Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Mensagem de saudação do Papa Francisco ao Sínodo Valdense e Metodista

Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2019 (SSSMV/03) – Papa Francisco enviou sua saudação pessoal ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses que se abre hoje, domingo, 25 de agosto, na Torre Pellice, expressando “a proximidade fraternal” dele e em nome da “Igreja Católica”.

Eugênio Bernardini, moderador da Mesa Valdense, leu a carta de Papa Franciscona sessão de abertura dos trabalhos.

“Eu me uno à sua oração – escreveu em sua mensagem ao Sínodo Papa Francisco – também para pedir ao Senhor a consolidação do espírito ecumênico entre os cristãos, bem como uma crescente comunhão entre nossas Igrejas”.

Como discípulos de Cristo – continuou – podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz”.

Voltando sua atenção para as reuniões sinodais, o papa expressou seu desejo “para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão”.

Abaixo, a íntegra da saudação do Papa Francisco:

Queridos irmãos e irmãs,

O Sínodo da União das Igrejas Metodistas e Valdenses é uma ocasião propícia para dirigir-vos a minha cordial saudação, expressão da minha proximidade fraterna e de toda a Igreja Católica.

Rezo por todos vós, para que nestes dias de encontro, oração e reflexão façais uma experiência viva do Espírito Santo, que anima e fortalece o testemunho cristão.

Uno-me também à vossa oração pedindo ao Senhor a consolidação do espírito ecuménico entre os cristãos, bem como uma comunhão crescente entre as nossas Igrejas.

Somos chamados a continuar o nosso empenho no caminho do mútuo conhecimento, compreensão e colaboração, para dar testemunho de Jesus e do seu Evangelho de caridade.

Como discípulos de Cristo podemos oferecer respostas comuns aos sofrimentos que afligem tantas pessoas, especialmente os mais pobres e fracos, promovendo assim a justiça e a paz.

Apresento os meus melhores votos à vossa Assembleia sinodal e, enquanto invoco a bênção do Senhor, peço-vos, por favor, que rezeis por mim.

fraternalmente,

Francisco

Do Vaticano, 22 de agosto de 2019

(NEV/CS44)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Foto do filme "A Baleia" de Darren Aronofsky (EUA 2022) Roma (NEV), 12 de setembro de 2022 - No 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza (31 de agosto a 10 de setembro de 2022), o júri INTERFILM concedeu o Prêmio INTERFILM para a Promoção do Diálogo Inter-religioso ao filme "A Baleia" de Darren Aronofsky (EUA 2022). Este é o raciocínio: Em “A Baleia”, de Darren Aronofsky, um pai está confinado ao corpo, ao lar e à vida. Em busca de libertação, ele é visitado por personagens que, enojados com a visão de sua aparência física, lhe oferecem várias maneiras de sobreviver. O filme retrata de forma poderosa a fragilidade das relações humanas e a possibilidade de perdão e salvação. Os membros do Júri Internacional INTERFILM Júri INTERFILM, Veneza 79 (2022) – foto inter-film.org O Júri Internacional INTERFILM, sigla que reúne associações europeias de cinema protestante, é este ano constituído pelo pastor e “teólogo pop” Pedro CiaccioPresidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – membro italiano da INTERFILM. Alina Gabriela Birzache (Reino Unido). Robert K. Johnston (EUA). Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente). Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço). O filme também recebeu outros três prêmios de júris independentes (Prêmio Cinema Sara, Prêmio Leoncino d'Oro, 'Prêmio Sorriso Diverso Veneza')”. O Júri da INTERFILM também sublinhou a “qualidade especial de 'Mestre Jardineiro' de Paul Schrader (EUA 2022), 'Argentina, 1985' de mitra de santiago (Argentina, EUA 2022) e 'The Son' de Florian Zeller (Grã-Bretanha 2022) durante a cerimônia de premiação no Hotel Excelsior”. Desde 2011, explica a INTERFILM, um júri concedeu a Veneza o Prêmio INTERFILM pela promoção do diálogo inter-religioso. O objetivo do prêmio, conforme consta no regulamento, é "apoiar filmes que promovam compreensão, respeito, simpatia e paz entre pessoas de diferentes origens, histórias e crenças, ao invés de conflito, violência e opressão". O júri leva em consideração tanto os filmes da Competição Internacional quanto os da seção Horizontes. Este é o décimo primeiro Prêmio INTERFILM concedido, nos 90 anos de fundação do Festival. Leone d'Oro e outros prêmios O Leão de Ouro do Júri do Festival, presidido por Julianne Moorefoi premiado com o documentário “All the Beauty and the Bloodshed” de Laura Poitras (EUA 2022). O Grande Prêmio do Júri para “Saint Omer” de Alice Diop (França 2022). Na seção Horizontes, o prêmio de Melhor Filme foi para “Jang-e jahani sevom” (Terceira Guerra Mundial), de Houman Seyedi (Irã 2022), o Prêmio de Melhor Diretor a Tizza Covi E Rainer Frimmel para “Vera” (Áustria 2022). Prêmios pelo conjunto da obra também foram para Paul Schrader como diretor ea Catherine Deneuve como atriz. O júri da Federação Internacional de Críticos de Cinema (FIPRESCI) atribuiu o prémio da competição internacional a "Argentina, 1985" e o da secção Horizontes a "Autobiografia" de Makbul Mubarak (Indonésia, França, Alemanha, Polônia, Cingapura, Filipinas, Catar 2022). “Argentina, 1985” também obteve uma menção honrosa do júri SIGNIS, que premiou “Chiara” de Susana Nichiarelli (Itália, Bélgica 2022). Para mais informações: www.inter-film.org ...

