ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

ser uma parte ativa da amizade islâmica-cristã

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 – O encontro que representa o primeiro passo de um caminho de amizade islâmico-cristã foi realizado ontem em Florença, com o título: “Fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum. Seguindo os passos de Abu Dhabi no sinal de amizade entre cristãos e muçulmanos”.

Entre os convidados, a pastora da igreja valdense de Florença, Letizia Tomassoneo pastor batista Carmine Bianchio pastor adventista Saverio Scuccimarri e o pastor Raffaele Volpe para a Igreja Reformada Suíça.

O pastor Tomassone disse à agência NEV que a reunião foi moderada por Haifa Alsakkaf, da Comunidade Islâmica de Florença, “uma mulher muito capaz. Achei um bom sinal de abertura para as mulheres”, disse ela.

Foi um evento bastante concorrido, com público e convidados. o cardeal José Betori e o imã de Florença Izzeddin Elzir eles assinaram um documento que segue parcialmente o da fraternidade humana em Abu Dhabi, assinado em conjunto pelo papa Francisco e pelo Grande Imam Aḥmad Muhammad Aḥmad al-Ṭayyib de Al-Azhar sob o conferência global da fraternidade humana, conferência inter-religiosa internacional realizada nos Emirados Árabes Unidos, em fevereiro de 2019, que também contou com a participação do secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) Olav Fykse Tveit.

“Além de falar sobre como nasceu o Documento, discutiu-se a ideia de que Florença poderia ser uma cidade piloto na concretização da amizade islâmica-cristã e na reflexão comum – explicou novamente a pastora Letizia Tomassone -. É Mohamed Bamoshmooshda Comunidade Islâmica de Florença, sia Maurice Certini, diretor da Fundação La Pira, insistiu no fato de que Florença já foi palco de vários encontros no passado. Desde 1995, com a oração pela paz em Santa Croce, a visita do grande imã Ahmad Muhammad al-Tayyebrecebido no Palazzo Vecchio em 2015, só para citar dois exemplos”.

A proposta final é “iniciar a amizade islâmico-cristã desde Florença, onde já existe uma realidade de diálogo, que se manifesta em muitos grupos e iniciativas existentes. A ideia – continuou Tomassone – é criar a possibilidade de encontros mais estruturados, até mesmo com uma revista, em analogia com a amizade judaico-cristã (nascida em Florença em 1951 por vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona, ed)”.

Entre os motivos que levam os promotores a trilhar este caminho, está o de “dar às jovens gerações de muçulmanos e cristãos instrumentos de diálogo”. E, critério importantíssimo, fica claro para todos que esse diálogo não pode partir de cima, mas deve surgir e ser cultivado em iniciativas que partem de baixo, envolvendo diretamente a sociedade civil”.

Entre os convidados, estavam também representantes das Igrejas Ortodoxa Russa, Romena e Grega e da comunidade judaica. O rabino de Florença Gadi Piperno enviou uma mensagem de saudação.

“Fomos convidados pessoalmente para as reuniões preparatórias e para esta – declarou ainda o pároco de Florença -. É importante que estejamos presentes como parte ativa desse processo. Estamos envolvidos desde o início e por isso somos gratos. Acho muito importante que muçulmanos e católicos tenham dito que todas as expressões do mundo cristão e todas as expressões do mundo muçulmano devem fazer parte desta amizade. O primeiro passo foi dado ontem em Florença para este objetivo. Uma frase em particular do documento me impressionou: ‘compartilhamos a esperança comum no Deus do amor, para trilhar caminhos comuns de justiça e paz’”.

O encontro foi promovido pela Fundação e Centro Internacional Giorgio La Pira, juntamente com a comunidade islâmica de Florença e Toscana e o Instituto Universitário Sophia, em colaboração com diversas realidades religiosas e seculares da região.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 14º dia.  Aproveite em nome de Jesus

