para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, em particular em Roma, para o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI. O lançamento dos projetos está previsto para 27 de junho “mas será confirmado após verificações e aprovação da Secretaria de Políticas de Juventude e da Universalidade”, diz o site. artigo anteriorEntrevista com Giovanni Arcidiacono, presidente da União Batista da ItáliaPróximo artigoSobre crimes de guerra Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Detalhe do Chroma V de Yunchul Kim. Bienal de Veneza 2022, Pavilhão da República da Coreia, Gyre - Curador: Youngchul Lee - Comissário: Arts Council Korea (Foto ER/nev) Roma (NEV), 12 de junho de 2023 - ano de 2054. Zero homicídios em Washington, graças ao sistema Precrime, baseado nas premonições de três indivíduos com poderes extra-sensoriais. A polícia intervém com antecedência e prende os potenciais "perpetradores". É a trama de Minority Report, filme com Tom Cruise dirigido por Steven Spielberg Baseado na história de ficção científica de mesmo nome de Philip K. Dick. Ano 2023. Itália. O Ministério do Interior gostaria de equipar as delegacias de polícia em toda a Itália com "Giove", um novo sistema de polícia preditiva (uma questão parlamentar sobre o assunto foi apresentada ao Senado em 7 de junho). Trata-se de um software baseado em um algoritmo de inteligência artificial que, por meio de bancos de dados policiais, tenta calcular a probabilidade de um crime. A Inteligência Artificial desperta interesse, atração e medo. Nós conversamos sobre isso com Gianluca Fiuscorecentemente eleito para o Comitê Executivo Europeu da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC), e com Stefano Frache, engenheiro e tradutor, entre os curadores das diretrizes do projeto "Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados" promovido pela rede "Ação da Igreja pelo Trabalho e pela Vida". Fiusco e Frache nos dão um panorama da complexidade e do fascínio da inteligência artificial (e humana), que faz parte do nosso cotidiano. São questões que nos desafiam como cidadãos e como instituições, inclusive religiosas. “Hoje assistimos a uma polarização entre os que confiam na tecnologia e os que desconfiam dela. Mas essa abordagem não faz nada além de alimentar um dualismo funcional ao sistema binário: 1-0. Algoritmos tendem a agrupar pessoas semelhantes mantendo grupos distintos e distantes uns dos outros em bolhas virtuais. Assim a contaminação não se desenvolve, as ideias ficam confinadas à esfera onde foram concebidas e o pensamento não amadurece, não evolui. Vozes críticas são expostas aos fãs, odiadas e silenciadas. Acontece até nos parlamentos e até nas igrejas – diz Fiusco -. No entanto, como seres humanos somos muito mais complexos e articulados do que a métrica binária. Trazer nossas vidas de volta para mapas e algoritmos corre o risco de produzir efeitos imprevisíveis não apenas em nossa estrutura mental e neural, mas também em nossas sociedades. A reescrita dos 'códigos' humanos, da convivência social, da vida democrática são questões tão importantes quanto as mudanças climáticas”, diz Gianluca Fiusco, que lembra também o empenho do WACC na elaboração de conteúdos sobre algoritmos, discriminação, polarização e exclusão digital . “Algoritmos desenvolvidos segundo critérios subjetivos refletem os efeitos do colonialismo, do racismo e dos desequilíbrios sistêmicos de poder e agravam as desigualdades e discriminações existentes” diz o Manifesto pela justiça digital elaborado pelo Simpósio “Comunicação para a justiça social na era digital” organizado pelo WACC e o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em 2021. Audre Lorde ele escreveu “As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre. Eles podem nos permitir vencê-lo temporariamente em seu próprio jogo, mas nunca nos permitirão fazer uma mudança real." A partir dessa advertência, diz Fiusco, “o WACC teve a oportunidade de refletir o quanto os instrumentos de opressão não podem ser aplicados de forma eficaz para combater a própria opressão”. Opressor