Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/

Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa – SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa.

A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”.

Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria.

Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência.

O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo.

De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro.

Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade.

Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias.

Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas.

Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos.

A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters.

Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo:


SASCE

O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa.

www.sasce.eu

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial dos Oceanos.  “Águas do mar, fonte de vida”

Dia Mundial dos Oceanos. “Águas do mar, fonte de vida”

Um enquadramento do vídeo de apresentação da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano (27 de junho/1 de julho de 2022, Lisboa - Portugal) Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – O Dia Mundial dos Oceanos ocorreu ontem. O slogan deste ano foi: “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. No mesmo dia, há dois anos, em meio à pandemia, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) apresentou seu Dossiê para o Tempo da Criação. Dedicado precisamente aos oceanos, cuja biodiversidade é tão preciosa como a da terra, o Dossiê é muito atual e tem como título “Águas marinhas, fonte de vida”. É inspirado no versículo "O oceano a cobriu com seu manto" (Salmo 104,6a). Nesta ocasião, a GLAM relança as questões da proteção dos oceanos através da partilha de algumas informações, que a seguir reportamos na íntegra. Um ano enquadrado pela Década da Ciência Oceânica das Nações Unidas e celebração da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano, dois anos depois de ter sido cancelada devido à pandemia. O Dia Mundial dos Oceanos lembra a todos o importante papel que os oceanos desempenham na vida cotidiana. O oceano cobre mais de 70% do planeta, representa 95% da biosfera, produz pelo menos 50% do oxigênio do planeta, abriga a maior parte da biodiversidade terrestre. Em relação à humanidade, o oceano é a principal fonte de proteína para mais de um bilhão de pessoas e para cerca de 3 bilhões, é a principal fonte de subsistência. Além de empregar cerca de 40 milhões de pessoas. Nas mãos humanas, o oceano está sofrendo com a poluição (a cada ano, estima-se que 5 a 12 milhões de toneladas de plástico fluam para ele), pesca, mineração, guerras com 90% das grandes populações de peixes esgotadas e 50% dos corais recifes destruídos - estamos tirando mais do oceano do que pode ser reposto. Estes são os propósitos do Dia Mundial dos Oceanos: informar o público sobre o impacto das ações humanas no oceano; desenvolver um movimento mundial de cidadãos pelo oceano; mobilizar e unir a população mundial em um projeto de gestão sustentável dos oceanos do mundo. Este ano, as Nações Unidas estão sediando a primeira celebração híbrida do evento. A Ocean Conference decorrerá de 27 de junho a 1 de julho em Lisboa, Portugal. O tema principal será: 'Aumentar a ação oceânica baseada na ciência e a inovação para a implementação do Objetivo 14: inventário, parcerias e soluções'. Em abril, o 4º Fórum dos Oceanos abordou os desafios e oportunidades para a economia dos oceanos abordando: Setores emergentes da economia oceânica sustentável, como a produção de algas marinhas. Mecanismos de apoio à transparência e subsídios à pesca. Reforma dos mercados da economia oceânica e medidas não tarifárias. Sustentabilidade social das cadeias produtivas da pesca e da aquicultura. Cadeias de abastecimento marítimas sustentáveis ​​e resilientes. Aspectos comerciais relacionados com o lixo marinho e a poluição plástica. Abaixo, o vídeo de apresentação do Dossiê GLAM2020 sobre os Oceanos [embed]https://www.youtube.com/watch?v=jiQ42-riZlI[/embed] ...

Ler artigo
Alessandra Trotta: “A paz não se prega, se pratica!”

Alessandra Trotta: “A paz não se prega, se pratica!”

