Rumo a uma conferência internacional de paz

Rumo a uma conferência internacional de paz

Foto de Edoardo Ceriani, unsplash

Roma (NEV), 20 de julho de 2022 – A guerra não acabou. 150 dias após o início do conflito na Ucrânia, associações, igrejas e sociedade civil lançam um dia de mobilização pela paz. “Estamos e estaremos sempre do lado da população civil, das vítimas da guerra na Ucrânia e dos pacifistas russos que lutam para pôr fim à agressão militar”, lê-se no comunicado da campanha Europa pela paz, promovida pela dezenas de realidades entre as quais também pela Comissão de Meio Ambiente e Globalização (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

“As fés se encontram pela paz, justiça e desarmamento. Promovemos a Europa pela paz para uma Conferência Internacional de Paz. Desarmamos as relações entre os povos, seja qual for a sua religião, para uma autêntica não violenta”, e por isso organizou-se “um momento de espiritualidade partilhada”, explica GLAM. O encontro é em Roma, no dia 23 de julho de 2022, das 19h às 20h, na Igreja Batista de Trastevere, na via della Lungaretta, 124 e Largo S. Giovanna De’ Matha.

Promovem: GLAM (FCEI Globalization and Environment Commission); CIPAX (Centro Inter-religioso para a Paz.

Primeiros membros: Semi di pace onlus International, ACEBLAM Associação Regional de Igrejas Batistas de Lazio Marche e Abruzzo, Associação Kiryos Odv, Filhos de Abraão, Adista, Comunidade Cristã de Base de San Paolo (Roma), Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano , fronteira do mundo.

Para inscrições no momento de espiritualidade compartilhada:[email protected]; [email protected].

Em Roma, os promotores do evento convidam você a participar de outras iniciativas no bairro de Trastevere: na Casa Internacional da Mulher, via della Lungara 19, às 18h00 e no Flash mob em Ponte Sisto às 20h00.

Para as iniciativas do dia nacional e para informação:

Para adesões à Jornada Nacional: [email protected]; Portal Europa para a Paz:

Aqui estão as iniciativas planejadas na Itália:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

“Sonhar mesmo de olhos abertos para o nosso bem”

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Giampiero Comolli, Manuel Kromer. 19 de agosto de 2023 - Torre Pellice (TO) Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – À margem do Sínodo Valdense de 2023, será realizada a apresentação do livro “Bíblia e sonho” de Giampiero Comolli. O pastor conversou com o autor Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), além de professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia. Ele moderou a reunião Manuel Cromerdiretor da editora Claudiana. Daniele Garrone fez uma série de perguntas e focou em alguns temas que perpassam o livro de Comolli, onde o sonho da Bíblia é contado com diferentes facetas e aparece como uma revelação misteriosa. Garrone começa com uma excursão. Ernesto Ayassot foi pastor em Turim de 1954 a 1968 e proferiu uma série de sermões sobre “As montanhas da Bíblia”. Não no perdão, na graça, em Deus, mas nas montanhas. “Pensemos no Sinai, esta montanha que tem dois nomes e ninguém sabe onde fica”, disse Garrone. Poderíamos escrever um livro sobre as montanhas do ponto de vista arqueológico, histórico, geográfico... e em vez disso temos sermões aqui. Outro exemplo: “riso”, no sentido de “riso” na Bíblia. Garrone cita volumes sobre humor na Bíblia, na antiguidade, na Grécia (o próprio Garrone assina alguns ensaios sobre o tema do riso, da comédia, mas também "Rir e zombar na Bíblia Hebraica"). As Escrituras se prestam a muitos temas: vinho na Bíblia; o porco da Bíblia (estudo realizado em Fossano no âmbito de uma iniciativa da Faculdade de Veterinária); pão (sobre o qual podem ser encontradas monografias, como verbete específico em enciclopédia acadêmica); mas também a espada, a prostituta ou muitos outros temas e palavras-chave. O livro de Comolli fala sobre sonhos e sono na Bíblia. “Quando este livro chegar à biblioteca vamos colocá-lo na categoria 'edificação' – diz Garrone -. Aqui encontramos a construção de um discurso que toma o texto tal como ele é, muito de perto, o acompanha e o lê. Por exemplo, ao ler o sonho da mulher de Pilatos, Comolli procura uma ligação com o famoso gesto de ‘lavar as mãos’”. Mateus escreve: “Enquanto ele estava sentado no tribunal, sua esposa lhe mandou um recado: «Não se envolva com aquele justo, porque hoje sofri muito em sonho por causa dele»”. E um pouco mais adiante: “Pilatos, vendo que não obteve nada, mas que surgiu um alvoroço, pegou um pouco de água e lavou as mãos na presença da multidão, dizendo: «Sou inocente do sangue deste justo; pense nisso". O que conecta essas duas frases? Para Comolli, a palavra “certo”. Garrone diz: “É também uma intuição no nível exegético. Aparentemente, construções estrangeiras aparecem perto de nós. Comolli tem a capacidade de se questionar e abraçar o texto para repeti-lo”. A construção de Comolli, segundo Garrone, é “sapiencial”. Em alguns desses livros da Bíblia, às vezes um pouco “esnobados” pelos protestantes (como Provérbios, Jó), encontramos – continua o pastor – uma voz que “Quer nos guiar para uma vida de sucesso, nos ensinar a viver bem , para ter sucesso. Ensina-nos a não falhar com a experiência. Pensemos no versículo do salmo ‘Em ritmo dormirei’. A Bíblia, para Comolli, também pode nos mostrar um método para encontrar boas imagens hipnagógicas. Nas escrituras podemos procurar palavras, murmurar palavras que atuam em nós e ajudam a regenerar. Podemos aprender a dormir, a sonhar acordado para o nosso próprio bem." Daniele Garrone conclui seu discurso com uma “pergunta crítica” a partir do sonho de Salomão. “Quando Deus diz a Salomão para perguntar o que quiser, Salomão diz: 'Dê ao seu servo um coração compreensivo para que eu possa administrar justiça ao seu povo e discernir o certo do errado; porque quem no mundo poderia administrar justiça a este teu povo tão numeroso?'. Um rei deve saber julgar e governar, e por isso nos perguntamos: este texto fala conosco? Poderíamos voltar a um germe de sonho? No Antigo Testamento os sonhos são contados a partir do significado, e quem conta a história inventa o sonho. Até as visões são muitas vezes um pretexto para dizer mais. Por exemplo, quando eu era consultor bíblico dos filmes de Bernabei, os designers gráficos tinham dificuldade em imaginar as máquinas voadoras do Apocalipse. O autor do Apocalipse, expliquei, construiu essas imagens a partir de símbolos, pois é o símbolo que determina a representação – conclui Garrone -. E o significado é transposto como significante”. Referindo-se também às suas próprias experiências oníricas, Comolli “explora as narrativas dos sonhos e das horas noturnas presentes na Bíblia: encontrará ali aquelas palavras que nos ajudam a fechar os olhos com serenidade à noite, e a reabri-los com serenidade novamente à noite. manhã. São passagens bíblicas que nos abrem um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso”, lê-se no site Claudiana. O próprio Comolli escreve: “Existe uma sabedoria bíblica de dormir bem, uma forma bíblica de ir para a cama em paz, de estar preparado para receber sonhos de vida. Um ensinamento ainda mais precioso numa época como a nossa, em que facilmente dormimos pouco e até mal, muitas vezes agitados pela ansiedade, muitas vezes apenas acalmados por um poderoso comprimido para dormir. Enquanto nas Escrituras encontramos palavras que à noite nos ajudam a fechar os olhos com tranquilidade, a reabri-los com tranquilidade pela manhã. Seria então necessário procurá-los com cuidadosa calma, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento. E talvez realmente valha a pena. Porque, uma vez finalmente colocadas uma ao lado da outra, estas palavras nos abrirão um mundo novo: a maravilha inesperada do sono tranquilo e luminoso, dos sonhos tão regeneradores, esperançosos e consoladores, que nos fazem supor que nos foram enviados por o Espírito Santo. o mesmo que o Senhor". A apresentação foi realizada na galeria cívica Filippo Scroppo em Torre Pellice (TO) no dia 19 de agosto de 2023. ...

