Bouchard, um mestre do século XX.  Artigo de Paolo Naso sobre Confronti

Bouchard, um mestre do século XX. Artigo de Paolo Naso sobre Confronti

Roma (NEV/Confronti.it), 29 de julho de 2020 – Quem já teve contato com o mundo protestante italiano pelo menos já ouviu falar do pastor valdense George Bouchard, desapareceu em Torre Pellice em 27 de julho. Desde os primeiros movimentos que anunciaram a convulsão política e cultural de 68, até os anos em que a chamada Primeira República desmoronou tristemente, Bouchard foi o protagonista e por vezes diretor da presença protestante no espaço público italiano. Fá-lo com sua cultura teológica nitidamente barthiana e com seu sentimento político formado nos duros anos da ocupação fascista, apurado por intensos estudos no difícil pós-guerra e amadurecido no contexto das lutas operárias dos anos 60 e 70 . Não é por acaso que, nessa conjuntura, encontrou-se como pároco em Milão com a tarefa de sustentar um projeto original de raízes em uma das áreas periféricas e populares da cidade, Cinisello Balsamo: menos celebrada que a vizinha Sesto San Giovanni – depois “Stalingrado da Itália” – mas com uma caracterização política análoga. Hoje definitivamente perdido em benefício da Liga e da sua base social composta por números de IVA desenfreados e pensionistas que têm medo dos imigrantes. Naquele lugar e naquela época do século passado, Giorgio, Toti Rochat e outros jovens protestantes fundaram uma “comuna” que logo acabou acolhendo também católicos e não crentes. Para a cidade foi um projeto social ainda hoje lembrado, mas para Giorgio e aquele grupo de crentes foi uma forma de viver concretamente a sua fé cristã e evangélica numa época cultural que submeteu a duras críticas não só as convenções “burguesas” mas também os costumes e tradições religiosas.

Das salas barulhentas e lotadas da Comuna, Giorgio logo se viu ocupando cargos importantes em Roma e na Torre Pellice, capital do valdismo e Genebra da Itália, segundo a generosa e retórica definição de De Amicis. Não foi apenas uma mudança sociológica – do proletariado metropolitano para a classe média protestante – mas também de papel. A Igreja que o elegeu Moderador da Mesa Valdense em 1979 sabia que estava escolhendo uma personalidade forte – simpática, mas às vezes também rochosa – e com uma visão precisa do papel do protestantismo na sociedade italiana. Suas referências eram o protestantismo mundial – mais tarde caracterizado por um interesse preciso pelos Estados Unidos -, as social-democracias europeias, éticas reformadas para serem repensadas sem perder o sentido primário de “vocação” de Deus.

Um livro essencial dele, a esse respeito, permanece Espírito protestante e ética do socialismopublicado coincidentemente por Com Nuovi Tempi em 1991. Neste sentido, juntamente com outros – gostaria de mencionar os nomes de Mário Miegge E Sérgio Aquilante com quem entre altos e baixos, consentimentos e dissensos, sempre houve um grande respeito intelectual e escuta mútua – desempenhou um papel preponderante na desprovincialização do protestantismo italiano.

Historiador por paixão, Giorgio evitou a retórica da história das perseguições e contestou a tese do “excepcionalismo” valdense na história nacional. Pelo contrário, juntamente com Giorgio Spini, confiou-nos a tese do papel ativo da componente valdense na história europeia e nacional, desde a Primeira Reforma às perseguições do século XVIII, do Risorgimento à Resistência, da oposição à centrismo “democrata-cristão” às lutas civis dos anos 70. A transição para a categoria interpretativa do protestantismo como “componente” e não mais como “minoria” – inspirada na ideia gramsciana segundo a qual a hegemonia cultural não coincide com a maioria numérica – foi essencial para liderar a batalha pelas Ententes, como conhecido, aprovado em 1984, em plena era Crax. Naquela conjuntura, sua Igreja não estava unida e, ao contrário, ocorreu uma dolorosa divisão destinada a se repetir em 1993 e em 2001, quando o Sínodo das igrejas metodista e valdense decidiu acessar o sistema de distribuição de oito por mil e, posteriormente, , à distribuição de quotas não expressas.

