A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais.  Do conflito à comunhão

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais. Do conflito à comunhão

Durante a audiência papal, o presidente da FLM presenteou o pontífice com um cálice e uma patena, prato utilizado para cobrir o cálice, confeccionado para a ocasião pelos irmãos da Comunidade Ecumênica de Taizé. O esmalte dos vasos eucarísticos foi feito com areia retirada do campo de refugiados Za’atari, na Jordânia, onde a Federação Luterana Mundial trabalha desde 2012 para apoiar refugiados sírios, deslocados internos e comunidades de acolhimento. Este presente, disse o presidente Musa ao papa, “representa nossa vocação para sermos um”.

Em seu discurso, Francisco agradeceu aos líderes luteranos pelos dons que, segundo ele, “evocam nossa participação na paixão do Senhor – e continuou –: Continuemos, portanto, com paixão nosso caminho do conflito à comunhão”.

O líder da Federação Luterana liderou uma delegação de representantes de todas as regiões da comunhão global de igrejas: pela Igreja Luterana na Itália, o reitor, pároco Heiner Bludau E Cordelia Vitiello que é membro do conselho da FLM. A viagem segue um marco importante nas relações ecumênicas em 2016, quando o Papa Francisco se juntou aos líderes luteranos nas cidades suecas de Lund e Malmö para uma comemoração conjunta da Reforma.

Em suas palavras ao papa, o arcebispo Musa afirmou que o caminho é “irreversível” e agora exorta católicos e luteranos a aguardar a comemoração da Confissão de Augsburgo na “esperança de nos reconectar com sua intenção ecumênica original”. A Confissão de Augsburgo é a principal confissão de fé para as igrejas luteranas em todo o mundo. Inicialmente, foi apresentado como uma confissão ecumênica à Dieta de Augsburg em 25 de junho de 1530, em uma tentativa de restaurar a unidade religiosa e política dentro da igreja.

Em seu discurso, o Papa Francisco também observou que a Confissão originalmente “representava uma tentativa de evitar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental”, afirmando que esperava que a “reflexão compartilhada” no período que antecederá 2030 “possa beneficiar nosso ecumênico jornada”. Refletindo sobre esse caminho, afirmou: “O ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Não depende de negociações e acordos humanos, mas da graça de Deus, que purifica memórias e corações, supera atitudes de inflexibilidade e nos orienta para uma comunhão renovada: não para acordos redutores ou formas de sincretismo irênico, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças”.

No discurso ao Papa Francisco, o líder da FLM recordou que 2021 marca também uma das “difíceis memórias” do passado: os 500 anos da excomunhão de Martinho Lutero pelo Papa Leão X. Enfatizando que não é possível contar uma história diferente, mas contá-la de forma diferente, Musa disse que a participação do papa na oração comum em Lund foi “um símbolo poderoso do que Deus realizou no caminho da reconciliação e o reconhecimento mútuo ‘como irmãs e irmãos’”. Um grupo de teólogos católicos e luteranos está estudando o contexto histórico e teológico da excomunhão em preparação para a assembleia luterana em Cracóvia, Polônia, em 2023.

O arcebispo agradeceu ao Papa Francisco por sua forte liderança durante a pandemia do COVID-19, “lembrando-nos de nosso profundo vínculo como família humana”. Ele também destacou o fortalecimento da cooperação que o World Service (Serviço Mundial, braço ecumênico da Federação Luterana Mundial) e a rede católica de agências de ajuda e desenvolvimento estão engajados durante esta visita.

O presidente da FLM também apresentou ao papa uma tradução italiana da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), assinada por católicos e luteranos em Augsburg, na Alemanha, em 1999. O presidente Musa qualificou o documento como uma “pedra angular” que agora “ reúne católicos, luteranos, metodistas, anglicanos e [chiese] reformados na proclamação conjunta e na oração”.

“Através da oração (Taizé), do serviço (Za’atari) e do diálogo – concluiu Musa -, o Espírito Santo pode continuar a guiar-nos para que um dia nos possamos reunir à mesa onde Deus, pelo dom de Cristo, nos fez já um”.

Neste link você pode ler o discurso que o arcebispo Panti Filibus Musa fez na ocasião.

Aqui, em vez disso, o discurso do Papa Francisco.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#sinodovaldese.  A saudação de Mons.  Maurício Malvestiti

