Estude o movimento pentecostal

Estude o movimento pentecostal

Roma (NEV), 10 de dezembro de 2019 – A conferência “Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências” foi realizada em Battipaglia nos dias 5 e 6 de dezembro, promovida pela Faculdade Pentecostal de Ciências da Religião com o patrocínio da Região da Campânia, a Município de Battipaglia e Federação das Igrejas Pentecostais.

Um grande e qualificado grupo de estudiosos que realizaram e realizam pesquisas sobre o mundo pentecostal na Itália; sociólogos, antropólogos, historiadores, teólogos e juristas se debruçaram sobre a complexidade, relevância e incidência do fenômeno pentecostal na Itália.

O reitor da Faculdade Pentecostal de Ciências da Religião, professor Carmine Napolitano, destacou a importância deste momento de confronto entre os principais estudiosos da realidade pentecostal na Itália e a intenção dos organizadores de promover um diálogo entre perspectivas acadêmicas leigas, acadêmicas confessionais e perspectivas dentro do mundo pentecostal.

A conferência contou com a presença, entre outros Paulo Rico, que destacou a importância que o movimento pentecostal pode ter para todo o mundo cristão; Paulo Naso, que apresentou o relevante fenômeno das igrejas étnicas de origem pentecostal na Itália; e diversas intervenções sobre a especificidade teológica e jurídica dos pentecostais nos diálogos inter-religiosos e nas relações com o Estado (Teresa Francesca Rossi, Henrique Benedito, Ilaria Valenzi, David Romano).

O grupo de pesquisa da Faculdade, ao contrário, tirou uma foto do mundo pentecostal italiano, iniciando uma análise frutífera de algumas leituras históricas, sociológicas, teológicas, jurídicas e educacionais; elementos úteis para configurar perspectivas e problemas que nosso pentecostalismo local não pode mais fugir.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A crise do ecumenismo europeu

A crise do ecumenismo europeu

Foto Hilert. Roma (NEV), 17 de julho de 2023 – De 14 a 20 de junho, o XVI Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias, conhecido pela sigla alemã KEK. Esta é a organização ecumênica regional fundada em 1959 para promover o diálogo entre as igrejas da Europa Ocidental e Oriental, então divididas pela Cortina de Ferro. O CEC inclui 114 igrejas pertencentes a diferentes famílias confessionais: protestantes de várias denominações, anglicanos, ortodoxos e católicos antigos. Na Itália há membros batistas, luteranos, metodistas e valdenses, e há uma colaboração estruturada com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Da década de 1980 até a primeira década do séc.zo milênio o KEK desempenhou um papel ecumênico de destaque na Europa, graças às três Assembleias Ecumênicas Europeias de Basel 1989, Graz 1997 e Sibiu 2007, promovidas conjuntamente pela mesma Conferência e pelo Conselho das Conferências Episcopais Católicas da Europa (CCEE) . Desde então, por várias razões, seu papel parece ter sido reduzido. Um downsizing devido, além das crescentes dificuldades econômicas das igrejas, à decisão, já tomada há vários anos, de concentrar os trabalhos da Conferência sobre o relacionamento com a União Européia, fechando os escritórios em Genebra e Estrasburgo e deixando apenas a sede em Bruxelas. Mas também o impasse nas relações ecumênicas com a Igreja Católica após a difícil Terceira Assembleia Ecumênica de Sibiu, na Romênia. A Assembleia de Tallinn parece ter confirmado a tendência de enxugamento, a começar pela ausência de cerca de cinquenta igrejas membros (pela terceira vez consecutiva a Igreja Ortodoxa Russa esteve ausente, o que congelou a sua participação precisamente por causa de uma disputa envolvendo uma das duas Igrejas Ortodoxas de Estônia; os ortodoxos sérvios também estão ausentes). um momento da Assembleia. Foto Hilert. Foi confirmada a dissociação da CEC de duas importantes redes ecumênicas europeias, a que trata dos migrantes, a Comissão de Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), e a de ecologia, a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). Havia alguma esperança de que a convocação de uma quarta Assembleia Ecumênica Européia fosse anunciada, mas isso não aconteceu. Mesmo sobre a guerra na Ucrânia, a declaração final decepcionou muitos delegados devido à posição considerada muito pró-OTAN e à falta de insistência em encontrar soluções pacíficas para o conflito. No entanto, os delegados italianos destacaram os pontos positivos da Assembleia: o debate sobre o acolhimento dos migrantes; a presença ativa de jovens que viram uma boa moção sobre o clima aceito; a renovação do Comitê Diretivo no qual também foi eleito um jovem pároco italiano, o Batista Simone De Giuseppe. O novo presidente do KEK é ortodoxo, o arcebispo Nikitas de Thyateira e Grã-Bretanha, que no final do encontro partilhou uma mensagem de esperança: “Esta Assembleia encontra-nos num mundo em guerra, em que as armas nucleares ainda estão a funcionar… Neste contexto, a CEC deseja trazer esperança e luz de Cristo, como mensageira da paz e da solução dos nossos problemas". ...

