19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia

Roma (NEV), 15 de julho de 2020 – Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o “Sagrado Matadouro de Valtellina”.

“Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma .

O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades.

A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O “matadeiro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620.

Acesse o CARD.

Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Construindo na rocha.  O culto das mulheres de Vanuatu

Construindo na rocha. O culto das mulheres de Vanuatu

Foto tirada de worlddayofprayer.net Roma (NEV/CELI), 2 de março de 2021 – Faltam poucos dias para o Dia Mundial de Oração (PMM). A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) também explora os temas e o contexto desta importante nomeação. O GMP hoje envolve um movimento ecumênico cristão cada vez mais amplo para as mulheres. O tema deste ano é "Edificar sobre a rocha", do versículo do Evangelho de Mateus no capítulo 7. "Raramente esta resolução foi tão sentida como no início deste 2021 - escreve Nicole Steiner no site do CELI -, exatamente um ano após a eclosão da pandemia de coronavírus na Itália, quando ainda não vemos o fim da emergência". É “mais uma ocasião para convidar à oração compartilhada e à solidariedade – continua Steiner -. Quando o tradicional cântico de encerramento 'O dia que deste, Senhor, acabou' for entoado, ao final desta celebração que abrange mais de 150 países, muitas almas sentirão um raio de esperança penetrar”. As mulheres de Vanuatu, um arquipélago do Pacífico na orla oriental do Mar de Coral, prepararam textos e canções para esta oração compartilhada que "dá a volta ao mundo". E que também oferece ajuda concreta para projetos solidários, com uma arrecadação dedicada. O Comitê Italiano para o Dia Mundial de Oração foi fundado em 1999. Ana Rosa Lier da Comunidade Evangélica Luterana de Bolzano, bem como da Rede de Mulheres CELI, sempre foi uma de suas forças motrizes. Vanuatu – foto de arquivo GMP Leia o artigo completo do CELI AQUI. Para informações sobre o evento italiano clique AQUI. Baixe o Culto Online de Mulheres de Vanuatu com membros do Comitê Executivo de todas as regiões do mundo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=edQMgNFdRdo[/embed] ...

Ler artigo
Presbiterianos americanos visitando a Itália

Presbiterianos americanos visitando a Itália

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2020 - Uma reunião com alguns expoentes da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA) aconteceu hoje em Roma, na sede da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. Na verdade, hoje em dia o valdense está na Itália Luciano Kovacscoordenador da área Europa e Oriente Médio da Missão Mundial da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (PCUSA), pároco Elmarie ParkerPCUSA responsável pelo Iraque, Síria, Líbano e Irã e Burkhard Paetzoldpessoa de contato da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos para a Europa Central e Oriental. Durante a manhã, os três representantes do PCUSA se reuniram com o presidente da FCEI, pastor Luca Maria NegroFCEI Coordenador do Programa de Migrantes e Refugiados, Mediterranean Hope, Paulo Nasodiretor da revista e centro de estudos Comparisons Cláudio Paravatio pastor Luca Barattosecretário executivo da FCEI, Fiona Kendall E Júlia Gorioperadoras da Mediterranean Hope. No centro do encontro, uma comparação e troca de boas práticas sobre alguns temas particularmente caros à igreja dos EUA, incluindo paz, comércio justo e sustentável, igrejas minoritárias, migrações, que também serão objeto de outros compromissos internacionais durante 2020. Amanhã a delegação dos Estados Unidos partirá para Palermo e outras cidades da Sicília, onde conhecerá comunidades e experiências eclesiais, incluindo, mais uma vez, o trabalho de Mediterranean Hope, com o Marta Bernardini. ...

Ler artigo
Conferência.  De Lutero a Marchionne.  Ética de trabalho e globalização

Conferência. De Lutero a Marchionne. Ética de trabalho e globalização

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 – Na terça-feira, 7 de dezembro de 2010, uma conferência intitulada “De Martinho Lutero a Sergio Marchionne. Ética de trabalho e globalização". A noite, organizada pelo Centro Evangélico de Cultura Arturo Pascal e pela editora Claudiana, que teve como inspiração a recente publicação do volume de Mario Miegge intitulado "Vocação e trabalho", contou não apenas com a presença do autor do livro, Luciano Gallino , professor emérito de sociologia da Universidade de Turim, e Marco Revelli, professor de ciência política da Universidade do Piemonte Oriental. O volume de Miegge reconstrói as etapas pelas quais o trabalho, uma atividade tradicionalmente confinada à reprodução da vida biológica e desprovida de relevância política, ganhou a luz da esfera pública. Os dois momentos fundamentais que marcaram a emancipação do trabalho como atividade e a emancipação do movimento operário como sujeito político são, segundo a reconstrução precisa de Miegge, a doutrina calvinista e puritana do trabalho como vocação, que redime essa atividade de sua dimensão tradicional ligada ao biológico e às trevas da esfera doméstica, e a doutrina marxista do trabalho como fator de produção de um mundo autenticamente humano. O debate, em particular, abordou as questões mais dramaticamente urgentes da centenária parábola do trabalho, que agora atingiu uma crise e um ponto de inflexão, exemplificada pela história de Pomigliano. Os palestrantes questionaram se os processos de globalização colocaram em risco a possibilidade do trabalho construir uma esfera pública, ao fazer do trabalho uma atividade descontínua, precária e desprovida de direitos, que perde aquela dimensão de construção de sentido que permitiu sua emancipação. Qual é, então, o futuro do trabalho na sociedade ocidental? E qual é a sua relevância política futura? Hoje não é permitido responder à questão propondo soluções do passado; ao contrário, é necessário repensar a dimensão vocacional da atividade laboral e seu significado profundo em chave renovada. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.