Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Roma (NEV), 7 de julho de 2022 – “Planear e gerir os fluxos migratórios para o trabalho de forma a garantir protecção e dignidade a quem chega a Itália e responder às necessidades do mercado de trabalho, superando o sistema ineficaz e tortuoso introduzido pela lei “Bossi-Fini” há vinte anos”: ser discutido na quinta-feira 14 de julho em Roma, às 15h, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, por ocasião da conferência “Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária”, organizada pela campanha Eu era estrangeiro.

Uma comparação qualificada sobre os limites do sistema atual, considerado “insuficiente para satisfazer a procura de mão-de-obra e sobre as potenciais oportunidades apresentadas por uma gestão racional e de longo prazo dos fluxos”, na qual intervirão, com dados e histórias: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Leone Moressa; Hardeep Kaur, o sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone; Cláudio Cappelliniresponsável pelas políticas comunitárias do CNA; Cris Richmond, CEO da MyGrants; Leonardo Becchettiprofessor titular de Economia Política na Universidade de Roma Tor Vergata; Tatiana Esposito, Director-Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho, e Luciana Lamorgese, Ministra do Interior. Para a campanha vão intervir, entre outros, Emma Bonino E Louis Manconi. A moderar o debate esteve o jornalista de A impressão Francesca Schianchi.

A conferência é organizada pela campanha “Fui estrangeiro”, nascida em 2017 com o objetivo de reformar o sistema que regula a imigração e o trabalho no nosso país através da introdução de novos canais de entrada dedicados e inclusão ativa na sociedade da população estrangeira já presentes no país, abordando a questão da gestão da imigração numa perspetiva que, nos últimos anos, tem sido negligenciada em prol de uma maior atenção aos desembarques e receção. Tornando-se também um projeto de lei de iniciativa popular intitulado “Novas regras para a promoção de autorizações de residência regulares e a inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE”, “Ero Straniero” foi arquivado com mais de 90.000 assinaturas na Câmara dos Deputados em 27 de outubro de 2017 e está estacionado desde março de 2020 na Comissão de Assuntos Constitucionais.


AQUI e abaixo o programa da conferência 14 de julho de 2022:

Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

A comparação sobre regularização e canais de entrada para obra

vinte anos depois de Bossi-Fini

Quinta-feira, 14 de julho de 2022, 15h00

Sala Zuccari, palácio Giustiniani – Via della Dogana Vecchia, 29 – Roma

14h30:

Hall de entrada

15h00:

Saudações de:

  • Emma BoninoSenador, E Louis Manconipresidente da Com razão, para a campanha eu era um estrangeiro

Relatório introdutório por:

  • Julia CapitaniOxfam Itália, e Júlia GoriFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pela campanha eu era um estrangeiro

Discursos de:

  • Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Moressa
  • Hardeep Kaur, sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone
  • Cláudio Cappellinigerente de política comunitária da CNA
  • Cris Richmond, CEO da MyGrants
  • Leonardo Becchettiprofessor de Economia Política, Universidade de Roma Tor Vergata
  • Tatiana Esposito, Diretora Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho e Políticas Sociais
  • Luciana LamorgeseMinistro do Interior

Moderado: Francesca Schianchi, A impressão

As atas serão transmitidas ao vivo pela web-TV do Senado e pelo canal do YouTube.


Informações e métodos de acreditação

O encontro é quinta-feira, 14 de julho, às 15h00 (entrada na sala a partir das 14h30) no Palazzo Giustiniani, via della Dogana Vecchia, 29, Senado. Obrigatório paletó e gravata.

Para se inscrever escreva para [email protected]. Os pedidos de credenciamento para jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos devem conter:

  • dados pessoais (nome, local e data de nascimento); número de telefone; os dados do cartão da Ordem dos Jornalistas, ou os dados do documento de identidade para outros operadores de informação; cabeçalho de referência.

