“A Igreja não deve se tornar um partido”

“A Igreja não deve se tornar um partido”

Heiner Bludau. foto CELI

Roma (NEV), 30 de dezembro de 2019 – A Agência NEV propõe um ciclo de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Em colaboração com a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), publicamos hoje a entrevista com o reitor Heiner Bludau editado por Nicole Dominique Steiner. Bludau é reitor do CELI há cinco anos, que, com alguns milhares de membros, é uma das menores igrejas protestantes da Itália.

Na sua mensagem de Natal falou da importância – não só neste período do ano – de parar e reflectir sobre o que passou e ao mesmo tempo olhar para o futuro. O que você vê quando olha para trás?

Eu vincularia minha retrospectiva a algumas palavras: migrantes, sustentabilidade e populismo. Quanto à questão dos refugiados, é um fenômeno que nos acompanhará por muito tempo. A questão é como ajudá-los sem apoiar os traficantes de pessoas. Uma coisa é certa: não podemos ficar parados vendo pessoas se afogarem no Mediterrâneo! Sobre sustentabilidade: me parece que o mundo está acordando um pouco. Também se aplica a nós, que é o CELI. Em nosso último Sínodo, assumimos um claro compromisso com a sustentabilidade, dando prioridade máxima em nossa ação à responsabilidade pelo clima e pelo meio ambiente. Mas a situação é crítica, e só posso esperar que aqueles que ainda se recusam a ver a gravidade da situação acordem antes que seja tarde. E isto aplica-se sobretudo a todas as pessoas com cargos de responsabilidade na política e na economia, bem como a cada um de nós. No que diz respeito ao populismo, é um pouco como o clima: um forte empurrão de baixo mas, a meu ver, neste caso, na direção completamente errada. Um fenômeno muito preocupante em todo o mundo! Mas aqui na Itália também há um vislumbre de esperança: o movimento da sardinha.

O secretário geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) Mario Fischer

E se olhar para a frente? O que podemos esperar de 2020?

De um modo geral, o grande desafio para mim é abordar ativamente as questões prementes de nossa época sem enfiar a cabeça na areia e fazê-lo juntos, independentemente de convicção ou credo político. No que diz respeito ao CELI, um 2020 emocionante nos espera. O Sínodo elegerá a nova presidência sinodal e os membros leigos do consistório e no verão, de 1 a 8 de julho, organizamos uma viagem à Áustria, para a qual são cordialmente convidados os membros de todas as igrejas protestantes da Itália. Entre outras coisas visitaremos Viena, conheceremos o bispo Michael Chalupka e o secretário geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) Mário Fishere participaremos dos Dias de Encontro Cristão em Graz, de 3 a 5 de julho.

Na Alemanha, a EKD (que inclui as igrejas Luterana, Unida e Reformada, ed) tem cerca de 21 milhões de membros, os católicos 23 milhões, números destinados a diminuir. Na Itália, os luteranos são uma das menores comunidades protestantes. Você trabalhou como pastor tanto na realidade da grande igreja popular quanto na diáspora. Essa é uma diferença que repercute no trabalho pastoral? Como?

Sim, claro, mas não apenas no sentido negativo. É claro que nossa voz aqui, tanto em público quanto em outras comunidades, importa menos do que na Alemanha. Mas como uma igreja pequena, somos capazes de reagir mais rapidamente aos desafios incluindo democraticamente quase todos os membros de nossa igreja. Nossa verdadeira tarefa como Igreja, porém, continua sendo a de difundir o Evangelho e tentar viver de acordo com seus preceitos. Nesse sentido, o tamanho não importa muito. Por outro lado, vejo uma grande diferença em relação à Alemanha na participação dos membros na vida da igreja. Quem está inscrito aqui na Itália vive a igreja, a comunidade, os cultos com muito mais participação, e isso porque não vive sua experiência de fé como um fato “óbvio”, como acontece em lugares muito mais homogêneos e contextos estruturados. Quanto à forte presença da Igreja Católica na Itália: quando cheguei a Turim, pensei que éramos apenas uma minoria pequena, insignificante e isolada. E isso não é verdade. Pelo contrário, não só existe uma boa colaboração com todas as outras igrejas evangélicas, como também somos seguidos com grande interesse pelo mundo católico. Estamos longe de estar isolados!

Extraído de uma foto de Ben White – Unsplash

Perda de Membros: Como a Igreja Pode Alcançar as Pessoas Hoje, ou o que Deve Evitar?

