Ceia do Senhor aberta a todos

Ceia do Senhor aberta a todos

Ilustração retirada do número 9 da “Hospitalidade Eucarística”

Roma (NEV), 26 de junho de 2019 – O grupo ecumênico que redigiu o boletim “Hospitalidade Eucarística” propôs um documento intitulado “A Ceia do Senhor”, escrito pelo pároco e teólogo valdense Paulo rico juntamente com o padre católico e teólogo João Ceretipara definir os pontos de convergência essenciais a respeito da Ceia do Senhor.

O documento – datado de 25 de maio e co-assinado por párocos, pastores, teólogos e sacerdotes – propõe alguns pontos comuns sobre a compreensão da Ceia do Senhor, com base nos quais os redatores acreditam que “é possível para todo cristão batizado, em a obediência à própria consciência e a plena solidariedade com a própria Igreja, para sermos acolhidos como convidados em todas as mesas cristãs onde se celebra a Ceia do Senhor». A Ceia do Senhor que, na esfera católica, é definida principalmente como a Eucaristia e, na esfera protestante e evangélica, a Santa Ceia.

Entre os pontos salientes do texto, o conceito de que a Ceia pertence precisamente ao Senhor e não às igrejas e, portanto, é Jesus quem a convida e preside; a consideração de que “as diferentes doutrinas de interpretação dos gestos, palavras e presença de Jesus na Ceia têm todas o seu significado e valor próprios, mas não são constitutivas da Ceia”; o fato de que representa “um momento de união entre os cristãos e, portanto, não pode ser ocasião de divisão”.

Aqui estão os nomes dos co-signatários: maria bonafedepastora valdense; Daniele Garroneteólogo valdense e conselheiro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), André Grilloteólogo católico; Lydia Maggipastor batista; Carlos Molariteólogo católico; Fredo OliveroPadre católico; Emmanuel Paschettopastor batista; José Platãopastor valdense, Antonieta Poderosateólogo católico; Felice ScaliaPadre católico; Antonio Squitieripastor metodista; Kirsten Thielepastor luterano.

É possível aderir à Declaração Conjunta divulgada na folha “Hospitalidade Eucarística” pelos dois teólogos, enviando um e-mail para [email protected] especificando sobrenome e nome, estado civil ou religioso, igreja cristã de referência, município de residência, endereço de e-mail para o qual as comunicações devem ser enviadas (que não serão publicadas em nenhum caso). Você pode especificar o pedido de anonimato no e-mail pelo nome e possivelmente pela ordem religiosa; a adesão neste caso constará apenas no total numérico dos recebidos.

Baixe o documento completo aqui Ceia do Senhor.

O folheto “Hospitalidade Eucarística” é editado por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), como parte do grupo ecumênico “Partir o pão” nascido em 2011 em Turim, que inclui indivíduos protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 15/16 dias.  Feminicídio última fase