Ler artigo
Cachoeira.  A insustentabilidade do consumo e do desperdício

Cachoeira. A insustentabilidade do consumo e do desperdício

Foto Luis Tosta / Unsplash Roma (NEV), 6 de setembro de 2022 – O ciclo de insights da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) continua. A iniciativa insere-se no quadro mais amplo do Tempo da Criação 2022, período litúrgico que se celebra em todo o mundo de 1 de setembro a 4 de outubro. Hoje é o momento de falar sobre a insustentabilidade do consumo e do desperdício. O aprofundamento é editado por Annette Brungermembro do GLAM e responsável pela Rede Ambiental da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Brünger recolhe uma série de dados sobre a água disponível na terra, sobre o consumo de água potável e em vários sectores (agrícola, industrial, energético), até denunciar o consumo da chamada água "virtual", ou seja, a água utilizada para produzir certos produtos de consumo. "Se, por exemplo, fazemos uma xícara de café - escreve Annette Brünger -, na realidade, não consumimos apenas a água que temos em nossa xícara, mas toda a água utilizada para a produção do café, da plantação entre das Américas e da 'Ásia ao produto final vendido em nossos mercados. O consumo foi calculado e gira em torno de 132 litros de água virtual por copo. Um quilo de café corresponde a 18.900 litros, um valor muito alto, assim como o valor para a produção de um quilo de chocolate, equivalente a 17.000 litros. Para dar outros exemplos, a produção de um quilo de carne corresponde a um consumo virtual de 11.000 litros de água, uma camiseta 3.000 litros, jeans 8.000 litros”. Em seguida, falamos sobre mudanças climáticas, PNRR, injustiça na gestão e disponibilidade de água em nível global. Por fim, uma aposta no desperdício: desde a dispersão de água provocada por infraestruturas inadequadas, até à utilização descuidada deste recurso fundamental para a vida. Na Itália, um triste recorde: o do consumo diário, com 215 litros por pessoa por dia. A média europeia, continua Brunger, é “muito mais baixa (125 litros por pessoa). Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo correto e sustentável deve ficar em torno de 50 litros per capita por dia. Por isso é fundamental monitorar o próprio consumo e ver como reduzi-lo”. Baixe o novo artigo aqui: A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger Baixe os episódios anteriores aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin ...

