“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

foto de Lee Anne Cline, do unsplash

Roma (NEV), 28 de agosto de 2020 – Ao final de uma marcha de protesto pelos direitos civis em Washington, na quarta-feira, 28 de agosto de 1963, o líder do movimento, o pastor batista Martin Luther Kingfez aquele que será seu discurso mais famoso, “Eu tenho um sonho”, para mais de 250.000 pessoas.

Hoje, mais de 50 anos depois dessas palavras, o racismo e a violência policial contra os afro-americanos estão inflamando os Estados Unidos. É o ano de “vidas negras importam”, “vidas negras importam”. E hoje em dia, algo nunca visto antes, até mesmo o esporte, e o basquete em particular, para em solidariedade aos protestos, àqueles que pedem justiça pelos abusos e por mudanças reais na sociedade americana.

Perguntamos ao professor Paulo Nasoprofessor de ciência política e grande conhecedor dos EUA, um comentário sobre essas famosas palavras.

“Eu tenho um sonho – explica Paolo Naso – continua sendo um dos discursos mais emblemáticos da história americana e talvez da retórica política de todos os tempos. Sua força está na capacidade de evocar um sonho sem esquecer o pesadelo em que viveram milhões de afro-americanos devido ao racismo persistente e à luta ainda inacabada pelos direitos civis. Décadas depois, esse discurso continua preocupantemente atual. Numa América ainda abalada por confrontos de dimensão racial e por violências que testemunham que o mal negro do racismo continua a afligir a democracia norte-americana. Assim como nos anos de Martin Luther King, na América de hoje a vida dos negros importa muito menos do que a dos brancos e alguns aparatos institucionais imaginam que podem agir em desacato às leis e aos direitos humanos. Tudo isto tem uma dimensão política, mas também ética. E assim permanece viva a advertência do pastor batista King, para construir uma América liberta de seu “pecado original”, que ao contrário se represente como uma comunidade integrada e reconciliada de brancos, negros e todas as minorias. Muitas vezes, na comemoração do discurso de 28 de agosto de 1963, abordamos o tema do “sonho” sem entender que o sonho não se realizou, que ainda está diante de nós, que ainda requer o compromisso dos homens e mulheres, brancas e negras”.

O vídeo completo do discurso de MLK:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Misericórdia no centro de cada ação”

“Misericórdia no centro de cada ação”

