Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/

Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa – SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa.

A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”.

Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria.

Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência.

O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo.

De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro.

Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade.

Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias.

Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas.

Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos.

A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters.

Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo:


SASCE

O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa.

www.sasce.eu

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

um afresco de compromissos, orações e… música

um afresco de compromissos, orações e… música

Foto retirada de ems-online.org Roma (NEV), 14 de janeiro de 2022 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) tem suas raízes na Reforma do século XVI, em particular na teologia da João Calvino. Sua história organizacional remonta a 1875. A CMCR reúne 232 igrejas agrupadas em regiões geográficas, na África, Ásia, Europa, América Latina, Oriente Médio, América do Norte e Caribe, Pacífico. Em um artigo no site do CMCR, Phil Tanis desenha um afresco das atividades de várias igrejas membros ao redor do mundo. Iniciativas atuais e planejadas Em Camarões, por exemplo, o Serviço de Comunicação da Igreja Presbiteriana colabora com a Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) para combater o ódio contra os migrantes em Douala, a capital econômica de Camarões. No Uruguai, a Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata intervém nos incêndios florestais que consumiram mais de 20.000 hectares. Nos Estados Unidos, o "Union Presbyterian Seminary" destinou uma doação de quase 1 milhão de dólares. Esse valor será destinado a ajudar as igrejas a responder a questões que afetam as congregações e suas comunidades, incluindo racismo, pandemia e mudança climática. Na Holanda, para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), a Igreja Protestante organiza um culto nacional de oração, focado na pandemia em curso e nas tensões que ela causou na sociedade. Entre outras iniciativas, Tanis destaca a do Instituto Ecumênico de Bossey, que oferece o curso online de 10 semanas intitulado “Juntos rumo à unidade. Ser Igreja em um mundo fragmentado”. As inscrições para participar devem ser recebidas até 15 de fevereiro de 2022. Por fim, a Missão Evangélica Solidária (EMS) comemora este ano seus 50 anos de atuação. Para a ocasião, o músico e pároco Fabian Vogt compôs a música "Together we are free", que será estreada no dia 16 de janeiro de 2022 a partir das 9h durante a festa em Landau. Além disso, todos os membros do EMS são convidados a fazer sua própria versão até a Páscoa. “O que acontece quando você manda uma música pelo mundo e convida 25 milhões de pessoas para fazer algo com ela?”. Leia aqui para saber mais. Outros eventos já concluídos Em 8 de janeiro, o Patriarca Inácio Afrém II realizou uma recepção em homenagem ao Bispo Zoltán Balog, Chefe da Igreja Reformada na Hungria, acompanhado por uma delegação húngara em visita à Síria para uma peregrinação a antigos locais cristãos. Enquanto na quarta-feira, 12 de janeiro, uma delegação húngara visitou o pároco Mgrdich Karagoezian e os membros do Comitê Central da União das Igrejas Evangélicas Armênias no Oriente Próximo (UAECNE) do Líbano e da Síria, juntamente com os diretores das Escolas Evangélicas Armênias do Líbano. Temas principais do encontro: solidariedade com as Igrejas da região, testemunho cristão e atividades de ajuda e desenvolvimento voltadas para crianças, adultos, idosos e comunidade. ...

Ler artigo
Ódio online, mais um ataque anti-semita.  Condenação da Igreja Luterana

Ódio online, mais um ataque anti-semita. Condenação da Igreja Luterana

Wiki imagem comum Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – “Estou profundamente impressionado. Acima de tudo porque este ataque é, para mim, uma indicação de quão difundido e perigoso é o anti-semitismo mesmo aqui na Itália”. Como Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), após o atentado antissemita que interrompeu o encontro em memória de Amós Luzzatto. Organizado pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Comunidade Evangélica Luterana de Veneza e a Casa de Cultura Judaica "Beit", o encontro foi adiado para data a ser definida. “Mas os números são uma coisa, a realidade é outra – continua o reitor Bludau -. Também me aconteceu de me encontrar diante de pessoas que expressavam pensamentos de clara origem anti-semita. Além disso, este ataque de hackers ao evento SAE em Veneza me faz entender que o anti-semitismo não está apenas aninhado nos preconceitos - mais ou menos ocultos - de muitos, mas pode levar a comportamentos planejados e agressivos. Mesmo que o atentado de 7 de fevereiro passado tenha sido perpetrado “apenas” digitalmente, ele evidencia a necessidade de levar muito mais a sério do que hoje, tanto no plano social quanto no eclesiástico, esse anti-semitismo que levanta a cabeça e encontra novas saídas. Não basta postar uma imagem de viaturas militares patrulhando sinagogas. Para proteger verdadeiramente a população judaica e combater o flagelo do anti-semitismo em todas as suas formas, tanto cultural quanto socialmente, precisamos lidar com determinação acima de tudo com o que se passa na cabeça das pessoas”, conclui Bludau. Assessoria de Imprensa SAE “Existe uma etapa do Trégua (retomado em Os afogados e os salvos ) no qual Primo Levi fala da vergonha sentida pelos soldados russos na libertação de Auschwitz. – Lê-se no comunicado da SAE: 'Foi a mesma vergonha bem conhecida por nós, aquela que nos submergiu depois das selecções, e todas as vezes tivemos de presenciar ou submeter-nos a um ultraje […] aquilo que o justo sente diante da falta cometida por outrem, e lamenta que exista, que tenha sido introduzido irrevogavelmente no mundo das coisas que existem, e que sua vontade tenha sido nula ou escassa, e não tenha sido eficaz Em defesa'". No domingo, 7 de fevereiro, a SAE volta a escrever: “embora numa situação objetivamente incomparável com a anterior, o sentimento era semelhante. A reunião teve que ser interrompida em memória de Amos Luzzatto. Por computador e protegidos pelo anonimato, os hackers colocaram online imagens de Hitler, palavrões, slogans anti-semitas, cenas de pornografia e várias outras formas de perturbação. Num período em que os indivíduos se reúnem com dificuldade, a violência encontra outros canais para se expressar. A memória de um homem que dedicou sua vida à justiça, ao diálogo, ao cuidado e ao encontro com o ser humano foi ofendida e humilhada”. Ao anunciar a denúncia nos fóruns apropriados, a SAE informa que “a reunião se repetirá de forma mais protegida: até a telemática agora precisa de baluartes defensivos”. Muitas mensagens de solidariedade chegaram aos organizadores. O que fazer A Agência NEV propõe uma série de insights sobre segurança cibernética para refletirmos juntos sobre a questão do ódio online. Leia aqui: Ódio e perigos online / 1. Seja ético, seja protestante – Ataques virtuais, vulnerabilidades de igrejas, responsabilidade de segurança cibernética. Precisamos de mais conscientização e treinamento. Conversamos sobre isso com o engenheiro Stefano Frache. Ódio e perigos online / 2. O que fazer para se proteger de invasões – Zoom bombing, segurança de rede e implicações sociais. Discutimos isso com o especialista em computação forense Gianluca Buttigliero. ...