16 dias para superar a violência, 15/16 dias. Feminicídio última fase

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 9 de dezembro de 2022 – Hoje conclui a série de episódios que viram a publicação, dia a dia, das reflexões do dossiê “16 dias contra a violência” organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Os 16 dias vão de 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, a 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. Para ver todos os episódios, clique aqui. DIAS 15 e 16: 9/10 DEZEMBRO O feminicídio última fase da violência SOLICITARdiscutir Como forçar os homens a superar seus desejos de vingança? Guglielmina, Franca, Nadia, Simona, Silvana, Maria, Alessia, Alexandra e muitos outros, de 6 de janeiro a 25Outubro, dois dias atrás, enquanto escrevíamos isto, estou mulheres que morreram por feminicídio em 2022. Se você percorrer os lugares onde eles aconteceramnão tem lugar nem região para esses feminicídios que ele seja salvo. Pequenas vilas, cidades, espalhadas em todo o território nacional. No entanto, a Itália em 2013 juntou-se a um lei à Convenção de Istambul, que deu indicações e métodos para superar o tema da violência na Europa. O ponto chave é a colaboraçãoração que os Estados tiveram que estabelecer com centros anti-violência administrados por mulheres. Na Itália, isso é alcançado apenas parcialmente,o financiamento está constantemente em riscode centros anti-violência, otreinamento planejado para aumentar a conscientização sobre as forçasda ordem, as estruturas sociais e onitari, mas é sobretudo o sistema judicial,dividido entre penal e civil, que se comporta emforma gravemente inconsistente e que põeEu arrisco a vida das mulheres.Muitas vezes a sentença de separaçãocivil, que segue um julgamento criminal de culpavoluntariamente, prevê a guarda compartilhada de menores.Os tribunais civis, ao decidirem, não tomamconta de todo o processo judicial que omulheres se comprometeram a sair da violêncialinha de pesca, mas contam com o aconselhamento de psicólogosque acreditam que mães afetadas por síndromeda mãe maliciosa. Obrigar os pais amanter contato, em muitos casos defineas vidas de mulheres e crianças estão em risco. É muitomuitas vezes é difícil reverter isso rapidamentejulgamentos. VERSÍCULO BÍBLICO Não cobice a casa do seu próximo;não cobices a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. (Êxodo 20, 17) COMENTE Quantas vezes temos que ler novamenteque um homem mata “sua mulher” porque ela se afastou dele ou se retirou de seu domínio. A mulher como propriedade. Como até mesmo os 10 mandamentos sugerem. No entanto, a história da interpretação bíblica e teológica de certas partes das Escrituras do Antigo e do Novo Testamento em que esse conceito de propriedade é questionado ou em que se destaca que não faz parte da mensagem libertadora já se foi há muito tempo. .Mas para isso não devemos retirar esses versos, devem permanecer, devem estar ali para denunciar uma prática violenta. É verdade, mesmo que pareça o contrário, hoje há menos violência, mas muitas vezes ela se tornou mais sutil. Como então, as mulheres também são mortas hoje porque são vistas como algo que pode ser descartado de acordo com os sentimentos de cada um. Mas todos nós não somos propriedade de alguém. Até mesmo Deus nos deu liberdade, não para fazermos o que quisermos, mas para sermos pessoas responsáveis ​​umas pelas outras. Somos chamados a nos libertar de impulsos que inicialmente podem nos manter acorrentados. ORAÇÃO Rezamos para que as vozes das mulheres abusadas sejam ouvidas,que ações e mudanças significativas ocorramno tratamento das mulheres em todos os setores da sociedade. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Casais inter-religiosos e casamento.  A lei é igual para todos?

Casais inter-religiosos e casamento. A lei é igual para todos?