Foto Marco Pavani Na presença dos líderes das grandes religiões mundiais, juntamente com representantes de autoridades das instituições, incluindo o Presidente da República Sérgio Mattarellafoi assinado o Apelo pela paz, entregue por um grupo de crianças aos embaixadores e representantes da política nacional e internacional. Presentes, entre outros, o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negroo moderador da Mesa Valdense, o diácono Alessandra Trottaenvolvido na liturgia, o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Mirella Manocchio, o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohmpresidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) e pastor luterano de Roma Michael Jonas. “Mais uma vez neste ano acolhemos o convite da Comunidade de Sant'Egidio para participar do encontro internacional pela paz junto com representantes de outras importantes confissões religiosas, todos fortemente determinados a romper o binômio 'religiões-guerras' - declarou o moderadora Alessandra Trotta -. De fato, ao longo da história, ceder à exploração que potencializa as tentações do poder, a busca de privilégios ou mesmo apenas a necessidade de reconhecimento e proteção deixou, infelizmente, uma marca vergonhosa em muitas experiências religiosas”. O moderador recordou então a experiência dos corredores humanitários, compartilhada na Itália precisamente com a Comunidade de Sant'Egidio e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália: "Um projeto que tornou visível, também para as muitas gerações que em nosso país não nunca experimentou em primeira mão o drama da guerra, as terríveis feridas físicas, psicológicas e espirituais de tantas guerras que ainda sangram um mundo cada vez mais interligado e uma família humana dividida por demasiadas desigualdades e discriminações". Em suma, a paz se constrói a partir dos lugares próximos: “A paz não se prega, se pratica! – conclui o moderador -. Parafraseando Jesus: não quem diz 'paz, paz', mas quem escolhe e age em conformidade com a vontade do Senhor para toda a sua criação experimenta a bênção de uma vida que já se enquadra plenamente na dimensão do Reino de Deus”. Este ano foi o trigésimo quarto encontro promovido pela Comunidade de Sant'Egidio inspirado no histórico encontro inter-religioso desejado por João Paulo II em 1986. Um espírito de diálogo e amizade que convida homens e mulheres de religião a se reconhecerem na humanidade comum e enfrentar juntos a luta pela vida de todos. “Guerras e paz, pandemias e cuidados de saúde, fome e acesso a alimentos, aquecimento global e desenvolvimento sustentável, movimentos populacionais, eliminação do risco nuclear e redução das desigualdades não dizem respeito apenas a nações individuais – lê-se no apelo à paz assinado ontem - . Compreendemo-lo melhor hoje, num mundo cheio de conexões, mas que muitas vezes perde o sentido da fraternidade... Aos dirigentes dos Estados dizemos: trabalhemos juntos por uma nova arquitetura de paz. Vamos unir forças pela vida, saúde, educação, paz”. ...

Ler artigo
4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

4 de abril às 10. Adoração evangélica de Páscoa no Eurovision na Rai2

Foto de Bruno van der Kraan Roma (NEV), 29 de março de 2021 – Domingo de Páscoa, 4 de abril, de 10 a 11, o culto evangélico de Páscoa será realizado na Rai 2 no Eurovision, transmitido pela Igreja Evangélica Batista de Grosseto. “Que pensamentos devem ter acompanhado as mulheres na madrugada daquela manhã, enquanto se dirigiam ao túmulo de Jesus? Por que os onze discípulos estão céticos sobre a notícia da ressurreição, relatada a eles pelas mulheres? Da história que os dois discípulos de Emaús contam ao andarilho desconhecido - que mais tarde se tornará o Ressuscitado - a resignação, o desespero, a incompreensão emergem no trágico fim de um sonho... Os personagens desta história voltam à vida num contexto sugestivo que reconstitui, em estilo narrativo, as horas dramáticas que precederam e sucederam aquela madrugada de Páscoa”, lê-se na apresentação do culto. O culto será presidido pelo pároco da comunidade, além do presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Luca Maria Negro. A coordenação musical será de Alberto Annarilli E Francesco Iannitti, do Ministério de Música da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI). na flauta Jana Hildebrandtvioloncelo Michael Lanzinipiano Francesco Iannitti Piromallosoprano Silvia Striatocontralto Amanda Ferritenor Matteo Bagnibarítono Gabriel Spina. Lá fora, elementos da associação musical Luigi vão cantar Antonio Sabatini de Albano Laziale e do coro Voz da Graça de Ariccia, dirigido por Alberto Annarilli. na percussão Mateus Martizzi. Edição editada pelo programa de televisão "Protestantesimo-Raidue". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.