17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”.

“A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades – pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar – mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”.

Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”.

Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI.

O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos.


17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.
A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.
No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Religiões do G20, Winkler: “Combater o racismo sistêmico”.

Koshu Kunii, antiespalhamento Roma (NEV), 16 de setembro de 2021 – Há um racismo que é sistêmico, nos Estados Unidos, um país “nascido nas costas da escravidão, em terras que foram roubadas e saqueadas”. Como James "Jim" Winkler Jim Winklerpresidente do Conselho Nacional das Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA), protagonista da segunda entrevista com líderes protestantes mundiais, à margem do Fórum Inter-religioso que aconteceu em Bolonha nos últimos dias. O que significa que o racismo nos EUA é "sistêmico"? “Em nossa sociedade, um grande número de brancos nega até a existência do racismo. Isso por si só indica a intensidade do racismo nos Estados Unidos. Muitas pessoas confundem preconceitos, suas próprias orientações e pontos de vista, com racismo. Todo mundo tem algum tipo de viés pessoal. No contexto dos Estados Unidos, entretanto, poder mais preconceito é igual a racismo. E em nossa sociedade, o poder é realmente controlado pelos brancos. É assim que vocês se tornam cúmplices desse sistema. As formas em que se expressa são variadas: desde onde e se você pode ter uma casa própria, até o acúmulo de riqueza, cuidados de saúde, quanto mais chances você tem de ser parado pela polícia. Talvez a situação tenha melhorado desde que eu era mais jovem. Mas continua sendo um problema muito sério em nossa sociedade. Portanto, quando há episódios muito graves – refiro-me ao assassinato de Michael Brownou ao de George Floyd- quando você vê a intensidade do clamor, da frustração, da raiva, se você é branco, também tem que entender que existe algo mais profundo. Há uma raiva que precisa ser abordada. Muitas pessoas não querem fazer isso, eles não entendem a gravidade disso. Eles dizem: "Bem, eu não sou racista." É um problema antigo que realmente nunca foi embora. Por que as pessoas não podem simplesmente viver juntas, a natureza sistêmica do racismo deve ser abordada antes que possamos avançar. Temos que analisar o problema em um contexto e sistema mais amplo, que precisa ser corrigido e mudado. Hoje temos uma compreensão maior de tais fenômenos do que há muitos anos. Mas ainda há um longo caminho a percorrer. Há poucos dias, o aniversário das Torres Gêmeas. Como os Estados Unidos mudaram nesses 20 anos? O que você lembra daquele dia? Para mim, 11 de setembro de 2001 foi um dia muito, muito importante. Eu estava no Capitólio naquele dia, onde ainda trabalho. Do outro lado da rua do Capitólio fica um prédio da Igreja Metodista, um centro ecumênico, onde fica o Conselho Nacional de Igrejas, como muitas outras igrejas. Na época, eu era o responsável pelo prédio, como metodista, lembro de reunir todos para um momento de oração. Então soubemos do colapso da segunda torre e disse a todos para irem para casa. Senti que era minha responsabilidade permanecer no prédio para garantir que tudo estivesse seguro. Lembro que os prédios do governo foram rapidamente fechados. Tantos policiais na rua, não tinham para onde ir, usar o banheiro, ligar para as famílias, se abrigar do calor e pegar um pouco de sombra. Então, quase viramos um refúgio para os agentes. Logo depois tivemos um culto e também vários dias depois, para comemorar, para expressar nossa dor, nossa tristeza. Desde então, por algum tempo, tem sido muito emocionante ir trabalhar todos os dias no Capitólio. Até passar pelo Pentágono era diferente. Eu também estava ensinando uma classe de escola dominical em uma