Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 – A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas.

O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”.

Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público.

A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política ‘autônoma’, ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos ‘clerical’ do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de ‘laicidade’”.

Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a “santa ceia” (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante “não” ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão “estar juntos à mesa do Senhor”? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta “ir e ver”.


Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da “MicroMega”. Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Foto James Barr / Unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - A conferência de dois dias intitulada "Pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", promovida pela Faculdade Pentecostal de Estudos Religiosos, começa na quinta-feira, 5 de dezembro, em Battipaglia (Salerno). A Agência NEV entrevistou o pastor carmim napolitanoDecano da Faculdade e Presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Como nasceu esta conferência e quais são os seus objetivos? A conferência insere-se no interesse da Faculdade Pentecostal, que desde a sua criação tem promovido o estudo do mundo pentecostal tanto numa perspectiva confessional como numa perspectiva de investigação académica. Em 2008, por exemplo, por ocasião do primeiro centenário da presença pentecostal na Itália; e depois em 2015, ano em que nos concentramos no movimento pentecostal da Campânia, onde a presença é mais significativa. Ainda em 2015, 80 anos depois da circular Buffarini-Guidi contra os pentecostais, refletimos sobre aquele gravíssimo ato de intolerância religiosa que atingiu este movimento eclesial durante o fascismo. Esta conferência foi criada para fazer um balanço da situação dos estudos sobre o movimento pentecostal. Paralelamente ao nosso interesse, outras universidades e instituições acadêmicas, religiosas ou não, também têm feito análises e pesquisas sobre os pentecostais, ora se cruzando conosco, ora de forma independente. A conferência de estudo que propusemos visa, portanto, reunir todos aqueles que estão envolvidos neste tema na Itália. Iremos nos comparar segundo perspectivas internas e externas, também em nível internacional, para uma leitura atenta e proativa do pentecostalismo, que é considerado um fenômeno religioso significativo em todo o mundo Qual é o número de pentecostais na Itália? Além da Federação das igrejas pentecostais, existem as Assembléias de Deus e um componente substancial de igrejas independentes que elevam o número de pentecostais italianos, segundo as estatísticas, para cerca de 300.000 pessoas. A estas deve-se acrescentar a linha de igrejas pentecostais nascidas após os fenômenos migratórios, que se estima reunir mais de 100.000 pessoas na Itália. O total representa um número significativo, mesmo em comparação com outros países europeus. Existe homogeneidade no pentecostalismo italiano? Há uma certa homogeneidade nas redes que conectam as diferentes áreas do movimento. As várias denominações reúnem temas que apresentam particularidades diversificadas sobretudo no que diz respeito às modalidades litúrgicas ou características doutrinárias menos relevantes. Do ponto de vista da estrutura jurídica e da organização interna as igrejas do FCP são bastante próximas. As igrejas de origem migrante são caracterizadas por elementos culturais específicos que afetam a prática pastoral e a interpretação teológica. É também por isso que não estamos falando de uma igreja pentecostal, mas de um movimento, para identificar uma denominação caracterizada por um determinado tipo de espiritualidade, independentemente de origem ou distribuição geográfica. Quais são as relações com as outras igrejas protestantes e evangélicas italianas? O FCP mantém estreitas relações de amizade e colaboração, desde a sua criação, com a Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), da qual é membro observador. Atualmente ocupa a vice-presidência da Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS), na qual está envolvida há vários anos. Também mantivemos diálogos teológicos com as igrejas valdenses, metodistas, batistas e adventistas. Entre os palestrantes da conferência "Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", estão acadêmicos e especialistas, incluindo Paulo Naso da Universidade de Roma La Sapienza, o teólogo valdense Paulo ricoo pastor David Romanodiretor do Instituto Adventista de Cultura Bíblica (IACB) “Villa Aurora” e Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), para o Centro Studi Confronti – Fondazione Kessler. Os trabalhos serão abertos na câmara municipal do município de Battipaglia no dia 5 de dezembro às 15h (Piazza Aldo Moro) e continuarão no dia 6 no centro de congressos do hotel San Luca (SS 18 Tirrena Inferiore, n.18). A conferência contou com o patrocínio da Região da Campânia e do Município de Battipaglia, bem como do FCP. Para mais informações: www.fcpitalia.org Descarregue aqui o folheto ...

Ler artigo
Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar?  Essa é a questão…

