Estamos prontos, e você?

Estamos prontos, e você?

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – “Estamos prontos e vocês?” é a campanha lançada hoje pela revista e centro de estudos Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania, para pedir que a lei da cidadania, conhecida como “Ius Scholae”, seja votada no Parlamento até o final da legislatura.

Os signatários da campanha acreditam que “chegou a hora de as forças políticas que se disseram a favor da lei, muitas vezes fazendo dela uma bandeira, tomarem as providências necessárias para serem coerentes com os compromissos assumidos”.A campanha começa com uma carta aberta ao Primeiro-Ministro, Mario Draghi, e às forças políticas que compõem o governo dispostas a votar a lei. Entre os primeiros signatários Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Após o lançamento, a campanha de recolha de assinaturas vai continuar com o objetivo de envolver o maior número possível de cidadãos. O apelo diz: “Pedimos que nos ouçam e dêem o passo que há anos hesitam em dar: aprovar uma lei que nos reconheça como seus concidadãos, irmãs e irmãos de uma República que na sua Constituição reconhece os direitos fundamentais direitos de todos os cidadãos “sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais” (Art.3)”.

“Aguardamos a resposta da política – declararam os promotores da campanha –, mas não apenas com as declarações de circunstância: desta vez esperamos que a lei seja agendada no Parlamento o mais rapidamente possível e levada a votação. No dia que a gente votar, aí a gente vai fazer uma grande festa na praça com todo mundo, inclusive os políticos. Até então, permanecemos vigilantes e esperando.”

A lei, se entrasse em vigor, permitiria que homens e mulheres muito jovens, que cresceram e estudaram na Itália durante anos, adquirissem a cidadania italiana. “Centenas de milhares de pessoas, de estudantes, à espera de poder dar o seu contributo para o crescimento do país como cidadãos; e nós com eles”, concluíram os promotores.

Você pode se inscrever na campanha acessando o site www.noisiamoprontievoi.it.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Em todo o mundo estão se preparando a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontecerá de 18 a 25 de janeiro. Tema de 2020: “Eles nos trataram com bondade” (Atos 28, 2). Igrejas evangélicas e protestantes, também na Itália, estarão presentes e ativas em inúmeras iniciativas para este evento ecumênico global promovido conjuntamente pela Comissão de Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que reúne as principais Igrejas Evangélicas, Anglicanas e Ortodoxas denominações do mundo e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC). O tema deste ano é inspirado na passagem bíblica relativa ao naufrágio do apóstolo Paulo em Malta (Atos 27.18 - 28.10). “Uma história de providência divina e ao mesmo tempo de acolhimento humano: é o que nos propõem as Igrejas cristãs de Malta e Gozo, que preparamos o material para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano”, lê-se no documento do SPUC . A introdução é assinada pelo presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negropara igrejas protestantes, pelo bispo de Frosinone-Veroli-Ferentino Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, da Igreja Católica e do Metropolita Gennadiosarcebispo ortodoxo da Itália e Malta e exarca para o sul da Europa do Patriarcado Ecumênico, pela parte ortodoxa. A história de que falamos está relatada no final do livro dos Atos dos Apóstolos e se passa em Malta e no mar tempestuoso que a rodeia. “A hospitalidade – escrevem os cristãos de Malta – é uma virtude altamente necessária na busca da unidade entre os cristãos. […] Nossa própria unidade como cristãos se revelará não apenas na hospitalidade mútua, por mais importante que seja, mas também no encontro amoroso com aqueles que não compartilham nossa língua, nossa cultura e nossa fé”. O documento introdutório refere-se às várias iniciativas das igrejas para o acolhimento dos migrantes, entre as quais o Manifesto de Acolhimento da FCEI e o projeto ecuménico dos corredores humanitários. Para saber mais: Vigílias de oração, celebrações ecumênicas, estudos bíblicos, conferências, reuniões, trocas de púlpitos e outras iniciativas estão previstas durante o SPUC. O material preparatório pode ser baixado do site do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) NESTE LINK. No documento, além de propostas litúrgicas e orações, encontram-se datas importantes da história da oração pela unidade dos cristãos de 1740 até os dias atuais, bem como a lista de assuntos do SPUC a partir de 1968. O texto é dirigido a todas as igrejas e comunidades cristãs. As liturgias podem ser integradas com outros textos e as orações da celebração ecumênica, a música e outros materiais propostos podem ser usados ​​para o próprio discernimento ou para inspirar a reflexão e a meditação. O objetivo do SPUC é reunir crentes “que oram em outras partes do mundo para construir uma unidade maior e mais visível da Igreja de Cristo”, como afirma o guia proposto pelo CEC e PCPUC. O SPUC foi instituído em 1908 nos Estados Unidos pela Igreja Episcopal Paul Wattson. ...