Contatos: [email protected]

A campanha “Fui estrangeiro” é promovida pela Radicais italianos, Fundação da Casa de Caridade “Angelo Abriani”, ActionAid, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, Federação das Igrejas Evangélicas Italianas (Fcei), CILD, ACLI e apoiado por Legambiente, Scalabriniani, AOI , CGIL e dezenas de outras organizações.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Que tipo de pecado.  O mito de Eva

Que tipo de pecado. O mito de Eva

Roma (NEV), 10 de maio de 2021 - A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Milão propõe, em colaboração com o Centro Cultural Protestante, um seminário sobre um tema "ecumenicamente urgente". É um ciclo de quatro encontros “para ir às raízes dos estereótipos de gênero nas três religiões abraâmicas. Judaísmo. Cristandade. Islamismo". Assim lemos na apresentação da iniciativa. As datas são: 12, 17 e 27 de maio; 10 de junho. Esta iniciativa intitula-se: “Que tipo de pecado. O mito de Eva nas religiões abraâmicas. Das feridas às perspectivas de gênero”. Partindo, por exemplo, de “outras” leituras de Bereshit/Gênesis 2 e 3, a intenção é “desconstruir o arquétipo da mulher subordinada ao homem e responsável pela perda da cidadania celeste, com todo o imaginário religioso que daí resultou. Uma interrogação do Corão e da tradição islâmica, sobre os vestígios do mito do Génesis e da marca androcêntrica”. As organizadoras, portanto, escrevem: “Reconhecer as feridas de gênero nos textos fundadores de nossas fés e nas interpretações que permaneceram inequívocas por séculos, talvez não as cure. Mas tornam-se frestas para vislumbrar novas perspectivas, uma diversidade reconciliada que faz jus ao desenho original de um ser humano criado à imagem e semelhança apenas como masculino e feminino juntos. É uma pena esquecer isso." O primeiro convidado do itinerário é Elena Lea Bartolini De Angeli, professor de judaísmo e hermenêutica judaica. Então, Christine Simonelli, presidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI). Ele vai intervir mais tarde Daniela DiCarlo, teólogo e pastor titular da igreja valdense em Milão. No fim, Rosanna Maryam SirignanoPhD em Estudos Islâmicos. As quatro reuniões foram apresentadas pelos presidentes de quatro associações envolvidas na promoção da justiça de gênero. Inicialmente Paula Cavallari, presidente do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra as mulheres (OIVD). Então Lúcia Vantini, vice-presidente do CTI. Seguirá Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Para a última reunião em vez Paula Lazzarinipresidente Mulheres pela Igreja. Os quatro encontros serão realizados no Zoom. Para obter informações e obter o link, envie um pedido de participação para SAE Milano: [email protected] A transmissão ao vivo e as gravações também estarão disponíveis no canal SAE Milano no YouTube. Baixe o cartaz aqui: Que tipo de pecado. Plano Quarta-feira, 12 de maio de 2021, 18h.Elena Lea Bartolini De Angeli, professora de judaísmo e hermenêutica judaica: "Será chamada de mulher."Apresentado por: Paola Cavallari, presidente do OIVD. Segunda-feira, 17 de maio de 2021, 18h.Cristina Simonelli, presidente do CTI: Exilados filhos de Eva.Apresentado por: Lucia Vantini, vice-presidente do CTI. Quinta-feira, 27 de maio de 2021, 18h.Daniela Di Carlo, teóloga e pastora titular da igreja valdense em Milão: Uma mulher livre para escolher.Apresentado por: Gabriela Lio, presidente da FDEI. Quinta-feira, 10 de junho de 2021, 18h.Rosanna Maryam Sirignano, PhD em Estudos Islâmicos: Eva no Sublime Alcorão.Apresentado por: Paola Lazzarini, presidente da Women for the Church. O ciclo de encontros dá continuidade idealmente ao tema do ano passado, que teve como tema principal “Mulheres nas igrejas e comunidades de fé”. ...

