A Agenda de Paz 2023 – Nevada

A Agenda de Paz 2023 – Nevada

Roma (NEV), 11 outubro de 2022 – A Agenda de Paz 2023 da Confronti é dedicada a um mundo livre de armas.
“Na verdade, pensamos que, especialmente após a eclosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, é importante chamar a atenção para o quão profundamente enraizada ainda está a ideia de resolver disputas por meio de conflitos armados. Uma prática que gera morte, alimenta a desigualdade e enfatiza a tensão, a divisão e o ódio, representando a antítese da paz.
Na elaboração da Agenda de Paz 2023, reformulamos alguns artigos e dados que são fruto da atividade editorial e de planejamento da Cooperativa Com Nuovi Tempi, da qual são expressão o Mensal Confronti e o Centro Studi Confronti.

Pela Agenda da Paz 2023, o centro de estudos e revista Confronti agradece ao centro LIBREXPRESSÃO (Fundação Giuseppe Di Vagno), centro euro-mediterrânico para a promoção da liberdade de expressão e sátira política, pela concessão das ilustrações.

A Agenda da Paz 2023 chega em anexo à edição de outubro da revista para todos* os que já assinaram Comparar. Em alternativa, é possível adquirir a Agenda de Paz 2023 diretamente na loja online, ao custo de 7 euros, neste link.


Confronti saiu em maio de 1989 seguindo o legado de “Com-Nuovi tempi”, uma das primeiras publicações ecumênicas em que católicos, protestantes, crentes “não religiosos” e pessoas que pesquisam questões de fé colaboraram por quinze anos. Hoje o Confronti é frequentado por cristãos de várias denominações, judeus, muçulmanos, budistas, hindus e leigos interessados ​​no mundo das religiões, da política e da sociedade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Emissões zero.  Zero precariedade.  Sem tumores.  O futuro do planeta começa aqui

Emissões zero. Zero precariedade. Sem tumores. O futuro do planeta começa aqui

Imagem retirada de fridaysforfutureitalia.it Roma (NEV), 13 de abril de 2022 – A Assembleia Nacional Italiana do Sextas-feiras para o Futuro (FFF)movimento estudantil mundial que desde 2018 se organiza pela defesa do meio ambiente, ao lado de figuras como a jovem ativista Greta Thunberg. A igreja batista da via dei Bastioni, em Civitavecchia, desempenhou um papel importante na organização e apoio da assembléia, que reuniu cerca de 100 jovens de toda a Itália. Juntamente com os batistas, Arch e a Igreja dos Salesianos também os acolheram. Na via dei Bastioni, o Batista nos diz Maria Elena Lacquaniti, 20 meninos e meninas foram acolhidos. Com mochilas, sacos-cama e esteiras, estes jovens animaram as salas habitualmente dedicadas à catequese e outras atividades da igreja. “Esses meninos são uma alegria, lindos não só porque são jovens, mas porque são simples, com uma beleza natural – diz Lacquaniti -. E com sentido de responsabilidade e consciência que hipoteca um futuro certamente melhor nas suas mãos”. A Assembleia da FFF desenvolveu-se em torno de mesas temáticas sobre ambiente e trabalho, energia, política, alterações climáticas. Civitavecchia, explica novamente Lacquaniti, “foi escolhida porque era um território atormentado pela servidão industrial e turística, com os grandes navios de cruzeiro que insistem na costa. Em 60 anos, a mortalidade por poluição cresceu exponencialmente. Além disso, um projeto ambicioso e viável que prevê um avanço industrial com emissões zero está atualmente pendente no Ministério da Indústria”. Parques eólicos offshore (ou seja, usinas construídas offshore que exploram a energia eólica) seriam capazes de absorver a produção da usina a carvão de Torrevaldaliga Nord (TVN). Sua transformação, diz Lacquaniti, daria trabalho e sobretudo ajudaria a reter os jovens na região. “Trata-se de 'ambientalizar' o porto, com uma nova concepção de logística. Tudo isso, nos ensinam os jovens da FFF, levaria a sair da precariedade e do câncer”. A Assembleia reafirma essencialmente que “o futuro do planeta é protegido pela combinação entre meio ambiente e trabalho. E pela primeira vez a Civitavecchia está totalmente envolvida, através dos trabalhadores dos setores mais exigentes”, relata novamente Lacquaniti. Ele também participou das obras Stephanie Barça, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal), online. “A chantagem ocupacional por 40 anos bloqueou tanto os movimentos operários quanto os ecologistas – disse o estudioso -. Enquanto a transição energética, com o envolvimento de todas as partes, conduz à saída do isolamento”. Renato Di Nicola, da Campanha "Pelo clima, fora do fóssil!" em vez disso, falou de modalidades e de novos objetivos comuns. Dentre elas, o envolvimento dos trabalhadores em todos os movimentos ambientalistas. Cooperação entre os movimentos. A transição energética, que se entende como “uma revolução”, e a mudança, que “deve ser programada diariamente e individualmente. O sistema não muda o sistema”, disse Di Nicola. E, novamente, a responsabilidade individual e um empurrão de baixo são necessários para sair do fóssil. Entre as propostas, também uma coleta de assinaturas para contestar o aumento das concessionárias de aquecimento e eletricidade. E a dissolução em massa de contratos com gerentes de fósseis. A este respeito, alerta o ativista, “estamos à espera que um gestor sério intervenha nesta matéria, caso contrário só corremos o risco de haver sempre o fóssil por trás do gestor verde”. Por fim, é preciso "começar a pensar seriamente que todo condomínio, escritório, atividade comercial, agrícola - e também toda igreja, todo templo, todo local de culto, acrescenta Lacquaniti juntando-se à voz de Di Nicola - pode ser produtor de energia". Foto MEL / Igreja Batista de Civitavecchia Os três dias terminaram com uma assembleia plenária, a que se seguiu a procissão da cidade que desde o parque da Resistência chegou ao centro da cidade. “Entre cantos, palavras de ordem, música, danças, também nós da igreja batista marchamos com uma bandeira levada pelos adultos e outra pelas crianças da escola dominical. Parece-me que esses jovens representaram bem o futuro que Renato Di Nicola pede para visualizar para realizá-lo em suas vidas, escolhas e esperanças”, conclui Maria Elena Lacquaniti. O documento final será divulgado no site da FFF nos próximos dias. ...

Ler artigo
10 e 11 de fevereiro.  Rede de mulheres luteranas em Florença

10 e 11 de fevereiro. Rede de mulheres luteranas em Florença

Roma (NEV/CELI), 7 de fevereiro de 2023 – A reunião anual da Rede de Mulheres Luteranas será aberta na próxima sexta-feira, 10 de fevereiro, em Florença. A Conferência terá como tema “O poder da voz das mulheres? Escuta e expressão para cuidar de si e da criação” e contará com a participação de inúmeras delegações de todo o país. Eles participarão da iniciativa Laura Cima e Elena Mazza sobre o tema do ecofeminismo. Com efeito, é sobre o binômio mulher-ambiente que a Conferência deseja refletir no início de seus trabalhos. […] Existe uma conexão entre o patriarcado capitalista, a dominação masculina e a repressão das mulheres na sociedade e a crise ecológica? A Conferência de Mulheres Luteranas tentará responder a esta e outras questões. Sábado 11, oficina de Annamaria Cimmino sobre o uso e o poder da voz. A Conferência Nacional das Mulheres Luteranas será encerrada com a eleição das representantes da Rede e culto público pelo pastor luterano Birgit Mahn e a pastora Lydia Giorgi. Leia no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Baixe o MANIFESTO aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.