igreja local na época, perto de Washington DC, eu tinha tanto o pessoal do FBI, quanto a mídia, outros que trabalhavam no Pentágono, eu mesmo conhecia pessoas que morreram e nos anos 80 pelo forma como trabalhei no World Trade Center... O 11 de setembro foi e é um assunto muito pessoal. Mas, além da intensidade emocional do momento, devemos entender que os ataques ocorreram em um contexto histórico. As causas básicas desses ataques estão na política externa americana, e essas causas básicas precisam ser abordadas. Muitas pessoas negaram essa tese, elas simplesmente queriam vingança. Nossa proposta era, mais do que invadir o Afeganistão, fazer um esforço por meio de instituições internacionais para levar os responsáveis ​​pelo ataque à justiça e levá-los a julgamento pelo que fizeram. Destrua – não necessariamente militarmente – sua rede terrorista. Em vez disso, os Estados Unidos escolheram invadir o Afeganistão. Achei um erro muito grave, uma decisão fora dos limites do direito internacional. Uma escolha que anulou a forte solidariedade que o mundo tinha na época com os Estados Unidos e contra esse extremismo. Liderei uma delegação de representantes de diferentes religiões ao Paquistão e depois falei também sobre o Iraque…Qualquer pessoa com bom senso pode entender como as decisões que incorporam raiva, fúria e vingança foram tomadas.. E então eu pessoalmente acho que posso dizer que estávamos certos. E George Bush ele estava errado. Participamos de protestos, comícios e todo tipo de esforço para acabar com a guerra, especialmente no Iraque. Sempre pensei que a guerra contra o Afeganistão estava errada. Lá guerra ao Terror naquele início de 11 de setembro. Hoje, os EUA se retiram do Afeganistão. Como você vê a situação dos migrantes afegãos e de outros países do mundo? Para o Afeganistão, como igrejas nos EUA, estamos nos mobilizando para tentar reassentar refugiados. Por exemplo, minha igreja local em Alexandria, Virgínia, está recebendo uma família de refugiados afegãos. Nós somos recolhendo alimentos e roupas, estamos ajudando-os a encontrar um lugar para morar, tentamos garantir que seus filhos frequentem a escola, esperamos que os adultos consigam um emprego. Não tentaremos controlar suas vidas, mas apenas garantir que estejam prontos para viver suas vidas nos Estados Unidos. Esta é uma experiência muito comum em todo o país. Assim, o primeiro objetivo é satisfazer as necessidades imediatas. Enquanto isso, continuamos a exigir que os Estados Unidos sejam o mais generosos possível com as pessoas que estão tentando imigrar para nosso país, pessoas da América Central, Guatemala, Honduras, El Salvador. E estamos muito aflitos com as restrições impostas à imigração nos próximos anos. O governo Trump tem sido desastroso. Mas ainda hoje não estamos vendo as melhorias nas condições de fronteira que esperávamos. E ainda temos que lidar com a xenofobia que permeia nossa sociedade. Você está dizendo que ele já está desiludido com o governo Biden? Sim, estamos desapontados, até dissemos a alguns representantes do governo. O dissemos esperar que houvesse uma mudança real: queremos que mais imigrantes sejam admitidos nos EUA, especialmente aqueles que vêm para o nosso país porque temem por suas vidas, mas também por causa da exploração de recursos. Um problema muito difícil que precisa ser abordado é o seguinte: lA única razão pela qual as pessoas realmente querem deixar seu país é porque as condições de vida são intoleráveis. Porque sou eu? Os fatores são diferentes, mas os Estados Unidos não são inocentes. Há muitos anos que exploramos os países da América Central; nós os usamos como um reservatório de mão de obra barata, como meio de ter plantações de banana, coca, café, cacau, para que possamos desfrutar de luxos baratos em nosso país; apoiou governos militares repressivos; forneceu a esses governos armas e meios militares; teve políticas reacionárias terríveis que tornaram a situação intolerável. Assim, não só devemos acolher os refugiados, não só devemos permitir o acesso aos requerentes de asilo, mas