Igrejas para migrantes na Europa, uma carta às instituições da UE

Igrejas para migrantes na Europa, uma carta às instituições da UE

CC-BY-4.0: © União Europeia 2019 – Fonte: EP

Roma (NEV), 6 de dezembro de 2019 – ‘Exercite a solidariedade, compartilhe responsabilidades, mostre liderança’ ou ‘praticar a solidariedade, compartilhar responsabilidades e demonstrar liderança’ nas políticas de asilo e migração. Este é o título de uma carta conjunta assinada pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e pela Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). A carta foi enviada hoje, 6 de dezembro, pelas organizações ecumênicas ao Ursula von der LeyenPresidente da Comissão Europeia, Charles MichelPresidente do Conselho Europeu e David SassoliPresidente do Parlamento Europeu.

“Preocupamo-nos profundamente com a dignidade inviolável de cada ser humano criado à imagem de Deus – lê-se no texto – e estamos profundamente comprometidos com as questões dos bens comuns, da solidariedade global e de uma sociedade que acolhe os estrangeiros”, lê-se na carta. “É neste contexto que hoje nos dirigimos a vós, sobre a necessidade de uma política global de asilo e migração da UE orientada para o respeito pelos direitos humanos, a inclusão e a proteção dos indivíduos”.

As duas organizações então expressaram algumas recomendações às instituições da UE, instando-as a “facilitar um mecanismo global, de preferência de longo prazo, legalmente válido para busca e salvamento” no Mediterrâneo. Por fim, pediram aos três dirigentes das instâncias europeias que “adotem um sistema de realocação das pessoas resgatadas no mar, bem como das que chegam aos países da fronteira sul do continente”.

Entre outras coisas, a proposta das igrejas chega poucos dias depois da nomeação da FCEI ao Parlamento Europeu, terça-feira, 10 de dezembro, para a apresentação do projeto de corredores humanitários europeus, no qual também participarão Torsten Moritzsecretário executivo do CCME e pároco Christian Kriegerpresidente da CEC, autores da carta à UE.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 12º dia.  Ser velho (e solitário?)

16 dias para superar a violência, 12º dia. Ser velho (e solitário?)

