75º Festival de Locarno.  Júri ecumênico premia Contos da Casa Púrpura

75º Festival de Locarno. Júri ecumênico premia Contos da Casa Púrpura

Roma (NEV), 16 de agosto de 2022 – O Prêmio Ecumênico do Júri em Locarno vai para o filme “Contos da Casa Púrpura”, dirigido por Abbas Fahdel. o filme com Nour Ballouk (título original “Hikayat elbeit elorjowani” é filmado entre Líbano, Iraque e França. O festival de cinema aconteceu de 3 a 13 de agosto.

O júri ecumênico formado pela INTERFILM (parte protestante) e SIGNIS (parte católica) concedeu o prêmio com esta motivação:

“O filme nos oferece a perspectiva pessoal e poética de um casal de artistas sobre a história e o presente de um país dilacerado. Ao mesmo tempo, mostra que a vida cotidiana continua. E que a arte e a beleza têm um papel fundamental nisso”.

O júri ecuménico distinguiu ainda o filme “Tengo sueños eléctricos”, realizado por Valentina Maurel, (Bélgica, França, Costa Rica). O filme acompanha a trajetória de uma jovem adolescente que vive em uma família dominada e abalada por separações e violência, mas também pelo amor.


Membros do júri ecumênico:

Anne DagallierFrança

Linde FröhlichAlemanha

Lukáš JirsaRepública Tcheca (presidente)

Anne-Beatrice Schwabsuíço


O Júri Ecumênico

O Júri Ecumênico está presente no Festival de Cinema de Locarno desde 1973. Indicado conjuntamente pela INTERFILM, entidade protestante internacional para o cinema, e pela Signis, associação católica mundial de comunicação, seleciona obras que destacam valores religiosos, humanos e sociais. O prêmio consiste em 20.000 francos suíços para a distribuição do filme, doados pelas igrejas reformadas e pela Igreja Católica da Suíça.


INTERFILM

Fundada em 1955 por numerosas associações de filmes protestantes na Europa. Em colaboração com o parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes (Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim). Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O que temos em mente.  Hijab, ideias, poder.  Um encontro em Turim

O que temos em mente. Hijab, ideias, poder. Um encontro em Turim

Roma (NEV), 28 de janeiro de 2020 – Encontro intitulado “O que temos em mente. Experiências de mulheres em comparação entre religiões". Organizado pela Associação Il Vaso di Sarepta, que trata do apoio alimentar, oficinas educativas e mesa de escuta, juntamente com a União Cristã de Jovens (JWCA-UCDG), o encontro é uma oportunidade para confrontar a experiência das mulheres em suas relações mútuas religiões, particularmente em relação à questão do poder. eles participam Sumaya Abdel Qader, Helene Fontana, Souheir Katkhouda E Hind Laframmoderado por Fátima Lafram Helene Fontana é uma pastora batista, originalmente de Copenhague (Dinamarca). Estudou no Seminário Teológico Batista Internacional de Rueschlikon, em Zurique. Souheir Katkhouda é sírio. Nascida em Aleppo, ela mora na Itália há muitos anos e é presidente da Associação de Mulheres Muçulmanas da Itália. Sumaya Abdel Qader é escritor. Ele nasceu em Perugia, filho de mãe e pai jordaniano-palestino. Frequenta e trabalha com várias associações (incluindo a Aisha, que visa ajudar mulheres muçulmanas vítimas de violência e discriminação). Em 2016, ela se tornou a primeira vereadora muçulmana em Milão. Ele publicou "Eu uso o véu, eu amo a rainha" (Sonzogno, 2008), "O que temos em mente" (Mondadori, 2019). Hind Lafram é um designer de moda italiano que cria coleções para mulheres muçulmanas e não só. As suas criações pretendem comunicar elegância, liberdade e emancipação, com respeito pela mão-de-obra, pelos recursos e pelo ambiente. A reunião é realizada no mesmo dia do "Dia Mundial do Hijab". Encontro no sábado, 1º de fevereiro, às 16h30, no Arca, via Assarotti 6, em Turim. Reservas via SMS ou WhatsApp: 351 506 9566, via email: [email protected] Clique aqui para o EVENTO NO FACEBOOK. ...

Ler artigo
Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 - A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a "Federação das amizades judaico-cristãs na Itália" (FEDERAEC), que também faz parte da "Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de "criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio", como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância. No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC. Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália? Francisco Moscou. Foto tirada de Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias "amizades judaico-cristãs" em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades. EU'Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020. Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus. Por ocasião do "Sínodo dos Jornalistas" que será aberto amanhã em Roma, com o tema "Palavras não pedras", está prevista a inauguração no Largo Pórtico d'Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história? A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória. Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro? É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo. ...

Ler artigo
Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio.  Pergunta de trabalho

Rádio GLAM, compromisso dia 7 de maio. Pergunta de trabalho

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O 5º episódio da Rádio GLAM, uma iniciativa da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), está prestes a chegar. Marcação no próximo dia 7 de maio, das 19h00 às 20h00. O tema deste episódio é "A questão do trabalho, reflexões entre o norte e o sul da Itália". “O último episódio da Rádio GLAM antes das férias de verão abordará o tema do trabalho – escrevem os organizadores -. Convidamos você a participar para enriquecer as ideias que nos chegarão dos dois convidados da noite com a contribuição dos ouvintes, Elisabetta Raffa jornalista e David Mozzato pastor adventista, que narrarão o tema respectivamente do sul e do norte da Itália”. Para entrar na reunião no Zoom: ID da reunião: 876 1707 2469 Senha: 028216 Para marcar participação escreva para:[email protected] A Rádio GLAM foi criada para coletar "Testemunhos e/ou informações de eco-comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais…” Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de comunidades ecológicas, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e à proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! A Comissão de Globalização e Meio Ambiente Lá Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) foi criada em fevereiro de 2001. Nasceu como uma evolução de uma Comissão anterior após a segunda Assembleia Ecumênica Européia em Graz, em 1998. Seu principal objetivo é sensibilizar as igrejas sobre os problemas que a injustiça econômica e a destruição da terra representam para o mundo e em particular à fé cristã. A Comissão está ao serviço das comunidades e dos indivíduos que desejam abordar estas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos carros-chefe da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até à verificação da ética dos bancos em que são mantidas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.