também devemos mudar as nossas políticas em relação aos países de origem e, em particular, à América Central. Há uma necessidade de uma alteração sistêmica e holística das políticas governamentais e anti-racismo por parte de nosso povo. Como as igrejas nos Estados Unidos reagiram à pandemia? Tenho muito orgulho de como as igrejas que fazem parte do Conselho Nacional de Igrejas reagiram, e continuam a fazê-lo de forma muito responsável. É verdade, algumas igrejas e líderes religiosos têm dito que o covid é uma ficção, nunca deixaram de se reunir e rezar pessoalmente e têm apontado o dedo ao governo, “culpado” de reprimir a liberdade religiosa. Mas nossas igrejas entenderam que diante de uma pandemia não poderíamos continuar com centenas de pessoas rezando juntas, havia o risco de espalhar a doença, tínhamos que ser responsáveis. É por isso que entramos no culto virtual, fizemos sacrifícios, também usamos muitos de nossos prédios de igrejas para cuidar de crianças, de alcoólatras anônimos, de escoteiros e assim por diante, nossas igrejas são lugares ocupados, funcionam como centros sociais. Tivemos que parar todas essas atividades, porque a saúde pública é mais importante do que algumas de nossas funções anteriores – foi um grande desafio. Com o tempo, muitas de nossas igrejas também se tornaram centros de vacinação e locais de cooperação com os departamentos de saúde. Compartilhamos informações com a população, sobre distanciamento social, máscaras, prevenção... Hoje há esperança de podermos rezar juntos novamente. Muitas de nossas igrejas estão se movendo nessa direção, com cautela. Veremos como a pandemia progride. No entanto, muitas pessoas nos Estados Unidos sentem raiva, sentem o cansaço deste último ano. Felizmente, o governo Biden lidou com a emergência com responsabilidade, inclusive em relação às vacinas. Quais são os principais desafios para as igrejas norte-americanas? Acho que o primeiro desafio é justamente a Covid, superar a emergência sanitária. Devemos ser responsáveis ​​e encorajar nosso pessoal a ser responsável. Em segundo lugar, devemos abordar a profunda polarização que existe em nossa nação, que sem dúvida piorou muito nos últimos anos. Precisamos dizer às pessoas que só porque vocês discordam, politicamente, não significa que vocês devam se odiar. E então estamos incitando nosso governo a ser generoso: dar assistência econômica aos desempregados, melhorar o sistema de saúde abordando o racismo, afastar-se da devoção que temos em gastar tantos de nossos recursos com os militares. Vejo, portanto, na Igreja uma responsabilidade individual, mas também coletiva e depois a vontade de recorrer ao governo para buscar justiça. Estamos pedindo uma reforma de nossa força policial: muitos policiais veem os cidadãos como inimigos. Portanto, temos muitos desafios pela frente e são desafios políticos complexos. Bancos de argila, antisplash É difícil quando você tem uma nação inteira que foi construída em terras roubadas e criada nas costas de escravos. Desde o início, os EUA têm sido uma nação reacionária que professa ideias progressistas - liberdade, justiça, igualdade - mas entende uma contradição fundamental entre a própria fundação da nação e seus ideais professados. É por isso que digo que precisamos de um período sustentado de liderança calma, madura e responsável, e estou muito preocupado. Podemos desmoronar como nação: estamos em uma encruzilhada. Nós, como igrejas e comunidades de fé, temos diálogos inter-religiosos, entre o Conselho Nacional de Igrejas e nossos membros junto com a comunidade judaica, a comunidade muçulmana, as comunidades sikh, hindu, budista, porque queremos ser solidários uns com os outros, abordar o preconceito contra algumas dessas comunidades. E queremos trabalhar juntos para resolver os problemas de nossa sociedade e enfrentar os desafios futuros. Não podemos fazê-lo apenas como cristãos, temos que fazê-lo numa base inter-religiosa e é isso que estamos tentando fazer”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
O sonho de uma Itália protestante

