Basel 1989, um testemunho – Nev

Basel 1989, um testemunho – Nev

Marica das três nações, a partida no Lungo Reno

Roma (NEV), 15 de maio de 2019 – Eu estava lá em Basel. Digo isso com orgulho porque foi talvez o único caso em que participei de um evento que pode ser definido como um marco do movimento ecumênico europeu. O fato é que toda a Faculdade de Teologia Valdense – pouco mais de vinte pessoas ao todo – esteve presente na Primeira Assembléia Ecumênica Européia – realizada de 15 a 21 de maio de 1989 na cidade suíça – juntamente com uma numerosa delegação das igrejas protestantes da Itália.

Uma característica da vida de estudante, como eu era na época, é a inconsciência. Levei alguns anos para entender a importância daquele evento e o quanto ele influenciou minha consciência ecumênica; e também perceber a sorte que tive por estudar naquela pequena universidade que é a Waldensian Faculty, capaz de oferecer as mais variadas experiências europeias, graças ao carinho e ajuda de muitas igrejas irmãs – no caso de Basileia, presumo, de as igrejas suíças.

Guardei o Guia da assembléia, um volume de 300 páginas, que me peguei folheando esses dias. Abriu com saudações dos organizadores Jean Fishersecretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias e da Ivo Furer, secretário geral da Comissão das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Encontro regional do processo conciliar mundial “Justiça, Paz e Integridade da Criação”, a Assembleia, explicaram, “propõe a busca de uma resposta da fé cristã à crise global que ameaça a sobrevivência da humanidade e da natureza”.

Foi a primeira vez que a questão ambiental teve tanto espaço e foi tematizada em profundidade pelas igrejas européias – católica, ortodoxa e protestante, nenhuma excluída. Alguns anos antes, em 1986, ocorrera a tragédia de Chernobyl; mas talvez nem todos se lembrem que poucos meses depois do acidente nuclear, no mesmo ano, em Basel um incêndio nas fábricas da Sandoz provocou a liberação de materiais químicos que fizeram o Reno ficar vermelho e provocaram a morte de peixes: um desastre ambiental na coração da Europa, tanto que alguns falavam de um Cherno-Bâle (do nome francês Basel).

Marcha das três nações

Em Basel, mesmo um estudante desavisado como eu podia respirar a força das mudanças iminentes. Você podia ouvi-lo da voz de Frank Chicane, secretário-geral do Conselho de Igrejas da África do Sul, que falou sobre como derrubar o apartheid por meios não violentos; nos testemunhos da Sociedade de Amigos, os Quakers, sobre seu trabalho de pacificação na Irlanda do Norte. Sentia-se soprar o vento da paz e da não-violência que, poucos meses depois, derrubaria o Muro de Berlim, concretizando as esperanças e a razão de ser da Conferência das Igrejas europeias, nascida precisamente para construir pontes entre o Oriente e o oeste do continente.

A esperança de uma Europa sem fronteiras e sem muros foi celebrada pela Marcha das três nações que aproveitaram a particular posição geográfica, que sempre correspondeu a uma atitude cultural de abertura, da cidade de Basileia, fronteiriça tanto com a França como com com a Alemanha. Milhares de pessoas – incluindo Mons. Carlos Maria Martinipresidente da CCEE – atravessou as três fronteiras sem apresentar documentos, passando da Suíça para a França, da França para a Alemanha e de volta à Suíça.

Nas páginas em branco do Guia da Assembleia, encontrei anotadas as consultas a que compareci. Menciono apenas dois: o discurso em plenário de Aruna Gnanadasonsecretário do Conselho Nacional de Igrejas da Índia, que mostrou como o tema da paz, da justiça e da integridade da criação não fazia sentido sem uma palavra que vinha do sul do mundo e, consequentemente, de um ato de confissão de pecado do continente europeu para a exploração de outros continentes.

A Frauen Boot no Reno

E depois o colorido e aberto programa do “Frauen Boot”, o “Navio das Mulheres” ancorado nas margens do Reno: “um ponto de encontro para todos – mulheres e homens, velhos e jovens – para discutir temas de particular interesse feminino” . Foi minha abordagem um pouco mais profunda, embora experimental, do pensamento teológico feminista.