Foto de Fancy Crave - Unsplash Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – O pastor batista Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), participou da apresentação do volume “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje”. Ligando as considerações dos palestrantes, o pastor falou sobre dois assuntos. A primeira, pelo facto de não termos certos dados estatísticos, e de muitos casais mistos casarem apenas no Concelho e não realizarem casamentos inter-religiosos. “Isso depende da situação muito desfavorável de algumas religiões presentes na Itália, que não têm um entendimento com o Estado – disse o pastor Lio -. Portanto, mesmo em relação aos casamentos mistos, falta igualdade de direitos, apesar de estarmos em um estado inter-religioso". O segundo aspecto diz respeito às pessoas sem cidadania que, continua o pároco, “não aparecem, mesmo que estejam na Itália há muitos anos e, portanto, possam ser cidadãos italianos. Se fossem reconhecidos como tais, a lei italiana também seria aplicável em casamentos mistos entre pessoas de religiões diferentes. Em vez disso, atualmente eles encontram dificuldades, porque têm que apresentar documentos a serem produzidos em seu país de origem, onde esses documentos ainda estão presos a uma posição misógina e patriarcal de relações. Na Argélia, por exemplo, para casar é preciso pedir autorização ao pai para celebrar o casamento e, se o pai já não existir, ao irmão. Se não houver irmão, ao cunhado. Portanto, essas situações atropelam o direito da pessoa de poder celebrar um casamento, tanto secular quanto religioso”. O livro aborda vários temas, desde aspectos religiosos a dados estatísticos, passando por testemunhos. Sobre isso, comenta novamente Gabriela Lio, “muitos têm se concentrado nos testemunhos de casamentos mistos de forma positiva. A forma como criaram os filhos, a relação com a fé e com a diversidade, também celebrada em família. Respeito pela fé do outro, do outro. No entanto, a Itália carece de uma lei sobre liberdade religiosa e não há acordos com algumas expressões religiosas presentes no país – mesmo numericamente significativas, como o Islã. Por detrás desta situação, representada de forma tão feliz (pois é justo que se apresentem realidades interessantes e funcionais de casais inter-religiosos), existe na verdade um grande sofrimento. Sofrendo com a falta de liberdade e a impossibilidade de poder casar como gostaria e expressar-se livremente com a própria fé, mesmo no casamento. Sem falar no fenômeno das crianças contestadas”. O livro “Famílias e Religiões. Dos casamentos inter-religiosos à criação dos filhos: como a Itália está mudando hoje” é editado por Maria Rosa Ardizzone, Frances Baldini, Roman Bogliaccino (Palombi Editora, 2022). Foi apresentado no último dia 7 de fevereiro na Universidade LUMSA de Roma. O projeto editorial nasceu do encontro entre a Fundação Beato Federico Ozanam – San Vincenzo De Paoli (Ente Morale Onlus) com a rede Donne di Fede in Dialogo de Religiões pela Paz Itália e "do desejo comum de investigar como a família muda hoje à luz de uma sociedade globalizada e o quanto a presença de diferentes religiões pode afetar as uniões matrimoniais e conseqüentemente a educação dos filhos”, diz o convite para a apresentação. E ainda: “O livro tem uma intenção informativa e visa investigar, por meio de contribuições de natureza sociológica, pedagógica e jurídica, as causas e os efeitos de uma mudança social ligada à família. A pesquisa é enriquecida pela visão das religiões, com as contribuições de representantes religiosos, que oferecem um ponto de vista verdadeiramente único sobre os limites e oportunidades dos casamentos inter-religiosos. O volume também inclui testemunhos diretos de casais que vivem um casamento inter-religioso e de filhos nascidos em casamentos inter-religiosos”. Para maiores informações – Fundação Ozanam: [email protected];– Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália: [email protected]. ...

Ler artigo
Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Milão, o prêmio de jardins urbanos ao jardim na cobertura da igreja

Roma (NEV) 19 de abril de 2022 – Medalha de ouro para o jardim urbano no telhado da igreja metodista de Milão. O primeiro prémio do concurso online “Premia il tuo verde” do projeto Clever Cities foi, de facto, atribuído ao espaço na via Porro Lambertenghi (de que falámos neste artigo). 873 foram os votos para a iniciativa desejada e gerida pela comunidade metodista da capital lombarda. A horta, criada com bancos de madeira apoiados nos pés, é cuidada justamente pelos frequentadores da igreja metodista e pelos condomínios do prédio onde foi criada. “Estamos muito felizes sobretudo pelo número de preferências que recebemos – declara o pároco Cristina Arquidiácona – , ficamos muito emocionados com tanta participação. Significa que quando nos mobilizamos, quando estamos unidos, podemos fazer muitas coisas. E seria bom poder fazer isso também em outras coisas que são importantes para a nossa humanidade, como a paz e a justiça”. Segundo lugar (com 240 preferências) para o telhado verde Precotto, terceiro lugar para a videira Via Avezzana. O concurso online foi aberto a projetistas, proprietários e condôminos de edifícios com coberturas verdes, uma forma de promover a criação de coberturas ajardinadas na cidade. Dezoito candidaturas admitidas chegaram até 25 de março, enquanto 2.882 preferências foram expressas no site priamiailtuoverde.it, onde todos os jardins em competição são visíveis. A votação foi encerrada no dia 14 de abril. O prémio para os vencedores é o apoio financeiro (5 mil euros, em particular, irão para o jardim metodista) da Câmara Municipal de Milão para a manutenção do verde. “Todas as cidades – declarou o vereador para a regeneração urbana Giancarlo Tancredi – presta-se a aumentar a presença do verde, não apenas projetando novos, mas também trabalhando no existente com o envolvimento de todos, e o Milan pode estar na vanguarda nisso”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.