Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 – O 18º seminário “Building Bridges” foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho.

O objetivo do seminário, intitulado “Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs”, é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade – na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão.

Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade.

O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam.

Para mais informações, contate: [email protected]

O evento será transmitido ao vivo em:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Grande Catecismo de Lutero.  Ferrario no Festival de Literatura Histórica

O Grande Catecismo de Lutero. Ferrario no Festival de Literatura Histórica

Roma (NEV), 20 de abril de 2023 – Fulvio Ferrario – pastor e teólogo valdense, professor de teologia sistemática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma – foi o convidado da primeira edição do Festival de Literatura Histórica de Legnano, intitulado "A história nas entrelinhas". Por ocasião da reimpressão do Grande Catecismo de Lutero para a editora Claudianao teólogo ilustrou a história de Lutero e as implicações da Reforma no mundo contemporâneo. Pedimos a Fulvio Ferrario que nos contasse como foi e que nos falasse sobre as perspectivas da fé e da catequese no mundo de hoje. Qual é o seu comentário sobre este primeiro Festival de literatura histórica? Isso foi uma linda experiência. Estou muito grato que num evento deste tipo, que obviamente visa um público significativo, a apresentação de dois textos exigentes como os Catecismos, que não são Best-seller. A acolhida foi excelente, a participação foi boa, estou muito feliz por poder apresentar este trabalho por ocasião do Festival de Legnano. O Catecismo de Lutero começa mesmo com palavras duras, que poderiam ser lidas como invectivas, exortações, mas também com ironia. O que você acha? Lutero se assustou com a situação de ignorância bíblica e desconhecimento do ABC da fé cristã: o Credo, o Pai Nosso, os dez mandamentos, o batismo e a Eucaristia... e assim por diante. Uma situação que ainda hoje, em diferentes circunstâncias, conhecemos bem. Lutero decide, portanto, esclarecer os princípios cristãos, de forma elementar, sem medo de demasiada simplicidade. A simplicidade nunca é demais, é a banalidade que é sempre excessiva; mas simplicidade e banalidade não são a mesma coisa. Esta obra de Lutero é uma tentativa de intervir numa situação pastoralmente crítica. O volume que você editou é para todos ou para iniciados? A isto gostaria de responder com a maior franqueza, pois não é minha intenção promover a venda do livro em detrimento do interesse do leitor. O Catecismo Menor é de todos e para todos. Certamente, embora escrito em outra língua que não a nossa, é útil para a reflexão pessoal e para a oração pessoal, como o é. O Catecismo Maior também é extremamente simples e compreensível, no sentido de que qualquer pessoa pode entendê-lo, mas dá maior ênfase à dimensão teológica-argumentativa. Do ponto de vista literário é interessante, é um contato com a prosa de Lutero, um mergulho no século XVI. Dentre os tantos textos possíveis, na minha opinião, é sem dúvida um dos mais fascinantes para quem quer tentar de uma vez entrar em um mundo bem diferente do nosso. Que "ABC" para a fé hoje? Eu usaria exatamente o esquema de Lutero, como fizeram centenas ao longo da história. Do ponto de vista da catequese, os Dez Mandamentos, o Credo, o Pai Nosso, os significados do batismo e da Eucaristia são efetivamente pilares. Lutero, melhor do que ninguém, explicou a todos que acreditar não significa saber. No entanto, há conhecimentos indispensáveis ​​para crer: um conhecimento elementar, não académico, não um conhecimento teológico, mas um conhecimento básico que constitui – por assim dizer – a gramática da fé. Isso também se aplica a falar sobre amor. É claro que a gramática das frases não é o amor, mas para expressar o amor tenho muitos meios e, se quiser usar os da linguagem, devo conhecer a gramática. Este é o papel dos Catecismos de Lutero. ...

Ler artigo
Sentinela, onde está a noite…?

Sentinela, onde está a noite…?

