Proteja o solo para mantê-lo vivo.  Papel da política e das pessoas

Proteja o solo para mantê-lo vivo. Papel da política e das pessoas

Foto Oscar Keys / Unsplash

Roma (NEV), 13 de setembro de 2022 – É assinado por Theresa Isenburg a nova contribuição da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Estamos no penúltimo episódio de um ciclo de reflexões sobre a água, a seca e o entorno, que a Comissão quis realizar por ocasião do Tempo da Criação 2022.

O documento de Isenburg abre com algumas citações bíblicas e depois explora o tema da seca, os efeitos das atividades humanas e a carga demográfica. Segue-se então com a análise de alguns fenómenos e dados, para depois refletir sobre o papel da política e o papel das pessoas.

Precisamos de soluções para manter a umidade do ar, do solo e da vegetação. Entre as propostas que surgem, a de plantar árvores, mas também fazer cultura e mudar estilos de vida.

Isenburg escreve: “As grandes extensões destinadas a monoculturas, que deixam superfícies expostas às intempéries durante boa parte do ano, o desmatamento agressivo em zonas tropicais e até temperadas, a manutenção descuidada das matas que aumenta o risco de incêndios já incentivados pelas altas temperaturas, a secagem das zonas húmidas não é boa para a pequena e preciosa circulação de água difusa e calma no local, que também pode interagir com o deslocamento do vento local. Então ele está sempre certo Jean Giono, O homem que plantou árvores (1953). Precisamos cobrir a terra, o solo, para protegê-lo e mantê-lo vivo”.


Baixe o novo artigo aqui:

Seca, atividades humanas e peso demográfico: o papel da política, o papel das pessoas por Theresa Isenburg

Baixe os episódios anteriores aqui:

Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin

A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

foto de Lee Anne Cline, do unsplash Roma (NEV), 28 de agosto de 2020 - Ao final de uma marcha de protesto pelos direitos civis em Washington, na quarta-feira, 28 de agosto de 1963, o líder do movimento, o pastor batista Martin Luther Kingfez aquele que será seu discurso mais famoso, "Eu tenho um sonho", para mais de 250.000 pessoas. Hoje, mais de 50 anos depois dessas palavras, o racismo e a violência policial contra os afro-americanos estão inflamando os Estados Unidos. É o ano de “vidas negras importam”, “vidas negras importam”. E hoje em dia, algo nunca visto antes, até mesmo o esporte, e o basquete em particular, para em solidariedade aos protestos, àqueles que pedem justiça pelos abusos e por mudanças reais na sociedade americana. Perguntamos ao professor Paulo Nasoprofessor de ciência política e grande conhecedor dos EUA, um comentário sobre essas famosas palavras. “Eu tenho um sonho – explica Paolo Naso – continua sendo um dos discursos mais emblemáticos da história americana e talvez da retórica política de todos os tempos. Sua força está na capacidade de evocar um sonho sem esquecer o pesadelo em que viveram milhões de afro-americanos devido ao racismo persistente e à luta ainda inacabada pelos direitos civis. Décadas depois, esse discurso continua preocupantemente atual. Numa América ainda abalada por confrontos de dimensão racial e por violências que testemunham que o mal negro do racismo continua a afligir a democracia norte-americana. Assim como nos anos de Martin Luther King, na América de hoje a vida dos negros importa muito menos do que a dos brancos e alguns aparatos institucionais imaginam que podem agir em desacato às leis e aos direitos humanos. Tudo isto tem uma dimensão política, mas também ética. E assim permanece viva a advertência do pastor batista King, para construir uma América liberta de seu "pecado original", que ao contrário se represente como uma comunidade integrada e reconciliada de brancos, negros e todas as minorias. Muitas vezes, na comemoração do discurso de 28 de agosto de 1963, abordamos o tema do "sonho" sem entender que o sonho não se realizou, que ainda está diante de nós, que ainda requer o compromisso dos homens e mulheres, brancas e negras". O vídeo completo do discurso de MLK: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EF7E--_BdSg[/embed] ...