16 dias para superar a violência, 14º dia. Aproveite em nome de Jesus

FILIPPO BERTA, À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA, 2017. Foto de Elena Ribet Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 14: 8 DE DEZEMBRO Aproveite em nome de Jesus SOLICITARdiscutir Por que tanto desprezo eexploração das mulheres pelos religiosos cristãos? Gabriela65 anos, Bolívia Aos 12 anos, alguns padres de Buenos Aires vieram à igrejinha da minha aldeia na Bolívia; junto com nosso pároco convenceram minha mãe a me deixar partir com eles para aquela cidade distante. Eu tinha, diziam, “vocação para a santidade, para servir a Deus”, faziam-me estudar, desenvolver os meus dons. Nunca estudei, tive de trabalhar durante 50 anos como servente em residências de membros do Opus Dei, sem remuneração, até 15 horas por dia; Nunca tomei banho quente e todos os dias fui forçado a "orações" exaustivas e autoflagelação.Nos muitos séculos de sua história, a Igreja compartilhou uma visão patriarcal do mundo que favoreceu diversas formas de submissão, escravização, exploração, discriminação da mulher, dentro e fora da Igreja. Ainda hoje, depois das pequenas-grandes conquistas das teólogas feministas desde a década de 1970, a mentalidade e a teologia sexistas feitas de estereótipos e preconceitos continuam à espreita nas dobras das estruturas eclesiásticas, produzindo violência de gênero, especialmente contra as pessoas mais frágeis. Apesar de alguns passos tímidos no reconhecimento da dignidade da mulher pelo Papa Francisco, o dia em que a Igreja reconhecerá seu próprio pecado de indiferença, silêncio e cumplicidade ocasional com suas estruturas machistas ainda parece distante. Em 2 de agosto de 2022, a ADISTA deu a notícia de 43 corajosas mulheres latino-americanas que ousaram denunciar os abusos de "tráfico de pessoas, exploração e escravização" perpetrados pelo poderoso Opus Dei. Lendo os detalhes, é difícil acreditar na data. proposta de visão MADALENA dirigido por Peter Mullan Reino Unido, 2002, 114' Uma lúcida acusação contra aqueles que, em nome da religião, causaram humilhação e sofrimento a milhares de meninas na Irlanda nos anos 60. Bibliografia A.VV., A Itália das mulheres. Setenta anos de luta e conquistas, Donzelli, 2018, pp. 344, 28,50 euros.Valentina Camerini (autor) Veronica Carradizer (ilustrador), As mais belas histórias de mulheres corajoso, Gribaudo, 2019, pp.186, euro 12, 66.Coletivo Feminista de Boston, nós e os nossos corpo, Feltrinelli, Milão, 1977, 19,90 euros.Malalai Joya, Enquanto eu tiver voz - minha luta contra senhores da guerra e a opressão de Mulheres afegãs, Piemme, 2011, pp. 321, euros 5, 25.Azar Nafisi, Lendo Lolita em Teerã, Adelphi, 2007, pág. 379, 12,35 euros.Taty Almeida, Massimo Carlotto, Renzo Sicco, O Quinta-feira das Madres de Plaza de Majo, Claudiana, Turim, 2019, pp.202, Euro 14, 90.Caroline Criado Perez, Invisível. como nosso mundo ignora as mulheres em todos os campos. Dados em mão, Einaudi, Turim, 2020, pp. 472, 18,52 euros.Federica Tourn, Vire o mundo de cabeça para baixo. os movimentosde mulheres e política, edições Aut Aut, 2020, pp. 300, 16 euros. VERSÍCULO BÍBLICO Andem como filhos (filhas) da luz, pois o fruto da luz consiste em tudo o que é bondade, justiça e verdade (Efésios 5, 8-9) COMENTE A ordem de Jesus "ide e pregai o evangelho a toda criatura" se manifesta no serviço a Deus e ao próximo. O "serviço" realiza-se tornando visível ao mundo a luz de Cristo e os seus frutos de bondade, justiça e verdade!Se a realidade social ainda mostra hoje em 2022 atitudes de exploração e discriminação de gênero, dentro e fora da Igreja, isso significa que somos chamados a nos comportar como filhos da luz, pela autoridade que nos é dada por Deus; temos a urgência de continuar, sem nos cansar, de não ficar parados em silêncio confortável para nos opor, quebrar, vencer todas as formas de violência. ORAÇÃO Em nome de Jesus Cristo,nós te pedimos Senhorpara nos apoiar e acompanharno trabalho que você nos confiou.Faça-nos dignos de ser seufilhas capazes da luzpara espalhar a sua verdade para o mundomensagem de amor, justiça e verdade.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  A caminho do futuro

