“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

Roma (NEV), 17 de setembro de 2019 – Paz sem fronteiras é o título do encontro internacional anual pela paz promovido pela Comunidade de Sant’Egidio. Muitos expoentes evangélicos e várias igrejas protestantes de todo o mundo também participaram do encontro sobre o diálogo inter-religioso, nascido de uma ideia de Wojtyla em 1986, que está acontecendo em Madri nestes dias, de 15 a 17 de setembro.

Em particular, ontem, 16 de setembro, um dos 27 painéis da cúpula participou de uma mesa redonda sobre o tema da migração, Paulo Nasocoordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, e pastor valdense Eugênio Bernardiniex-moderador da Mesa Valdense.

“Acreditamos em um amor que nos impulsiona a servir os outros – explicou Bernardini -, um amor inclusivo que não deixa ninguém sozinho e abandonado e por isso nos impulsiona a um compromisso com fronteiras cada vez mais avançadas, como as dos refugiados e migrantes, para os “marginais” e aqueles que o sistema tende a expulsar. E gostaríamos que tudo isso fosse feito invertendo a ideia atual: não “primeiro nós e nosso clã”, mas primeiro os últimos”.

Iniciando seu discurso com uma citação do pastor batista Martin Luther Kingde um sermão de 1957, em plena crise racial – “É meia-noite na ordem moral” E “Você perdeu o senso de certo e errado” – O professor Paolo Naso denunciou “A avalanche de falsidades e hipocrisias que tem caracterizado o debate sobre a imigração nos últimos anos. Um inimigo foi construído, assim como um muro de medo e preconceito foi construído, diante de um fenômeno que pode ter soluções sustentáveis ​​e viáveis. Isso é demonstrado pela experiência dos corredores humanitários, que os evangélicos iniciaram com Sant’Egidio em 2016. Mas agora temos um novo desafio pela frente: transformar uma boa prática em uma política estrutural. É por isso que pedimos um corredor humanitário europeu da Líbia para 50.000 refugiados”.

O evento em Madri terminará esta noite, terça-feira, 17 de setembro, quando, após a oração de cada religião de acordo com sua própria tradição, os líderes religiosos eles se reunirão na Plaza de la Almudena para lançar um apelo pela paz.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo
Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 1º de outubro de 2020 - Já são quase mil os inscritos no serviço ecumênico online de oração para o encerramento do Tempo da Criação, o período litúrgico que envolve cristãos de todo o mundo todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro e de todas as tradições rezar e agir para proteger o meio ambiente Líderes cristãos de todo o mundo conduzirão uma celebração ecumênica pelos frutos da estação e refletirão juntos sobre os próximos passos no "cuidado da casa comum". O pastor participará da oração Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF), John Chryssavgisrepresentante do Patriarca Ecumênico HAH Bartolomeu Ia pastora Jeannette Ada Maina(FLM), o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Sr. Sheila KinseyCo-Secretária Executiva da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da União Geral Internacional das Superioras, Bispo Griselda Delgado del CarpiaCuba, a pastora Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), Ef TenderoSecretário Geral da Aliança Evangélica Mundial e Agnes AbuomModerador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Para participar clique AQUI No dia 3 de outubro, ligada a partir de Turim, no final do Tempo da Criação, a iniciativa "Frágil mas interligada", promovida pela associação Triciclo em colaboração ecuménica com várias realidades protestantes, católicas e seculares (incluindo a igreja valdense, as igrejas baptistas no Piemonte, Hospitalidade Eucarística e Comissão de Globalização e Meio Ambiente - GLAM - da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI). No programa, presencial e via web, uma reflexão com o ecoteólogo Marcelo Barros: “Guardiões, não mestres da criação”. Para a Temporada da Criação, a GLAM preparou também um Dossier dedicado aos oceanos e intitulado: “Águas do mar, fonte de vida”. O Dossiê, que pode ser baixado aqui, contém materiais bíblicos, litúrgicos e homiléticos, além de fichas informativas, vídeos e artigos. ...

Ler artigo
#PapalVisit.  O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

#PapalVisit. O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 - Amanhã, quinta-feira, 21 de junho, para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Genebra é esperada Papa Francisco. Mas amanhã, para o movimento ecumênico mundial, haverá também a marcação semanal das “quintas-feiras negras”. quintas-feiras em preto é a Campanha de Conscientização, nascida dentro do WCC há vários anos, que se opõe ao estupro e à violência. Todas as quintas-feiras, aqueles que reconhecem a violência contra as mulheres como um flagelo de nossas sociedades – igrejas incluídas – são instados a usar preto. “A violência contra a mulher está generalizada, podemos falar em pandemia – disse a anglicana à NEV News Agency Agnes Abuom, moderador do Comitê Central do CMI, originário do Quênia -. É por isso que, com a nossa campanha, convidamos todos os homens e mulheres de boa vontade, independentemente da sua fé, a juntarem-se a ela vestindo algo preto”. “É uma questão que diz respeito a todos nós. Acontece em todo o lado, nas nossas sociedades, nas nossas famílias, nas igrejas, nas comunidades e nos espaços públicos”, acrescentou Abuom, confirmando que amanhã não seria exceção. Pelo contrário. Os 150 delegados de igrejas de todo o mundo que estão reunidos em Genebra nestes dias para os trabalhos do Comitê Central, o órgão de decisão entre as duas Assembléias Gerais do CMI, foram convidados não apenas a vestir preto, mas também a vestir o selo da campanha. As decisões do Comitê Central do CMI Durante uma coletiva de imprensa realizada hoje no Centro Ecumênico de Genebra, foram apresentadas algumas decisões do Comitê Central, em primeiro lugar a localização da próxima Assembleia Geral do CMI: a escolha recaiu sobre Karlsruhe (Alemanha), na fronteira com a França . O convite partiu da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD). Satisfação foi expressa pelo bispo Petra Bosse-Huber, EKD responsável pelo ecumenismo e relações internacionais: “Faz cinquenta anos que uma Assembleia do CMI foi realizada no continente europeu. A escolha da Europa em um momento em que a falta de políticas de refugiados minam o valor da solidariedade e do acolhimento é um sinal significativo”. O pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, listou as prioridades de trabalho resultantes do Comitê Central. Isso inclui o processo de paz entre as duas Coreias, um tema caro ao CMI há muitos anos. Nos últimos dias em Genebra, as delegações das igrejas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul tiveram intensos intercâmbios. De acordo com alguns observadores amanhã Papa Francisco ele pode querer cumprimentá-los expressamente. Entre outras prioridades, o combate ao racismo com homenagem ao Martin Luther King; fluxos migratórios; a questão do estatuto de Jerusalém com uma clara condenação da mudança da embaixada dos Estados Unidos para a cidade que é expressão das três religiões monoteístas, decisão que tem causado mortes e violência. Finalmente, o Comité Central quis recordar que este ano não só se comemora o 70º aniversário do CMI, mas também da Declaração Universal dos Direitos do Homem, considerada mais necessária do que nunca, com um forte apelo lançado às igrejas: "Dar prioridade mais uma vez ao apoio dos direitos humanos”. #QuintasDePreto: Leia mais sobre isso aqui. Para mais informações sobre a visita do Papa amanhã, clique aqui. Para informações sobre o CMI e sua relação com o Vaticano, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.