#SPUC2020.  Oração ecumênica unidade cristã na África

#SPUC2020. Oração ecumênica unidade cristã na África

Foto de Albin Hillert/FLM

Roma (NEV), 24 de janeiro de 2020 – Também os cristãos na África se uniram às celebrações ecumênicas e aos momentos de oração por ocasião da anual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, celebrada em todo o mundo de 18 a 25 de janeiro.

Em Nairóbi, líderes religiosos, indivíduos, órgãos ecumênicos e representantes de organizações religiosas oraram juntos na Catedral Anglicana de Todos os Santos em um culto do “Movimento Ecumênico Internacional”.

Angeline Okola, coordenadora do programa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Rede Ecumênica de Defensores da Deficiência de Nairóbi, disse que a bondade é um atributo fundamental da humanidade que supera todas as divisões. “Como parte das atividades desta semana, exortamos o corpo de Cristo a mostrar essa bondade às pessoas com deficiência, ouvindo, conversando e interagindo conosco. Isso fortalecerá nosso sentimento de pertencer ao corpo unido de Cristo”.

Innocent Maganya, professor da Tangaza University College em Nairóbi, presidente do Movimento Ecumênico Internacional do Quênia, em um comunicado, pediu às igrejas, como parte de seu testemunho ecumênico, que demonstrem bondade em um mundo que experimenta experiências sociais, políticas, econômicas e espirituais. Sublinhou que o Quénia acolheu “muitos estrangeiros”, incluindo refugiados da Somália, Sudão do Sul, Etiópia, Burundi, Ruanda e República Democrática do Congo.

O bispo católico romano Alfred Rotich, presidente da Comissão de Ecumenismo na Conferência dos Bispos Católicos do Quênia, enfatizou a compaixão, humildade e amor, proferindo o sermão durante o serviço realizado na Catedral Anglicana. Segundo Rotich, as igrejas e os cristãos têm o mandato de abrir suas portas e receber os outros porque são feitos à imagem de Deus: “Eles saberão que somos cristãos se abrirmos nossas portas”, disse o bispo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Procura-se enfermeira para a casa de repouso Taylor em Roma

Procura-se enfermeira para a casa de repouso Taylor em Roma

Foto retirada do site do Taylor Institute Roma (NEV), 21 de setembro de 2022 – Ainda faltam 9 dias para a apresentação da candidatura ao Concurso para a contratação de enfermeira/enfermeira de substituição de maternidade a termo certo na Casa de Repouso GB Taylor em Roma. O local de trabalho é em Roma, no mesmo Instituto, na via delle Spighe, 8. Super quadro contratual de 3º nível do acordo coletivo de trabalho nacional da UNEBA; Qualificação exigida: Enfermeira. O contrato será a termo certo, por um período igual ao da ausência do substituído (presumivelmente 1 ano) e em qualquer caso até ao regresso do mesmo. Este é um trabalho de meio período de 30 horas por semana com colocação imediata após a conclusão bem-sucedida do período de estágio. Para todas as informações, requisitos e procedimentos para submissão da sua candidatura, clique AQUI. casa taylor A Taylor Rest Home, lê-se no site da instituição, “é um local onde todos os idosos que necessitam de companhia e de interagir com os outros podem encontrar ajuda e conforto válidos. A casa de repouso oferece aos idosos a possibilidade de uma vida comunitária, respeitando a sua autonomia, estimulando as suas capacidades residuais, fomentando a sua relação com o meio envolvente”. A Taylor faz parte das estruturas pertencentes à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O instituto também oferece serviços de assistência religiosa, respeitando a liberdade de culto de cada hóspede. Pelo segundo ano consecutivo, em junho de 2022, o GB Taylor Rest Home em Roma recebeu o Prêmio do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). ...

