Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 – A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas.

O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”.

Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público.

A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política ‘autônoma’, ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos ‘clerical’ do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de ‘laicidade’”.

Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a “santa ceia” (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante “não” ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão “estar juntos à mesa do Senhor”? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta “ir e ver”.


Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da “MicroMega”. Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV/Reforma), 3 de janeiro de 2023 - No dia 1º de janeiro, o pároco Jerry Pillay assumiu o cargo de secretário-geral do CMI, Conselho Mundial de Igrejas, órgão mundial que reúne mais de 350 igrejas protestantes, evangélicas, anglicanas e ortodoxas em todos os continentes. acontece com o pai Ioan Saucaque havia assumido um longo interino desde abril de 2020 após a renúncia do bispo luterano Olav Fykse Tveit, chamado para liderar a Igreja da Noruega. Pillay, eleito em 17 de junho de 2022 pelo comitê central do CMI, torna-se assim o nono secretário-geral na história do corpo ecumênico desde que a irmandade de igrejas foi fundada em 1948. Pillay, um sul-africano, foi anteriormente reitor da Faculdade de Teologia e Religião da Universidade de Pretória e é membro da Uniting Presbyterian Church in Southern Africa. O pastor Pillay serviu como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR/WCRC) de 2010 a 2017. Ele é o segundo africano a ocupar o cargo de secretário do CMI, depois do pastor metodista Samuel Kobia (Quênia), que foi de 2004 a 2009. Seu primeiro compromisso formal com o CEC foi na 9ª Assembleia do órgão em 2006, onde atuou como delegado de sua denominação. Pillay, como secretário geral, traz seu desejo de que as igrejas se unam: “Se formos fiéis ao espírito, então devemos trabalhar juntos - disse -. Isso porque o amor de Deus nos impulsiona a reconciliar o mundo”. Com a unidade da igreja como uma de suas principais prioridades, ela também acredita que as igrejas devem oferecer orientação e direção a um mundo em sofrimento. “Vamos lidar com questões de justiça, com opressão, com violência sistêmica e assim por diante. Não nos reunimos apenas para orar e louvar ao Senhor – aspectos que são muito importantes para nós – mas também nos reunimos para transformar o mundo”, concluiu. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo
Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a "peregrinação ecumênica" por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas. A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund No centro de sua visita ao CMI intitulada "Caminhando, rezando e trabalhando juntos" estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à "unidade visível dos cristãos", com a "oração ecumênica" que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias. O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco. Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC. O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto. O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI. Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias. Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
Dia Mundial dos Oceanos.  “Águas do mar, fonte de vida”

Dia Mundial dos Oceanos. “Águas do mar, fonte de vida”

Um enquadramento do vídeo de apresentação da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano (27 de junho/1 de julho de 2022, Lisboa - Portugal) Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – O Dia Mundial dos Oceanos ocorreu ontem. O slogan deste ano foi: “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. No mesmo dia, há dois anos, em meio à pandemia, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) apresentou seu Dossiê para o Tempo da Criação. Dedicado precisamente aos oceanos, cuja biodiversidade é tão preciosa como a da terra, o Dossiê é muito atual e tem como título “Águas marinhas, fonte de vida”. É inspirado no versículo "O oceano a cobriu com seu manto" (Salmo 104,6a). Nesta ocasião, a GLAM relança as questões da proteção dos oceanos através da partilha de algumas informações, que a seguir reportamos na íntegra. Um ano enquadrado pela Década da Ciência Oceânica das Nações Unidas e celebração da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano, dois anos depois de ter sido cancelada devido à pandemia. O Dia Mundial dos Oceanos lembra a todos o importante papel que os oceanos desempenham na vida cotidiana. O oceano cobre mais de 70% do planeta, representa 95% da biosfera, produz pelo menos 50% do oxigênio do planeta, abriga a maior parte da biodiversidade terrestre. Em relação à humanidade, o oceano é a principal fonte de proteína para mais de um bilhão de pessoas e para cerca de 3 bilhões, é a principal fonte de subsistência. Além de empregar cerca de 40 milhões de pessoas. Nas mãos humanas, o oceano está sofrendo com a poluição (a cada ano, estima-se que 5 a 12 milhões de toneladas de plástico fluam para ele), pesca, mineração, guerras com 90% das grandes populações de peixes esgotadas e 50% dos corais recifes destruídos - estamos tirando mais do oceano do que pode ser reposto. Estes são os propósitos do Dia Mundial dos Oceanos: informar o público sobre o impacto das ações humanas no oceano; desenvolver um movimento mundial de cidadãos pelo oceano; mobilizar e unir a população mundial em um projeto de gestão sustentável dos oceanos do mundo. Este ano, as Nações Unidas estão sediando a primeira celebração híbrida do evento. A Ocean Conference decorrerá de 27 de junho a 1 de julho em Lisboa, Portugal. O tema principal será: 'Aumentar a ação oceânica baseada na ciência e a inovação para a implementação do Objetivo 14: inventário, parcerias e soluções'. Em abril, o 4º Fórum dos Oceanos abordou os desafios e oportunidades para a economia dos oceanos abordando: Setores emergentes da economia oceânica sustentável, como a produção de algas marinhas. Mecanismos de apoio à transparência e subsídios à pesca. Reforma dos mercados da economia oceânica e medidas não tarifárias. Sustentabilidade social das cadeias produtivas da pesca e da aquicultura. Cadeias de abastecimento marítimas sustentáveis ​​e resilientes. Aspectos comerciais relacionados com o lixo marinho e a poluição plástica. Abaixo, o vídeo de apresentação do Dossiê GLAM2020 sobre os Oceanos [embed]https://www.youtube.com/watch?v=jiQ42-riZlI[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.