Eu inverto a questão: em primeiro lugar, o que a Igreja não deve fazer. Não deve confundir seus próprios interesses como instituição com as promessas e tarefas do Evangelho. A tarefa efetiva correspondente ao anúncio do Evangelho. É vital e difícil ao mesmo tempo: as promessas do Evangelho e o correspondente questionamento de nosso comportamento habitual estão, por um lado, acima da vida cotidiana, mas, por outro, só podem ser comunicados em relação à vida cotidiana. Encontrar o caminho certo é um novo desafio a cada dia e só pode ser bem-sucedido se, sempre inspirados pela Palavra de Deus, não fecharmos os olhos para a realidade em que vivemos.

É correto que a Igreja intervenha e se posicione em questões políticas e sociais?

Na medida em que as condições políticas e sociais fazem parte da realidade em que vivemos, nós, cristãos, devemos naturalmente lidar com elas e, em certas situações, a Igreja deve levantar a voz e tomar posição. Para mim, pessoalmente, o limite desta intervenção é a consciência de não ter de ir “além”. Deixe-me explicar: a igreja não deve cair na armadilha de pretender ser a fiadora do caminho certo. Caso contrário, a própria igreja se tornaria parte, e isso não é admissível. A Igreja deve defender os valores e deve defender os direitos humanos. Mas ao mesmo tempo deve dar espaço a pessoas de diferentes inclinações políticas para que todos possam viver juntos na igreja e como igreja.

Entrevista por Nicole Dominique Steiner


Leia também

A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): “Indo além da desertificação material e espiritual”.

A entrevista com o tenente-coronel Massimo Tursiatualmente chefe do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia: “A Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido”.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense em Torre Pellice começa hoje

A Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense em Torre Pellice começa hoje

Torre Pellice (Turim), 21 de agosto de 2022 – O Sínodo das igrejas valdenses e metodistas em Torre Pellice (Turim) foi oficialmente aberto hoje, domingo, 21 de agosto, com o culto presidido pelos pastores Daniele Bouchard e Lino Gabbiano. sessão conjunta com o Extraordinário Assembléia da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI). “Somos chamados e chamados a esperar contra a esperança […] Não queremos, não podemos estar satisfeitos com as tragédias que vivemos. Sem subestimar de forma alguma a sua gravidade, nem os descartar como se não nos dissessem respeito, devemos reagir, devemos enfrentá-los, não nos é permitido ceder ao desespero […] Olhar para frente com otimismo não é ingenuidade, é fé conjugada com o futuro”, assim uma passagem do sermão de adoração (aqui o texto completo proferido esta manhã). Além disso, ao final do culto de hoje, Sara Heinrich foi ordenada pastora. Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Cerca de 200 delegados e convidados de toda a Itália chegaram à Torre Pellice, na província de Turim. Esta é a quinta sessão conjunta das igrejas batista, metodista e valdense; a última aconteceu há 15 anos, em 2007. Além dos trabalhos, estão previstas diversas iniciativas, entre as quais a noite pública marcada para amanhã, segunda-feira, 22 de agosto, intitulada “Paz e pacifismo no diálogo”. A sessão conjunta será encerrada em 23 de agosto, enquanto os trabalhos sinodais continuarão até 26 de agosto. Muitas saudações ecumênicas e internacionais chegaram ao Sínodo. Em particular, o Conselho Executivo da Conferência das Igrejas suíças, o Exército de Salvação, o bispo de Pinerolo e o presidente da Comissão de Ecumenismo e Diálogo da CEI, Derio Olivero, enviaram sua mensagem e votos de felicidades para o Sínodo. Chegou também uma mensagem do Papa Francisco: “Espero que o olhar de Jesus possa iluminar cada vez mais as nossas relações, facilitando caminhadas intensas e fraternas. Somos seus discípulos que ele, bom pastor, deseja ver plenamente unidos. Perante o mundo, hoje marcado por divisões, marcado por guerras, onde a indiferença e o egoísmo parecem prevalecer, cabe-nos testemunhar a beleza e a fecundidade do acolhimento, da partilha e do amor. Aqui o programa completo da semana. Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it ...

