As laranjas solidárias da Etika estão de volta

As laranjas solidárias da Etika estão de volta

Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 – As laranjas solidárias do projeto Etika da Mediterranean Hope (MH), o programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, estão de volta, em colaboração com o Sos Rosarno e o Mani e Cooperativa Terra.
“Esperança do Mediterrâneo – explica marta bernardini, coordenadora do MS – continua suas atividades na planície de Gioia Tauro pela defesa dos direitos dos trabalhadores trabalhistas. Continuam os projetos Luci su Rosarno e Fora do escuro, por meio dos quais foram distribuídos no ano passado dispositivos de iluminação para 600 bicicletas e 700 jaquetas com faixas refletoras de alta visibilidade para a segurança dos trabalhadores que trafegam pelas estradas para chegar aos campos escuros e perigosos. “
A novidade deste ano foi “a abertura de um albergue social em San Ferdinando (RC). O Dambe So Social Hostel – que na língua Bambarà significa “casa da dignidade” – foi inaugurado em fevereiro de 2022, e foi concebido como uma casa ecológica que acolhe trabalhadores na época dos citrinos e apoia, durante o verão, roteiros de turismo solidário . Na Piana di Gioia Tauro, onde o MH opera desde 2019, “83% dos trabalhadores trabalham em condições de exploração e vivem em situações de privação: interferência do crime organizado, contratações ilegais, condições extremas de trabalho e
desumano, salários abaixo do salário mínimo, degradação ambiental e habitacional. Neste contexto, o Dambe So está em condições de acolher em segurança, dignidade e legalidade 20 trabalhadores que contribuem para os custos da habitação com uma quota sustentável. O Hostel é assim parcialmente autofinanciado pelos seus residentes e pela taxa de adesão que é aplicada na venda de laranjas da marca Etika”.
A Etika é, assim, a marca de uma cadeia de compras solidária que “no ano passado conseguiu distribuir 100.000 kg de laranjas produzidas pela cooperativa Mani e Terra, ligada à Sos Rosarno. A rede de compras envolveu muitas igrejas protestantes italianas e estrangeiras. Para os produtores que procuram conciliar o respeito pelos direitos dos trabalhadores, pelo ambiente e pela responsabilidade social das empresas, estas compras são muito importantes porque permitem contrariar a concorrência imposta pelos mercados com contínuas reduções de preços”.

Ainda este ano, portanto, a proposta da Mediterranean Hope para quem compra laranjas Etika é “um preço que inclui o acréscimo de uma “taxa social” de 10% para apoiar as práticas solidárias realizadas pelo MH no Piana di Gioia Tauro, antes de tudo o albergue social. Ao adquirir laranjas Etika – conclui Bernardini – você estará, portanto, apoiando diretamente projetos sociais, demonstrando que é possível construir um mecanismo que, conforme prevê nossa Constituição, preconiza a responsabilidade social empresarial, garantindo dignidade e respeito aos trabalhadores”.
Para encomendas escreva para [email protected] referindo o ficheiro excel a solicitar e enviar. Para qualquer outro esclarecimento sobre os projetos de MH na Calábria, escreva para [email protected].


Informações e materiais:

Rosarno Film Festival, “ousar inventar o futuro”

ETIKA_brochure_ENG

Carta de campanha Etika 22-23

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Secretário-geral do CMI visita protestantes italianos

Secretário-geral do CMI visita protestantes italianos

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 - "O Conselho Mundial das Igrejas não é simplesmente um escritório com sede em Genebra, mas uma comunhão, e hoje estou com vocês para viver e expressar tudo o que nos une na fé comum em Cristo". Assim, o pastor Olav Fykse Tveit saudou a comunidade reunida na manhã de 5 de dezembro para o culto dominical na igreja metodista de Roma, a segunda etapa de seu fim de semana italiano. Depois de se encontrar com o Papa Bento XVI em audiência privada no dia anterior, Tveit se reuniu de fato com as igrejas protestantes italianas que são membros do CMI. “Agradecemos a Tveit por ter participado de um de nossos cultos, num momento em que a comunhão entre os crentes se aprofunda em torno da palavra de Deus”, disse o pastor Massimo Aquilante, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), retribuindo a saudação de Tveit durante o culto. O secretário-geral do CMI pregou sobre o texto adventista de Lucas 12:35-40. "Observar - disse Tveit - significa não apenas esperar, mas estar ciente do que está acontecendo ao nosso redor". Se então a nossa expectativa é a do Senhor Jesus que se apresenta todos os dias no rosto de cada ser humano que procura ajuda e salvação, "então a nossa vigilância consiste em estar ao serviço de cada ser humano que espera a nossa ajuda". Portanto, vigiar significa "saber acolher o estrangeiro, o irmão e a irmã migrantes que vêm de países distantes muitas vezes com o seu fardo de dor, violência e humilhação". O acolhimento foi um dos temas várias vezes referidos no encontro com os representantes das igrejas evangélicas italianas que continuou com um almoço comunitário na igreja valdense na via IV de Novembro, onde o Pr. Tveit e a delegação que o acompanhou – composta, entre outros, pelo pastor Martin Robra, diretor do programa do CMI sobre ecumenismo no século XXI, pelo pastor John Gibaut, diretor da Comissão de Fé e Constituição do CMI, e por mons. Gosbert Byamungu, do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos - reuniu, além do presidente da FCEI, Aquilante, vice-moderadora do Conselho Valdense, Daniela Manfrini, presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Alessandra Trotta, e a presidente do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), Christiane Groeben. O Conselho Mundial de Igrejas é a maior comunhão de igrejas cristãs do mundo, reunindo 349 igrejas evangélicas, ortodoxas e anglicanas de todos os continentes, representando mais de 560 milhões de cristãos. A Igreja Católica não faz parte do CMI, embora colabore com suas instituições, em particular com a Comissão Fé e Constituição. ...