Roma (NEV/CELI), 28 de abril de 2021 – Às vésperas do Sínodo Luterano, o decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludau nos convida a "Seguir o chamado de Jesus, mesmo que o caminho não seja seguro". Heiner Bludau é reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália há sete anos. A 2ª Sessão do XXIII Sínodo marca o início de seu último ano como decano e também de sua estada na Itália. O título do Sínodo, "Continuidade, mudança e futuro - a Misericórdia como responsabilidade da Igreja", tem para ele um profundo significado teológico: a misericórdia como expressão de toda ação cristã, a partir da percepção - e consequente aceitação - da outro. Faltam poucos dias para o Sínodo, o primeiro Sínodo online da história do CELI. Como ele se sente? Devo admitir que, a longo prazo, estar sempre no escritório, à secretária, com a maior parte dos contactos limitados ao ecrã ou ao telefone - e agora também com o Sínodo nesta modalidade - é desgastante. Além disso, este é meu penúltimo sínodo. Na verdade, devo aposentar-me já em fevereiro de 2022, mas espero, também de forma voluntária, poder manter-me no cargo até ao verão de 2022. A 2ª Sessão do XXIII Sínodo tem um título ambicioso: "Continuidade, mudança, futuro: a misericórdia como responsabilidade da Igreja". Um título que aponta diretamente para a sociedade, mas que ao mesmo tempo tem um forte significado teológico. Depois de 15 meses de pandemia, acho muito importante fazer um balanço. Onde estamos? Onde estamos indo? Talvez também: Quem somos nós (nos tornamos)? Nesta situação extrema da vida humana, a relação consigo e com os outros mudou, por vezes até profundamente. Muitas pessoas estão sob forte estresse. Muitos se encontram em uma situação de vida muito diferente. Você tem que estar ciente disso e saber como percebê-lo. E é aqui que entra a misericórdia? Exatamente. A misericórdia é muito mais do que apenas apoio diaconal e financeiro aos necessitados. Misericórdia significa perceber o próximo como um todo. Esteja aberto para perceber todas as outras pessoas como tal! Como igreja, somos uma instituição aberta à sociedade, mas firmemente enraizada em seu próprio centro. E este centro é fundamental como base de todos os impulsos que damos. Tem um forte impacto em todas as áreas, incluindo, claro, aquelas que vamos explorar durante o Sínodo nos grupos de trabalho: justiça de gênero, meio ambiente, diaconia, gestão da pandemia, juventude e digitalização. A misericórdia é um critério importante em todos os lugares. A fortiori diz respeito à questão da justiça de gênero e ao documento do CELI que o Sínodo é chamado a discutir e adotar… Isto é verdade. Com a questão de gênero é importante, ainda mais do que em outros campos, prestar atenção à vida conjunta da igreja, bem como à sociedade. A igualdade de todas as pessoas é para nós uma questão de fé. Eu percebo o outro como ele é! Estou muito feliz que antes do Sínodo este tema tenha sido levado às nossas comunidades e que todos tenham tido a oportunidade de contribuir com o documento. E a misericórdia em relação ao meio ambiente? Aqui a perspectiva muda novamente. Aqueles que veem Deus como Criador têm uma abordagem diferente daqueles que consideram a evolução como resultado do acaso. Nossas contribuições nascem em nosso centro que mencionei anteriormente, de um senso de responsabilidade pelo outro e pela criação. Isso também é misericórdia. Você acha que, apesar do formato online do Sínodo, um verdadeiro debate pode se desenvolver e, acima de tudo, pode levar a resultados válidos? A comparação com o outro é a base de nossas ações. Aqui vejo dois efeitos decorrentes da pandemia. Por um lado, uma grande dificuldade em manter vivo o diálogo, o confronto direto entre as pessoas. Por outro lado, também há aspectos positivos. Por exemplo, nós pastores do CELI e também os presidentes das comunidades nos aproximamos de certa forma por meio de frequentes reuniões online, estamos mais em contato uns com os outros do que antes. Isso certamente é uma consequência positiva, e vamos continuar nesse caminho. Por outro lado, temo que o formato digital exclua muito o elemento pessoal. Ainda somos uma igreja, não uma empresa. Um sínodo é sempre uma ocasião para um debate muito aberto, para uma discussão acalorada e comprometida, até mesmo para expressar críticas... Espero muito que tudo isso seja possível. Com o secretário geral da Federação Luterana Mundial (FLM) Martin Junge, o CELI tem um convidado de honra muito especial… Este convite e seu entusiasmo em aceitá-lo são fruto de uma colaboração mundial nascida com as comemorações dos 500 anos da excomunhão de Lutero. Achei muito positivo que a FLM tenha nos contatado explicitamente como igreja nacional italiana a respeito das celebrações planejadas com o Vaticano. A próxima reunião do Conselho FLM também deveria ter sido realizada em Roma, mas devido à Covid no final optaram por uma solução online. Aqui também a misericórdia entra em jogo novamente no sentido da percepção recíproca. Imagino que a fala de Junge será muito útil para nossa reflexão sobre continuidade, mudança e futuro. Seu último ano começa com o Sínodo. Não só como decano, mas também como pároco da sua comunidade de Turim e da sua permanência na Itália. Já está começando a olhar para trás? Sim, fui reitor por sete anos e no verão fará onze anos que moro na Itália e que cheguei à pequena Comunidade de Turim, que na época acabava de nascer. Devo dizer que esses onze anos foram mais emocionantes do que qualquer coisa que já vivi em minha vida profissional. Gosto muito de morar na Itália e sou muito apegada ao CELI. A Igreja sempre foi muito importante para mim, mas nunca me senti tão envolvida emocionalmente como com esta pequena Igreja na Diáspora. As coisas são possíveis aqui que funcionam de maneira diferente em outros lugares. A colaboração é mais próxima, o compromisso pessoal mais forte. Antes de chegar ao CELI eu jamais poderia me imaginar em um cargo de responsabilidade dentro da igreja. Mas, claro, cabe aos outros julgar. Eu tentei enfrentar esse desafio com todas as minhas forças. Estou em paz comigo mesmo. Fui acompanhado pela mesma imagem bíblica que me inspirou quando fui eleito reitor, uma imagem pela qual vivo: Jesus caminha sobre as águas e Pedro diz-lhe: Senhor, chama-me e eu seguir-te-ei… por um caminho que às vezes nem mesmo perceptível, que até parecerá inacessível, mas que emerge passo a passo olhando para Jesus. Leia a entrevista de Nicole Steiner com Heiner Bludau no site do CELI ...