Sínodo Luterano. A caminho do futuro

Roma (NEV/CELI CS10), 30 de abril de 2021 – O primeiro sínodo digital da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi aberto ontem. O Sínodo decorre na 2ª Sessão até amanhã. O XXIII Sínodo Luterano tem como título “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja". Entre os temas: a misericórdia como chave para o futuro; o coronavírus acelerando a transformação digital. E ainda jovens, gênero, clima e serviço. O Sínodo foi aberto com os Relatórios do Presidente do Sínodo Wolfgang Prader e o reitor Heiner Bludau às 75 pessoas conectadas, delegados e convidados, incluindo 56 sinodais. À espera do convidado de honra, Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM) que falará às 15h. “A pandemia e as consequentes restrições sociais tiveram um forte impacto não só na vida de cada indivíduo, mas também na vida da Igreja. E, portanto, também sobre a preparação e condução do Sínodo 2021”, lê-se no comunicado de imprensa do CELI. O clima é “de otimismo, combinado com uma grande vontade de seguir em frente e começar de novo”, afirmam os luteranos. Como também surgiram dos relatórios do presidente sinodal, Wolfgang Prader e do reitor, Heiner Bludau. Abertura do Sínodo Luterano Os trabalhos começaram com o culto do Sínodo, quinta-feira, 29 de abril, às 18h00, e depois com o relatório do presidente sinodal, Wolfgang Prader, no cargo desde outubro passado. O relatório começou com um agradecimento especial ao reitor que passou os últimos meses construindo o primeiro sínodo digital da história luterana na Itália. “O distanciamento social causado pela pandemia – disse Prader – acelerou a transformação digital”. O relatório sobre as atividades da presidência sinodal, escrevem os luteranos, é fortemente influenciado pelo Covid-19. As atividades dos grupos e comissões nunca pararam. “O resultado deste intenso trabalho preparatório – continuou o presidente Prader – ocupará o sínodo nos próximos dias e esperamos resultados frutíferos. Que nestes tempos difíceis, esta seja a esperança, que os nossos corações não fiquem nublados ou mesmo fechados pela inveja, ressentimento ou tristeza, mas abertos às nossas ações”. Discurso de Dean Bludau o reitor Heiner Bludau, no relatório de hoje da 2ª sessão, convidou os membros do sínodo a prestar uma atenção particular aos efeitos que o recurso à modalidade online tem sobre eles. “Ao olharmos para o futuro e discutirmos a digitalização da igreja, é importante estar ciente de todos os aspectos, positivos e negativos, do digital.” Bludau, cujo último ano como reitor começa com o Sínodo 2021, dedicou especial atenção à explicação do conceito de misericórdia, que junto com “futuro” é a palavra-chave do Sínodo 2021. “Viver da misericórdia de Deus não significa dar esmola, mas voltar-se para o outro agarrando-o na sua plenitude”. Sobre a mudança tantas vezes invocada, especialmente nestes tempos de pandemia, convidou os membros do sínodo a refletir a fundo sobre qual caminho de renovação deve comprometer a Igreja. O sínodo será então convocado para aprovar um documento programático sobre justiça de gênero. Ainda a propósito deste tema, Dean Bludau referiu-se ao princípio da misericórdia. Também aqui será tarefa da Igreja trabalhar nesta direção para uma sociedade mais equitativa e mais aberta. As iniciativas a serem tomadas para os jovens, outro tema que aponta para o amanhã, não devem visar o recrutamento de novos membros para a igreja, uma ideia totalmente enganosa na sociedade atual, caracterizada pela mobilidade, mas devem ser concebidas como um acompanhamento de sua jornada à idade adulta. Olhando para o futuro, o reitor Heiner Bludau quis então afirmar fortemente a identidade do CELI como igreja luterana na Itália. Concluindo, o reitor disse: “Eu pessoalmente olho para o futuro com confiança, confiando naquele que é o verdadeiro mestre de nossa igreja, o Deus trino. O versículo de hoje, Isaías 9:6, de fato diz 'Grande será o seu poder e a paz não terá fim'”. Saudações da Spreafico Pela manhã, o presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI), mons. Ambrogio Spreafico e o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburgo, na Eslovênia. Spreafico abriu seus cumprimentos com uma mensagem de carinho e amizade à presidência e ao Reitor Bludau. Falando em sofrimento, ele nos convidou a nos reunir para responder às perguntas dos homens e mulheres que carregam o peso da crise. Citando o Estatuto do CELI, Spreafico disse ter ficado favoravelmente impressionado com a ideia da centralidade da comunidade como “irmãos e irmãs do mesmo mestre”. Em seguida, sublinhou “a sinodalidade como manifestação de estarmos juntos em um caminho que nos une ao Senhor e uns aos outros”. Finalmente, mencionou os 20 anos da Carta Ecumênica. E os compromissos que dela derivam ainda hoje. Por caminhos comuns que nunca pararam. Com as comemorações dos 500 anos da Reforma. Com orações ecumênicas e outros encontros, que representam “sinais que dão esperança para um caminho comum com os cristãos de outras igrejas”. São passagens que tornam “a pergunta de Deus cada vez mais forte, mesmo que às vezes escondida. É nossa tarefa apreendê-lo, rumo ao Evangelho do Senhor. Os pobres nos ajudarão a entender com suas perguntas e gritos de socorro dos migrantes, refugiados, idosos em lares de idosos que estão sozinhos há muito tempo. Devemos ser sinal de amor e unidade, num tempo em que nacionalismos, muros e divisões parecem ser as únicas respostas ao medo e ao sofrimento. O Evangelho - conclui Spreafico - nos empurra para fora das cercas. Caminhar rumo à unidade e desfrutar da alegria daquilo que já nos une, com humildade e com a convicção da riqueza das diferenças, que podemos oferecer de presente ao mundo, especialmente hoje”. Saudações de Novak O bispo Novak trouxe as saudações dos irmãos da igreja da confissão augusta na Eslovênia que vivem em uma situação extrema de diáspora. “Graças ao Senhor pelos tantos projetos na diaconia. Nos cultos, no Aniversário da Reforma e além.” disse Novak, enfatizando a importância das visitas, amizades e colaboração. “Podemos trabalhar juntos. Aquele que busca o caminho será capaz de percorrê-lo.” concluiu, desejando a bênção de Deus sobre os trabalhos do sínodo. para mais informações clique aqui: e aqui ...