que muitas vezes coincide com “homem, branco, rico”. Fiusco também lembra como as igrejas, durante a pandemia, "muitas vezes se reuniam virtualmente em plataformas financiadas por lobbies de alta tecnologia, que usam uma tecnologia semelhante, senão a mesma, ao reconhecimento facial ou aos sistemas de mira de armas... a falta de pastores foi resolvida ligando uma webcam”. Não se pode e não se deve ter medo do desenvolvimento tecnológico, argumenta Fiusco, “mas as igrejas, talvez mais do que outras organizações, têm o dever de se perguntar se esse é o modelo de comunidade que querem fomentar. Se, isto é, a fé hoje, parafraseando a Epístola aos Romanos, nasce mais do que da escuta, da conexão. Algumas realidades eclesiásticas (adventistas, luteranos, pentecostais) lançaram há muito tempo um processo de reflexão e experimentação avançada sobre animação digital para comunidades. Trata-se, portanto, de ter vontade e convicção para conceber e experimentar um modelo de mudança em que as Igrejas se sintam questionadas: capazes de investir tempo, teologia, recursos, visão, questionamentos. Na consciência de já estar atrasado”. Stefano Frache ecoa: “A IA pode parecer programada para fazer coisas perturbadoras, mas podemos analisar suas implicações de várias perspectivas. Há um funcionamento interno, difícil de explicar, e um efeito externo. Os cenários que retratam a IA como monstruosamente autônoma não levam em conta o fato de que há muitas pessoas por trás dos agregados de dados e informações. O processamento pode ser aprimorado, no sentido da generalização, mas esses sistemas não sintetizam o pensamento, não extraem significado. Esta é uma forma de habilidade que não requer o desenvolvimento de um algoritmo, falar sobre IA dessa forma é enganoso. Vejo um risco maior em relação à privacidade e gerenciamento e manipulação de informações. O ostracismo tecnológico não é uma resposta, é irreal. Não podemos colocar um estilingue e uma ogiva de míssil no mesmo nível…”. Frache continua: “Com as eleições americanas de 2016, testemunhamos o primeiro caso bipartidário de interferência nos processos de formação da opinião pública. Se as opiniões podem ser influenciadas com IA, é claro que precisamos de ferramentas para nos defender, até porque no futuro o embate será entre sistemas cada vez mais evoluídos. Ainda falando de filmes, normalmente pensamos em jogos de guerra… mas coisas assim acontecem todos os dias, em graus variados, com ferramentas diferentes. A dissuasão é construída, interromper o desenvolvimento é prejudicial e perigoso…” Há, novamente, o tema ético, que inevitavelmente se confunde com o dos negócios: “Totalitarismos e visões imperialistas não são apetites apaziguados. Por onde circulam negócios e dinheiro, fique de olho. O medo não ajuda nisso, porque se estamos com medo não conseguimos entender como podemos nos defender. Também se aplica a golpes. Cada vez mais vítimas, não só (mais) entre os idosos. Não é ser travesso, é ser esperto para não ser enganado. E para isso é preciso inovação, pesquisa e conscientização”, continua Stefano Frache. E conclui: “É preciso construir e entender a confiabilidade da informação. Temos medo da IA, mas não temos medo dessa tecnologia que carregamos no bolso todos os dias e da qual ninguém fala. Lembremos que a mudança também é influenciada por escolhas de comportamento e de compra. Precisamos voltar na estratificação da tecnologia, que dos sistemas operacionais, às plataformas, chega depois aos consumidores, passando pelos pilotos explorados, só para dar um exemplo. No entanto, as multinacionais são influenciadas por 3% dos consumidores, não 50%… veja o caso da Chiquita. Pouco menos de 3% de abandono foi suficiente para mudar as condições de exploração dos agricultores. Quando uma massa pequena, mas coerente, muda de comportamento, a mudança já foi acionada. Pensar que você é irrelevante porque está em desvantagem numérica pode ser uma desculpa perigosa para sair, em vez disso, você precisa manter uma forte motivação e não desistir”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.