Dia da Reforma, as iniciativas da Fundação Valdense de Torre Pellice

Dia da Reforma, as iniciativas da Fundação Valdense de Torre Pellice

Roma (NEV), 24 de outubro de 2020 – 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero, professor da Universidade de Wittenberg, escreveu suas 95 teses: o movimento da Reforma da Igreja remonta a esse episódio. Nas Igrejas valdenses, cultos e atividades dedicadas lembram a vocação reformada. A Fundação Centro Cultural Valdense Torre Pellice oferece diversas ferramentas de formação sobre a Reforma Protestante na Europa, através de seu livro, arquivo, museu e materiais de divulgação como exposições, seminários, conferências, oficinas, produção de materiais de estudo.
A Biblioteca Valdense possui um patrimônio de particular interesse para qualquer pessoa interessada na Reforma Protestante. Desde suas origens, na década de 1830, foi formado a partir de textos sobre a história e teologia do protestantismo e dos valdenses. Tanto para a Bibliothèque Pastorale quanto para a Bibliothèque du Collège (os dois núcleos originais) os primeiros livros vieram de apoiadores ingleses e escoceses e incluíram, além de textos teológicos e históricos para pastores, professores e alunos, numerosos textos sobre a Reforma.
A exposição “Reforma, século XVI e Valdense”, impressa por ocasião dos 500 anos em 2017, pode ser visualizada no site entre os roteiros virtuais.
Também no site da Fundação, na página dedicada, alguns materiais para download fornecem um quadro de referência sobre as mulheres nas igrejas reformadas.
No canal do youtube da Fundação Centro Cultural Valdense também é possível encontrar material em vídeo sobre Lutero e a Reforma, até para os pequenos, com o teatro de sombras.
Também no canal do youtube, entre as noites com os historiadores que contribuíram para a criação do novo museu histórico em 2018, você também pode ouvir as partes referentes ao período da Reforma.

Para celebrar esta ocasião, o museu mantém-se também aberto no dia 31 de outubro, das 15h00 às 18h00, com bilhetes a preços reduzidos.
Para marcar a sua visita, pode telefonar para o 0121 932179 ou escrever para [email protected], devido às entradas restritas de acordo com as normas sanitárias em vigor.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#PapalVisit.  O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

#PapalVisit. O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 - Amanhã, quinta-feira, 21 de junho, para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Genebra é esperada Papa Francisco. Mas amanhã, para o movimento ecumênico mundial, haverá também a marcação semanal das “quintas-feiras negras”. quintas-feiras em preto é a Campanha de Conscientização, nascida dentro do WCC há vários anos, que se opõe ao estupro e à violência. Todas as quintas-feiras, aqueles que reconhecem a violência contra as mulheres como um flagelo de nossas sociedades – igrejas incluídas – são instados a usar preto. “A violência contra a mulher está generalizada, podemos falar em pandemia – disse a anglicana à NEV News Agency Agnes Abuom, moderador do Comitê Central do CMI, originário do Quênia -. É por isso que, com a nossa campanha, convidamos todos os homens e mulheres de boa vontade, independentemente da sua fé, a juntarem-se a ela vestindo algo preto”. “É uma questão que diz respeito a todos nós. Acontece em todo o lado, nas nossas sociedades, nas nossas famílias, nas igrejas, nas comunidades e nos espaços públicos”, acrescentou Abuom, confirmando que amanhã não seria exceção. Pelo contrário. Os 150 delegados de igrejas de todo o mundo que estão reunidos em Genebra nestes dias para os trabalhos do Comitê Central, o órgão de decisão entre as duas Assembléias Gerais do CMI, foram convidados não apenas a vestir preto, mas também a vestir o selo da campanha. As decisões do Comitê Central do CMI Durante uma coletiva de imprensa realizada hoje no Centro Ecumênico de Genebra, foram apresentadas algumas decisões do Comitê Central, em primeiro lugar a localização da próxima Assembleia Geral do CMI: a escolha recaiu sobre Karlsruhe (Alemanha), na fronteira com a França . O convite partiu da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD). Satisfação foi expressa pelo bispo Petra Bosse-Huber, EKD responsável pelo ecumenismo e relações internacionais: “Faz cinquenta anos que uma Assembleia do CMI foi realizada no continente europeu. A escolha da Europa em um momento em que a falta de políticas de refugiados minam o valor da solidariedade e do acolhimento é um sinal significativo”. O pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, listou as prioridades de trabalho resultantes do Comitê Central. Isso inclui o processo de paz entre as duas Coreias, um tema caro ao CMI há muitos anos. Nos últimos dias em Genebra, as delegações das igrejas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul tiveram intensos intercâmbios. De acordo com alguns observadores amanhã Papa Francisco ele pode querer cumprimentá-los expressamente. Entre outras prioridades, o combate ao racismo com homenagem ao Martin Luther King; fluxos migratórios; a questão do estatuto de Jerusalém com uma clara condenação da mudança da embaixada dos Estados Unidos para a cidade que é expressão das três religiões monoteístas, decisão que tem causado mortes e violência. Finalmente, o Comité Central quis recordar que este ano não só se comemora o 70º aniversário do CMI, mas também da Declaração Universal dos Direitos do Homem, considerada mais necessária do que nunca, com um forte apelo lançado às igrejas: "Dar prioridade mais uma vez ao apoio dos direitos humanos”. #QuintasDePreto: Leia mais sobre isso aqui. Para mais informações sobre a visita do Papa amanhã, clique aqui. Para informações sobre o CMI e sua relação com o Vaticano, clique aqui. ...

