Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição, mudança climática

Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição, mudança climática

Foto Xianyu hao / Unsplash

Roma (NEV), 20 de setembro de 2022 – A mais recente contribuição da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) está online. Feito para o Tempo da Criação 2022 pelo Batista Pierpaolo Nunzioque é, entre outras coisas, engenheira ambiental, dedica-se a emergências hídricas.

“Hoje a água tem três inimigos: abuso, poluição e mudança climática” começa Nunzio. O primeiro inimigo é “o imposto maciço para agricultura, indústria, energia e uso doméstico”. Os primeiros da lista, por abuso de água, são Índia, China e Estados Unidos. A Itália está em 10º lugar no mundo. Quanto às substâncias que poluem a água, vamos desde fertilizantes e pesticidas à base de nitrogênio, fósforo, nitratos, coliformes fecais, até metais pesados, arsênico e dioxinas. “Muitas cidades não possuem estações de tratamento de esgoto. Todos os dias, 2 milhões de toneladas de lixo acabam nos rios. Não apenas nos países em desenvolvimento. Nos EUA, os Grandes Lagos estão poluídos pelo mercúrio, na Europa 40% das águas superficiais são proibidas”, continua o engenheiro. O terceiro inimigo são as mudanças climáticas, com suas consequências que observamos: ondas de calor e inundações.

Consequências, cenários e propostas visíveis e invisíveis

“As consequências deste cenário são trágicas: sendo a água essencial para a nossa sobrevivência, a sua escassez causa doenças e põe a economia de joelhos” denuncia Pierpaolo Nunzio. Além disso, a emergência hídrica causa migrações e guerras.

Sobre este último ponto, o documento GLAM também recolhe as declarações de alguns analistas. De Carlos Islândia do Instituto de Recursos Mundiais (WRI), que diz “Os migrantes por falta de água são quatro vezes mais os que se deslocam para as guerras”. PARA Lucila Minelli do Programa de Avaliação dos Recursos Hídricos Mundiais das Nações Unidas, que lembra: “Em 2010, a ONU reconheceu a água como um direito humano essencial para o gozo de todos os outros direitos”.

“Um dos motores invisíveis dos fluxos migratórios da África para a Europa é o ressecamento do Lago Chade, causado pela seca e pela irrigação. Muitos dos terroristas do Boko Haram da Nigéria são ex-agricultores desempregados. Em 2050, haverá 200 milhões de migrantes devido à crise hídrica”, continua Nunzio, citando novamente o relatório Segurança global da água 2012 do Conselho de Segurança dos EUA, que vincula as crises hídricas à segurança internacional. Para completar o quadro, se as guerras do século 20 foram travadas pelo petróleo, as do século 21 serão travadas pela água, segundo Ismail Serageldinvice-presidente do Banco Mundial.

A água diminui, mas a demanda por água aumenta. O que podemos fazer? Entre as propostas GLAM, esta: “Além de fechar a torneira sempre que possível, temos de estar atentos ao que colocamos à mesa. De facto, a maior parte da água que consumimos acaba nos alimentos que ingerimos: uma alimentação à base de carne implica o consumo de 4-5 mil litros de água por dia. Para uma dieta vegetariana, 2.000 são suficientes”.

Faltam duas semanas para o final da Temporada da Criação 2022. Para consultar todos os insights sobre o assunto, clique AQUI.


Baixe o novo artigo aqui:

Emergência hídrica de Pierpaolo Nunzio


Baixe os episódios anteriores aqui:

Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin

A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger

Seca, atividades humanas e peso demográfico: o papel da política, o papel das pessoas por Theresa Isenburg

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Redefinir nossas dívidas conosco