Ler artigo
O relatório das Igrejas europeias: “Rezar é uma vacina”

O relatório das Igrejas europeias: “Rezar é uma vacina”

Foto da capa do CEC Report 2020: Mike DuBose/UM News Roma (NEV), 5 de julho de 2021 – A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) publicou seu Relatório Anual de 2020. O relatório, intitulado “Viver com esperança em tempos de pandemia” (Viver na esperança em tempos de pandemia) analisa as atividades do CEC durante o “ano tumultuado da pandemia de covid-19”. Em particular, são descritos na publicação os projetos significativos que expressam a visão do CEC na perspectiva da esperança e do testemunho. O relatório está disponível em inglês, francês e alemão. É possível saber mais sobre as iniciativas realizadas pelas Igrejas europeias na área da paz e reconciliação. De eclesiologia e missão. Do diálogo com as instituições europeias, da política e legislação da União Europeia. Dos direitos humanos. Do cuidado da criação e do desenvolvimento sustentável. E de novo: ciência, novas tecnologias, educação. De democracia e diversidade. Bem como migração e asilo. Na apresentação do relatório, o Presidente do CEC, pároco Christian Krieger e o Secretário-Geral da CEC, Jørgen Skov Sørensen, escrevem que “apesar dos obstáculos, o CEC ainda conseguiu alcançar resultados em quase todas as áreas em 2020. Reuniões, eventos e encontros presenciais foram em grande parte cancelados ou adiados. No entanto, como nossas Igrejas membros têm feito, encontramos formas e ferramentas alternativas para levar o trabalho adiante”. 2020 “foi um ano de muitas orações – continuam os líderes religiosos -. Rezar juntos tornou-se uma vacina poderosa contra a perda da esperança, contra a ausência de resiliência comunitária e contra a falta de sustentabilidade humana”. Baixe o CEC Report 2020: inglês, francês e alemão. Para maiores informações: Naveen QayyumGestor de Comunicações: [email protected] – www.ceceurope.org – FB www.facebook.com/ceceurope – Twitter @ceceurope – You Tube Conferência das Igrejas Europeias ...

Ler artigo
“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

“Eu tenho um sonho”, aquele discurso de 28 de agosto de 1963…

foto de Lee Anne Cline, do unsplash Roma (NEV), 28 de agosto de 2020 - Ao final de uma marcha de protesto pelos direitos civis em Washington, na quarta-feira, 28 de agosto de 1963, o líder do movimento, o pastor batista Martin Luther Kingfez aquele que será seu discurso mais famoso, "Eu tenho um sonho", para mais de 250.000 pessoas. Hoje, mais de 50 anos depois dessas palavras, o racismo e a violência policial contra os afro-americanos estão inflamando os Estados Unidos. É o ano de “vidas negras importam”, “vidas negras importam”. E hoje em dia, algo nunca visto antes, até mesmo o esporte, e o basquete em particular, para em solidariedade aos protestos, àqueles que pedem justiça pelos abusos e por mudanças reais na sociedade americana. Perguntamos ao professor Paulo Nasoprofessor de ciência política e grande conhecedor dos EUA, um comentário sobre essas famosas palavras. “Eu tenho um sonho – explica Paolo Naso – continua sendo um dos discursos mais emblemáticos da história americana e talvez da retórica política de todos os tempos. Sua força está na capacidade de evocar um sonho sem esquecer o pesadelo em que viveram milhões de afro-americanos devido ao racismo persistente e à luta ainda inacabada pelos direitos civis. Décadas depois, esse discurso continua preocupantemente atual. Numa América ainda abalada por confrontos de dimensão racial e por violências que testemunham que o mal negro do racismo continua a afligir a democracia norte-americana. Assim como nos anos de Martin Luther King, na América de hoje a vida dos negros importa muito menos do que a dos brancos e alguns aparatos institucionais imaginam que podem agir em desacato às leis e aos direitos humanos. Tudo isto tem uma dimensão política, mas também ética. E assim permanece viva a advertência do pastor batista King, para construir uma América liberta de seu "pecado original", que ao contrário se represente como uma comunidade integrada e reconciliada de brancos, negros e todas as minorias. Muitas vezes, na comemoração do discurso de 28 de agosto de 1963, abordamos o tema do "sonho" sem entender que o sonho não se realizou, que ainda está diante de nós, que ainda requer o compromisso dos homens e mulheres, brancas e negras". O vídeo completo do discurso de MLK: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=EF7E--_BdSg[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.