Teologia.  O fundamentalismo como desafio ecumênico

Teologia. O fundamentalismo como desafio ecumênico

Roma (NEV), 2 de julho de 2018 – O 52º Seminário Ecumênico Internacional organizado pelo Instituto de Pesquisa Ecumênica das Igrejas Luteranas começa hoje em Estrasburgo, França. O título desta edição, que se encerra em 9 de julho, é “O fundamentalismo como desafio ecumênico” e contará com a participação de teólogos de várias igrejas e nacionalidades.

Será abordado o tema do fundamentalismo na Ortodoxia, Catolicismo e Protestantismo. “A única coisa que todos os fundamentalismos têm em comum é a pretensão de interpretar autenticamente as Sagradas Escrituras”, lê-se na apresentação do encontro, que pretende ser um momento de reflexão e discussão a partir de algumas questões em aberto. O que é uma abordagem fundamentalista da escrita, distinta de outras abordagens exegéticas? O que torna essa abordagem tão atraente para aqueles que a defendem e quais são suas limitações? E novamente: em que contextos esse termo é usado? Pode ser descrito como um fenômeno sociológico? Ou é um rótulo polêmico aplicado ao ponto de vista de um oponente? Quem são os líderes fundamentalistas?

Parte do trabalho se concentrará no fundamentalismo cristão nos contextos geográficos americano, africano, asiático e europeu.

O Instituto Ecumênico de Pesquisa é afiliado à Federação Luterana Mundial e reúne teólogos e professores de todo o mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto por mil valdenses, de 2 a 31 de janeiro, a nova chamada

Otto por mil valdenses, de 2 a 31 de janeiro, a nova chamada

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2020 - Ontem, 2 de janeiro, foi aberto o período útil para a apresentação de pedidos de financiamento ao Otto per mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodistas e Valdenses, que terminará no final do mês . De acordo com as normas de apresentação de candidaturas, "podem ser financiados projectos de assistência social e de saúde, intervenções educativas, culturais e de integração, programas de apoio ao desenvolvimento e de resposta a emergências humanitárias, ambientais e climáticas, desde que contribuam para o benefício de uma comunidade e não sejam fins lucrativos". Em 2018, foram apoiados 1135 projetos, em 106 países de todo o mundo, graças à assinatura de mais de 500.000 contribuintes. “As entidades do terceiro setor já estão sabendo do nosso edital anual e realmente recebemos muitos pedidos – declara Manuela Vinay, chefe da Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense (OPM) – . No ano passado, apenas um em cada quatro pedidos de subsídio tornou-se um projeto financiado pelo Waldensian and Methodist OPM. Este ano procurámos ir ao encontro das necessidades das instituições, elaborando orientações mais detalhadas, quer por tipo de intervenção que financiamos, quer por objetivos. Esperamos receber muitos pedidos para a realização de projetos que possam verdadeiramente e como sempre retribuir à sociedade o que generosa e gratuitamente recebemos. Os fundos do OPM vêm da escolha de pessoas que depositam em nós uma confiança pela qual sentimos fortemente a responsabilidade. Quem cumprir os requisitos definidos no nosso concurso pode apresentar-nos um pedido, apenas esperamos que todos o façam com sentido de responsabilidade e com uma ideia de projeto bem definida e estruturada, de acordo com os típicos padrões de projeto”. A chamada estará aberta de 2 a 31 de janeiro de 2020 e a lista de projetos aprovados será publicada no site Otto per mill Valdensian em setembro próximo. Aqui estão todas as instruções para preencher o aplicativo. O vídeo da campanha OPM: ...