Ler artigo
#Locarno76.  O júri ecumênico premia “Patagônia” de Simone Bozzelli

#Locarno76. O júri ecumênico premia “Patagônia” de Simone Bozzelli

“Todos nós sabemos quem são Greta Garbo, Humphrey Bogart e Meryl Streep, porque nos lembramos mais dos rostos de atores e atrizes do que de diretores. Nós diretores, sem eles, capazes de desnudar a alma, não somos nada”. É o que diz o realizador húngaro e vencedor do Óscar István Szabó (85), depois de ter recebido o Prémio Honorário do Júri Ecuménico do Festival de Cinema de Locarno. O grande realizador tinha inicialmente prometido a si próprio não intervir, mas após as intervenções do director artístico do Festival, Jonah A. Nazzaroda pastora Rita Famosapresidente da Igreja Evangélica Reformada Suíça e da Irene Glatzco-presidente da INTERFILM, Szabó quis homenagear antes de tudo os atores e atrizes, que são capazes de transmitir emoções reais da tela grande.Giona A. Nazzaro, na ocasião, lembrou a importância do trabalho realizado pelos júris ecumênicos, definindo-o inclusive como “vital” para o Festival, porque nos obriga a refletir sobre os valores que nos unem. Rita Famos, por seu lado, quis agradecer Marco Solaripresidente cessante do Festival, pelo incansável apoio ao júri ecumênico, lembrando que em 23 anos de atividade sempre participou das celebrações ecumênicas dominicais promovidas por ocasião do Festival pela comunidade trabalhadora das igrejas cristãs do Ticino. A Associação de Cinema Protestante "Roberto Sbaffi" também faz parte da INTERFILM, parceira italiana desta entidade, que reúne delegados de associações cinematográficas protestantes da Europa, mas também ortodoxas, anglicanas e judias. Em colaboração com o parceiro católico SIGNIS, a INTERFILM seleciona os júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. (Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados). ...

Ler artigo
Somos todos pecadores.  Levi e o arrependimento que cura

Somos todos pecadores. Levi e o arrependimento que cura

Unsplash foto, Billy Plasco Roma (NEV), 19 de maio de 2021 - O segundo episódio de "Bíblia e seus arredores" narra o episódio do encontro de Jesus com Levi e seus companheiros "publicanos", ou seja, cobradores de impostos. Para ouvir os outros podcasts do NEV, aqui o perfil do speaker com todos os episódios. "Bíblia e seus arredores" é a nova coluna de podcast de histórias bíblicas e mais com curadoria do Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) em colaboração com Nev-FCEI Press Agency e o periódico para a infância "O amigo das crianças". Aqui o primeiro episódio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.