Ler artigo
a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo
Encontrar as palavras para guiar e consolar

Encontrar as palavras para guiar e consolar

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d'Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar) Roma (NEV), 26 de outubro de 2022 – Na véspera dos “estados gerais” do protestantismo italiano (29 de outubro a 1º de novembro), a Agência NEV entrevistou o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Daniele Garrone. Este é o II General Assise, este ano intitulado "Sentinela, em que ponto é a noite...?" (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". A II Assembleia Geral da Federação das Igrejas Evangélicas está prestes a começar. O que essa nomeação representa? O Assizes oferece, a cada três anos, a possibilidade de ampla discussão entre as delegações das igrejas-membro. Trata-se de avaliar o trabalho dos últimos três anos, mas também - e diria sobretudo - de reflectir em perspectiva, sobre os problemas que terão de ser enfrentados, sobre as linhas a adoptar e as escolhas a fazer feito. Como interagem as Assizes, a Assembleia e o Conselho da Federação? As recomendações que emergem dos Assizes são de grande importância para as escolhas concretas que cabem ao órgão de decisão, a Assembleia, que se reúne pelo menos duas vezes por ano e que depois caberá ao Conselho concretizar. O Assizes é, portanto, um momento essencial para estreitar o vínculo entre a Federação e as igrejas que dela fazem parte. Assembleia FCEI 2018. Sala dos Grupos Parlamentares, 16 de novembro, Mesa Redonda "Por uma Europa de solidariedade e direitos" Desde a sessão anterior, com a pandemia pelo meio, passaram-se 4 anos. Este, para a FCEI, é, portanto, o primeiro momento oficial de encontro presencial com os dirigentes e delegações luteranas, batistas, metodistas, valdenses, do Exército de Salvação há muito tempo. Os Assizes serão o momento de trabalhar juntos, mas também de conviver uns dias juntos, em convívio. O que você acha? O facto de trabalharmos juntos durante vários dias será tanto mais benéfico depois da experiência da pandemia, mas é fundamental: conversas informais, encontros pessoais que se consolidam ou se estabelecem, partilha de momentos de adoração e canto são momentos formais igualmente construtivos de discussão em assembléia. Quais serão os principais temas do Assise? Entre as várias tarefas que o regulamento atribui aos Assizes, e que vão ser realizadas, desta vez pareceu contudo importante dar particular atenção ao que se define como o exame das “questões e problemas espirituais, sociais e éticos atuais”. Escolhemos, portanto, “Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Cada um desses termos está presente no debate público e com declinações muitas vezes diferentes e às vezes conflitantes. Tanto em sua pregação como em seu compromisso diaconal, nossas igrejas também lidam com as questões a que esses termos se referem e provavelmente convivem entre nós diferentes entendimentos. As ideias de como será a Federação nos próximos três anos certamente tomarão forma de forma compartilhada apenas ao final dos Assizes. Quais são os desafios que você vê surgindo para as igrejas, à luz das palavras-chave que guiarão o seu trabalho (Liberdade e democracia. Trabalho e meio ambiente. Globalização e paz)? Gostaríamos que o Assizes fosse uma ocasião "sinodal" de aprofundamento, se quisermos "analisar" o contexto em que somos chamados a testemunhar e agir e de como nos colocamos diante dos problemas dramáticos que estão enfrentando. Compreendemos esse aspecto na frase: “O que vemos?” Com a outra frase, “O que temos a dizer?” esperamos poder descobrir, na comparação realizada à luz da palavra de Deus, não apenas coisas razoáveis ​​ou úteis ou imediatamente compartilháveis, mas as palavras necessárias para guiar, consolar e fortalecer nossas igrejas, em seu testemunho como em seu serviço. Agendado Sábado 29 às 14h30, culto de abertura do Assis. Na igreja metodista na via XX Settembre. Pregar Daniele Garronepresidente da FCEI. Sábado 29 às 16h, iniciativa pública. Na igreja metodista da via XX Settembre em Roma, acontece a mesa redonda: "Sentinella, em que ponto é a noite...?" Apresentar e moderar Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI. Caixas de som: Débora Spini (Estudos liberais na New York University Florence). Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina). Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes, delegados das igrejas que aderiram à FCEI, se deslocarão para Sassone (Ciampino), onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Para saber mais Leia o especial do NEV sobre Assise 2022. FICHA TÉCNICA sobre o Assise. Um pouco de história A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.