#sinodovaldese. A saudação de Mons. Maurício Malvestiti

Torre Pellice (Turim), 27 de agosto de 2018 (SSSMV/05)- "Irmãos e irmãs valdenses e metodistas, considero um autêntico dom do Único Senhor compartilhar este encontro em Torre Pellice". Assim começou Mons. Maurício Malvestitibispo de Lodi, em seu discurso esta manhã ao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim). Malvestiti, acompanhado pelo diretor do Escritório Nacional da CEI para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dom Christian Bettegatrouxe saudações do cartão. Walter Bassettipresidente da CEI, e do bispo Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão de Ecumenismo e Diálogo da CEI. Entre os vários temas em discussão no Sínodo, Malvestiti abordou "a delicada situação migratória" na Itália e na Europa. “Trata-se de uma preocupação pastoral compartilhada pelos bispos italianos”, disse Malvestiti, “que exige prudência e realismo, sem nunca sufocar a fantasia segura e a tradição de solidariedade, que animam profundamente nosso país”. “Reavivar as responsabilidades dos organismos públicos, a todos os níveis, é também nosso dever – prosseguiu o bispo -, e estamos igualmente empenhados em despertar as consciências dos crentes para que imprimam estes valores, e as correspondentes boas práticas, na sociedade de hoje, tanto a “sensação ordinária dos crentes, que incansavelmente e sem distinção abrem o coração e as mãos ao próximo, segundo o mais autêntico espírito evangélico”. Malvestiti também recordou e se associou ao “abraço da esperança” que o Sínodo ofereceu à cidade de Gênova através da arrecadação do culto inaugural doada aos desabrigados da ponte Morandi e a disponibilização de dois alojamentos para os que perderam suas casas. A agência de notícias evangélica NEV-news estará presente como Sala de Imprensa do Sínodo a partir de sábado, 25 de agosto, na “Casa Valdese” de Torre Pellice, na via Beckwith 2, tel. 0121.950035 cel. 342 113 4700, – (www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV). #Sínodo ValdenseFACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália (NEV/CS05) www.chiesavaldese.org – www.rbe.it – www.riforma.it ...

Ler artigo
Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Foto Hillerrt/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Em seu sétimo dia útil, a Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) elegeu o novo Comitê Central. Entre os 150 membros que compõem o corpo executivo do CMI, o pastor valdense foi confirmado Michael Charbonnier que já fez parte, desde meados da última legislatura, do Comité Central cessante. A candidatura de Charbonnier foi apoiada pelas igrejas evangélicas da Espanha e de Portugal. Pr. Michel Charbonnier “É uma honra e uma grande responsabilidade a nível pessoal – declara Michel Charbonnier -, mas também uma grande oportunidade para as nossas igrejas darem a sua contribuição ao cristianismo global e, por sua vez, serem atravessadas e enriquecidas por ele. Ingressei no Comitê Central no final do último mandato, e logo em seguida nos deparamos com os desafios trazidos pela pandemia para continuar garantindo o funcionamento do Conselho. Foi um período complexo e cansativo mas também um importante campo de treino para compreender bem a sua dinâmica e funcionamento. O meu desejo é que no próximo mandato possamos dedicar menos energia à gestão de emergências, para trazê-los de volta à realização dos muitos projetos importantes que a Assembleia está delineando para o futuro, começando pelos de justiça climática, justiça racial e sexualidade humana " . A composição do Comitê Central é definida com base no equilíbrio entre áreas geográficas, afiliações denominacionais, ministros ordenados e leigos, homens e mulheres. Em particular, o novo Comitê vê a presença de 62 mulheres, 19 jovens, 44 leigos, 19 indígenas, 5 deficientes. Ontem, a Assembleia elegeu seus novos presidentes: 6 para supervisionar as macrorregiões em que o CMI está dividido, 2 para a representação das igrejas ortodoxas. Para os nomes e perfis dos presidentes, clique aqui. ...

Ler artigo
Refugiados, recém-chegados com corredores humanitários

Refugiados, recém-chegados com corredores humanitários

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 28 de março de 2023 – Chegarão ao aeroporto de Fiumicino na quinta-feira, 30 de março, com um voo de Beirute, 58 refugiados e refugiadas sírios que viveram muito tempo nos campos de refugiados do Líbano ou em moradias precárias na periferia de Beirute. Trata-se de famílias que nos últimos meses sofreram uma grave deterioração das suas condições de vida devido à grave crise política, económica e social que assola o país. Entre eles 24 menores que, devido à situação das suas famílias, não puderam frequentar a escola, e alguns que necessitam de cuidados médicos urgentes. Sua entrada na Itália é possível graças aos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxe para o nosso país, só do Líbano, 2.486 pessoas. Ao todo, mais de 6.000 refugiados chegaram à Europa pelos corredores humanitários.As histórias de quem já chegou mostram que é possível não só salvar quem corre o risco de cair nas mãos dos traficantes de pessoas como também iniciar caminhos de integração. Num momento em que salvar vidas humanas parece cada vez mais urgente, como recordou também o Papa Francisco na recente audiência aos refugiados que chegaram graças aos corredores humanitários, modelo iniciado por Sant'Egidio e pelas Igrejas Protestantes, depois replicado com outras associações como bem, viu, ao contrário, a solidariedade cresce, graças à generosidade de muitos italianos – alguns dos quais até ofereceram suas casas para hospitalidade – e ao seu compromisso voluntário e gratuito.As famílias que chegarem serão acolhidas em várias regiões italianas e iniciarão um caminho de integração: para os menores com a entrada imediata na escola, para os adultos com a aprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, a entrada no mundo do trabalho . A nomeação para acolher os refugiados e um conferência de imprensa eles são definidos às 12 horas quinta-feira, 30 de marçocom chegada para jornalistas até às 11 horas na porta 5 do Terminal 3 partidas de Fiumicino ser acompanhado ao local da conferência.eles vão intervir marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio, marta bernardinicoordenadora do programa migrante da Federação das Igrejas Evangélicas, Manuela Vinayem nome do Tavola Valdese, responsável pelo Otto per mille da igreja valdense, juntamente com representantes dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores.É necessário inscrever-se até quarta-feira, 29 de março, às 13h00, enviando um email para [email protected] o jornal e anexando cópia de um documento de identificação (não o cartão profissional). É possível utilizar o estacionamento de vários andares (será entregue um bilhete especial de saída no ato do credenciamento) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.