Ler artigo
Réquiem para a Geleira Zugspitze

Réquiem para a Geleira Zugspitze

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de julho de 2023 – Com um réquiem ecumênico pela geleira Zugspitze, a montanha mais alta da Alemanha, as duas principais igrejas alemãs, a Evangélica Luterana e a Católica, querem chamar a atenção para as consequências do das Alterações Climáticas. A cerimônia de réquiem para a "geleira moribunda" acontecerá amanhã, 25 de julho, às 12h, na capela da Zugspitzplatt, que faz parte da área de esqui Garmisch-Panterkirchen. O anúncio foi feito pela Arquidiocese de Munique e Freising e pela Igreja Evangélica Luterana da Baviera. A Capela da Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria, consagrada pelo então cardeal Joseph Ratzinger em 11 de outubro de 1981 em uma tempestade de neve a uma altitude de cerca de 2.700 metros, é o local de culto mais alto da Alemanha. Com o lema “Elevo os meus olhos para os montes. De onde vem o meu socorro?”, retirado do Salmo 121, vamos rezar pela geleira, por toda a natureza e pelo futuro dos habitats. Além de lamentar a geleira "moribunda", especialistas da estação de pesquisa ambiental de Schneefernerhaus fornecerão informações sobre a situação. O Diretor Musical do Decanato Evangélico Luterano de Weilheim, Wilko Ossoba-Lochner, ele compôs um réquiem de montanha especialmente para a ocasião. A 'Elegia ao Fim do Gelo Eterno' será estreada durante o réquiem. A solenidade será celebrada pelo pároco Uli Wilhelm da paróquia protestante de Garmisch-Partenkirchen e o conselheiro pastoral católico Florian Hammerl da Terra Werdenfelser da Alta Baviera. O Schneeferner do sul, como é chamada a geleira no Zugspitze, perdeu seu status de geleira no ano passado. Na esteira das mudanças climáticas, as coisas também não parecem boas para as outras quatro geleiras alemãs, a Nördlicher Schneeferner, que é a segunda geleira do Zugspitze, a Höllentalferner nas montanhas Wetterstein, a Watzmanngletscher e a Blaueisgletscher nos Alpes Berchtesgaden. ...

Ler artigo
Temporada da Criação 2023. O Dossiê da Comissão GLAM

Temporada da Criação 2023. O Dossiê da Comissão GLAM

A Penitente Madalena de Bartolomé-Esteban Murillo Roma (NEV), 5 de junho de 2023 – Como todos os anos, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) propõe o "Dossiê para o Tempo da Criação". Este ano o título é “Conversão – abraçando a mudança”. Ele contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente. O versículo escolhido para acompanhar o tema é retirado de Oséias 6, 1-3. > O ponto de partida que animou as reflexões, explica GLAM, é o documento divulgado pela Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) 2022 “O Planeta Vivo – por uma comunidade global justa e sustentável” que abre com estas palavras: “Juntos acreditamos… a terra é do Senhor e tudo o que ela contém… Uma compreensão antropocêntrica estreita de nossa relação com a Criação, que deve ser revisada em uma compreensão de toda a vida, para alcançar um ecossistema global sustentável. Somos todos interdependentes em toda a criação de Deus.Como o amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade, somos chamados à metanóia e a uma relação renovada e justa com a Criação, que se expressa na nossa vida prática”. “Conversão”, escreve GLAM, é “um tema complexo porque está exposto a uma infinidade de temas entre os quais escolhemos alguns: somos chamados a uma conversão à justiça, ao bem-estar global, às fontes renováveis ​​e à linguagem”. Para além dos dossiês anteriores, este ano existe uma secção de testemunhos “que consideramos aberta a contribuições que qualquer pessoa pode enviar e que serão recolhidas juntamente com o dossiê”. Download: Tempo de Criação – Dossiê 2023. O Dossiê GLAM está disponível desde 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, simultaneamente com o lançamento do Guia Oficial das Celebrações do Tempo da Criação 2023. Líderes religiosos ecumênicos de todo o mundo, justamente neste dia, apresentaram o Guia e celebraram a preparação para este tempo litúrgico. O Tempo da Criação acontece de 1º de setembro a 4 de outubro e envolve cristãos de todo o mundo e de todas as tradições, que rezam e agem para proteger o meio ambiente. O título desta edição, mundial, é: "Que a justiça e a paz fluam". Também nesta data, a Comissão Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) lançou sua Década pela Justiça Climática. Fê-lo durante um webinar centrado no tema: “Aprender com a terra: testemunhar a justiça climática”. Para mais informações e para compartilhar suas histórias de conversão no Dossiê GLAM, escreva [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.