Celibato, obrigação ou escolha?  Paolo Ricca intervém no casamento de padres

Celibato, obrigação ou escolha? Paolo Ricca intervém no casamento de padres

Foto de Unsplash.com, por Karl Fredrickson @kfred

Roma (NEV), 14 de janeiro de 2020 – A Agência NEV entrevistou o teólogo valdense Paulo rico sobre o celibato eclesiástico e os recentes pedidos do Sínodo da Amazônia para a abertura à ordenação de homens casados.

Padres casados, qual é a posição dos protestantes?

A posição é a escolhida pelos reformadores do século 16, que sustentavam que não havia razões bíblicas ou outras razões pelas quais os ministros, e particularmente os pastores comunitários, eram solteiros. Assim, os próprios reformadores, sem exceção, se casaram. O próprio Lutero, embora na verdade tenha se casado muito tarde, foi marido, tornando-se mais tarde pai de seis filhos e filhas.

Joseph Ratzinger pediu a retirada da assinatura do livro do prelado guineense Robert Sarah, lançado na França com o título “Das profundezas de nossos corações”. No volume há um ensaio introdutório do papa emérito que supostamente escreveu “Não posso ficar calado”, pedindo a um Papa Francisco não permitir a ordenação sacerdotal de homens casados ​​proposta pelo Sínodo da Amazônia. O que você acha?

Acho que o celibato é uma possibilidade, tanto para qualquer cristão, o cristão leigo, como para o cristão encarregado de um ministério, seja sacerdotal, pastoral, diaconal, doutoral ou outra forma de ministério apostólico.

É uma possibilidade de que a Bíblia fala. Jesus aparentemente não era casado, mas a ideia de que existe uma incompatibilidade entre casamento e ministério de qualquer tipo na igreja, e estou falando de ministério masculino e feminino, porque isso obviamente também se aplica às mulheres, é uma ideia que tem sem raízes bíblicas.

Se alguém se sente chamado a uma vida de solteiro, como dizem hoje, de solteiro, ótimo. Ninguém o proíbe. Também está previsto na carta aos Coríntios no capítulo 7, dedicado a esses assuntos.

É uma possibilidade que, para ser autêntica, penso que deve permanecer livre. No momento em que se torna lei, torna-se obrigatório e afirma, como creio que Ratzinger sustenta, que existe uma relação ontológica, isto é, de substância, entre o celibato e o ministério sacerdotal ou pastoral (o que seria questionado, aliás negado ou em qualquer caso irreparavelmente comprometido pelo fato de ter uma relação conjugal ou matrimonial), esta afirmação é absolutamente, a meu ver, desprovida de qualquer fundamento bíblico e, portanto, com todo o respeito, desprovida de verdade e autoridade cristã. Não é algo que a fé cristã deva aceitar, esse é o ponto. Não é algo que deve ser obedecido em nome da fé.

Naturalmente todas as posições são dignas de serem meditadas, nada nem ninguém é desprezado, mas não me apetece dizer mais nada. É uma opinião respeitável, como todas as outras, mas nada mais. Uma opinião que não tem nada específica e autoritariamente cristã.

Na sua opinião, o celibato eclesiástico deveria ser abolido?

O que deve ser abolido não é o celibato, mas a obrigação do celibato. A obrigação é o que trai a própria natureza do celibato. Não que alguém seja forçado a casar, mas o celibato também é uma violação dos direitos humanos.

Quem aceita esta lei o faz de bom grado, de bom grado, por mil motivos espirituais, religiosos ou não religiosos. No entanto, assim como o celibato é um direito humano, o casamento também é um direito humano. Amar uma pessoa é um direito, não um crime. Todo mundo sabe que existe atração entre os sexos. E é uma coisa sacrossanta, a única coisa graças à qual a humanidade sobrevive. Sem isso, sem atração, não haveria futuro. O casamento pode complicar ou resolver problemas, como todas as situações humanas da vida. Não há mística do casamento, nem mística do celibato.

O que aconteceria se o celibato fosse abolido?