Bouchard, convencido de que o objetivo do primeiro acordo nos termos do art. 8º da Constituição merecesse alguma mediação e até algum compromisso, sentiu o peso liderança que lhe foi confiado e o interpretou com coerência, mesmo à custa de fraturas na Igreja. Na ocasião, ele também renunciou às críticas, certamente ingênuas e às vezes exageradas, daqueles valdenses – entre eles muitos jovens na época – que viam no acordo uma vulnus ao separatismo secular entre o Estado e as confissões religiosas e rejeitou o próprio instrumento jurídico por ter sido concebido como uma reparação pela renovação da Concordata. Décadas depois, não tenho dúvidas de que Bouchard estava certo e errados seus críticos que, como eu, não entenderam a natureza excepcional daquela transição política.

Bouchard também foi tecelão da unidade do evangelicalismo italiano: ferrenho defensor da integração entre valdenses e metodistas, foi um dos promotores da Federação das Igrejas Evangélicas (Fcei) da qual, entre 1988 e 1994, foi presidente. Nesse cargo fortaleceu sua ideia de uma “frente protestante” que, ao agregar a complicada diáspora evangélica, pudesse promover uma alternativa evangélica na Itália. Um projeto excessivamente ambicioso, talvez irreal, dado o fosso que se cavava entre o protestantismo histórico e a galáxia, especialmente em questões éticas evangélico. Mas foi um projeto estratégico, uma ideia orientadora lançada com paixão e coragem na tentativa de indicar um caminho para que a componente protestante da sociedade italiana tivesse um papel público e significativo.

Um protestante versátil e valdense, Bouchard também era um homem de diálogo, e o nascimento desta revista é em grande parte devido a ele. Comparardo qual foi um grande apoiador quando o cabeçalho se abriu ao mundo das fés e do intercâmbio intercultural e inter-religioso.

Bouchard foi um homem do século XX, um século muito longo, marcado pelo peso de pesadas e condicionantes ideologias, mas também enriquecido por visões de longo prazo que hoje nos faltam. Para muitos de nós foi também mestre de vida, de pensamento e de fé. E, como deve ter adivinhado ao escrever seu último livro confiado à redação de sua esposa Piera Egidi (Mestres. Encontros significativos na vida de Giorgio BouchardNuova Trauben 2020), o melhor professor é aquele que deixa seus alunos seguirem seu próprio caminho, mesmo sabendo que eles não poderão refazer aquele que ele percorreu e indicou.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas francesas para Kirill: o nacionalismo religioso é uma ameaça à paz?

Igrejas francesas para Kirill: o nacionalismo religioso é uma ameaça à paz?

Roma (NEV), 10 de março de 2022 – Tem como título "O nacionalismo religioso é uma ameaça à paz?" a iniciativa promovida hoje na França pelas igrejas cristãs. A referência é à guerra na Ucrânia e às recentes posições assumidas pelo Patriarca de Moscou Kirill. Os presidentes da Conferência Episcopal da França (CEF), Monsenhor Eric de Moulins Beaufort e da Federação Protestante da França (FPF), o pároco François Clavairoly reunir-se-á hoje às 17h30, em Paris, na Catedral da Santíssima Trindade, sede episcopal em Paris da diocese de Che'rsone'se e centro do Exarcado da Europa Ocidental do Patriarcado de Moscovo, com o Padre Maxime Politovpároco da Catedral. "O objetivo desta reunião - como afirma este comunicado publicado no site da Federação Protestante da França (FPF) - é, por um lado, uma troca de informações e uma discussão sobre a situação na Ucrânia e, por outro lado, a entrega oficial de duas cartas dos presidentes da CEF e da FpF a Sua Santidade Kirill de Moscou, Patriarca de Moscou e de toda a Rússia”. “O protestantismo e o catolicismo franceses – concluem os dois expoentes das igrejas francesas – não podem ficar sem ação, com os representantes das comunidades ortodoxas presentes na França, e eles decidem agir. Esta iniciativa pretende contribuir para o diálogo mas também e sobretudo questionar o Patriarca de Moscovo e de toda a Rússia sobre a importância do seu sentido de responsabilidade neste conflito”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. artigo anteriorUcrânia, o compromisso da diaconia valdensePróximo artigoUcrânia, primeira missão das igrejas protestantes na Polônia ...

