Estudantes da Federação Cristã Mundial.  Alegre-se na esperança

Estudantes da Federação Cristã Mundial. Alegre-se na esperança

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2020 – A Federação Cristã Mundial de Estudantes (WSCF) convida você a participar de sua 37ª Assembleia Geral, que acontecerá de 12 a 18 de junho de 2020 em Zwinglikirche, Berlim, Alemanha. O programa Steward oferece aos membros dos movimentos cristãos estudantis a oportunidade de fazer parte da Assembleia, para ganhar experiência na organização e gestão de um evento intercultural e ecumênico. Um grupo jovem, dinâmico e diversificado se reunirá de 1 a 13 de junho em Berlim para apoiar o comitê organizador em todas as funções antes, durante e depois da Assembleia de 2020, que terá como título “Alegre-se na Esperança. Jovens juntos rumo à justiça e à paz”. O grupo de trabalho se concentrará na identidade da Federação como um movimento ecumênico de diferentes tradições.

Para entrar no programa Steward, você pode se inscrever até 20 de janeiro neste link.

A WSCF também convida os “amigos seniores” da WSCF e outros convidados para participar. Os “Amigos da Terceira Idade da WSCF” terão a oportunidade de se reunir em um evento separado, mas simultâneo, chamado Encontro de Amigos da Terceira Idade (SFG). “Será um momento para refletir, compartilhar histórias e memórias, encontrar formas de apoiar e orientar a atual geração de movimentos cristãos para estudantes” escrevem os organizadores. Para participar do SFG, os “amigos da terceira idade” devem enviar a solicitação por meio do formulário (disponível em inglês, francês e espanhol) neste link até 30 de janeiro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

