2 de janeiro.  Celebração Ecumênica no zoom

2 de janeiro. Celebração Ecumênica no zoom

Detalhe do cartaz da celebração ecumênica “As nações caminharão no sopro da tua luz”, 2 de janeiro de 2022

Roma (NEV), 30 de dezembro de 2021 – A celebração ecumênica “As nações caminharão no sopro da tua luz”, inspirada nos versículos bíblicos do profeta Isaías, acontecerá no domingo, 2 de janeiro de 2022, às 15h30.

O encontro, via zoom, é promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) e pelos Grupos Populares de Leitura da Bíblia com Soave Buscemi. Além disso, está prevista a participação de mulheres das comunidades de base de várias cidades. Finalmente, as mulheres da Igreja Ortodoxa Romena de Parma trazem sua contribuição com duas canções.

Esta celebração centra-se no momento litúrgico do Natal. Já no período de Pentecostes, mulheres de diferentes religiões cristãs quiseram se reunir. É uma das numerosas ocasiões em que as mulheres crentes partilham o seu caminho e os seus dons espirituais.

O convite para participar parte do presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio.

Para solicitar o link:

Ao vivo no canal do YouTube:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição, mudança climática

Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição, mudança climática

Foto Xianyu hao / Unsplash Roma (NEV), 20 de setembro de 2022 – A mais recente contribuição da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) está online. Feito para o Tempo da Criação 2022 pelo Batista Pierpaolo Nunzioque é, entre outras coisas, engenheira ambiental, dedica-se a emergências hídricas. “Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição e mudança climática” começa Nunzio. O primeiro inimigo é "o imposto maciço para agricultura, indústria, energia e uso doméstico". Os primeiros da lista, por abuso de água, são Índia, China e Estados Unidos. A Itália está em 10º lugar no mundo. Quanto às substâncias que poluem a água, vamos desde fertilizantes e pesticidas à base de nitrogênio, fósforo, nitratos, coliformes fecais, até metais pesados, arsênico e dioxinas. “Muitas cidades não possuem estações de tratamento de esgoto. Todos os dias, 2 milhões de toneladas de lixo acabam nos rios. Não apenas nos países em desenvolvimento. Nos EUA, os Grandes Lagos estão poluídos pelo mercúrio, na Europa 40% das águas superficiais são proibidas”, continua o engenheiro. O terceiro inimigo são as mudanças climáticas, com suas consequências que observamos: ondas de calor e inundações. Consequências, cenários e propostas visíveis e invisíveis “As consequências deste cenário são trágicas: sendo a água essencial para a nossa sobrevivência, a sua escassez causa doenças e põe a economia de joelhos” denuncia Pierpaolo Nunzio. Além disso, a emergência hídrica causa migrações e guerras. Sobre este último ponto, o documento GLAM também recolhe as declarações de alguns analistas. De Carlos Islândia do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), que diz "Os migrantes por falta de água são quatro vezes mais os que se deslocam para as guerras". PARA Lucila Minelli do Programa de Avaliação dos Recursos Hídricos Mundiais das Nações Unidas, que lembra: "Em 2010, a ONU reconheceu a água como um direito humano essencial para o gozo de todos os outros direitos". “Um dos motores invisíveis dos fluxos migratórios da África para a Europa é o ressecamento do Lago Chade, causado pela seca e pela irrigação. Muitos dos terroristas do Boko Haram da Nigéria são ex-agricultores desempregados. Em 2050, haverá 200 milhões de migrantes devido à crise hídrica”, continua Nunzio, citando novamente o relatório Segurança global da água 2012 do Conselho de Segurança dos EUA, que vincula as crises hídricas à segurança internacional. Para completar o quadro, se as guerras do século 20 foram travadas pelo petróleo, as do século 21 serão travadas pela água, segundo Ismail Serageldinvice-presidente do Banco Mundial. A água diminui, mas a demanda por água aumenta. O que podemos fazer? Entre as propostas GLAM, esta: “Além de fechar a torneira sempre que possível, temos de estar atentos ao que colocamos à mesa. De facto, a maior parte da água que consumimos acaba nos alimentos que ingerimos: uma alimentação à base de carne implica o consumo de 4-5 mil litros de água por dia. Para uma dieta vegetariana, 2.000 são suficientes”. Faltam duas semanas para o final da Temporada da Criação 2022. Para consultar todos os insights sobre o assunto, clique AQUI. Baixe o novo artigo aqui: Emergência hídrica de Pierpaolo Nunzio Baixe os episódios anteriores aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger Seca, atividades humanas e peso demográfico: o papel da política, o papel das pessoas por Theresa Isenburg ...