Foto tirada de Roma (NEV), 6 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 12: 6 DE DEZEMBRO Ser velho (e solitário?) SOLICITARdiscutirQuais soluçõespara uma idade avançada"de uma mulher"? Vamos pensar nisso! Antônia, 86 anos mEu sou casado em segundo lugar com umhomem ansioso por carinho, companhiae apoiar como eu. Foi bom, até-porque eu poderia ser o elemento forte docasal. Quando, em vez disso, tive um derrame, e deconseqüentemente era ele quem tinha que me ajudar, eu soufomos “convencidos” a sair de casa eligados em um Rsa. Eu me sinto em um pri-Gione, dourado, claro, mas não é minha casa. vamos começar dar a ela palavras. eu digo ter“velho”, não velho, Seniore via mitigaçãofazer. Eu quero desafiar todo o feio que se escondeesse termo.Ser velho não é ser velho:a velhice feminina é um pouco diferente, emuitas vezes é um pouco pior do que o masculino.Em primeiro lugar, mais frequentemente significa estar sozinho: manopessoas na casa dos oitenta, apenas 40% das mulheresainda é casado, enquanto 80% doshomens ainda é. Homens vivem quatroou cinco anos mais jovem que as mulheres (em média), masmais raramente ficam sozinhos no período finalda vida deles. Nós mulheres vivemos mais,mas em troca vivemos sozinhos. Hoje o so-existem 8 milhões de famílias unipessoais erepresentam um terço de todos os agregados familiares.Metade desses 8 milhões são pessoas com mais de65 anos.Ser velho significa ser cuidadoresdo marido, ou parceiro, depois de ser umsido dos pais e talvez dos paisde seu marido. Mas depois, quando antespessoa que você vai precisar de ajuda, carinho eempresa, você se encontra sem ninguém em quecontar.A reforma dos cuidados aos idosos nãoautossuficiente foi aprovado recentemente, masrequer certos tempos de realização e financiamentocolocações adequadas. Hoje dois terços dos convidadosda RSA são mulheres. E as alternativas ao RSA,ou a humanização da RSA, são percorridos emgrande parte para construir. proposta de visão TOMATES VERDES FRITO (NA PARADA DO TREM) dirigido por Jon Avnet Estados Unidos da Américaca, 1991, 125'Da história de uma velha animadata em uma casa de repouso, uma mulher frustrado aprende de um cativante história de amor, amizade, rebelião contra o racismo, que se torna inspiração para sua câmera radicalequilíbrio da vida. VERSÍCULO BÍBLICO Agora que cheguei à velhice e aos cabelos brancos, ó Deus, não me desampares, até que eu tenha contado as maravilhas do teu braço a esta geração e o teu poder às que hão de vir. (Salmo 71, 18) COMENTE O antigo homem de oração de Israel experimentou a presença e a ajuda do poder de Deus em todas as perseguições que sofreu. Agora ele se encontra em maior dificuldade devido à sua idade avançada: suas forças estão diminuindo e seus adversários podem pensar que Deus o abandonou.No entanto, o seu pedido de ajuda não tem o tom desconsolado e débil que se poderia esperar de uma pessoa sobrecarregada pelo peso da idade. Longe disso: pede novas energias para poder transmitir eficazmente o seu testemunho às novas gerações! Consciente de estar inserido na grande história da salvação, ele reivindica a relevância de sua própria experiência humana e espiritual e um papel ainda ativo na sociedade: ele não pede para si, egoisticamente, mas para o bem da geração futura e para o maior glória de Deus. ORAÇÃO Senhor de nossos dias, nãopedimos que nos estendavida indefinidamente e emqualquer condição. Mais do que-a quantidade de anos por favorpedimos que nos dê a capacidadety para experimentá-los à luz desua graça, em solidariedadecom o nosso vizinho, nodignidade de suas filhas, de seus filhos,amar e amar a si mesmo. Permita-nosser capaz de expressar em palavras emostrar nossa gratidãopelo que você operounós, por Cristo, nosso Senhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Elle Leontiev, antisplash Roma (NEV), 23 de setembro de 2021 – Elizabeta Kitanovićsecretário executivo para os direitos humanos da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) é o protagonista da terceira e última entrevista realizada à margem do G20 das religiões, em Bolonha. A Conferência das Igrejas Europeias, juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e a União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a Proteção de locais de culto na Europa em maio passado. O CEC está muito comprometido com a questão da liberdade religiosa. Qual é a situação na Europa? Quais projetos estão em andamento? O nosso principal compromisso, graças ao contributo da Comissão Europeia, é dar formação sobre segurança nos locais de culto, para sensibilizar os cidadãos, através de diversas atividades de literacia religiosa. Dentro desse programa tão amplo, produzimos um guia para as agências de aplicação da lei: um documento dirigido aos "insiders", de advogados a policiais, para tentar explicar como o cristianismo, o budismo, o 'slam e o judaísmo, nos vários países, como comunidades vivem e se organizam. O segundo passo, novamente em termos de advocacia e informação, foi produzir orientações para líderes religiosos e fiéis sobre a proteção de locais de culto. Não importa se você é crente ou não, porque ter mais informação e consciência pode salvar a sua vida e salvar a vida de outras pessoas. Construímos então um website, www.sasce.eu, e promovemos centenas de cursos de formação. Os dirigidos aos líderes das igrejas, para os ajudar a tomar consciência dos riscos: isto significa que as igrejas e símbolos eclesiásticos em edifícios religiosos devem ter planos específicos de segurança. E também significa que os líderes religiosos devem manter relações muito estreitas e constantes com as forças da ordem, para prevenir qualquer ataque e episódio de possível risco. Além disso, no âmbito deste projeto, produzimos e enviamos mensalmente à Comissão Europeia um relatório sobre episódios de violação da liberdade religiosa. Uma questão particularmente importante é a da incitação ao ódio na esfera pública, com base religiosa, alarme que infelizmente registramos em constante crescimento. Queremos garantir, desta forma, que a União Europeia esteja a par das informações e denúncias que recebemos, dos relatórios que nos chegam das igrejas de todo o continente. E em maio de 2021, pela primeira vez, o executivo da comunidade produziu um guia real sobre segurança em locais de culto. Então, as violações da liberdade religiosa estão aumentando na Europa? Infelizmente, há um aumento dramático nas violações da liberdade religiosa na Europa, em todas as comunidades. Um fenómeno que, infelizmente, muitas vezes conduz ao anti-semitismo e à islamofobia, a formas gravíssimas de discriminação e, por vezes, de forma dramática, a atentados terroristas que causam mortos e feridos. Mas agora temos uma nova consciência, uma abordagem inter-religiosa para tais violações. Até recentemente, parecia que cada comunidade tendia mais a se proteger e, de fato, um mecanismo de "competição" foi acionado de alguma forma entre as vítimas. Trabalhamos em sentido ecumênico justamente para dizer que toda violação do direito de professar a própria fé conta, que todos devemos lidar com ela juntos, independentemente da confissão a que pertençamos. Este é o grande desafio que nos espera”. O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas. Por fim, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais e é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023. Para saber mais sobre o tema: Outras entrevistas do G20 das religiões: Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) ...