O sonho de uma Itália protestante

O webinar, organizado pela Comissão Batista-Metodista-Valdense (BMV) que trabalha para a Assembleia-Sínodo, tem como título: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". Émile Florio, professor de história e filosofia, fará uma retrospectiva histórica das relações entre as Igrejas BMV cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. “Aquela reunião realizada em novembro de 1920 – recorda Florio – foi julgada pela maioria como um fracasso: houve subestimação da complexidade dos problemas, não houve respostas definitivas e não se conseguiu a constituição de uma única igreja evangélica nacional. No entanto, é interessante ver como o mundo evangélico italiano, substancialmente sob a pressão dos leigos, questionou algumas questões, que em parte ainda nos questionam hoje: como falar à Itália como evangélicos? O que é liberdade religiosa? Qual relação entre as igrejas evangélicas é mais útil para fazer tudo isso?”. deexcursão historiador então, com a ajuda de três palestrantes (Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner), será oferecido um vislumbre dos desafios futuros e das potencialidades do caminho comum. A última Assembléia-Sínodo foi realizada em Roma em novembro de 2007. Desde então parece ter diminuído o interesse entre nossas igrejas no caminho da colaboração e comunhão entre as igrejas batistas, metodistas e valdenses. É assim mesmo? Quais podem ser as razões? Três dos seis membros da Comissão de Trabalho da BMV para a Assembleia-Sínodo responderam a essas e outras perguntas. “Acho que houve uma queda no interesse – diz o pastor metodista Pedro Ciaccio – e que tem vários fatores contribuintes, que levaram a uma mudança de prioridades na agenda. Entre eles destaco três: o fenômeno migratório, no qual se concentra um grande empenho das igrejas valdenses e metodistas; o chamado da Comunhão das igrejas protestantes na Europa para esclarecer a contradição entre o reconhecimento mútuo dos membros e das igrejas sem que haja o reconhecimento mútuo do batismo; o enfraquecimento da Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI), forja da “BMV”». “Acho que o BMV encalhou na questão do batismo – continua o pastor valdense David Rostan – um problema que ainda não entendo. Realizei a maior parte do meu ministério em igrejas batistas e valdenses no contexto de projetos de colaboração territorial e, na prática pastoral, encontrei-me enfrentando a questão do batismo ou da confirmação com uma abordagem mais sociológica e simbólica do que teológica. Mais do que apenas discussões teológicas, tenho visto prevalecer, tanto do lado batista quanto do lado valdense e metodista, um apego à identidade que tem muito pouco a ver com a realidade da pastoral e com os problemas reais de nossas igrejas”. . “Acho – acrescenta o pastor batista Daniel Podesta – que a diminuição do interesse pelo BMV se deve também ao fato de que hoje vivemos uma época em que cada vez mais somos levados a nos retirarmos para o próprio quintal, e nossas igrejas não estão imunes a essa tendência. Mesmo as igrejas da mesma denominação, em nível regional ou na mesma cidade, estão encontrando cada vez mais dificuldade para colaborar, com algumas exceções. A questão certamente não será resolvida por webinars de 21 de novembro, mas esperamos que dê início a uma reflexão que leve a uma nova visão de uma hipótese de trabalho comum". – Então, onde recomeçar o relacionamento e a comunhão de nossas igrejas? “Recomecemos da vocação comum – responde Ciaccio -, que é servir ao Senhor na cidade onde Deus nos chamou a viver, levando adiante as respectivas tradições, histórias e teologias. Isso é suficiente para reviver o BMV? Não sei, deveria ser." “Talvez – diz Rostan – possamos recomeçar considerando as colaborações territoriais não como um 'plug-gap' para responder à falta de recursos econômicos e pastorais, mas uma ferramenta para racionalizar nossos recursos e lançar projetos missionários”. Sobre a necessidade de recomeçar a partir das igrejas locais, Podestà continua: “Mais do que nos documentos oficiais, que também são importantes, devemos nos concentrar naqueles projetos de colaboração territorial nos quais os membros da igreja possam se sentir direta e ativamente envolvidos”. O pastor cita a experiência dos cultos online preparados durante o confinamento das igrejas evangélicas de Milão, ou a experiência de adoração de zoom, no qual estiveram envolvidos vários pastores e pastoras das igrejas BMV. “Devemos esperar essas novas formas de colaboração, pois elas podem ampliar nosso escopo de trabalho comum.” Os executivos incentivaram uma ampla participação no webinars, especialmente por aqueles que se juntaram recentemente a uma de nossas igrejas. “Numa época em que estamos totalmente afogados em agendas de coisas para fazer, – diz Ciaccio -, este webinars é uma boa oportunidade para tirar algum tempo para fazer perguntas que são importantes para nossas igrejas”. “Para aqueles que recentemente participaram da vida de uma de nossas igrejas – sugere Rostan – eu diria: 'caro irmão, irmã, seja qual for a igreja protestante histórica que você escolheu para frequentar, você não está sozinho, existem outros protestantes que têm histórias diferentes; venha e veja o que o protestantismo fez neste país'”. “Eu começaria pelo título de webinars, 'O sonho de uma Itália protestante' – conclui Podestà -. Em uma sociedade dividida, onde cada vez mais muros de separação estão sendo construídos, acho importante reiterar a necessidade de se apegar ainda hoje a esse sonho de unidade e, portanto, gostaria de encorajar as pessoas a participar da reunião para entender como eles pode fazer parte da realização desse sonho”. ...