Ler artigo
Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Moscou, Rússia, Rogozhsky Old-Believers Settlement. Foto de Yura Timoshenko (unsplash.com) Roma (NEV), 13 de março de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, domingo, 13 de março de 2022 - A guerra na Ucrânia representa uma tragédia não só para o povo ucraniano, para o povo russo e para os povos de toda a região, aliás de toda a Europa: representa também um retrocesso dramático para o movimento ecuménico. De fato, na Ucrânia e na Rússia, as igrejas não fazem parte da possível solução do conflito, mas do problema. Em primeiro lugar, a Ortodoxia na Ucrânia parece radicalmente dividida internamente, entre a parte (até agora a maioria) encabeçada pelo Patriarcado de Moscou e a Igreja Ortodoxa autocéfala, ou seja, independente, cuja autonomia foi reconhecida em 2018 pelo Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, não sem forte pressão de políticos nacionalistas ucranianos e, diz-se, do próprio presidente dos Estados Unidos, Trump, que teria visto nesse movimento um enfraquecimento da esfera de influência russa na Ucrânia. Mas mesmo a mesma parte da Igreja que é fiel a Moscou parece cada vez mais dividida internamente, devido à posição ambígua expressa pelo Patriarca de Moscou, Kirill, que no início do conflito expressou preocupação com a situação, mas sem exagerar e, acima de tudo, sem lançar um apelo claro para a cessação das hostilidades, ao contrário do Metropolita de Kiev Onuphry que, apesar de ser ele próprio do Patriarcado Moscovita, expressou uma clara condenação da agressão russa. A princípio, Kirill parecia apoiar seu metropolita de Kiev, mas com o passar dos dias ficou cada vez mais claro o quão próximo o patriarca russo está intimamente ligado a Putin: o sermão de 6 de março, definido por muitos como "alucinante", com o qual Kirill justificou a guerra como um choque de civilizações entre a Rússia autenticamente cristã e o Ocidente pró-gay que gostaria de exportar o Orgulho Gay para todo o lado. O resultado da postura pró-Putin de Kirill, ao que parece, é que vários bispos ucranianos do Patriarcado de Moscou decidiram não mencionar Kirill novamente nas liturgias divinas: o que equivale a um cisma de fato. E as outras confissões? Os vários organismos ecumênicos e também organizações protestantes internacionais, como luteranas, metodistas e reformadas, condenaram a agressão russa em termos inequívocos e instaram o Patriarca Kirill a se posicionar contra a guerra – até agora em vão, como vimos. Os batistas ucranianos, que são a principal denominação protestante do país, pediram para rezar pela paz e estão fazendo esforços concretos para mostrar solidariedade às pessoas afetadas pelo conflito. O Papa tem repetidamente condenado a guerra, e o Secretário de Estado, Cardeal Parolin, tem dado ao Vaticano a disponibilidade para a mediação: mas de alguma forma a Igreja Católica também é parte, por causa da velha questão dos "Uniatas" ou Católicos Gregos , ou seja, aqueles ortodoxos ucranianos que se juntaram a Roma ao longo dos séculos e alguns dos quais, mesmo recentemente, expressaram posições ultranacionalistas. Neste quadro de real impotência ecumênica há pelo menos uma pequena luz, que vem das bases da Igreja: é a carta aberta de 233 sacerdotes e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, que pediram a cessação imediata desta " guerra fratricida" e convidaram ao diálogo, porque "só a capacidade de escutar o outro pode dar esperança a uma saída do abismo em que nossos países foram lançados em poucos dias". ...

Ler artigo
Genebra-Augusta-Roma.  “Resistência ecumênica” a caminho

Genebra-Augusta-Roma. “Resistência ecumênica” a caminho

Foto Pixabay Roma (NEV), 6 de setembro de 2018 – A reunião de cinco dias do Joint Ecumenical Working Group (JWG), um catalisador para o diálogo, não apenas teológico, entre o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Igreja Católica Romana, nasceu em 53 anos atrás como um dos primeiros frutos do Concílio Vaticano II. Poucas semanas depois da #VisitaPapal de Francisco ao CMI de Genebra, portanto, uma nova etapa de unidade e colaboração entre diferentes denominações e confissões cristãs, em perspectivas de futuro que dizem respeito não apenas aos aspectos espirituais e de oração, mas também ao compromisso social e civil. “Continuamos neste caminho porque temos uma tarefa importante, que é unir forças para fazer muito mais pelos necessitados”, afirmou o secretário geral do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. Palavras fortes chegaram, conforme relatado no twitter por Odair Pedroso Mateusdiretor da comissão Fé e Constituição do CMI, pelo bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). “Vamos nos unir em uma resistência ecumênica às políticas de identidade que desvalorizam os outros”, disse Bedford-Strohm, que também destacou o valor da Reforma e do legado luterano como uma “grande experiência que abriu portas e corações e aumentou as amizades entre cristãos de diferentes tradições". O pastor presbiteriano americano Robina Marie Winbush, que falou ao JWG, disse: "A divisão ecumênica nos Estados Unidos hoje não é tanto confessional quanto político-racial". O Grupo de Trabalho Ecumênico, moderado pelo Metropolita Ortodoxo Nifon Mihăița de Targoviste (Romênia) e pelo arcebispo católico Diarmuid Martin de Dublin (Irlanda), está redigindo dois documentos sobre a construção da paz e a pastoral dos refugiados e migrantes, com a colaboração de especialistas do Dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral e do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso. Entretanto, decorrem os preparativos para outra importante etapa ecuménica, nomeadamente a conferência mundial sobre xenofobia, racismo e nacionalismo populista (Roma, de 18 a 20 de setembro), que envolve o Conselho Mundial das Igrejas, o Dicastério Vaticano e o Pontifício Conselho. Entre os convidados, o pároco da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Luca Maria Negroque recentemente em Novi Sad, Sérvia, durante a Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) opôs a xenofobia dos 'sodomitas' de hoje, cujo pecado é o ódio aos estrangeiros, com a filoxenia de Abraão, mandato bíblico de amizade para com o estrangeiro. O CMI representa mais de 550 milhões de cristãos em todo o mundo com suas 350 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e membros independentes. Rev. Presbiteriana dos EUA Robina Winbush para RomanCatholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: a divisão ecumênica nos EUA hoje não é tanto denominacional quanto política/racial @wccpilgrimage pic.twitter.com/mj7lUEPqjC — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 4 de setembro de 2018 #EKD Bishop Bedford-Strohm para Roman Catholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: vamos nos unir na resistência ecumênica à política de identidade que desvaloriza os outros @EKD pic.twitter.com/YzqQE1tcN3 — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 3 de setembro de 2018 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.