Ler artigo
Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Quaresma, Tempo da Paixão, Ramadã: afinidades e diferenças

Para as igrejas protestantes as coisas são diferentes. Como bem explicou o pastor Luca Baratto durante episódio do Culto Evangélico transmitido pela Rádio Uno Rai “A palavra Quaresma não faz parte do vocabulário dos protestantes italianos. As igrejas evangélicas de nosso país - pelo menos aquelas que seguem o ano litúrgico - preferem chamar esse período de 'Tempo da Paixão'. Corresponde à história dos Evangelhos que, depois do início na Galileia, veem Jesus a caminho de Jerusalém: uma viagem difícil, pontuada por desentendimentos com os discípulos e, sobretudo, pelo anúncio de que Jesus será preso e morto naquela cidade. É tempo de refletir sobre o que significa seguir aquele Jesus que convida todos a carregar a sua cruz”. O pastor Baratto especifica ainda: “No entanto, também deve ser dito que os protestantes italianos não usam a palavra Quaresma porque a ela está ligada uma espiritualidade que não lhes pertence. Para um evangélico parece estranho que haja uma determinada época do ano para se dedicar à contrição e ao arrependimento; na realidade, toda a vida de um crente é a confirmação de que ele é um pecador perdoado. Da mesma forma, a obrigação religiosa de renúncia ou penitência não pertence à mentalidade protestante. O profeta Isaías escreve que o verdadeiro jejum não é dedicar um dia à abstinência alimentar, mas saber repartir o pão com quem tem fome”. (para ler o discurso completo de Luca Baratto clique aqui: Quaresma da Paixão. A Reforma não rejeitou a Quaresma, mas deu um passo atrás nas práticas penitenciais. Estes permaneceram muito rígidos na Ortodoxia, mas tornaram-se menos rigorosos no Catolicismo. “No século 16, as críticas dos reformadores se concentravam naquelas coisas que alguém tinha que fazer para ser digno da salvação, como indulgências ou jejuns”, lembra ele. Nicolas Cockand, professor de teologia prática no Instituto Protestante de Teologia, em Paris. Hoje, do ponto de vista protestante, a Quaresma é antes de tudo um tempo de solidariedade com os mais pobres, um tempo de abstinência, por exemplo do álcool, e um tempo de busca de uma busca espiritual contemporânea, de uma vida mais simples. Essa ideia de sobriedade feliz pode muito bem ser rastreada até Calvino. É a tradição luterana que dá mais espaço à Quaresma nas suas liturgias, sobretudo através da celebração da Quarta-feira de Cinzas. Para os muçulmanos, o atual mês do Ramadã é aquele em que Deus deu o Alcorão ao Profeta. É o momento da oração, da meditação, mas principalmente do jejum, do nascer ao pôr do sol, juntamente com a proibição do fumo e da prática de sexo.O Ramadã e a Quaresma estão ligados a duas revelações: o início da vida pública de Jesus e o início da revelação da vontade de Alá ao profeta Maomé. O jejum no Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, as cinco obrigações fundamentais estabelecidas pela lei religiosa para todo crente muçulmano de qualquer gênero, juntamente com a declaração de fé, oração, esmola e peregrinação a lugares sagrados. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

os valdenses expressam solidariedade com a comunidade judaica

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2020 - A Comunidade Valdense de Verona, no dia em que recorda a concessão de direitos civis aos valdenses e judeus com a Carta Real Patente anexada ao Estatuto Albertino, a primeira Carta Constitucional italiana, expressa sua solidariedade e proximidade com a comunidade judaica de Verona. "Os recentes acontecimentos em Verona, a proposta de batizar uma rua com o nome de Giorgio Almirante, os cantos racistas dos torcedores de futebol, os chapéus com a estilização de Hitler e o crescente ressurgimento do anti-semitismo nos preocupam", diz o comunicado do Conselho de a Igreja Valdense de Verona assinada pela pastora Laura Testa. “Acreditamos que não é possível esquecer os crimes hediondos e atrozes ocorridos durante o Holocausto e que a Memória dos Horrores é indispensável para que fique um alerta claro para que tais crimes nunca mais voltem a acontecer”. A Comunidade Valdense espera também que, como em outras cidades da Europa e do mundo, também em Verona se possa estabelecer “um Museu da Memória ou uma instalação permanente como advertência e memória perpétua”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.