Roma (NEV), 24 de outubro de 2022 – “Sentinela, onde está a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz". Este é o título da iniciativa pública, uma mesa redonda marcada para sábado, 29 de outubro, às 16h, como parte da Segunda Assembleia Geral da Federação das Igrejas Protestantes da Itália. O encontro, que será realizado na igreja metodista na via XX Settembre, em Roma, será apresentado e moderado por Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI; eles vão intervir Débora Spini (Estudos liberais da Universidade de Nova York em Florença), Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina), Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR); conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. Às 14h30, antes da iniciativa pública, haverá o culto de abertura do Assis, novamente na igreja metodista da via XX Settembre, com sermão do professor Daniele Garronepresidente da FCEI. A nomeação será transmitida ao vivo na página do NEV no Facebook. “O versículo-lema para a Assembleia da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália é apresentado na forma de uma pergunta, à qual somos chamados e chamados a responder. Para entender o que dizer, é preciso aprender a ver, ou seja, a ler a realidade. Para estimular e orientar a discussão, identificamos seis palavras sobre as quais refletir e discutir, associando-as: liberdade e democracia, trabalho e meio ambiente, globalização e paz. Essa reflexão será levada adiante tanto no evento público de abertura do Assise quanto na discussão em grupos. Estas seis palavras parecem-nos circunscrever bem o contexto cultural e existencial no qual somos chamados a pregar o Evangelho. A liberdade e a democracia evocam uma condição que assumimos como certa, pelo menos neste canto da Europa, e ao mesmo tempo nos chamam a atenção para situações em que ainda são objetivos a alcançar. Trabalho e meio ambiente são duas preocupações, muitas vezes colocadas em oposição, como se não fosse possível aspirar à superação da pobreza sem maiores danos à Criação. Globalização e paz são palavras muitas vezes reivindicadas por quem as pronuncia, sem, no entanto, uma reflexão compartilhada sobre o seu significado. A ascensão do populismo, a emergência climática, a guerra na Ucrânia e a crise econômica nos questionam sobre o significado das seis palavras. Parece-nos que devem ser redefinidos para uma compreensão precisa de "o que vemos"então você sabe"o que temos a dizer”, declara o presidente da FCEI Daniele Garrone. Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes irão para o Istituto Il Carmelo di Sassone, em Ciampino, onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro. Baixe o PDF: Assise1_2022 ...

Ler artigo
Sínodo da Amazônia.  Redescubra a sacralidade do planeta

Sínodo da Amazônia. Redescubra a sacralidade do planeta

Foto de Sebastien Goldberg - Unsplash Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – mora no Canadá Emily Teresa Smithpastor anglicano de origem argentina, que viveu por muito tempo na Guatemala e no México, é co-presidente do SICSAL (Servicio Internacional Cristiano de Solidaridad con los pueblos de América Latina), grupo ecumênico com filiais em 28 países, dedicado à Oscar Arnulfo Romero, aberto ao diálogo e à participação em prol da justiça, da paz e da solidariedade. Smith segue uma comunidade em Vancouver, em uma das áreas mais frágeis da cidade. No ano passado, ela foi presa e cumpriu uma semana de prisão por participar de protestos ancestrais contra o oleoduto Trans Mountain, que destruiu uma grande parte do norte do Canadá. E do Canadá chegou a Roma para participar do Sínodo para a Amazônia (6 a 27 de outubro), que reúne bispos de toda a região amazônica e, sobretudo, lideranças indígenas de diversas comunidades. Emily Teresa Smith “Como SICSAL, viemos aqui a Roma para compartilhar este momento fundamental da Igreja universal. Trabalhamos ecumenicamente com as diversas redes latino-americanas, como a Rede Eclesial PanAmazônica (REPAM) e o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), tentando ter uma visão e metodologia de trabalho mais inclusiva que pudermos. Estamos presentes para acompanhar as atividades fora do Sínodo oficial, momentos simbólicos mas de grande força que mostram a nova realidade que estamos tentando construir”, disse Smith à Agência NEV. Como um cristão evangélico vê este Sínodo e por que este Sínodo e a Amazônia são tão importantes em sua opinião? Podemos olhar para este encontro como um evento ligado a uma área específica, mas não é o caso. É um acontecimento muito importante porque nos fala de uma forma de encarar a nossa fé e de olhar o mundo. Estamos vivendo em uma época em que é necessário que os cristãos se levantem, falem e ajam sobre o meio ambiente. As comunidades indígenas têm uma visão da sacralidade da terra e da água que devemos recuperar. Até nossa fé tem muito a dizer sobre o valor da vida e nossa cosmovisão fala da terra como algo sagrado. Devemos, portanto, ser corajosos e libertar a igreja e o mundo de uma visão mercantilista que acredita que é possível enlatar tudo e vendê-lo. A criação não está à venda e essa é uma luta de todos. Agradecemos às comunidades indígenas que conseguiram manter a sacralidade da terra. O que você espera para este Sínodo? Chegou a hora de enfrentar o inimigo, o sistema que quer destruir a vida em nosso planeta. Já ficamos sem palavras. O meu desejo é que consigamos ter a coragem de assumir a tarefa que nos toca como cristãos, de seguir a Cristo e seguir os verdadeiros discípulos de Cristo que são os povos amazônicos e originários, os únicos que se lembram que a terra pertence a Deus e não do mundo e que como cristãos devemos tomar consciência disso e agir. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.