Ler artigo
“Não há futuro sem fraternidade e solidariedade”

“Não há futuro sem fraternidade e solidariedade”

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html Roma (NEV), 23 de outubro de 2019 - "Não há futuro sem fraternidade e solidariedade" é o título da XVIII Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico, que será celebrada em toda a Itália no dia 27 de outubro. As igrejas protestantes também participam do dia. Nascido da ideia de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários em 2001, no rescaldo da tragédia das Torres Gémeas, o Dia produz todos os anos um apelo ao diálogo com o Islão para uma sociedade pluralista, acolhedora e que respeita o ser humano direitos e os valores democráticos e compartilhados de paz, justiça e convivência civil. O apelo para a décima oitava Jornada Ecumênica do Diálogo Cristão-Islâmico, disponível AQUI em italiano, árabe, inglês e francês, foi elaborado por um comitê promotor nacional, que convida a concordar com o texto. “A humanidade parece estar presa em uma espiral sem fim de guerra. Os apelos à paz e à fraternidade humana, que vêm também de importantes organismos religiosos internacionais e de líderes espirituais individuais das principais religiões do mundo, são deixados de lado e desprezados», lê-se no apelo, que se inspira no Evangelho e no Alcorão. Os signatários denunciam a criminalização da solidariedade, a guerra aos refugiados e o racismo cada vez mais violento e agressivo: “Nossa Constituição e a Declaração Universal dos Direitos Humanos são cada vez mais espezinhadas pelas exigências da propaganda e do consenso em clima de campanha eleitoral perene – e conclui -. Estamos vivendo uma fase crucial. É necessário, superando contrastes estéreis, não cair na exasperação e na ansiedade, promovendo contínua e coerentemente até ações mínimas, mas compartilháveis, que fortaleçam o diálogo entre as religiões e a unidade dos homens e mulheres de boa vontade”. Entre as nomeações, destacamos as seguintes iniciativas. PARMA, sexta-feira, 25 de outubro. Por iniciativa da Comunidade Islâmica de Parma e da sua província e do Conselho das Igrejas Cristãs (Adventistas do Sétimo Dia, Católicas, Metodistas, Ortodoxas de San Nectario, Igrejas Ortodoxas Romenas), reuniram-se com Mohamed Amin Attarkirepresentante do Centro Islâmico de Parma, e Antonio Cuciniello, arabista e islamólogo da Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão. A discussão seguirá. Participam da iniciativa o grupo da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Parma e a associação Viandanti. Às 20h30 no Centro Islâmico na via Campanini 6 (zona industrial na via Mantova). CHIAVARI, sexta-feira, 25 de outubro. Diálogo a duas vozes, moderado pelo pároco batista Martin Ibarracom Frei Lorenzo Raniero, dos Frades Menores, professor do Estudo Teológico San Bernardino de Verona, e Izzedine Elzir, Imam de Florença e ex-presidente da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII). Aos 21 no Auditório San Francesco di Chiavari na Piazza Matteotti. Paralelamente à iniciativa, a exposição "Francesco e o Sultão - O encontro na outra margem" com curadoria da Fundação Encontro de Amizade entre os Povos de Rimini, montada em Chiavari de 23 a 27 de outubro no foyer do Auditório e em Rapallo de 29 a 31 de Outubro no Liceo “Da Vigo – Nicoloso”, na sucursal de Clarisse. TURIM, domingo, 27 de outubro. “1219-2019 passos da fraternidade”. Em 1219 aconteceu o histórico encontro entre São Francisco de Assis e o sultão Al-Malik al-Kāmil. O dia é organizado pela Rede de Diálogo Cristão-Islâmico de Turim, que inclui mesquitas, igrejas cristãs de todas as denominações, incluindo batistas, valdenses e luteranas, associações religiosas e numerosas, grupos, centros culturais. Às 18h30, no Teatro Cardeal Massaia, na via Sospelo 32/c, o aniversário será celebrado com orações, leituras, discursos, cantos e testemunhos. Entre os convidados, Sonia Ristortoteólogo, professor de religião e imã Abdullah Tchinada Mesquita Sesto, Milão. Para informações: [email protected] – Aqui o Evento Facebook Outros eventos acontecerão em outras cidades, incluindo Pisa, Faenza, Vicenza e Verona. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.