Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas.

Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação.

“A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”.

Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião?

“A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”.


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – Até 31 de janeiro, você pode se inscrever para a sessão de 2023 do Global Institute of Theology (GIT). Título do treinamento: "Perturbando a Palavra em um mundo perturbado". O GIT “alimenta e encoraja jovens de todo o mundo que estudam teologia. Um programa acadêmico intenso para aprender, ensinar e fazer teologia de forma intercontextual e ecumênica, vinculando a teologia nos níveis local, regional e global”, diz o site da Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC), que lança e promove a iniciativa. As inscrições para o GIT 2023 estão abertas. O treinamento será realizado de 15 a 30 de junho de 2023 em Suva, Fiji. As candidaturas devem ser submetidas até 31 de janeiro de 2023. Aqui o formulário de inscrição: PDF, Word Doc Os quatro objetivos específicos do GIT Estes são os quatro objetivos do GIT, explica o CMCR: Construa uma comunidade de aprendizado e fé entre alunos e professores trabalhando juntos em questões vitais da Bíblia e da teologia hoje, em um contexto internacional. Conhecer as abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas das diferentes dimensões interconfessional, intercultural e inter-religiosa também no contexto das missiologias vividas e vivas. Apresentar diferentes perspectivas sobre o testemunho cristão da família reformada global, tendo em mente a compreensão da missão de Deus em cada continente e estando ciente do que as igrejas podem aprender com o testemunho umas das outras ao redor do mundo. Fortalecer redes globais de compartilhamento e reflexão entre estudantes e professores de teologia, trabalhadores eclesiásticos, instituições teológicas e igrejas para continuar a ação e reflexão na Comunhão. Isso também contribuirá para o treinamento ecumênico de uma nova geração de líderes da igreja dentro da comunidade reformada. No nível organizacional, para atender a todos esses objetivos, serão oferecidos cursos básicos obrigatórios e disciplinas eletivas. Quem pode se inscrever? O Instituto Global de Teologia é destinado a estudantes de teologia masculinos e femininos e pastores masculinos e femininos iniciando seu ministério. Incentiva-se a inscrição de mulheres e homens, estudantes – 40 anos, de todos os continentes – que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR; recém-formados em teologia que se preparam para estudos teológicos superiores; pastores em seus primeiros anos de ministério, recomendados pelas igrejas membros da CMCR. Os candidatos devem ter um interesse particular em teologia e missão ecumênica. Será dada atenção ao equilíbrio regional e de gênero e, portanto, à diversidade da família reformada no mundo de hoje. A CMCR está empenhada em formar novas gerações de líderes reformados com plena consciência da dimensão da fé em desafios contemporâneos como: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, uma igreja inclusiva e acolhedora e unidade cristã. O GIT colabora com faculdades e institutos teológicos de todo o mundo Por meio do GIT, a Comunhão das Igrejas Reformadas Mundiais pretende fortalecer seus laços com instituições teológicas relacionadas às suas igrejas membros, bem como facilitar ainda mais a comunicação e a cooperação entre escolas teológicas de diferentes regiões do mundo. ...

Ler artigo
O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

Torre Pellice (nev/sv06), 24 de agosto de 2023 – O direito à saúde para todos, de Norte a Sul, sem desigualdades, com maior atenção às pessoas mais vulneráveis, às novas formas de pobreza, aos cidadãos marginalizados. Isto foi discutido hoje no Sínodo Valdense em curso em Torre Pellice (TO), numa conferência de imprensa sobre os temas da agenda dos deputados reunidos nos vales valdenses. O órgão de decisão das igrejas Metodista e Valdense aprovou de facto uma lei intitulada "Para uma igualdade saudável", que sublinha a importância do serviço nacional de saúde. Ao mesmo tempo, para os valdenses é essencial proteger a saúde pública como elemento fundador da democracia. Diante, portanto, dos cortes previstos para este setor, as igrejas valdenses pedem uma inversão de tendência e uma relação entre Regiões e Estado que possa reduzir e não aumentar o fosso entre Norte e Sul, como poderia fazer a autonomia diferenciada. “Segundo o Sínodo, a questão da relação entre público e privado precisa ser revista – disse Daniel Massa, membro da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD - Diaconia Valdense) - no sentido de que cerca de 10 milhões de pessoas neste país têm uma 'sociedade mútua externa' não é apenas um elemento impróprio porque o acesso deveria ser a um sistema universal, mas também enfraquece o próprio sistema de serviço público. O sistema público universalista deve permanecer no centro”. “Até no assunto da saúde física e mental das pessoas – declarou Ciuffreda Grátisoncologista, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, deputado ao Sínodo Valdense - estamos comprometidos como leigos com uma sociedade aberta e inclusiva, que não deixa ninguém para trás e fazemos isso em nome de Jesus Cristo que menos se importava e interpretou a sua ação terapêutica em sentido amplo como sinal e contribuição eficaz para o advento do reino de Deus aqui e agora“. Amanhã, último dia do Sínodo, o Serviço Nacional de Saúde (SSN) como bem a preservar e valorizar estará também no centro de uma agenda ad hoc, ontem apresentada, que volta a falar do direito à saúde, no face a um desmantelamento contínuo do SSN e à sua privatização. Este texto refere-se também ao carácter universal desta área da vida das pessoas e sublinha a importância do serviço público de saúde, que aliás deveria ser ainda mais apoiado pelas instituições, em termos económicos e não só, também para uniformizar os serviços e o desempenho cuidados de saúde em diferentes regiões. Para rever a conferência de imprensa de hoje e todos os materiais do Sínodo: www.nev.it; www.rbe.it; www.riforma.it; www.chiesavaldese.it ...