Ler artigo
Próxima geração Eu?  A noite pública do Sínodo

Próxima geração Eu? A noite pública do Sínodo

Roma (NEV), 20 de agosto de 2021 – A noite pública do Sínodo valdense e metodista, agendada para 23 de agosto às 20h45, tem o título do plano da UE para a recuperação após a Covid, mas com um ponto de interrogação. “Eu da próxima geração? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização” será, de facto, o tema e o fio condutor do encontro, que decorrerá presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice (no cumprimento das normas sanitárias em vigor ) e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense e da Rádio Beckwith, bem como no canal do YouTube da mesma emissora. Palestrantes Stefano Allievi, sociólogo da Universidade de Pádua, Brando Benifeichefe da delegação do PD no Parlamento Europeu, Annalisa Camillijornalista da Internazionale (em conexão), a pastora Daniela DiCarlo. As conclusões do debate serão confiadas ao moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta e ao presidente indigitado do Sínodo 2021, Valdo Spini. A reunião será moderada pelo coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, marta bernardinie o vice-diretor do Centro Ecumênico Ágape, Valéria Lucenti. ...

Ler artigo
Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens

Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens

Roma (NEV), 23 de junho de 2023 – Até 30 de junho, você pode se inscrever para a próxima Sessão de Verão de Formação Ecumênica do Secretariado de Atividades Ecumênicas (SAE). Agora em sua 59ª edição, será realizada no Domus Pacis em Assis, começando com o jantar no domingo, 23 de julho, e continuando até o almoço no sábado, 29 de julho. O título escolhido para esta nomeação é "Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens". O verso que acompanha a Sessão é: “edificados juntos para serem morada de Deus” (Ef 2, 22). Como no passado, a SAE envolve cristãos das denominações adventista, anglicana, batista, católica, metodista, ortodoxa, reformada e valdense, mas não só. Aliás, o programa inclui também momentos de diálogo inter-religioso, com expoentes do judaísmo e do islamismo. Há também oficinas e atividades para crianças e adolescentes. Entre os temas: a questão bíblico-teológica com particular referência às teólogas, especialmente protestantes e católicas; a questão da ministerialidade; questões relacionadas ao gênero, que incluem também a discriminação, o modelo de masculinidade, a ideia de família e famílias. Leia o programa completo. São muitas as presenças protestantes, como a do pároco Luca BarattoSecretário Executivo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que nesta Sessão participa do Grupo de Oração e Animação Liturgica junto com Alessandro Martinelli, Margarida Bertinat e Elda Possamai. A SAE é uma associação leiga e interconfessional que dá continuidade à atividade de diálogo e formação ecumênica promovida pela Maria Vingiani em Veneza a partir de 1947. Em seguida, desenvolvida em Roma - privadamente desde 1959 (no anúncio do Concílio Ecumênico Vaticano II) e publicamente desde 1964 - a atividade continuou ao longo dos anos e, desde 1964, viu a organização de numerosas Sessões de formação ecumênica, cujas Atas são publicadas. Cada sessão, escreve a SAE, «está centrada num tema específico, divide-se em meditações bíblicas, relatórios gerais, grupos de estudo e celebrações litúrgicas». A SAE também foi uma das promotoras do dia para o judaísmo (1989) e do documento para casamentos inter-religiosos entre católicos e valdenses-metodistas (1998). Desde setembro de 2021 é presidida pelo pregador local Erica Sfreddao primeiro presidente evangélico da associação, que tomou posse oficialmente em janeiro de 2022. Para mais informações, ouça a entrevista com Erica Sfredda na Rádio Beckwith (RBE): Inscrições e informações no site www.saenotizie.it. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.