Ler artigo
20 de agosto.  O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

20 de agosto. O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense. Torre Pellice (Turim) Roma (NEV/CS17), 16 de agosto de 2023 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense terá início no domingo, 20 de agosto, em Torre Pellice (Turim). Inicia-se com a habitual procissão, desde a casa valdense até ao templo onde se realiza o culto de abertura, às 15h30. A pregação é confiada ao pastor Sérgio Maná. As obras decorrem de 20 a 25 de agosto. A habitual noite pública (segunda-feira, 21 de agosto, às 20h45, no templo valdense de Torre Pellice) tem como título: “Opressão, resiliência, transformação: mulheres no espaço público”. O Sínodo reúne 180 delegados de toda a Itália e representa o órgão máximo de decisão e democrático para estas igrejas históricas. Temas Entre os principais temas deste Sínodo 2023 estão o compromisso da Igreja na sociedade, a fé, a ética, o papel da mulher nos ministérios e na vida política, religiosa, social e cultural. Outro compromisso importante sobre o qual o Sínodo irá delinear as linhas de trabalho para o próximo ano está em preparação. Na verdade, 2024 será um marco fundamental para os valdenses, que celebrarão o 850º aniversário do nascimento, em Lyon, do Pedro Valdo. Convidados O Sínodo deste ano regista um elevado número de convidados de toda a Itália e do estrangeiro. Foram convidadas diversas personalidades religiosas e leigas, entre as quais o teólogo e pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O pastor Gênero João Pedro, Presidente da Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa. O Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pároco Carsten Gerdes. O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pastor Alfredo Giannini. A pastora Mirella ManocchioPresidente da Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Também entre os convidados estavam representantes da Igreja da Escócia (Igreja da Escócia) e da Sociedade Valdense de Ajuda Missionária, da Igreja Evangélica Alemã (Evangelische Kirche em Hessen und Nassau), da Sociedade Valdense Americana e da Igreja Metodista Unida. Mais uma vez, representantes religiosos da Áustria, Bélgica, Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, Portugal, República Checa, Estados Unidos, Suíça e Hungria. O moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trotta, será convidado do Culto Evangélico no próximo domingo | Rai Radio 1 entrevistado por Gian Mário Gillio. É possível solicitar entrevistas, materiais, fichas informativas escrevendo para [email protected] – A agência NEV estará presente em Torre Pellice como assessoria de imprensa do Sínodo. Eventos paralelos: 18 de agosto Jornada Teológica "John Miegge" 19 de agosto Os jovens pré-Sínodo (nev.it) O pré-Sínodo das mulheres (nev.it) Par ou ímpar? Uma questão de gênero. 19 de agosto com a Diaconia (nev.it) 31 de agosto Mattarella na Torre Pellice em agosto. O sonho pró-europeu nasceu aqui. (nev.it) Para saber mais: FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro FORMA. Os Valdenses – Novembro ...

