Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas.

Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação.

“A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”.

Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião?

“A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”.


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador da Mediterranean Hope - FCEI Roma (NEV), 1º de março de 2023 – “Como Igreja, sabemos como é complexo lidar com a questão da migração. No entanto, essa complexidade não pode ser traduzida em silêncio ou, pior, em negação”. A igreja luterana na Itália escreve isso em uma nota. “A Igreja Evangélica Luterana na Itália – lê-se no comunicado de imprensa divulgado hoje – expressa suas condolências pelas vítimas do naufrágio ocorrido na costa da Calábria. As mais de sessenta vítimas recuperadas até agora, entre muitos meninos e meninas, somam-se a outras pessoas que, nos últimos anos, se lançaram ao encontro da Europa. Como cristãos, sentimos faltar-nos as palavras pela crueldade com que estas buscas de encontro, estes pedidos de ajuda, muitas vezes ficam suspensos, senão mesmo rompidos. Consideramos estas mortes, e as que as precederam, o sinal do pecado que nos diz respeito. Não no abstrato, mas no concreto. Podemos nós, como os justos do Evangelho de Marcos, perguntar: Senhor, quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos? Podemos, olhando para estes nossos irmãos e irmãs, responder afirmativamente a esta pergunta? As viagens dos migrantes sinalizam a fragilidade de nossa sociedade. E da política muitas vezes até interessada em fazer dessas mortes a responsabilidade de quem morreu. É inadmissível que o pedido de dignidade humana, de encontro no caminho da solidariedade se simplifique a números, quotas, admissões. A complexidade não é uma equação a ser reduzida ao mínimo, nem as pessoas são variáveis ​​intercambiáveis. Nas nossas praias, essas mesmas praias para onde iremos daqui a alguns meses para refrescar o verão, o nosso tormento acende-se”. O CELI, prossegue o texto, “juntamente com as suas profundas condolências deseja também manifestar o seu encorajamento para que o nosso país não se deixe desumanizar, não se acostume com estas como com as outras mortes que as precederam. Como cristãos, temos o dever de fazer parte dessa complexidade. Enfrentá-lo juntos, ecumenicamente. Acreditamos que a gestão dos fluxos migratórios é necessária e que, mesmo neste caso, a complexidade não pode e não deve ser reduzida ou banalizada dentro das típicas polarizações e explorações políticas. O que aconteceu diante de Cutro é um grito muito alto: ao céu, mas sobretudo à terra. E chama-nos cristãos a dar conta de sermos armas que acolhem, mas também vozes que intervêm, falam claramente tanto à sociedade como à política. A santidade da vida humana se aplica a todos os seres humanos em todos os lugares. Tanto na costa da Calábria como nos campos de migrantes. Campos que, também graças às políticas contraditórias implementadas nos últimos anos, continuam a fazer vítimas e a gerar desespero após desespero”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera, portanto, “com vigor, que pelo menos os cristãos, as pessoas de fé saibam falar juntas, em uma voz que contém uma pluralidade de tons. Harmonioso. Porque o Deus da Paz e da Vida nos deu voz para falar quando necessário”. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

A Casa Valdense de Torre Pellice, sede do Sínodo da união das igrejas Metodista e Valdense. Foto retirada do site www.chiesavaldese.org Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – 2.893 pedidos de financiamento do terceiro setor para o Otto per mille Waldensian. Este é o número de projetos envolvendo a Itália que pediram às igrejas valdenses uma contribuição econômica. As áreas de maior interesse são deficiência, crianças e jovens e cultura. O último concurso do OPM encerrou no dia 27 de janeiro. Nos próximos meses, o órgão responsável seguirá com a fase de investigação preliminar, ou seja, a verificação da admissibilidade formal quanto aos requisitos do edital.A segunda fase será a avaliação de mérito e é realizada por uma comissão responsável. Os critérios para esta etapa são: coerência entre os objetivos e finalidades da solicitação; integridade e precisão na descrição; correspondência entre os problemas descritos e os objetivos do projeto; correlação entre atividades e objetivos; relação entre o custo estimado e a atividade; coerência entre o pedido e os fins estatutários da instituição. Esse processo leva seis meses, de fevereiro a julho. Finalmente, em agosto, o Sínodo vota e discute a lista de projetos aprovados e em setembro haverá a publicação no site de todas as atividades que receberão a contribuição Otto por mil. artigo anteriorPluralismo religioso, fundamentalismos, democraciasPróximo artigoMaddalena Colombo: "Nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra a mulher" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.