79º Festival de Cinema.  Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

79º Festival de Cinema. Em Veneza Júri INTERFILM para o diálogo inter-religioso

Roma (NEV), 31 de agosto de 2022 – Começa o 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza. É uma edição particular, pois comemora 90 anos de atividade. O festival de cinema mais antigo do mundo, aliás, teve início em 7 de agosto de 1932, com a exibição de “Dr. Jekyll e Mr. Hyde”. É, aliás, a Exposição que entrega aos Catherine Deneuve o primeiro Leão de Ouro de sua carreira. Além disso, a Bienal de Veneza anunciou duas iniciativas de solidariedade para diretores, cineastas e artistas presos ou encarcerados em todo o mundo no ano passado, com o objetivo de conscientizar a mídia, governos e organizações humanitárias. São 73 novos longas na Seleção Oficial. 16 curtas-metragens e 2 séries de TV. Muitos eventos paralelos, filmes restaurados, documentários, com uma representação total de 56 países. O Júri Internacional INTERFILM Também este ano está presente em Veneza o Júri Internacional INTERFILM, que reúne as associações europeias de cinema protestante e vai atribuir o "Prémio para a promoção do diálogo inter-religioso". O pastor e “teólogo pop” Pedro Ciaccio, Presidente da Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" – membro italiano da INTERFILM – faz parte do Júri. Com ele também Alina Gabriela Birzache (Reino Unido), Robert K. Johnston (EUA), Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente), Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço). Ciaccio diz: “Chegamos à 11ª edição deste Prêmio para o diálogo religioso. A Associação de Cinema Protestante teve um papel fundamental para dar vida a este prémio, pela sua fundação. É um fato muito importante porque em Veneza, ao contrário de outras festas, não há júri ecumênico”. Como a Associação “Roberto Sbaffi”, ainda recorda Ciaccio, costuma-se organizar uma iniciativa na cidade. “Parece um pouco alienante – diz o pároco – porque uma Veneza mais habitual corresponde a um Lido decorado com luzes e tapetes vermelhos para o Festival de Cinema. Em vez disso, a cidade vive, quase Apesar de A exibição". Esta é a exibição habitual organizada pela Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi", juntamente com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Igreja Valdense e Metodista de Veneza, a União da Diáspora das Igrejas Metodistas e Valdenses. CENTO E OITO O filme que está sendo assistido é “CENTOOTTO”, de José Bellasalma, Michael Lipori E Cláudio Paravati. Marcação para quarta-feira, 7 de setembro de 2022, às 17h00, na Casa del Cinema, no Palazzo Mocenigo San Stae 1990 (Sestiere S. Croce Veneza). Segue-se uma discussão com o diretor Giuseppe Bellasalma. Apresentar e coordenar Alessandra Cecchetto (SAE Veneza). Produzido pela Fai Cisl, organização sindical do setor agroalimentar, e pela ConfrontiKino, o filme acompanha o sequestro em 2020 pelas autoridades líbias de 18 pescadores de Mazara del Vallo. Eles serão libertados após 108 dias de cativeiro. Diz o convite: “Apresentado no ano passado na Exposição do Lido, mas pouco difundido nos circuitos oficiais, o documentário assenta nas vozes dos protagonistas e das suas famílias, que esperavam angustiados pela libertação dos seus entes queridos. Uma das muitas histórias que evidenciam as muitas contradições entre as duas margens do Mediterrâneo”. Entrada gratuita até durarem os lugares. Reserva recomendada em 041 2747140. Para informações sobre o filme: [email protected] – INTERFILM Fundado em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa, atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo
Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini, à direita na foto, entrevista a moderadora do Tavola Valdese, Alessandra Trotta Roma (NEV), 5 de novembro de 2020 – Um comunicador protestante entre os 100 diretores de marketing e comunicação italianos de sucesso escolhidos pela revista Forbes. Formado em Economia pela Bocconi e mestre em gestão de empresas (concluído com bolsa), anos de experiência nos mais altos níveis em empresas e multinacionais, especialmente no setor de alta tecnologia, Simona Menghini é membro da Comissão de Comunicação da Mesa Valdense, do Otto per mille Valdensian e da Comissão de Evangelização. Depois de ter trabalhado durante anos numa agência de comunicação e de ter sido diretora de comunicação e marketing da Lenovo, está há mais de dois anos diretor de comunicação da Oracle, uma das maiores empresas do setor de informática. Ontem ele "descobriu" que estava entre os 100 diretores de marketing italianos de sucesso, segundo a prestigiada revista. E compartilhou a novidade com um tweet e uma postagem em seu perfil no LinkedIn, recebendo elogios de diversos colegas. Uma satisfação, para uma “viagem longa e cansativa. Uma vida no avião, até antes da pandemia. Sempre gostei de comunicação - diz Simona Menghini - e me interesso por informação desde menina. Fui jornalista freelancer, sou publicitário, e por isso, muito naturalmente, primeiro no editorial e depois no mundo da comunicação, marketing e relações públicas”. Tese em políticas de inovação da Comunidade Européia, Simona Menghini é uma das mulher autodidata, "Tive que arregaçar as mangas, tanto meu irmão quanto eu ficamos ocupados". E nesse percurso profissional de sucesso também há a história de uma aproximação ao mundo protestante. “Minha família era católica, mas senti que precisava encontrar um lugar para mim, uma igreja onde pudesse pensar por mim mesma, como cristã. Sempre senti que Jesus tinha coisas para me dizer. Mas não encontrei correspondência entre minhas questões éticas, minha experiência humana em contato com a dor e o sofrimento, e o que me foi transmitido. Então fiz uma espécie de pesquisa de marketing, diga-se de passagem, e conheci a igreja valdense”, continua Menghini. Sua abordagem do mundo protestante é, na verdade, uma história dentro da história: “Não havia internet então, então procurei nas páginas amarelas da época os nomes das igrejas que queria “analisar”, como se estivesse fazendo um estudo setorial. Fui a um templo valdense, o de Milão, que é minha cidade e comunidade que ainda frequento, mas me enganei no endereço. Entrei pela via della Signora, que fica atrás do pastor, que estava Salvatore Ricciardi. Sentei-me e ouvi, e finalmente me pareceu que estava no lugar certo. Então, no domingo seguinte, voltei ao culto”. Desde então tornou-se valdense, e com os valdenses encontrou um lugar e um espaço simbólico e religioso "onde posso dizer em voz alta o que penso". “Compreendi que se salva porque se crê, se salva pela graça e não porque se é melhor que os outros – prossegue -. Eu entendi perfeitamente o significado do Parábola dos trabalhadores de horas diferentes (Mateus 20, 1-16). Entre os comentários e elogios de que mais gostou, ao saber do reconhecimento que lhe foi dado pela Forbes, precisamente os que se referem à "ética", diria a ética protestante, "que também procuro trazer para o trabalho que faço ". As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas. Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação. “A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”. Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião? “A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”. Para saber mais: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.