fortalecer e ampliar os corredores humanitários

fortalecer e ampliar os corredores humanitários

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI)

Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 // h18:30 // – “Pedimos às Igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem projetos para passagens seguras como os “corredores humanitários” e iniciativas de busca e salvamento no Mediterrâneo”*. Esta é uma das passagens do texto que está sendo discutido nestas horas em Karlsruhe pela Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, um documento público – um declaraçãoou seja, declaração – ​​sobre “Guerra na Ucrânia, paz e justiça na região europeia” ainda aberta a alterações, mas que deve ser aprovada e divulgada nas próximas horas.

Os corredores humanitários são um projeto realizado pela Federação das Igrejas na Itália, com a Junta Valdense e a Diaconia Valdense, com a contribuição do Otto per mille Valdensian, desde 2016, que depois foi exportado para outros países europeus como França e Andorra. Graças a esta iniciativa, vários milhares de pessoas chegaram à Europa com segurança e dignidade, da Síria via Líbano, da Líbia e – num primeiro voo no final de julho – também do Afeganistão.

Se a afirmação for confirmada, o pastor valdense declara Luca Barattoobservador em Karlsruhe, seria “um sinal importante e também um reconhecimento do trabalho realizado por nossas igrejas, pela Federação das igrejas protestantes na Itália, promotoras deste modelo virtuoso de acolhida aos migrantes”.

No texto, aliás, um forte compromisso contra a marginalização, a estigmatização, a discriminação e uma afirmação da “dignidade de todos os refugiados e migrantes”.

Nas próximas horas, aqui no NEV e no site do WCC/CEC, todos os textos aprovados e definitivos e o resultado da discussão sobre este declaração.

* em inglês, o texto original: “Pedimos às igrejas e aos Estados que fortaleçam e ampliem os projetos de passagem segura, como as iniciativas do “corredor humanitário” e os serviços de busca e salvamento no Mediterrâneo”.

ATUALIZAÇÃO 8 DE SETEMBRO ÀS 10h15

O documento foi aprovado.


Para saber mais:

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Munib Younan: Ore para que os cristãos permaneçam na Terra Santa

Munib Younan: Ore para que os cristãos permaneçam na Terra Santa

Munib Younan Roma (NEV), 22 de dezembro de 2010 – Nos dias 15 e 16 de dezembro, o presidente da Federação Luterana Mundial (FLM), bispo Munib Younan, liderou uma delegação da FLM a Roma em visita à Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e ao Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. No Vaticano, a delegação luterana teve uma audiência com o Papa Bento XVI. Durante sua estada em Roma, entrevistamos Younan, que também é bispo da Igreja Evangélica Luterana na Terra Santa. Nas palestras realizadas no Vaticano, que temas o senhor abordou? Antes de mais, gostaria de recordar que no verão passado a Assembleia Geral da FLM elegeu o seu novo Conselho, que agora inclui vários novos membros, incluindo eu próprio. Foi, portanto, para muitos, a primeira visita ao Vaticano na qualidade de conselheiros da FLM. Por isso, no encontro que tivemos com o Papa Bento XVI, primeiro confirmamos as boas relações entre nossas igrejas e reafirmamos a importância do diálogo entre luteranos e católicos. Diálogo que deu seu maior fruto na Declaração Conjunta sobre a Justificação pela Fé de 1999, e que claramente queremos continuar. Também destacamos a boa cooperação entre nossas igrejas em matéria de diaconia e defesa dos direitos dos mais fracos. Pessoalmente, apreciei a maneira como Bento XVI abordou a questão da recessão global, enfatizando como suas repercussões mais graves afetam os pobres do mundo. Por fim, levantamos um tema polêmico: o da Eucaristia. Nossa esperança como luteranos é que em 2017, ano em que celebramos os 500 anos da Reforma Protestante, tenhamos uma declaração conjunta sobre a hospitalidade eucarística. Além de ser presidente mundial dos luteranos, o senhor também é bispo da Igreja Luterana na Terra Santa. Com base em sua experiência, quais são os desafios enfrentados pelos cristãos no Oriente Médio hoje e o que outras igrejas cristãs podem fazer para ajudá-los? Quando se trata do Oriente Médio, não se pode fazer um pacote de tudo. Cada nação tem problemas específicos. No momento, a situação que mais preocupa é a dos cristãos no Iraque, que são perseguidos por pertencerem à sua fé. No entanto, também estou muito preocupado com o que está acontecendo no Egito e no Sudão. Na Terra Santa, incluindo a Jordânia, existe, ao contrário, liberdade religiosa da qual também nós, cristãos, desfrutamos. Acima de tudo, peço às igrejas cristãs do mundo que rezem para que os cristãos permaneçam na Terra Santa. Uma Terra Santa sem cristãos não teria sentido. Então nos ajude a ficar! De fato, há algumas coisas que podem fortalecer os cristãos na Palestina e no Oriente Médio. Acima de tudo, as igrejas podem nos ajudar a formar nossos jovens, garantir-lhes uma educação. A educação pode transformar o mundo de um lugar de conflito e extremismo para um lugar de paz e moderação. Também pedimos às igrejas cristãs do mundo que encorajem a moderação em tempos de extremismo. Não precisamos de pessoas que inflamem ainda mais os conflitos em que vivemos. Finalmente, é essencial que os cristãos falem sempre pela justiça e pela paz, pela reconciliação e pelo perdão. Durante sua viagem à Itália, ele também se reuniu com representantes da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Que mensagem isso trouxe para eles? Como presidente da Federação Luterana Mundial, era natural para mim visitar os irmãos e irmãs luteranos na Itália. Nós os encontramos e ouvimos seus testemunhos: agradeço pessoalmente ao Senhor por seu compromisso ecumênico e por seu compromisso em favor dos direitos dos migrantes, realizado através de seu apoio à Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Nesses dois caminhos, quero incentivá-los a continuar e a serem um exemplo para outras igrejas minoritárias. Mesmo que os luteranos na Itália sejam uma pequena minoria, quero dizer-lhes que a força da igreja nunca está nos números, nas propriedades que possui, nas contas bancárias ou no poder político que pode ter, mas sempre reside em ser testemunhas de coisas vivas de nosso Senhor Jesus. ...