Se a obrigação do celibato fosse abolida, seria uma libertação. Seria entendido em todo o mundo que o ministério e o casamento (amor conjugal e familiar) podem ou não coexistir, mas não podem ser escolhas impostas.

É claro que uma vida familiar infeliz, seja de pároco ou de sacerdote, pode repercutir negativamente no exercício do ministério, mas isso não justifica impor uma escolha. Ratzinger argumentaria em seu ensaio que no Antigo Testamento os padres tinham que prometer abster-se de qualquer ato sexual com suas esposas, vivendo como irmão e irmã. Eu não sabia, é muito estranho para mim acreditar, mas seria uma lei injusta.

Por trás de tudo isso está a suspeita, para não dizer a crença, de que a sexualidade é pecaminosa em si mesma, de que qualquer que seja o ato sexual em que você se envolva, você peca. Porque o pecado está em algum lugar, misteriosamente. É uma ideia muito antiga, difundida também no cristianismo e, talvez, uma das razões pelas quais a renúncia à sexualidade foi entendida como o primeiro passo para a santidade. Mas essas são teorias fora da sagrada escritura.

Não tenho sabedoria além do pouco que posso entender da Bíblia, onde nada disso existe. Pensemos no Cântico dos Cânticos. É um manifesto da sexualidade como graça divina, um dos dons mais belos que a humanidade pode experimentar.


Paolo Ricca, teólogo, pastor valdense, professor emérito da Faculdade de Teologia Valdense, publicou numerosos ensaios e volumes, incluindo o livro “De monge a marido. Dois escritos sobre o casamento (1522 e 1530) de Martinho Lutero”, publicado por Claudiana.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho Mundial de Igrejas.  Reunião do Comitê Central na Suíça

Conselho Mundial de Igrejas. Reunião do Comitê Central na Suíça

O Comitê de Referência de Política, um dos grupos de trabalho permanentes do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) - junho de 2023 - foto Albin Hillert (CEC) Roma (NEV), 26 de junho de 2023 – A reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está em andamento em Genebra, Suíça. Esta é a primeira reunião “completa” desde a 11ª Assembleia realizada no ano passado em Karlsruhe. “Cada reunião do Comitê Central é uma oportunidade única para fortalecer o testemunho do CMI como comunhão viva” diz o site do CMI – oikoumene.org Da Itália vem o pastor valdense Michael Charbonnierque nos contou sobre o início das obras: Reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra - junho de 2023 - de preto para as quintas-feiras de preto, a campanha por um mundo livre de estupro e violência - foto Albin Hillert (CEC) “É uma reunião especial e particularmente complexa, até porque todo o trabalho do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas deve ser organizado para os próximos oito anos. Precisamos rever as prioridades expressas pela Assembléia de Karlsruhe, precisamos decidir e aprovar as estratégias. Assim, é necessário construir um plano estratégico para implementar os vários programas do Conselho, é necessário nomear e organizar os vários grupos de trabalho do Comitê Central. Grupos que irão então exercer os vários sectores, com base nas diferentes funções. É um trabalho complexo também porque você tem que fazer com muitas pessoas novas. De fato, 75% dos membros do Comitê Central eleitos em setembro do ano passado em Karlsruhe estão em sua primeira experiência. Isso obviamente gera a necessidade de dar tempo para explicar, para trazer as pessoas para as questões maiores, e tudo isso deve ser feito sem esquecer o hoje. Sem esquecer todas as questões que já estão sobre a mesa e que já fazem parte do trabalho diário do Conselho. Um tema acima de tudo: a questão da guerra na Ucrânia, tanto do ponto de vista "político" quanto do ponto de vista das relações entre as várias igrejas envolvidas no conflito. Sem esquecer todos os outros conflitos em curso, por exemplo, o de Mianmar. E com atenção ao que ainda não está no trabalho do Concílio, mas que se apresenta no horizonte da vida das igrejas do CMI. Um exemplo entre muitos é a questão do desenvolvimento descontrolado da inteligência artificial e como isso afeta a vida das pessoas e comunidades de fé. Diante de tudo isso, sete dias para uma reunião parece muito tempo, mas provavelmente será apenas o suficiente”, disse Michel Charbonnier. Além dos 150 membros e 8 presidentes eleitos em Karlsruhe, o Comitê Central reúne diversos conselheiros de parceiros ecumênicos e outras igrejas. A agenda inclui o desenvolvimento da direção estratégica, questões programáticas e financeiras, comunicação. Entre os temas indicados à Comissão pela Assembleia: peregrinação da justiça, reconciliação e unidade, missão da Igreja. ...