Ler artigo
Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.  Igrejas de todo o mundo

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Igrejas de todo o mundo

Imagem retirada de www.christianunity.va Roma (NEV), 27 de dezembro de 2022 – A habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) será realizada de 18 a 25 de janeiro de 2023. Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo. O versículo da Bíblia escolhido para este ano é: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça (Isaías 1:17)." Clique AQUI para ver os compromissos na Itália. Foto Albin Hillert/CEC O contexto em que foram elaborados os textos que acompanham o SPUC 2023 é o do assassinato de George Floyd. “Durante anos – lê-se no documento – Minnesota sofreu algumas das piores discriminações raciais da nação: em 1862 foi palco, por exemplo, do maior eseCulto em massa na história dos EUA, quando trinta e oito nativos de Dakota foram enforcados em Mankato, um dia depois do Natal, após a guerra dos Estados Unidos–Dakota. Enquanto se preparavam para morrer, os trinta e oito Dakotas cantaram o hino Wakantanka taku nitawa (muitosou seja, grande) cuja versão (também italiana) se insere na celebração ecumênica daSemana. Mais recentemente, Minnesota tem sido o epicentro do cálculo racial. Quando o covid–19 fecharam o mundo em março de 2020, o assassinato de um jovem afro–Americano, George Floyd, nas mãos de um policial de Minneapolis, Derek Chauvinele saiu na praça pessoas de todo o mundo, unidas no sentimento de justa indignação, para protestar contra a injustiça de que foramou testemunhado na televisão. Chauvin, demitido logo depois do assalto, tornou-se o primeiro policial da história moderna condenado, em primeira instância, pelo assassinato de um afro–americano em Minnesota". A história dos maus tratos das comunasa unidade de cor nos Estados Unidos, continua o documento, “criou desigualdades de fraturas de longa data e relacionais entre as comunidades. Consequentemente, a história das igrejas nos Estados Unidos A United inclui questões raciais como um fator importante de divisão eclesial; em alturavá embora do mundo, esse mesmo papel é desempenhado por outras questões não doutrinárias. É por isso que o trabalho teologia da unidade realizada pela Comissão Fé e Constituição do Concílio Ecumênico das igrejas tem tradicionalmente tentado manter ijuntos a busca pela unidade das igrejas e a pesquisa de superar muros de separação, como o racismo, dentro da família humana. Olha Você aqui porque rezar juntos, especialmente rezar juntos pela unidade dos cristãos, adquire significado paraainda mais importante quando se coloca no centro das lutas contra o que nos separa como seresseres humanos criados com igual dignidade à imagem e semelhança de Deus". Os materiais litúrgicos, disponíveis em 7 idiomas, foram preparados e publicados em conjunto pela Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e pelo Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo: O WCC escreve: “Aprender a se sair bem requer uma decisão de comprometimento. A Semana de Oração é o momento perfeito para os cristãos reconhecerem que as divisões entre nossas igrejas e denominações não podem ser distinguidas das divisões presentes na família humana mais ampla”. Na introdução aos materiais litúrgicos, válidos tanto para a Semana quanto para todo o ano, é enfatizado que rezar juntos pela unidade dos cristãos é uma oportunidade para refletir sobre o que une as pessoas e como enfrentar a opressão e a divisão entre os seres humanos. “A unidade dos cristãos deve ser sinal e antecipação da unidade reconciliada de toda a criação – lê-se no documento -. Como cristãos, devemos estar dispostos a destruir os sistemas de opressão e defender a justiça”. Os materiais litúrgicos incluem, entre outras coisas, um serviço ecumênico com oração de abertura, reflexões bíblicas e orações por oito dias. Pai Ioan Sauca, Secretário-Geral Interino do CMI, disse: “A oportunidade de orarmos juntos é uma bênção para todos nós, pois, apesar de nossas diferenças, nos encontramos juntos em comunhão com o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador de acordo com as Escrituras. Portanto, cumpramos juntos nosso chamado comum para a glória do único Deus, Pai, Filho e Espírito Santo”. E acrescentou: “Juntos estamos plantando as sementes da justiça e da paz. Enquanto lutamos e rezamos pela unidade dos cristãos, podemos alimentar nossa esperança coletiva para o novo ano e para enfrentar os tempos difíceis em que todos vivemos”. O SPUC ocorre todos os anos em torno de Pentecostes no Hemisfério Sul e entre 18 e 25 de janeiro no Hemisfério Norte. Parceiros ecumênicos de diferentes regiões são convidados a se revezar na preparação dos materiais. Suas raízes remontam a mais de 100 anos e, desde 1966, após o Concílio Vaticano II, é elaborado conjuntamente pela Igreja Católica Romana e pelo CMI. Para saber mais: Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.