Ler artigo
“A responsabilidade como exercício da liberdade”

“A responsabilidade como exercício da liberdade”

Roma (NEV), 29 de maio de 2020 – “Para atravessar o tempo atual, é preciso pensar em termos de responsabilidade. As regras jurídicas intervêm na ausência ou ausência de sentido de responsabilidade, mas quando limito uma das minhas liberdades por um bem maior, exerço uma escolha de responsabilidade e nessa escolha faço uma transição da limitação da liberdade para o exercício da liberdade. A história do coronavírus deveria ter nos ensinado que há muitos aspectos da vida individual que estão ligados a um interesse geral, coletivo, e que se morre de individualismo”. Como Gustavo Zagrebelskyex-presidente do Tribunal Constitucional, em entrevista a Paulo Emílio Landique será transmitido no próximo episódio do Protestantesimo, transmitido no domingo, 31 de maio, por volta das 8 da manhã, no RAI2. "Direitos e saúde" será o tema analisado pela coluna editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) que vai explorar as regras e protocolos que estão marcando a vida dos italianos durante a chamada Fase 2, e vai contar como também a realidade das Igrejas, de suas comunidades, da minoria evangélica na Itália, se transformou depois da experiência do coronavírus. “Que liberdades estamos dispostos a abrir mão em nome de valores maiores, como o direito à saúde e ao bem comum?” pergunta o protestantismo. As respostas a esta questão serão construídas através de um percurso que põe em jogo, para além da entrevista a Zagrebelsky, a história da assinatura dos protocolos que as várias comunidades religiosas nacionais assinaram com o governo, assinados para os evangélicos pelo pastor Luca Maria Negro presidente da FCEI; uma reflexão dos líderes das igrejas evangélicas italianas e europeias sobre o futuro da igreja e a história da reabertura da igreja valdense em Florença após o bloqueio. “Nossa Constituição prevê a possibilidade de limitar, por questões de segurança e saúde, o direito de circular e circular. Essas restrições, que restringem a liberdade individual para o bem altruísta maior, devem ser razoáveis, propositais e temporárias. O Parlamento terá de zelar por isso”, concluiu Zagrebelsky. No estúdio junto com o apresentador, Cátia Barãoo pastor da igreja valdense na Piazza Cavour em Roma, Marco Fornerone. ...

Ler artigo
Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Felix Mooneeram, unsplash Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Nos últimos dias, três diretores iranianos foram presos: Mohammad Rasoulof, Mostafa Aleahmad E Jafar Panahi. A Interfilm, uma organização internacional que promove júris ecumênicos em vários festivais de cinema, juntou-se ao coro de vozes que protestam contra essas prisões. “O Irão é um país líder na criação de cinema de arte contemporânea e estes realizadores de renome internacional têm apresentado os seus trabalhos em todos os grandes festivais do mundo – lê-se na nota divulgada pela Interfilm -. Mohammad Rasoulof ganhou o Prêmio Ecumênico na Berlinale 2020 pelo filme O diabo não existe. Jafar Panahi recebeu o Prêmio Signis-Wacc de Direitos Humanos em 2014 por seu filme Taxi Tehran”.Signis e Interfilm, que formam júris ecumênicos "para promover uma cultura de paz, unem forças para denunciar este ataque à criação artística e à livre circulação de cineastas que sempre defenderam a sabedoria e a resiliência do povo iraniano e que permitiram que o mundo conhecer melhor este país de tradições artísticas milenares". A Interfilm foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico Signis, ele organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.