Ler artigo
Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Foto Ivars Kupcis/CEC Roma (NEV), 24 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina em 25 de janeiro. O Secretário Geral Interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Padre Ioan Sauca, convida a família ecumênica e todas as comunidades globais a se unirem para o serviço de oração. A celebração será transmitida no dia 25 de janeiro. Na próxima segunda-feira, portanto, será possível ficar online para rezarmos juntos. “Como as restrições devido à pandemia estão dificultando a reunião física. disse Saúca. Esta celebração on-line global nos permitirá orar juntos onde quer que estejamos. A oração é um dos frutos que brota da nossa permanência no amor de Cristo”. Concluindo, mais algumas palavras sobre a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Tradicionalmente, é comemorado de 18 a 25 de janeiro, em meio às festas de Pedro e Paulo. O tema para 2021 é "Permanecei no meu amor: dareis muito fruto". Para saber mais: A carta convite de Ioan Sauca. Link para acompanhar o culto de oração na segunda-feira, 25 de janeiro de 2021, 14:00 CET. www.oikoumene.org/live unidade cristã. Carta conjunta católica, ortodoxa e protestante "Vivemos e celebramos nossa unidade na oração comum". Mensagem assinada pelo bispo Ambrogio Spreaficodo metropolita Polykarpos Stavropoulos e pelo pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), por ocasião do SPUC. agenda NEV de eventos italianos. Semana de oração pela unidade dos cristãos e recorrências históricas o artigo de Claudio Geymonat. “Este ano é também uma ocasião para comemorar os 500 anos da excomunhão de Lutero”… ...

Ler artigo
Relatório sobre o estado dos direitos na Itália

Relatório sobre o estado dos direitos na Itália

Roma (NEV), 7 de dezembro de 2022 – Foi apresentado o relatório anual sobre o estado dos direitos na Itália, editado pela associação A good right e com a contribuição do Otto per mille Waldensian. O conteúdo da publicação foi ilustrado no último dia 5 de dezembro, em coletiva de imprensa na Câmara, que contou com a presença dos parlamentares Ouidad Bakkali, Rachele Scarpa, Cecilia d'Elia, Susanna Camusso e o deputado Ricardo Magi. O advogado Ilaria Valenzi, representante legal da FCEI, que cuida e trata da parte sobre o pluralismo religioso há vários anos, explicou: "O relatório sobre o estado dos direitos que A Buon Right elabora todos os anos - estamos agora há nove anos antigo - é uma ferramenta importante tanto para monitorar o estado de saúde dos direitos na Itália quanto para as propostas que podem surgir deste relatório para implementar a proteção quando necessário e para chamar a atenção da política e das instituições para a necessidade de não deixar nenhum direito e , acima de tudo, qualquer pessoa, de volta. Na verdade, o relatório também lança luz sobre questões que correm o risco de serem marginais ou ausentes do debate público. O relatório também aborda os direitos de forma interseccional, destacando os pontos de contato entre os diferentes direitos e sua contaminação mútua. Assim, por exemplo, falar de pluralismo religioso não pode ser separado de lidar também com questões de gênero, imigração, cidadania. Os oito por mil da mesa valdense continuam a acreditar neste projeto e a apoiá-lo com convicção”. AQUI o texto completo do Manifesto do Parlamento dos Direitos. Aqui está o link para a transmissão ao vivo da reunião: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.