Redefinir nossas dívidas conosco

Foto de Ehud Neuhaus, de unsplash.com Roma (NEV), 12 de outubro de 2020 – Você se endividou devido à crise econômica ligada à emergência de saúde da Covid? Perdeu o emprego, não consegue mais pagar o aluguel ou as contas? “Redefinir a dívida” (“redefinir” a dívida) é a nova campanha lançada no Reino Unido há alguns dias por igrejas protestantes, grupos religiosos e organizações seculares em conjunto. O pedido é dirigido ao governo do Reino Unido e, como se depreende do próprio nome da iniciativa, trata-se precisamente do cancelamento das dívidas que as pessoas estão contraindo ou já acumularam nos últimos meses. Segundo os iniciadores da campanha, na Grã-Bretanha, 19% das famílias, ou seja, quase uma em cada cinco, pediram dinheiro emprestado para comprar alimentos ou outros bens essenciais. Seis milhões de pessoas seriam deixadas para trás com pagamentos de aluguel, impostos municipais e contas domésticas. E 174.000 inquilinos foram ameaçados de despejo durante o bloqueio. Em suma, a crise econômica resultante da emergência sanitária não é igual para todos e afetou especialmente as camadas já mais vulneráveis ​​da população. “Para o quinto mais pobre das famílias”, lê-se no relatório produzido pela rede “Redefinir a dívida”, “em média, os rendimentos caíram 15 por cento, ou £ 160 por mês”, nos últimos meses. Daí a proposta de convocar um “jubileu”, para anular estas dívidas que se vão acumulando e que obviamente terão também impacto no futuro da sociedade inglesa. A referência é ao jubileu bíblico, durante o qual as dívidas eram perdoadas e as terras eram devolvidas aos que as haviam perdido. O projeto foi notavelmente promovido pela União Batista, a Igreja da Escócia, a Rede Ecumênica de Ação da Igreja contra a Pobreza, a Igreja Metodista e a Igreja Reformada Unida. “Pedimos ao Chanceler (ou seja, ao Ministro das Finanças, ed) que crie um Fundo do Jubileu, para reembolsar e anular a inevitável dívida Covid das famílias no Reino Unido”, lê-se no portal da iniciativa. Para os cidadãos britânicos, a campanha pede participação ativa. Como? “Escreva para o seu deputado hoje e peça-lhe para escrever para o chanceler. Ele levanta essas preocupações sobre a dívida doméstica da Covid-19 e seu impacto nas famílias mais pobres. Descubra como o governo pretende abordar esta questão premente. Precisamos garantir que todos tenham uma base sólida para enfrentar o futuro." O portal dedicado a esta iniciativa inclui também vários vídeos curtos nos quais são contadas e exemplificadas histórias pessoais de cidadãos britânicos que sofreram as consequências do bloqueio. Empregados de limpeza demitidos ou deixados em casa por suas empresas, motoristas desempregados, trabalhadores precários que não conseguem sobreviver. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=n3TQqAtfWfg[/embed] "Cabe ao governo resolver os problemas estruturais da nossa economia que geram injustiça e pobreza - explicam os promotores da campanha #ResetTheDebt no site - . E o que estamos vivendo é exatamente essa situação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

Sínodo Luterano. Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

A Igreja Luterana de Roma Roma (NEV/CELI), 7 de outubro de 2020 – A primeira sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), originalmente convocada de 30 de abril a 3 de maio de 2020 em Castellammare di Stabia/Nápoles e cancelada devido à covid , realizada em Roma de 9 a 11 de outubro. Os pontos mais importantes da agenda desta sessão serão a eleição do Presidium Sinodal e do Consistório. O presidente sinodal Georg Schedereit ele não está concorrendo à reeleição. O título do Sínodo, em italiano e alemão (o CELI é, por Estatuto, bilíngue) é “Scegliere = Wählen”. Segundo Schedereit, o Sínodo está sob a bandeira do lema: "Ame o próximo como a si mesmo". Em outras palavras, a segurança dos participantes tem prioridade máxima. “Não será um sínodo como estamos acostumados, o leitmotiv será sempre usar máscaras e manter distância”. Todas as 15 comunidades do CELI estarão representadas, com cerca de 50 delegados sinodais já confirmados. O reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau, sublinhou que se trata de um Sínodo em forma reduzida, que se limitará aos temas mais importantes e obrigatórios, como as eleições e o orçamento: “A Covid demonstrou amplamente quantas coisas podem ser feitas em formato digital. Muito, mas não tudo. Reuniões pessoais são importantes para a coesão e colaboração frutífera. Após um exame detalhado de todas as disposições e medidas de segurança, chegamos à decisão de que, desde que consigamos garantir todas as precauções necessárias, a convocação do sínodo ainda é um ato responsável. E o compromisso com a participação de mais de dois terços dos sinodais confirma isso”. Leia também: a entrevista com o reitor Heiner Bludau: “A igreja é uma comunidade viva” a entrevista para Wolfgang Pradervice-presidente do Sínodo e candidato presidencial: "Digital: encontrar os formatos certos com sensibilidade" a entrevista com o representante legal do CELI e vice-presidente do Consistório, Cordelia Vitiello: “Somos credíveis através das nossas ações” a entrevista com o vice-reitor CELI, Kirsten Thiele: “A igreja é vertical e horizontal” Para mais informações e insights, consulte o site do CELI. ...

Ler artigo
Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Jim Hodgson “Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, "Reconciliação das margens - histórias pessoais de pessoas queer de fé", que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo". O que se entende por inclusão? “É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo "inclusão" é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de 'inclusão' mas ainda é uma primeira etapa“. Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”. Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”. Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico? “O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui." O que você espera das igrejas? “O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”. *As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores). Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, "Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana" Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: 'Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.' Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto'. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.