Trabalhar ilegalmente ou não trabalhar? Essa é a questão…

Foto por rawpixel - Unsplash Roma (NEV), 24 de março de 2023 – A apresentação do segundo papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Promovido pela Assindatcolf e editado, nesta parte, pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, o relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. “Ficou claro que na Itália, em termos de políticas de entrada, existe um paradoxo antigo – diz Gori -. Por um lado, o mercado de trabalho italiano precisa de mão de obra. Por outro lado, os decretos de fluxo não prevêem cotas para o setor doméstico e, no fundo, a rigidez e a miopia dos mecanismos de entrada na Itália para quem procura trabalho geram essencialmente uma imigração irregular”. Trabalho doméstico, trabalho não declarado Alguns dados relativos ao setor doméstico. “Estima-se que 50% dos trabalhadores do setor doméstico sejam ilegais; de todos os trabalhadores ilegais, 1 em cada 4 trabalha no setor doméstico. E 70% dos residentes regulares são estrangeiros, principalmente de fora da UE”, explica Giulia Gori. A escassez de trabalhadores masculinos e femininos também afeta o setor agrícola, onde são necessárias 100.000 pessoas. O setor turístico-hoteleiro (segundo Federalberghi, há 50.000 desaparecidos). As pequenas e médias empresas, segundo o Confartigianato, em 2022 tiveram dificuldade em encontrar 1,4 milhões de trabalhadores (43% dos recrutamentos esperados). Há também 20.000 transportadores rodoviários desaparecidos. A máquina administrativa está "perpetuamente com falta de pessoal e continuamente bloqueada por um nível muito alto de burocracia", escreve Gori novamente. Passados ​​quase 3 anos, portanto, “cerca de 40.000 trabalhadores ainda aguardam a obtenção de autorização de residência, assim como muitos empregadores e famílias aguardam finalizar a contratação e estabilizar a relação laboral com estas pessoas. Obviamente insustentável." O decreto "Cutro" e os pedidos de um estrangeiro Gori analisa em seguida o "Decreto Cutro" em detalhe, sublinhando os seus aspectos positivos e críticos, nomeadamente o facto de que "o último decreto de fluxo introduz pela primeira vez a 'Verificação prévia da indisponibilidade dos trabalhadores italianos' para realizar um trabalho específico antes de contratar um trabalhador estrangeiro". Ao encerrar sua fala, Giulia Gori retoma as reivindicações da Campanha Eu Fui Estrangeira, ou seja, “a superação do mecanismo de cotas. A introdução de uma autorização de procura de emprego de doze meses, que facilita as reuniões entre trabalhadores estrangeiros e empregadores italianos. Introduzir um canal adicional de entrada de patrocinadores, que permite apoiar a entrada de um estrangeiro de forma a permitir a sua entrada no mercado de trabalho mediante um conjunto de garantias iniciais. Criação de um mecanismo permanente de regularização a título individual contra contrato de trabalho. No caso dos cuidadores, a única forma de poderem regularizar a sua situação e sair do trabalho não declarado”. O projeto de lei de iniciativa popular proposto por Ero Straniero está de volta à pauta, com o texto mais uma vez articulado na agenda de trabalho da Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara. Os direitos de todos, para não perder todos “É um novo e importante passo – comenta Gori -, mesmo que a caminhada certamente ainda seja longa, mas acreditamos firmemente que é preciso olhar para a política migratória italiana de forma honesta, pragmática, sobretudo colocando os direitos em o Centro. Os direitos de todos, porque no sistema atual todos estamos perdendo: trabalhadores, empregadores, famílias, empresas, a economia e nossa humanidade. Não é por acaso que o subtítulo da Campanha Ero Straniero é 'HUMANIDADE QUE FAZ O BEM'. O objetivo é transformar a imigração em uma oportunidade para todas as pessoas”. O Relatório 2023 promovido pela Assindatcolf será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais foi confiado a um dos parceiros do projeto: Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fondazione Employment Consultant Studies e Idos Study and Research Centre. Leia o discurso completo: Family Net Work por Giulia Gori.docx. Leia o comunicado de imprensa final de Assindatcolf: ...

Ler artigo
A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

Marc Chagall, Crucificação Branca (1938), Chicago, Art Institute Roma (NEV), 25 de março de 2021 – O historiador escreve Emidio Campi: “A Crucificação Branca de Marc Chagall tem características que não se encontram em nenhuma outra das copiosas representações da Paixão. O Cristo moribundo, iluminado por um raio de luz branca, usa um xale de oração judaico e tem a cabeça coberta com um pano branco em vez da habitual coroa de espinhos. Na base da cruz está o candelabro de sete braços, um dos símbolos clássicos do judaísmo. Ao redor do Crucifixo, em vez das figuras habituais dos dois ladrões, soldados e mulheres piedosas, cenas de violência e desespero são retratadas no sentido anti-horário. Entre eles, destacam-se uma aldeia saqueada por soldados do Exército Vermelho, um barco cheio de refugiados, homens em fuga que carregam o rolo da Torá com eles, uma mãe apavorada segurando seu filho contra o peito, enquanto o incêndio na sinagoga lembra a destruição de lugares de adoração perpetrada pelos nazistas. O incomparável poder evocativo da arte de Chagall reside em ser um tributo à tradição judaico-cristã e uma obra atual. A Paixão de Cristo está imersa no presente, deslocada nas tragédias que fizeram da Europa dos anos 1938-1939 uma imensurável encosta do Gólgota. Claro, a crucificação de Jesus é única e irrepetível, um desígnio da graça de Deus, como a ressurreição. Mas por que a comemoração da morte e ressurreição de Cristo às vezes é atemporal e sem lugar para nós? Como podemos ignorar que muitas das tragédias retratadas na Crucificação Branca continuam a se repetir hoje? Esta pouquíssima representação sagrada da Paixão desafia-nos a percorrer os caminhos do Gólgota, em busca de uma renovada compreensão da redenção, que é também redenção da violência e da injustiça, assim como sinal visível da nova humanidade e da nova criação decorrentes do evento da Páscoa". Esta reflexão apareceu na edição de abril da Igreja Evangélica de língua italiana Zurich – Waldenser. artigo anteriorMigrantes e refugiados, (ainda mais) vítimas da pandemiaPróximo artigoHomens que quebram o silêncio sobre os feminicídios. E você? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.