Basel 1989 foi o primeiro encontro continental a exaltar a liberdade do povo cristão, que era precisamente gente e não rebanho, e também lançou as bases para os temas que ainda hoje debatemos – das questões de gênero ao comércio de armas, das energias renováveis a um novo paradigma econômico, até mesmo o impacto social das novas tecnologias – talvez com exceção apenas das migrações cuja tematização não me lembro (nem a tracei no Guia). A diferença é que na época essas questões eram abordadas na onda da esperança de grandes mudanças – assim, eu me lembro, ele se expressou Carl Friedrich von Weizsäcker na plenária final – enquanto hoje a Europa está coberta pelo manto de uma tempestade ameaçadora criada por medos, reais e induzidos, que o movimento ecumênico – cansado em relação a 1989, mas não sem energia – tem a tarefa de dissipar.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

19 de maio em Roma um momento de espiritualidade compartilhada contra a guerra

Roma (NEV), 15 de maio de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Centre for Peace (CIPAX) continuam sua jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela Paz . “Para lembrar que a guerra, todas as guerras devem acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, mesmo nuclear, propomos um novo momento de espiritualidade compartilhada” escrevem as duas siglas. Encontro em Roma, sexta-feira, 19 de maio de 2023, das 18h às 19h30, na Igreja Evangélica Batista Cristã na via del Teatro Valle, 27. Outras iniciativas: Domingo, 21 de maio, 23, é realizada a Marcha da Paz Perugia Assis, à qual a CIPAX adere, com a Europa pela Paz. “Em preparação para a Marcha, mesmo para aqueles que por diversos motivos não poderão participar, queremos continuar nosso caminho de espiritualidade compartilhada que nos viu juntos em vários momentos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia – escreve CIPAX -. Somos contra a guerra na Ucrânia, pelo cessar-fogo, negociações, uma conferência internacional pela paz e a favor de uma cultura de não violência e de ações concretas de preparação para a paz. Acreditamos firmemente que as crenças não devem ser usadas para justificar guerras, violência e violações dos direitos fundamentais”. Europa pela Paz: "continua a mobilização pelo cessar-fogo, pela negociação, pela solução política e não violenta da guerra na Ucrânia, juntamente com o pedido de desarmamento nuclear global". ...

Ler artigo
Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

Trieste, escrita anti-semita, solidariedade dos protestantes com a comunidade judaica

O interior da sinagoga Fasanenstrasse em Berlim, devastada na Kristallnacht Roma (NEV), 10 de novembro de 2022 – “Que vergonha para quem fez isso. Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da Comunidade Judaica". O pastor escreve no twitter Pedro Ciaccio, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, após a notícia de uma inscrição racista e antissemita na porta da sinagoga da capital friulana. Episódio vândalo que cai no aniversário da Noite do Cristal, onda de violentos pogroms antissemitas ocorridos na noite entre 9 e 10 de novembro de 1938. Que vergonha para quem fez isso.Não pode ser chamado de "manobra", mas um crime a ser processado.Total solidariedade da Igreja Metodista e da Igreja Valdense de Trieste aos amigos da comunidade judaica. — Cachorro βeta (@PeterCiaccio1) 10 de novembro de 2022 "O despertar que tivemos esta manhã desperta raiva e consternação", disse um República o presidente da comunidade judaica de Trieste Alexander Thessaloniki. “Iniciamos imediatamente o episódio na Central de Polícia. Entre outras coisas, este episódio ocorreu no trágico aniversário da 'Noite dos Cristais', com a sinagoga tendo suas luzes acesas em sinal de memória”. Condenação firme também das instituições. “Estou próximo da comunidade judaica de Trieste e espero que os responsáveis ​​por um ato que considero indescritível sejam rapidamente identificados. São ações que não podem ficar impunes”, comentou o subsecretário de Economia Sandra Savino. Há 84 anos, sinagogas, casas e lojas judaicas na Alemanha e na Áustria foram atacadas. Recordamos todas as vítimas do anti-semitismo, racismo e fascismo. Nunca esqueçamos aonde as tendências fascistas levam e resistamos onde quer que apareçam. Sempre Antifascista! pic.twitter.com/CZP8gsnoMT — LouiseMichel (@MVLouiseMichel) 9 de novembro de 2022 Para saber mais: ...

Ler artigo
75º Festival Internacional de Cinema de Veneza.  Sameh Zoabi ganha o prêmio INTERFILM

75º Festival Internacional de Cinema de Veneza. Sameh Zoabi ganha o prêmio INTERFILM

Roma (NEV), 10 de setembro de 2018 – O Júri INTERFILM, presente no 75º Festival Internacional de Cinema de Veneza, entregou seu prêmio de diálogo inter-religioso a Sameh Zoabi para o filme “Tel Aviv em chamas”. O júri deste ano foi composto por alemães Christian Engelsmembro do Comitê INTERFILM, do jornalista italiano Federica Tourndo escocês Joylon Mitchell e da Suíça Daria Pezzoli-Olgiati (Presidente). Motivação total Esta comédia brilhante, provocativa e irreverente oferece um olhar original sobre um dos conflitos mais dolorosos do nosso tempo. Um roteirista palestino forma uma parceria inesperada com um oficial israelense que o ajuda a desenvolver o enredo da série de televisão sentimental Tel Aviv on Fire. O filme inverte a linha entre a dura realidade e as visões românticas, trabalhando as identidades dos personagens e abrindo um espaço criativo para o diálogo. Tel Aviv on Fire, dirigido por Sameh Zoabi (Luxemburgo, França, Israel, Bélgica, 2017) A INTERFILM foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.