Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Detalhe do cartaz do filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O júri da Interfedi concedeu ao filme o “Prêmio pelo respeito às minorias e pelo secularismo” “Sonhos habitam árvores”.

estréia do diretor Marcos Della Fonteconvidado do 40º Festival de Cinema de Turim (25 de novembro – 3 de dezembro de 2022), o longa-metragem recebe assim o reconhecimento da nona edição deste júri especial.

O Júri Interfedi é de fato promovido, desde 2013, pela Igreja Valdense e pela Comunidade Judaica de Turim, com o patrocínio do Comitê Interfedi da Cidade de Torino.

Este é o raciocínio:

<>


júri 2022

O Júri Interfedi 2022 é composto por Walter Nuzzo (representando o Comitê Inter-religioso). Nino Pennacchia (Igreja Valdense). Daniel Segre (comunidade judaica).

Prêmio Interreligioso

“O reconhecimento, estabelecido em 2013 por iniciativa da Igreja Valdense e da Comunidade Judaica de Turim, com a participação do Comitê Inter-religioso da Cidade de Turim, visa premiar e chamar a atenção para filmes que contribuam para dar voz a todos tipos de minorias, para promover o respeito pelas mesmas, o reconhecimento dos direitos, a integração, a superação da discriminação e que afirmem os valores da laicidade, a cultura da tolerância, o respeito pela autonomia, a liberdade e a responsabilidade individual” lê-se no comunicado de imprensa do Prémio.

Este Prémio pretende reafirmar “os valores que constituem os fundamentos de toda a sociedade verdadeiramente democrática e pluralista”, denunciando toda a intolerância e racismo, propaganda anti-semita e discriminação contra as comunidades de fé, em primeiro lugar a islâmica. De fato, afirma “acolhida, partilha, solidariedade, respeito mútuo, dignidade humana, aceitação das diversidades étnicas, culturais e religiosas como fundamentos de uma sociedade justa e inclusiva, multiétnica, multiconfessional, multicultural, na qual os direitos e as liberdades do indivíduo sejam preservadas”.


O Comitê Inter-religioso da cidade de Turim reúne representantes do cristianismo (católicos, protestantes e ortodoxos), judaísmo, hinduísmo, islamismo, budismo e mundo mórmon.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Dia Mundial do Refugiado, todas as iniciativas dos protestantes