Ler artigo
O Sínodo não está lá, mas

O Sínodo não está lá, mas

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense Roma (NEVCS/23), 7 de agosto de 2020 – “Gerações e regenerações. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Esta é a iniciativa que acontecerá em Torre Pellice (TO) de 24 a 30 de agosto, nos dias que costumam ser dedicados ao Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas que este ano não será realizado devido aos conhecidos eventos relacionados com a emergência Covid -19. “Não há Sínodo, mas as igrejas valdenses e metodistas estão lá com sua história e seu variado compromisso de Norte a Sul” sublinha o moderador Alessandra Trotta No vídeo que convida a acompanhar (presencialmente ou online) os eventos organizados nos lugares do Sínodo, nas datas do Sínodo, mas sem o Sínodo. Encontros, exposições, shows, filmes e até histórias em quadrinhos vão animar a semana de 24 a 30 de agosto na Torre Pellice, coração do Valli Valdesi. Um rico programa de eventos que será precedido, de 21 a 23 de agosto, por uma edição especial da Torre di Libri. Destacamos a noite de segunda-feira, 24 de agosto, com um debate na Casa Valdese intitulado “Para que ele trabalhasse e o guardasse. Justiça social e ambiental para a construção do pós Covid" com videointervenções de David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu e da Elly Schlein, vice-presidente da Emilia Romagna, Vittorio Cogliati Dezza (Legambiente) e Valdo Spini (Círculo Rosselli). Tudo moderado por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Comparações), enquanto as conclusões são confiadas ao moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta. O encontro “Invisível, mas necessário. Imigrantes e trabalho agrícola. As iniciativas das igrejas evangélicas”, organizado pelo Mediterranean Hope, um programa de refugiados emigrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), com a colaboração da Diaconia Valdense. Eles comparecerão ao encontro Maurizio Ambrosinisociólogo, Sara Maniserajornalista, Jaqueta Celestialsindicalista em Piana di Gioia Tauro, Nicolau Salussodiaconia valdense, Alberto RevelSecretário da Câmara do Trabalho, CGIL Turim, Ibrahim Diabatemediadora cultural, Rosarno, Francesco Piobbichiassistente social, MS e ativista social e sindical Aboubakar Soumahoro; coordenadas Paulo NasoFCEI. Na quarta-feira, 26 de agosto, o "Dia Teológico de Miegge" refletirá sobre os temas "Pregação e vida". No mesmo dia, pelas 17h00, a banda desenhada também aterra na Torre Pellice com a apresentação do livro de Peter Madsen sobre “Jesus de Nazaré”, publicado por Claudiana. Sexta-feira haverá vários encontros dedicados às crianças e sobre as crianças, antes de abordar o tema "Informação em tempos de emergência" organizado pelo semanário Riforma e pelo Valdensian Cultural Center à noite, às 21h00. A série de eventos terminará no fim de semana com um encontro no Museu Valdense e a exibição do filme “Valdesi. Uma história de fé e liberdade”. No domingo, 30, à tarde, serão apresentados os projetos Otto per mille para a emergência do Covid-19, seguidos de saudações da moderadora Alessandra Trotta. Aqui está o programa completo e atualizado dos Encontros da Semana Sinodal Para informações: www.chiesavaldese.org ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.