Ler artigo
Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A colaboração entre a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e as igrejas protestantes polonesas continua para ajudar a população que foge da guerra na Ucrânia. Anteontem uma delegação composta por três párocos de Lodz, Semko Koroza (Igreja Reformada de Lodz), Marek Izdebski (Bispo da Igreja Reformada na Polônia) e Tomasz Pieczko (igreja reformada), reuniram-se, na sede da FCEI na via Firenze, marta bernardinicoordenadora da Mediterranean Hope e presidente da FCEI Daniele Garrone. Objetivo: fazer um balanço do que foi feito até agora e sobretudo, planejar, na medida do possível, as próximas intervenções. Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Nas próximas semanas, mais atualizações sobre as atividades que os protestantes italianos irão organizar na Polônia, para ajudar mulheres, crianças e homens que fugiram do conflito em curso na Ucrânia. ...

Ler artigo
2ª Sessão do XXIII Sínodo Luterano

2ª Sessão do XXIII Sínodo Luterano

Roma (NEV), 16 de abril de 2021 – Faltam menos de duas semanas para a abertura da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. A Presidência Sinodal e o Reitor estão ocupados preparando o evento digital. “O objetivo é ambicioso – explicam os promotores -: um formato acessível a todos, mas que respeite os mais elevados padrões de segurança informática. A digitalização da Igreja já foi tema da 1ª Sessão do XXIII Sínodo e será também a segunda. Um ponto da agenda que inevitavelmente se impôs devido à pandemia do Coronavírus, varrendo dúvidas e incertezas sobre os cultos e a pastoral digital que ainda eram tema de debate há sete meses. Mas um sínodo via web, pelo menos é a esperança de todos, deve permanecer uma exceção”. Estão programados dois dias e meio de trabalho sob o tema “Continuidade, mudança, futuro – A misericórdia como responsabilidade da Igreja”, inspirado no versículo do ano de 2021, “Sede, tornai-vos misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso”. Seis salas digitais serão criadas especificamente para abrigar o maior número de grupos de trabalho sobre os temas: meio ambiente, juventude, digitalização, elaboração do período Covid, diaconia. Particular atenção foi dada ao sexto grupo de trabalho, encarregado de discutir o documento programático sobre justiça de gênero, elaborado pela comissão sinodal "Gênero", que será submetido à aprovação do plenário. “O CELI – lê-se na nota de apresentação do evento – está profundamente enraizado nos seus próprios valores de fé, mas ao mesmo tempo posiciona-se como uma igreja independente e moderna que leva a sério as questões de relevância urgente. Uma igreja que se interprete como um sujeito capaz de ouvir e dialogar com a sociedade e que esteja ao lado das pessoas em todos os aspectos da vida”. O relatório do convidado de honra do sínodo, o pároco Martin Jungesecretário-geral da Federação Luterana Mundial, será um dos destaques do Sínodo 2021. Junge falará em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano). Uma vantagem do formato digital do Sínodo é que os convidados poderão acompanhar os trabalhos onde quer que estejam. O mesmo se aplica aos membros do CELI espalhados por toda a Itália, que podem exercer seu direito de participar (passivamente) do Sínodo, conectando-se de casa e para aqueles que não pertencem à igreja, mas se interessam por questões religiosas, ou ao CELI em especial. Convidados e interessados ​​devem se registrar no site do CELI, www.chiesaluterana.it/synode-2021/, para receber um código de acesso. O Sínodo será realizado em italiano e alemão. A tradução simultânea também está disponível para convidados e participantes não sinodais. Nenhuma eleição está marcada para a 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Mas o título "Continuidade, mudança, futuro - a Misericórdia como responsabilidade da Igreja", e as questões abordadas pelos grupos de trabalho - assim acredita o Presidium do Sínodo, Wolfgang Prader E Ingrid Pfrommere o Consistório do CELI – “prometem importantes impulsos para o caminho futuro da Igreja Evangélica Luterana na Itália”. Para inscrições e informações: A Igreja Evangélica Luterana na Itália, CELI, reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. Uma comunidade na diáspora que tem apenas alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade. Ajuda imediata aos migrantes e pessoas carenciadas, questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, a luta contra a discriminação... É uma igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém em todas as questões candentes da acontecimentos atuais de natureza política, ética e religiosa. Isso também é possível graças às cotas 8xmille que muitos contribuintes italianos atribuem ano após ano ao CELI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.