Ler artigo
Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Roma (NEV), 6 de setembro de 2019 - O secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit, participou da 25ª Conferência Pentecostal Mundial realizada em Calgary, Canadá na semana passada. O tema do encontro foi "Spirit Now". Durante o seminário intitulado “Pentecostais e a unidade dos cristãos: conversas bilaterais e multilaterais”, realizado em 29 de agosto, Tveit agradeceu as oportunidades de diálogo ecumênico e disse: “O chamado à unidade dos cristãos é dirigido a todos os discípulos de Cristo e a todas as igrejas ou famílias da igreja confessando o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador. Olav Fykse Tveit “Nossa história mútua foi muitas vezes marcada por preconceitos, divisões e até violências – disse, lembrando como o diálogo ajuda a lembrar o que temos em comum -. Nas últimas décadas, as igrejas cresceram juntas na fé por meio de muitas reuniões que resultaram em declarações comuns e testemunhos compartilhados”. Tanto o CMI quanto a Aliança Pentecostal Mundial foram fundados no final da década de 1940, após a Segunda Guerra Mundial. “O primeiro passo em nosso relacionamento foi nos conhecermos – disse Tveit novamente -. O segundo passo do nosso relacionamento foi criar uma plataforma de consulta”. De fato, em 2000 foi criado um grupo consultivo, que se reportará à Assembleia da CEC a ser realizada em 2021 em Karlsruhe, Alemanha, com o tema “O amor de Cristo impulsiona o mundo à reconciliação e à unidade”. “O terceiro passo em nosso relacionamento foi estabelecer uma plataforma de cooperação, ou seja, o Fórum Cristão Global, onde o Conselho Mundial de Igrejas, a Aliança Pentecostal Mundial, a Aliança Evangélica Mundial e a Igreja Católica Romana compartilham a responsabilidade de envolver os líderes de nossas igrejas em conversas de fé e testemunho.” “O movimento pentecostal e o movimento ecumênico têm algo em comum – concluiu Tveit -: a busca pela renovação das igrejas, a quebra de barreiras e a busca da unidade no testemunho e no serviço. O Global Christian Forum nos permitiu desenvolver novas relações entre representantes de diferentes correntes do Cristianismo mundial”. ...

Ler artigo
O relatório das Igrejas europeias: “Rezar é uma vacina”

O relatório das Igrejas europeias: “Rezar é uma vacina”

Foto da capa do CEC Report 2020: Mike DuBose/UM News Roma (NEV), 5 de julho de 2021 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) publicou seu Relatório Anual de 2020. O relatório, intitulado “Viver com esperança em tempos de pandemia” (Viver na esperança em tempos de pandemia) analisa as atividades do CEC durante o “ano tumultuado da pandemia de covid-19”. Em particular, são descritos na publicação os projetos significativos que expressam a visão do CEC na perspectiva da esperança e do testemunho. O relatório está disponível em inglês, francês e alemão. É possível saber mais sobre as iniciativas realizadas pelas Igrejas europeias na área da paz e reconciliação. De eclesiologia e missão. Do diálogo com as instituições europeias, da política e legislação da União Europeia. Dos direitos humanos. Do cuidado da criação e do desenvolvimento sustentável. E de novo: ciência, novas tecnologias, educação. De democracia e diversidade. Bem como migração e asilo. Na apresentação do relatório, o Presidente do CEC, pároco Christian Krieger e o Secretário-Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen, escrevem que “apesar dos obstáculos, o CEC ainda conseguiu alcançar resultados em quase todas as áreas em 2020. Reuniões, eventos e encontros presenciais foram em grande parte cancelados ou adiados. No entanto, como nossas Igrejas membros têm feito, encontramos formas e ferramentas alternativas para levar o trabalho adiante”. 2020 “foi um ano de muitas orações – continuam os líderes religiosos -. Rezar juntos tornou-se uma vacina poderosa contra a perda da esperança, contra a ausência de resiliência comunitária e contra a falta de sustentabilidade humana”. Baixe o CEC Report 2020: inglês, francês e alemão. Para maiores informações: Naveen QayyumGestor de Comunicações: [email protected] – www.ceceurope.org – FB www.facebook.com/ceceurope – Twitter @ceceurope – You Tube Conferência das Igrejas Europeias ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.