Ler artigo
sob a bandeira da paz e dos direitos

sob a bandeira da paz e dos direitos

Roma (NEV), 2 de novembro de 2022 – Encerrou ontem em Sassone (Roma) o II Julgamento da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”, o Assise reuniu mais de 100 delegados do protestantismo na Itália. O encontro trienal representa uma novidade na trajetória da FCEI. Instituído na Assembleia de 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo, com o objetivo de promover o encontro e o debate, de forma a sugerir orientações e recomendações à Assembleia e ao Conselho da FCEI. Este último terá então o mandato operacional para realizar os objetivos e projetos democraticamente delineados. O II Assizes aprovou por unanimidade uma mensagem final que traça as linhas programáticas e espirituais para o trabalho dos próximos anos. O documento, que abre indicando as várias razões pelas quais “Caminhamos na noite”, uma noite pelos direitos, pela confiança, pelos princípios democráticos e humanos, declara então a urgência de olhar para frente. Apontando o caminho no “sentido profundo da fé em Cristo que proclamamos: quando a escuridão é mais escura, imagina a luz; onde reina o desânimo, testemunhai a esperança; quando o fechamento e o egoísmo vencerem, afirme o acolhimento e a comunhão; em tempos de opressão e guerra, construa a justiça e a paz. 'A noite está avançada, o dia está próximo; despojemo-nos, pois, das obras das trevas e vistamo-nos da armadura da luz' (Romanos 13:12)”. Leia a mensagem completa: Mensagem final da Assembleia FCEI 2022. Foram também aprovadas várias moções, entre as quais uma de adesão à manifestação nacional pela paz de 5 de novembro. Adesão que vem acompanhada de uma especificidade da Assizes, que tem declarado não querer se posicionar de forma polarizada a respeito da delicada e complexa questão das guerras em curso. Aprovaram também: moção sobre integração e migração; uma moção sobre trabalhadores e trabalhadoras, que convida, entre outras coisas, a continuar a reflexão teológica sobre o tema; uma moção sobre treinamento e educação; a moção denunciando a perseguição de igrejas e comunidades de fé; uma moção que apela a encher de conteúdo o diálogo cristão-islâmico, através de iniciativas de aprofundamento em consonância com o espírito que levou à inauguração do Dia do Diálogo Cristão-Islâmico há 21 anos; uma moção sobre comunicação. Por fim, o documento intitulado: “Enfrentar velhos e novos desafios. Evangélicos na Itália hoje”. O documento será levado às igrejas para aprofundar a reflexão e o debate em torno dos grandes temas de época que dizem respeito ao presente da sociedade e da política, não só nacionalmente. Fala de empenho ecuménico, pluralismo religioso e secularismo, mas também de educação contra atitudes e propaganda xenófobas e racistas, também à luz da persistência de preconceitos anti-semitas e islamofóbicos. Ele também estende as mãos diante dos temidos "bloqueios navais" convidando, ao contrário, a abrir a porta a quem bate, como ensina Cristo. E para ajudar o estrangeiro, seja ele quem for, como fez o samaritano. A Assise caracterizou-se como um grande laboratório de ideias e práticas para um futuro sustentável, baseado na solidariedade, na justiça, na cooperação, na liberdade. Com o olhar fixo no valor da Constituição, na dignidade do trabalho, junto com as novas gerações, as mulheres, todas as pessoas. Entre as propostas que surgiram, sobre as quais a próxima Assembleia da FCEI é chamada a trabalhar concretamente, também o Fórum de comunicação protestante, projeto que já vem sendo discutido há algum tempo também em outros fóruns deliberativos, como o Sínodo das igrejas metodistas e valdenses . Em seguida, um Código de Ética para o uso correto da terminologia religiosa na mídia. O Assise, que trabalhou tanto por grupos temáticos como em sessões plenárias, aprofundou muitos temas, em consonância com os binómios expressos no mesmo título. Ele também passou em revista as atividades e projetos da Federação, expressando seu apoio e apreço por eles, em continuidade com o que tem sido feito até agora. Entre eles, o programa de refugiados e migrantes da FCEI Mediterranean Hope (MH). Os serviços e comissões da FCEI, como a Comissão de Estudos do Diálogo da Integração (COSDI), Estar Juntos da Igreja (ECI), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), Serviço de Educação e Educação (SIE), o recente Carteira Escolar Pluralismo Secular. Para saber mais Leia o especial do NEV sobre Assise 2022. FICHA TÉCNICA sobre o Assise. galeria de fotos Fotos de Pietro Romeo, Elena Ribet, Barbara Battaglia. Um pouco de história A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. Igrejas membros da FCEI A FCEI reúne a União Cristã Evangélica Batista (UCEBI), a Igreja Valdense, a Igreja Metodista, a Igreja Luterana, o Exército da Salvação, a Comunhão das Igrejas Livres e a Igreja Apostólica Italiana. De acordo com o Estatuto, a União das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA) e a Federação das Igrejas Pentecostais (FCP) participam da Federação como “observadoras”. ...

Ler artigo
19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.