Geração Z fora do sofá.  Soluções e propostas da Função Pública

Geração Z fora do sofá. Soluções e propostas da Função Pública

Foto Jeremy Thomas – Unsplash

Roma (NEV), 26 de julho de 2022 – Entre 2020 e 2022, segundo o “Relatório da Juventude” do Instituto G. Toniolo, a autoimagem positiva das novas gerações caiu de 53,3% para 45,9%. A motivação e o entusiasmo nas ações passaram de 67,5% para 57,4%. O indicador de busca por metas caiu de 67% para 60%. Estes dados foram apresentados durante a recente assembleia da Associação da Função Pública (ASC aps), uma das muitas realidades do Terceiro Setor no nosso país.

O Serviço Civil Universal (SCU), no entanto, neste mês de julho viu mais de 13.000 outros jovens iniciarem um novo caminho ao mesmo tempo em toda a Itália. Após um período de impasse, outros projetos devem começar até 2022 e o número de jovens envolvidos deve passar de 50 mil.

A Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia – CSD) é um dos órgãos diretamente envolvidos no serviço público. Cerca de 50 meninos e meninas iniciaram seu serviço no campo da assistência a idosos, menores frágeis, migrantes, pessoas com deficiência, em projetos e serviços educativos que tratam da valorização das culturas locais.

foto CDS

“A função pública universal, fruto da objecção de consciência ao serviço militar obrigatório, foi naturalmente alterada ao longo dos tempos, tal como as motivações que hoje levam os jovens a participar – escreve Stephen Bertuzzi, responsável pela gestão dos operadores voluntários do escritório de voluntariado da Diaconia Valdense –. Vemos cada vez menos expressos em meninos e meninas os motivos que levaram ao seu nascimento; pelo contrário, hoje em dia os jovens procuram nela uma espécie de longa aprendizagem para testar as competências adquiridas em estudos anteriores, tal como muitos são atraídos pela propina de 444,30€ mensais (contra um compromisso de cerca de 25 horas semanais) e isso é especialmente verdadeiro para aqueles que vivem em áreas com altas taxas de desemprego. Isso contradiz a retórica que gostaria de jovens não muito ocupados e cansados ​​’sentados no sofá’: pelo contrário, se boas oportunidades de crescimento e conscientização forem oferecidas na valorização de ambientes, eles ficarão felizes em se envolver. Muitos são os que, terminado o serviço, decidem realizar ou retomar cursos de formação na mesma área, assim como para muitos a função pública é uma oportunidade de se dar a conhecer: todos os anos há muitíssimos voluntários que depois são contratados por as estruturas: aconteceu recentemente e várias vezes também na Diaconia Valdese”.

O Serviço Civil, assim como o voluntariado internacional, representa “um observatório privilegiado que permite à Diaconia Valdense ver, ano após ano, as mudanças, esperanças e desejos, assim como as dificuldades das novas gerações, para interceptar suas necessidades a fim de a serviço dos jovens, enquanto eles se colocam a serviço da diaconia, mas sobretudo da comunidade”.

Por sua vez, o presidente da ASC Lício Palazzini ele disse: “Os jovens querem se envolver, mas se sentem excluídos e não veem medidas estruturais. Eles buscam novos caminhos e usam novas linguagens que nós – entidades do terceiro setor – devemos ser capazes de interceptar e com as quais dialogar. […] o Serviço Público Universal pode ser o recurso para reunir respostas às necessidades das pessoas e evitar a perda de mais uma geração de jovens”.

Em suma, as oportunidades existem e, onde não há, devem ser criadas. O diálogo é aberto, sobretudo para potencializar o saudável protagonismo daqueles que saíram do sofá e assumiram o controle de seu presente e futuro.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Estamos prontos, e você?

Estamos prontos, e você?

Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – “Estamos prontos e vocês?” é a campanha lançada hoje pela revista e centro de estudos Confronti, pela Coordenação Nacional das Novas Gerações Italianas (CONNGI) e pelos Italianos Sem Cidadania, para pedir que a lei da cidadania, conhecida como "Ius Scholae", seja votada no Parlamento até o final da legislatura. Os signatários da campanha acreditam que “chegou a hora de as forças políticas que se disseram a favor da lei, muitas vezes fazendo dela uma bandeira, tomarem as providências necessárias para serem coerentes com os compromissos assumidos”.A campanha começa com uma carta aberta ao Primeiro-Ministro, Mario Draghi, e às forças políticas que compõem o governo dispostas a votar a lei. Entre os primeiros signatários Edith Bruck, Oliviero Toscani, Paolo Fresu, Gad Lerner, Luigi Manconi, Igiaba Scego, Corrado Augias, Maurizio Ambrosini, Valerio Carocci, Orchestra of Piazza Vittorio, Little Orchestra of Tor Pignattara, Roberto Zaccaria, Mohamed Keita, Giacomo Marramao. Após o lançamento, a campanha de recolha de assinaturas vai continuar com o objetivo de envolver o maior número possível de cidadãos. O apelo diz: "Pedimos que nos ouçam e dêem o passo que há anos hesitam em dar: aprovar uma lei que nos reconheça como seus concidadãos, irmãs e irmãos de uma República que na sua Constituição reconhece os direitos fundamentais direitos de todos os cidadãos "sem distinção de sexo, raça, língua, religião, opiniões políticas, condições pessoais e sociais" (Art.3)". “Aguardamos a resposta da política – declararam os promotores da campanha –, mas não apenas com as declarações de circunstância: desta vez esperamos que a lei seja agendada no Parlamento o mais rapidamente possível e levada a votação. No dia que a gente votar, aí a gente vai fazer uma grande festa na praça com todo mundo, inclusive os políticos. Até então, permanecemos vigilantes e esperando." A lei, se entrasse em vigor, permitiria que homens e mulheres muito jovens, que cresceram e estudaram na Itália durante anos, adquirissem a cidadania italiana. “Centenas de milhares de pessoas, de estudantes, à espera de poder dar o seu contributo para o crescimento do país como cidadãos; e nós com eles”, concluíram os promotores. Você pode se inscrever na campanha acessando o site www.noisiamoprontievoi.it. ...

Ler artigo
Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo
Igrejas da diáspora e da fronteira se encontram

Igrejas da diáspora e da fronteira se encontram

Torre Pellice, 21 de outubro de 2022 (NEV/chiesavaldese.org) - Por ocasião de sua assembleia geral (20 de outubro) realizada no Serviço Cristão de Riesi (Cl), a Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa (Cepple) organizou uma conferência teológica (19-20 de outubro) intitulada "Igrejas protestantes latinas, que evolução?". Fizemos algumas perguntas a dois dos oradores, Daniele Garrone E sabina baral. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=NjLabP2iKMQ[/embed] O foco do encontro foi a reflexão sobre como as igrejas protestantes do sul da Europa vivem sua condição de minoria (muitas vezes nos últimos dias se falou em "diáspora") e de fronteira, e como conseguem ser testemunha viva do Evangelho em um contexto de secularização. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (Fcei), fez o discurso introdutório intitulado “Dizer e fazer algo protestante em uma Europa em mudança. Uma vocação, seus problemas e desafios”. Em seu discurso, falando do ponto de vista da FCEI, que há muitos anos está engajada nas fronteiras da Europa para levar ajuda aos migrantes, ele ofereceu uma reflexão sobre o tema da fronteira geográfica e simbólica que as igrejas vivenciam todos os dias. sabina baral, membro cessante do Comitê Executivo do Cepple, introduziu a terceira sessão do debate, "Como você ousa dar testemunho de ser uma igreja viva em uma situação de diáspora?", na qual as várias igrejas participantes trouxeram suas experiências. Ele refletiu sobre um tema que surgiu várias vezes, o de ser uma minoria, que não é necessariamente um problema, mas pode se tornar uma oportunidade. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.