Ler artigo
O que temos em mente.  Hijab, ideias, poder.  Um encontro em Turim

O que temos em mente. Hijab, ideias, poder. Um encontro em Turim

Roma (NEV), 28 de janeiro de 2020 – Encontro intitulado “O que temos em mente. Experiências de mulheres em comparação entre religiões". Organizado pela Associação Il Vaso di Sarepta, que trata do apoio alimentar, oficinas educativas e mesa de escuta, juntamente com a União Cristã de Jovens (JWCA-UCDG), o encontro é uma oportunidade para confrontar a experiência das mulheres em suas relações mútuas religiões, particularmente em relação à questão do poder. eles participam Sumaya Abdel Qader, Helene Fontana, Souheir Katkhouda E Hind Laframmoderado por Fátima Lafram Helene Fontana é uma pastora batista, originalmente de Copenhague (Dinamarca). Estudou no Seminário Teológico Batista Internacional de Rueschlikon, em Zurique. Souheir Katkhouda é sírio. Nascida em Aleppo, ela mora na Itália há muitos anos e é presidente da Associação de Mulheres Muçulmanas da Itália. Sumaya Abdel Qader é escritor. Ele nasceu em Perugia, filho de mãe e pai jordaniano-palestino. Frequenta e trabalha com várias associações (incluindo a Aisha, que visa ajudar mulheres muçulmanas vítimas de violência e discriminação). Em 2016, ela se tornou a primeira vereadora muçulmana em Milão. Ele publicou "Eu uso o véu, eu amo a rainha" (Sonzogno, 2008), "O que temos em mente" (Mondadori, 2019). Hind Lafram é um designer de moda italiano que cria coleções para mulheres muçulmanas e não só. As suas criações pretendem comunicar elegância, liberdade e emancipação, com respeito pela mão-de-obra, pelos recursos e pelo ambiente. A reunião é realizada no mesmo dia do "Dia Mundial do Hijab". Encontro no sábado, 1º de fevereiro, às 16h30, no Arca, via Assarotti 6, em Turim. Reservas via SMS ou WhatsApp: 351 506 9566, via email: [email protected] Clique aqui para o EVENTO NO FACEBOOK. ...

Ler artigo
Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

foto: Liz Vo, unsplash Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – Por ocasião do aniversário de 17 de fevereiro de 1848, quando Carlo Alberto concedeu direitos civis e políticos aos valdenses e logo depois aos judeus do Reino da Sardenha, as igrejas evangélicas celebram uma "Semana da liberdade" que inclui eventos e manifestações em toda a Itália.O tema indicado para 2023 é “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”.“Com estes termos – explica Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - pretendemos recordar um tema que desapareceu da agenda política, o da cidadania para milhares de 'italianos de facto' a quem é negado o reconhecimento formal da sua presença, do seu trabalho e seu engajamento cívico na Itália. Há muitos anos – continua Garrone – como evangélicos nos empenhamos em afirmar que não há verdadeira liberdade sem direitos e que a cidadania, com os direitos e os diversos deveres que ela implica, fortalece a coesão de uma comunidade nacional.No entanto, com as palavras "Liberdade, cidadania, responsabilidade" não nos referimos apenas aos imigrantes, mas também a nós, italianos, que possuímos a cidadania por nascimento e muitas vezes esquecemos de refletir sobre seu significado, suas implicações e como vivê-la em nosso cotidiano. vida. Somos os primeiros a redescobrir o significado profundo do nosso compromisso cívico e a responsabilidade que ele implica. A cidadania é um pacto entre iguais, um vínculo de coesão social e adesão a um sistema de princípios fundamentais. Em suma, nesta Semana - conclui Garrone - pretendemos reflectir sobre a nossa sociedade, sobre as fracturas que minam os laços de coesão, sobre os desafios da integração e da inclusão, sobre as responsabilidades que implica ser cidadão e, no nosso caso, crente que "procure o bem da cidade" (Jr 29:7).Tendo em vista a Semana da Liberdade de 2023, será publicado um volume dedicado à cidadania, promovido pela Comissão de Estudos da FCEI e editado pelo jurista Ilaria Valenzi: coleta ensaios de I. Valenzi, E. Bein Ricco, T. Moritz, L. Alfieri, MC Giorda e R. Ricucci, D. Spini, B. Peyrot, E. Noffke, P. Naso. “Não é um manifesto – explicam os promotores da iniciativa editorial – mas uma ajuda ao estudo, à discussão comunitária, à reflexão, ao diálogo com aqueles que se interrogam sobre o futuro da nossa democracia constitucional. É com essa postura que queremos participar do debate no espaço público”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.