Proteja o solo para mantê-lo vivo.  Papel da política e das pessoas

Proteja o solo para mantê-lo vivo. Papel da política e das pessoas

Foto Oscar Keys / Unsplash

Roma (NEV), 13 de setembro de 2022 – É assinado por Theresa Isenburg a nova contribuição da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Estamos no penúltimo episódio de um ciclo de reflexões sobre a água, a seca e o entorno, que a Comissão quis realizar por ocasião do Tempo da Criação 2022.

O documento de Isenburg abre com algumas citações bíblicas e depois explora o tema da seca, os efeitos das atividades humanas e a carga demográfica. Segue-se então com a análise de alguns fenómenos e dados, para depois refletir sobre o papel da política e o papel das pessoas.

Precisamos de soluções para manter a umidade do ar, do solo e da vegetação. Entre as propostas que surgem, a de plantar árvores, mas também fazer cultura e mudar estilos de vida.

Isenburg escreve: “As grandes extensões destinadas a monoculturas, que deixam superfícies expostas às intempéries durante boa parte do ano, o desmatamento agressivo em zonas tropicais e até temperadas, a manutenção descuidada das matas que aumenta o risco de incêndios já incentivados pelas altas temperaturas, a secagem das zonas húmidas não é boa para a pequena e preciosa circulação de água difusa e calma no local, que também pode interagir com o deslocamento do vento local. Então ele está sempre certo Jean Giono, O homem que plantou árvores (1953). Precisamos cobrir a terra, o solo, para protegê-lo e mantê-lo vivo”.


Baixe o novo artigo aqui:

Seca, atividades humanas e peso demográfico: o papel da política, o papel das pessoas por Theresa Isenburg

Baixe os episódios anteriores aqui:

Água e arredores – INTRODUÇÃO por Maria Elena Lacquaniti

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade Antonella Visintin

A insustentabilidade do consumo e do desperdício de Annette Brunger

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 - "A gramática do cuidado", como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa "La cura" da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”. No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco. Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise? “A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o "mito" da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”. Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno? “Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”. “A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências? “Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”. Ele pediu para "ficar em desconforto". Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte? “Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”. Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então? “Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas. A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”. A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar? “Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”. No momento em que saímos de uma imagem de autossuficiência para reconhecer que somos criaturas necessitadas dos outros, o cuidado assume um papel central. A experiência espiritual e de vida de Lidia Maggi a #A curaaqui pic.twitter.com/VmLejxfLmt — Rai Radio3 (@Radio3tweet) 21 de dezembro de 2020 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo
valenzi.  A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

valenzi. A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2023 – Segundo “episódio” do especial da Agência para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”, realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após a primeira entrevista com Paulo Nasohoje é a vez de Ilaria Valenzi. A grande participação na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias" realizada recentemente em Roma e que contou com a participação de representantes de diversas religiões, especialistas, juízes, juristas, jovens universitários, "confirma o crescente interesse pela liberdade religiosa e pelos direitos fundamentais na esfera intercultural – aponta Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI –. A reunião - recorda - nasceu por iniciativa da Fundação Basso e de algumas vozes do Poder Judiciário, algumas vindas do Supremo Tribunal de Cassação. As sessões de trabalho dedicadas ao tema “direito e religiões” abordaram um tema essencial de forma interdisciplinar: interagir com o mosaico cultural e de fé presente no nosso país. As orientações religiosas entram diariamente nas sentenças do Tribunal de Cassação. Os juízes têm de lidar com situações inusitadas, como a poligamia ou o repúdio conjugal, distantes do nosso ordenamento jurídico e da nossa sensibilidade jurídica e cultural. A Fundação Basso e a revista Comparar eles vêm promovendo programas de estudo sobre o pluralismo religioso há algum tempo. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália foi o interlocutor natural para a experiência adquirida no campo da liberdade religiosa. As comemorações da Semana da Liberdade e do 17 de fevereiro, mais uma ocasião para enriquecer o debate geral”. A liberdade religiosa (e a vontade de chegar a uma lei-quadro) sempre foi uma questão decisiva para a FCEI, porquê? Porque está presente na ideia fundadora da Federação. Há muito que a FCEI reclama a superação da obsoleta lei dos "cultos admitidos" de 1929 e promove iniciativas a favor de uma lei geral da liberdade religiosa, precisamente para adequar o quadro constitucional vigente em matéria de protecção dos direitos e liberdade religiosa para as comunidades de fé e alargada às associações e aos seus membros individuais. De facto, existe uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS) constituída para o efeito e que reúne também as Igrejas Evangélicas não federadas em torno do tema da liberdade religiosa. Por estatuto, é presidido pelo presidente da FCEI. A situação legislativa em matéria de liberdade religiosa na Itália é "piramidal", diferentes níveis dão acesso a diferentes direitos. Nossa Constituição, apesar da garantia abrangente, não consegue desvendar as pequenas disparidades ainda presentes. Existem, de fato, níveis hierárquicos de tratamento em relação às diversas confissões religiosas. Começa da Concordata com a Igreja Católica aos Acordos com 13 confissões religiosas, à lei de 1929 dos "cultos permitidos" que acomoda todas as outras religiões, mas no nível mais baixo. Os "admitidos", por exemplo, podem nomear seus ministros ou construir locais de culto, mas a aprovação do governo costuma ser muito complexa. Disparidades que aumentaram após a promulgação de algumas leis regionais, também erroneamente definidas como "leis anti-mesquitas", porque afetam indistintamente todas as denominações religiosas minoritárias. Falou-se do princípio da laicidade do Estado? Foi o pano de fundo de nossas discussões. O espaço dos direitos deve ser inserido em uma moldura e essa moldura é o princípio supremo da laicidade; o lugar onde todos somos chamados a nos mover com respeito. O pluralismo religioso é garantido pela neutralidade não confessional do Estado. Entre os modelos de secularismo, além do italiano, foram citados o francês e o britânico. O modelo italiano, já foi dito, está em contínua evolução, devido à natureza da concordata. Você mencionou o degrau mais baixo da pirâmide em termos de liberdade religiosa, de quem estamos falando e de quais números? Quem se encontrar sob a proteção da legislação de 1929, antes de poder recorrer a uma Entente, deve obter o reconhecimento legal. Este é um primeiro passo, mas também um primeiro obstáculo. Portanto, as confissões religiosas que estão na base da pirâmide muitas vezes são obrigadas a empreender uma longa jornada para obter o reconhecimento institucional. Estamos falando de milhões de pessoas, por exemplo, as duas confissões de origem imigrante que são parte integrante e viva de nosso tecido social: o Islã e a comunidade ortodoxa romena. O último tem cerca de 1.700.000 membros, o primeiro cerca de 1.400.000. Durante a pandemia, por exemplo, surgiu a necessidade de se chegar a uma lei-quadro o quanto antes. Entre as dificuldades que surgiram estava a de conseguir encontrar lugares para sepulturas rituais para acolher os corpos dos crentes muçulmanos; e, novamente, para garantir assistência espiritual em prisões e hospitais. Algumas leis regionais no passado intervieram para resolver disputas, mas às vezes de forma arbitrária. Uma lei-quadro nacional certamente poderia enquadrar e fixar princípios fundamentais no campo da liberdade religiosa, eliminando pela raiz as atuais anomalias. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.