Ler artigo
Beirute.  Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Beirute. Encontro Internacional de Jovens Ecumênicos

Roma (NEV), 2 de abril de 2019 – De 23 a 25 de março, 1.600 jovens de 43 países se reuniram em Beirute, Líbano, com os irmãos da comunidade ecumênica e monástica de Taizé (França). Os cristãos do Oriente Médio e do Ocidente descobriram como um intercâmbio ecumênico pode ser frutífero e inspirador. O encontro em Beirute foi idealizado e organizado pela juventude cristã do Líbano que convenceu os responsáveis ​​das suas respectivas igrejas a convidar os irmãos de Taizé e os jovens de todo o mundo para rezar juntos em Beirute. O Conselho Ecumênico de Igrejas do Oriente Médio (MECC) apoiou o projeto. Durante 18 meses, 120 jovens se reuniram semanalmente, em grupos mistos, para planejar a vinda de 1.600 participantes de países do Oriente Médio, Europa e Líbano. Organizaram transporte, refeições, locais para os workshops, impressão de um livrinho com todas as letras e canções, divulgação do encontro e um CD com canções de Taizé em árabe. Por último, mas não menos importante, eles procuraram por famílias que receberam participantes não libaneses por cinco dias. "Para muitos deles foi a primeira experiência de trabalho ecumênico", disse o pároco Rima Nasrallah do comitê gestor. “Eles aprenderam que as pessoas de outras igrejas oram e leem a Bíblia de maneira diferente. E eles experimentaram que a cooperação ecumênica requer muito esforço, energia e paciência. Mas também experimentaram que todo esforço vale a pena quando, no final, todos fazem parte do evento”. “Foi uma grande oportunidade de descobrir e vivenciar as tradições e a vida libanesa”, disse ele Mena Shawky da Igreja Ortodoxa Copta no Egito. Shawky foi enviado pela ECHOS, a Comissão de Jovens do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). “Foi a primeira vez que rezei com os irmãos de Taizé e adorei, porque rezamos todos com a mesma língua e com o mesmo coração”. Entre os participantes, vindos entre outros do Egito, Jordânia, Irã, Iraque, Palestina, 30 jovens vieram de Aleppo na Síria. Sua igreja local foi gravemente afetada pelos oito anos de guerra. Muitos membros morreram nos bombardeios ou emigraram para países ocidentais. “É bom que pessoas de outros países estejam aqui para nos ouvir”, disse Sarah, uma jovem síria. Falando sobre o tema principal da conferência, "Os justos crescerão como o cedro no Líbano" (Salmo 92), eles refletiram sobre suas raízes, sobre o que alimenta sua fé e como eles podem alcançar uns aos outros como os ramos da o cedro que crescem horizontalmente. “Quando você não tem fé, é fácil ter medo”, disse Amir, um jovem cristão copta do Egito. Pertence a uma igreja que foi atingida várias vezes nos últimos anos por ataques terroristas. “Ao ler este versículo, nunca pensei que o cedro pudesse ser um símbolo de fé”, disse uma jovem sueca. Para ela, sempre foi apenas uma árvore. “Os cristãos do Oriente Médio têm uma conexão muito mais próxima com o que está escrito na Bíblia. Eles vivem no mesmo contexto que é falado na Bíblia”, disse ele. E um estudante protestante da Alemanha ficou feliz por estar em um contexto não ocidental: “é bom conhecer a experiência de jovens em países como Síria, Iraque ou Palestina”, disse ele. A comunidade de Taizé tem uma forte ligação com o Líbano desde 1982, quando alguns irmãos visitaram o país durante a guerra civil. “Admiramos a profunda fé dos cristãos no Líbano. E admiramos sua capacidade de se envolver com a comunidade muçulmana”, disse ele Alois Perdedor, o prior da comunidade. “Estamos convencidos de que o Líbano é a porta de entrada para o entendimento entre Oriente e Ocidente. E esse entendimento entre Oriente e Ocidente é muito necessário, não só para a Igreja, mas também para a humanidade”, afirmou. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.