Ler artigo
Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Antes do Sínodo, foi realizada a consulta ecumênica organizada pelo Departamento Ecumênico da EKvW. Entre seus convidados, a pastora Rita Famos, presidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça e membro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Zoltán Balog, bispo da Igreja Reformada na Hungria, abaixo assinado como coordenador da Mediterranean Hope , o programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, e Christoph Picker, diretor da Academia Evangélica da Renânia-Palatinado. A conferência intitulada “Como funciona a paz? Perspectivas da Igreja sobre a democracia e a paz na Europa” abriu com algumas reflexões de Picker que deram impulso aos trabalhos do dia. As igrejas protestantes podem ajudar a fortalecer as democracias europeias, continuando a promover uma cultura de paz e tolerância, garantindo a pluralidade, a atenção às diferenças e às minorias. Questões críticas também foram expressas, como o risco de certas reflexões permanecerem nas academias, em um nível ideal, sem encontrar a prática e ativar uma participação mais ampla no processo democrático que deveria envolver membros da igreja e da política. Nos dias seguintes, durante o Sínodo, parece-me que também emergiram outros temas que se tornaram centrais no debate: a guerra na Ucrânia e a busca de uma "paz justa"; mudança climática e a tentativa de se tornarem igrejas de “impacto zero”; o envolvimento com os migrantes em termos de acolhimento, proteção de direitos e preocupação com a tendência para políticas nacionais e europeias de encerramento, expulsão e criminalização; a "saúde" das igrejas com relação a graves declínios no número de membros, frequência e finanças; relações ecumênicas com outras comunidades de fé e compromisso com a missão dentro e fora da igreja. Independentemente de sermos igrejas majoritárias ou minoritárias, fazemos as mesmas perguntas que os crentes evangélicos e os evangélicos? Temos consciência do impacto que temos na sociedade e na política e, sobretudo, dos instrumentos de que dispomos? Ao visitar alguns prédios históricos das igrejas da região da Vestfália, sua beleza sóbria e orgulhosa me impressiona e percebo o pesar daqueles que me acompanham e me falam das dificuldades em mantê-los, em manter as comunidades unidas, em continuar o precioso trabalho de testemunho evangélico na cidade. As palavras da presidente da EKvW (e da EKD) Annette Kurschus no primeiro dia de trabalho do Sínodo me impressionam: “Não devemos lidar apenas com os problemas internos da igreja, mas também com os importantes em nossa sociedade . Devemos manter a terra aberta para o céu e vice-versa: levar a mensagem do reino celestial de Deus de forma tangível à terra”. Por isso é tão importante que a Igreja ainda se faça ouvir sobre questões que dizem respeito a todos, como as abordadas pelo Sínodo da EKvW. Também sinto que não falta uma atenção particular aos que fugiram ou ainda fogem das guerras e perseguições, seja da Ucrânia ou do outro lado do Mediterrâneo. Da Itália aproximo um pouco mais o Mediterrâneo da Alemanha, contando o que está acontecendo nas “nossas” fronteiras e o empenho das Igrejas. Mas a sensação é que já está perto: está presente nas palavras para lembrar os que perdem a vida na travessia marítima, no reconhecimento da importância de não esquecer nomes, de não baixar a atenção aos direitos, de trabalhar incansavelmente junto às instituições e sociedade civil para garantir práticas de acolhimento e solidariedade, acompanhamento em percursos educativos, proteção no mercado de trabalho. Trago a voz de uma igreja pequena, mas que sempre soube que isso não significa ser uma igreja sozinha ou sem possibilidade de fazer a sua parte. E é certamente também nas alianças ecumênicas e nas relações com as igrejas em nível internacional que esse potencial se concretiza. Desafios difíceis, em tempos difíceis mas se os partilharmos, talvez possamos continuar a estar onde mais se necessita - aqui e agora - cuidando da terra para que se abra ao céu. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.