Ler artigo
Falando de Deus hoje

Falando de Deus hoje

Roma (NEV/chiesavaldese.org), 6 de dezembro de 2022 – Falamos das igrejas, falamos de Lutero e Calvino, celebramos aniversários, mas quando falamos de Deus? Esta foi (mais ou menos) a pergunta que a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) se fez no 500º aniversário da Reforma, promovendo a elaboração de um documento de estudo sobre o "falar cristão de Deus". O rascunho do documento foi objeto de discussão em uma consulta geral, realizada em Bad Vöslau (perto de Viena) de 1 a 3 de dezembro, que contou com a presença de vinte e cinco representantes das igrejas-membro, incluindo o escritor (em nome dos valdenses e igrejas metodistas na Itália). O documento passará então pelo escrutínio de um comitê editorial para chegar à próxima Assembleia em 2024. O leitor poderia achar as reflexões aqui relatadas teóricas e afetadas, certamente insuficientes, e não estaria totalmente errado! De fato, como cristãos vivemos um dilema: Pascal disse: "Só Deus fala bem de Deus" e estamos condenados a balbuciar palavras inoportunas; mas tal consciência não é justificativa suficiente para não falar sobre Deus. Deus fala conosco e sobre nós. Deus nos transforma e nos reconcilia consigo mesmo e com o próximo. Em um relacionamento baseado no amor de Deus por nós, é apropriado arriscar dizer algo, mas apenas repetir (?) as palavras da Bíblia. Então, o que o documento provavelmente dirá? Está dividido em oito capítulos, mas por questão de espaço menciono apenas o primeiro e o último. A primeira tem o papel de introdução e esclarece que por “falar cristão” o título significa o discurso protestante, declarando de imediato que falar de Deus só pode ser um discurso parcial e, portanto, aberto. Entre outras coisas, a significativa presença na Europa de cristãos de outros continentes, nem sempre integrados nos processos decisórios das Igrejas europeias, torna inviável a pretensão de expressar um discurso fechado e acabado. Uma passagem importante da introdução sublinha que na tradição teológica protestante não se pode falar de Deus de forma teórica e abstrata, mas apenas a partir de si mesmo ou, melhor, da revelação de Deus ao ser humano e a consequente relação. Após um caminho de reflexão que vai da relação entre o poder, o amor e a liberdade de Deus ao discurso sobre o Deus Trino e a revelação em Cristo, passando pelo culto, espiritualidade e oração, chegamos ao capítulo 8, que talvez seja o verdadeiro objetivo da discussão, ou melhor, um exame dos quatro contextos em que se fala de Deus, contextos que, de fato, estão interligados. Em primeiro lugar, a esfera pública e política. A ação da Igreja se desenvolve por meio do testemunho, da liturgia, da diaconia e da koinonia. Portanto, não pode ser relegado a uma esfera puramente privada. Em particular, o documento exorta a não colocar em conflito a liberdade de expressão e a liberdade religiosa, como infelizmente acontece com frequência. Alguma atenção é dada à condição de diáspora de muitas igrejas-membro e à necessidade de encontrar maneiras de falar sobre Deus em um contexto diverso e plural. Um ponto importante (não dado como certo) é que o diálogo com as demandas da sociedade deve ser pensado como um momento de aprendizado mútuo, formação e crescimento. Depois a esfera privada e profissional, referindo-se, portanto, aos membros das igrejas. Em particular, o documento sugere evitar um testemunho baseado exclusivamente na repetição da palavra “Deus”, mas preparar o discurso sobre Deus através de uma ética de apoio dos colegas de trabalho. Então, novamente a cultura contemporânea. Um tema vasto, que vai da arte figurativa ao cinema, da literatura de consumo à música pop: uma cultura emancipada há séculos do controle das igrejas. A atitude deve ser de escuta, conhecimento e interação com as instâncias culturais, sem esquecer o vínculo etimológico entre "cultura" e "culto". Finalmente, o diálogo ecumênico e inter-religioso. Esta área revela a complicada trama de falar de Deus hoje, numa época em que não somos os únicos a falar de Deus. Os cristãos são vivamente convidados a não se retirarem deste diálogo, lugar privilegiado para testemunhar o amor, a fé e a esperança em Deus. Artigo por Pedro Ciaccio. Leia em Chiesavaldese.org O CCPE nasceu em torno do Concorde assinado em 1973 em Leuenberg. Promove um modelo voltado para a ampliação do ecumenismo baseado no lema “unidade na diversidade reconciliada”. Tem mais de 100 igrejas membros em toda a Europa (com seus respectivos braços sul-americanos) representando mais de 50 milhões de pessoas: luteranas, reformadas, unidas, metodistas, que graças ao Acordo de Leuenberg reconhecem seus respectivos ministérios e sacramentos. A declaração de 1973 acabou efetivamente com a divisão entre as igrejas luterana e reformada que durou mais de 450 anos. A Igreja Valdense também pertence ao CCPE. Para mais informações www.leuenberg.eu. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.