Ler artigo
Acolher refugiados dos corredores humanitários

Acolher refugiados dos corredores humanitários

Roma (NEV), 30 de março de 2023 – 58 pessoas de origem síria chegaram a Roma Fiumicino esta manhã, com um voo de Beirute, graças aos corredores humanitários, um projeto realizado desde 2016 pela Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI ), Mesa Valdense, Comunidade de Sant'Egidio, no âmbito de memorandos de entendimento firmados com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Para acolhê-los, os representantes das realidades que colaboram nesta iniciativa humanitária e dos dicastérios envolvidos. Até o momento, mais de 2.500 pessoas chegaram apenas do Líbano. Outros protocolos, sempre com a participação de igrejas protestantes, estão ativos para pessoas de origem afegã, do Irã e do Paquistão, e da Líbia. “As histórias dessas pessoas – declarou Manuela Vinaygerente do Otto per mille Waldensian – demonstrar que uma rota segura e legal para a migração é possível. Os corredores humanitários devem ser considerados um modelo a replicar, mas não são a solução para o problema: a migração é de facto um fenómeno complexo e como tal deve ser gerido, ou seja, com uma visão global, com ações e políticas integradas dentro de cada realidade e em colaboração com os vários países. Cada um deve fazer a sua parte e nós, do nosso jeito, tentamos fazer”. Para marta bernardini, coordenadora do programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “hoje nosso privilégio é poder acolher essas pessoas. Eles escolherão qual futuro construir para si mesmos, terão a oportunidade de aprender italiano e decidir o que fazer, como realizar seus sonhos e desejos. Mas não esqueçamos quem morreu no mar há um mês, como na tragédia de Cutro. É por isso que continuamos a pedir políticas de acolhimento e resgates para todos”. No momento de boas-vindas seguido de encontro com a imprensa, além do presidente do Sant'Egidio, marco impagliazzotambém dois representantes dos Ministérios: Valério ValentiChefe do Departamento de Liberdades Civis e Integração do Ministério do Interior e Diretor Geral de Italianos no Exterior e Políticas de Migração do Ministério de Relações Exteriores e Cooperação Internacional, Luigi Maria Vignali. “Sabemos que os Corredores Humanitários não podem satisfazer toda a demanda por uma vida melhor, mas isso significa que devemos investir cada vez mais nessa ferramenta tão importante que tem permitido chegar com segurança. Na minha opinião, vocês são testemunhas e mensageiros. Testemunhas, porque é possível chegar à Itália e à Europa acreditando em corredores humanitários e acreditando nas instituições que trabalham para isso e, ao mesmo tempo, mensageiros para muitos de seus compatriotas, compatriotas que, em vez disso, dependem de traficantes de pessoas para serem explorados e partiu para um futuro incerto. Portanto – disse Valenti – compartilhamos juntos esta dupla responsabilidade: nós integramos vocês, vocês são mensageiros e testemunhas de um futuro melhor que é possível através deste sistema. O Ministério do Interior está empenhado em fortalecer esta ferramenta e investir mais recursos”. Para Vignali, representante do Ministério das Relações Exteriores, “a chegada de hoje confirma o forte compromisso do governo em garantir canais de chegada regulares, seguros e ordenados e, ao mesmo tempo, lutar contra os traficantes de pessoas. Continuaremos neste caminho também em conjunto com outros parceiros europeus e trabalhando em estreita colaboração com os países da Ásia, Médio Oriente e África, de forma a evitar outras tragédias e a fortalecer este modelo de corredores humanitários tão importante ". HERE Infográfico resumido sobre Corredores Humanitários – atualizado até março de 2023 "O #corredores humanitários são uma das formas, não a única, de chegar segura e legalmente: é preciso pensar em outras vias legais de acesso”. Marta Bernardini agora na coletiva de imprensa em Fiumicino para i #corredores humanitários e último voo desde #Líbano pic.twitter.com/NDhighsigb — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 30 de março de 2023 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.