Uma família refugiada da Ucrânia chega à fronteira de Vama Siret, na Romênia. Localizada ao norte de Siret e mais ao sul a cidade de Suceava, a travessia conecta a Romênia com a vila ucraniana de Terebleche e mais ao norte a cidade de Chernivtsi. Após a invasão da Ucrânia pelos militares russos a partir de 24 de fevereiro de 2022, mais de meio milhão de refugiados fugiram pela fronteira ucraniana para a Romênia. Foto: Albin Hillert/WCC Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – O Dia Mundial do Refugiado é celebrado na segunda-feira, 20 de junho. São muitas as iniciativas promovidas por todo o terceiro setor e várias também são organizadas pelo mundo protestante. No que diz respeito à Federação das Igrejas Evangélicas, em particular, e seu programa de migrantes e refugiados, Mediterrâneo Esperança, a Casa das Culturas de Scicli com a CGIL e em colaboração com as realidades do terceiro setor que fazem parte do Pacto de Solidariedade Scicli, com o Integrado O projeto de serviços para a autonomia socioeconômica dos titulares de Proteção Internacional, e com o patrocínio do Município de Scicli, está organizando um evento de um dia a ser realizado na Villa Comunale Penna no município da província de Ragusa. “Existem mais de 70 milhões de refugiados, requerentes de asilo e deslocados internos em todo o mundo que fogem da guerra e da perseguição. Todos obrigados a abandonar tudo e todos em busca de novas certezas em outros países. Refletir sobre a sua situação, conhecer as suas histórias e as suas dificuldades, não ficar indiferente e procurar agir, no dia-a-dia, para acolhê-los e respeitar os seus direitos”, são, por isso, alguns dos objectivos do Dia Mundial do Refugiado. Durante o Dia em Scicli, serão promovidas atividades didáticas e recreativas para crianças, entretenimento e também momentos de reflexão sobre as "Rotas migratórias e estratégias de acolhimento e integração" para aprofundar o tema também em relação ao território siciliano. “Agora mais do que nunca – lê-se na apresentação da iniciativa – é necessário promover caminhos de plena inclusão em todos os âmbitos da sociedade, desde o trabalho ao estudo e à saúde dos forçados a fugir dos seus países de origem”. O dia começará com um workshop criativo e interativo "Construindo a paz" com curadoria dos operadores da Coop. A Soc. Acting destina-se a todas as crianças e jovens que queiram participar. Compromisso às 11 horas em frente à Câmara Municipal de Scicli. Um momento de reflexão, com curadoria da CGIL e da Mediterranean Hope - Casa delle Culture, envolverá entidades e associações envolvidas na área. Serão explorados os temas dos projetos dedicados aos corredores humanitários e apoio psicológico aos que fogem do seu próprio país. eles vão intervir Federica Brizi, gerente de recepção de corredores humanitários para Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Evangélicas, Clemente SabbaCoordenadora do MEDU – Médicos pelos Direitos Humanos da Sicília, Ahmed Echigerente do projeto Emergência em Ragusa, Ana Caratozzolochefe da CPIA Ragusa e Giuseppe Scifo, secretário geral da CGIL Ragusa. A noite no Villa Penna será encerrada com uma apresentação de música popular com “Carmelo Errera e os Scacciadiavoli”. A participação nas oficinas e a entrada na Villa Penna são gratuitas e gratuitas. Em Roma, em particular, em Casale Garibaldi, a Diaconia Valdense, Casale Garibaldi – comum no trabalho, Arco Solidário OnlusMédicos Sem Fronteiras, Intersos, BINÁRIO15 organizam um momento de partilha e confronto junto com os cidadãos e os refugiados do território. A partir das 17h30 exposição fotográfica, histórias solidárias, concerto ArabJazz com os 66 KIF, aperitivo. “Todos os anos – explica a Diaconia Valdense em nota à imprensa – é uma oportunidade de convidar as pessoas a conhecerem nossas atividades de trabalho com requerentes de asilo e refugiados por meio de momentos de encontro e contação de histórias”. O Dia Mundial do Refugiado foi celebrado pela primeira vez em 20 de junho de 2001 e foi criado para comemorar o 50º aniversário da aprovação da Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra pela Assembleia Geral das Nações Unidas. ...

Ler artigo
O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF). “A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”. Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense. “Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa. O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico. A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença - concluem os promotores - será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”. A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense). artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidadePróximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Roma (NEV), 9 de agosto de 2022 – “Deus é… Em que palavra você pensou imediatamente? Nossa visão de Deus influencia a maneira como olhamos para nós mesmos, para os outros e para o mundo ao nosso redor”. É assim que o Exército de Salvação (EdS) apresenta uma série de episódios intitulada “Reflexões sob o guarda-chuva”.Lançada com reel nas redes sociais da EdS, a série convida você a assistir e ouvir. "Neste verão, mergulhe na palavra de Deus", diz a promoção.De acordo com o Exército de Salvação, "é incrivelmente importante construir nosso alicerce sobre quem é Deus, com base nas verdades de Sua Palavra, e não no estado temporário de nossos sentimentos".Vários compromissos durante as semanas de verão, para aprender sobre as palavras e atributos de Deus: "Não importa quais tenham sido suas experiências com Deus, os cristãos ou a igreja, saiba disso: o Deus do universo criou você, Ele o ama e está procurando ativamente por você” escreve a EdS.Para acompanhar as reflexões sob o guarda-chuva, pesquise nas redes sociais EdS. As palavras exploradas até agora são: a trindade. A asseidade. Imutabilidade. O infinito. Santidade. O Exército de Salvação (EdS) A EdS é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra, exploradas naquela época além da imaginação. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar, de onde deriva o seu nome, "Exército de Salvação", em inglês The Salvation Army, onde os membros são denominados "soldados" e os pastores "oficiais" com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome "Exército de Salvezza na Itália". Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis. Para visitar o site clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.