Ler artigo
Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Lea Schlenker, Foto CEC Roma (NEV), 17 de junho de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). CEC à presidência francesa da UE: "Envolver as igrejas para trazer paz à Ucrânia" Num encontro híbrido em Bruxelas com a Presidência francesa do Conselho da União Europeia, o CEC sublinhou a necessidade de reforçar o compromisso das comunidades religiosas locais na concretização da paz na Ucrânia. A CEC pode construir pontes para promover a reconciliação e a paz. Para saber mais, leia o artigo aprofundado sobre Reforma AQUI. Relatório da Conferência sobre o Futuro da Europa Um futuro democrático e justo para a Europa. Esta é uma das questões que preocupam as igrejas membros da CEC. Daí o engajamento direto na Conferência sobre o futuro da Europa. O secretário-geral do CEC Jørgen Skov Sørensenfala sobre isso aqui: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=nvpe8V4LbHA[/embed] Lea Schlenker, Foto CEC Lia Schlenker. Em que Europa querem viver as novas gerações de crentes? Lea Schlenker, da Igreja Evangélica na Alemanha, é membro do Conselho Executivo do CEC. Ela também desempenha o papel de Conselheira da Juventude. Em uma de suas reflexões, ele fala sobre os desafios e oportunidades que as novas gerações de crentes estão expressando hoje e sobre como o CEC ouve suas vozes e seus pedidos. Pandemia, guerra, a importância da presença e da escuta dos jovens, são alguns dos temas que o seu estudo aborda. Leia aqui. O treinamento KEK chega à Finlândia para garantir comunidades mais seguras e fortes O CEC, juntamente com a Igreja Ortodoxa da Finlândia, organizou um briefing e treinamento para líderes e funcionários da igreja sobre a proteção de locais de culto. O evento decorreu no âmbito do projeto Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O curso foi ministrado pela Secretária Executiva de Direitos Humanos do CEC, Elizabeta Kitanovic. O evento também contou com a presença de representantes da Igreja Evangélica Luterana e da comunidade muçulmana da Finlândia. Entre os tópicos que surgiram: as novas propostas legislativas sobre a proibição do abate ritual, circuncisão, liberdade de religião e crença, os relatórios do serviço de segurança finlandês, os riscos potenciais para a sociedade finlandesa devido a ameaças terroristas e de extrema direita. Falou-se também de minorias étnicas e religiosas, da cultura do cerco e do suprematismo branco, que incita à violência e ao colapso social. Leia aqui. Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias discutem os trabalhos e a Assembleia da CEC Em reunião virtual, os responsáveis ​​dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias reuniram-se com o Secretário Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen, e o Secretário Executivo, Katerina Pekridou, para discutir o futuro e, em particular, a próxima Assembleia da CEC em Tallinn. Falou-se do papel da teologia ecumênica, que transcende as fronteiras privadas, nacionais e confessionais. Também, da significativa contribuição das igrejas no discurso público e para o bem comum. Para saber mais, clique aqui. ...

Ler artigo
Corredores humanitários em audiência com o Papa

Corredores humanitários em audiência com o Papa

"Corredores humanitários", desenho de Francesco Piobbichi, operador da FCEI-Mediterrânea Esperança Roma (NEV), 15 de março de 2023 – No próximo sábado, 18 de março, às 11h30, o Papa Francisco receberá em audiência refugiados e refugiadas que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários criados pela Federação de Igrejas Evangélicas, Tavola Valdese, Comunità Sant' Egidio, Caritas Italiana e Cei. A notícia foi divulgada ontem à tarde pela agência Ansa, que também foi divulgada hoje pelo jornal vir. Este é o primeiro evento público do Papa com migrantes após a tragédia de Cutro. A Sala Paulo VI estará repleta de famílias de países como Síria, Iraque, Afeganistão, Somália, Sudão do Sul, Nigéria, Congo, RDC e Líbia. De fevereiro de 2016 até hoje, mais de seis mil pessoas chegaram à Europa com este modelo, das quais mais de cinco mil na Itália. Além dos promotores dos corredores humanitários, haverá também associações, dioceses, paróquias, comunidades e famílias que acolhem refugiados, entre as quais a Diaconia Valdense, a Comunidade Papa João XXIII, Arci e outras. Durante a audiência, que terminará com um discurso do Papa Francisco, serão ouvidos alguns testemunhos de refugiados, assim como de italianos que se empenham em acolhê-los. O presidente estará presente para a FCEI Daniele Garrone. No que diz respeito às igrejas protestantes, os corredores humanitários são um projeto financiado em grande parte pelo Otto per mille Waldensian, criado pela FCEI, Tavola Valdese e, na parte relativa ao acolhimento dos beneficiários, com a Valdensian Diaconia. AQUI um infográfico sobre corredores humanitários. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.