Lavagem de carro ecologicamente correta

Lavagem de carro ecologicamente correta

Roma (NEV), 29 de julho de 2022 – Lavar carros de maneira mais “eco”. Este é o tema do novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).


Vídeo 1 de 6 de julho sobre economia de água em casa.

Vídeo 2 de 13 de julho sobre como economizar água na cozinha.

Vídeo 3 de 21 de julho sobre como regar sem desperdício.

artigo anteriorVozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude
Próximo artigoA Diaconia Valdense procura coordenador do projeto SAI Vulnerável em Vitória (RG)

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Espera – Neve

A Espera – Neve

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O podcast – calendário chama-se “L'Attesa”do Advento, idealizado e criado por Pedro Ciacciopastor metodista e membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, juntamente com o Confronti Review and Study Center, com direção e pós-produção de Márcia Coronati. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XtB5G5IAUNA[/embed] Aqui você pode ouvir os 24 episódios da história do rádio. Hoje, 5 de dezembro, o episódio dedicado à figura de Giuseppe. artigo anteriorPluralismo religioso na ItáliaPróximo artigoRevistas de cultura para "Mais livros mais grátis" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Valorizando Revistas Culturais – Nev

Valorizando Revistas Culturais – Nev

"La Nuvola", Rome Convention Center EUR, projeto do Studio Fuksas Roma (NEV), 10 de dezembro de 2022 – “As revistas de cultura são uma garantia de liberdade, democracia e pluralismo. Não só isso, mas também uma valiosa ferramenta de formação para as classes dominantes e devemos trabalhar para que as revistas de cultura sejam mais conhecidas”. Ele afirmou isso Valdo Spinipresidente da Coordenação das Revistas Culturais Italianas (Cric), durante o debate sobre o papel das revistas culturais, junto com Paola Passarelli, diretora geral das Bibliotecas do Ministério da Cultura, Rosa Maiello, presidente da Associação Italiana de Bibliotecários e Ilaria Milana, presidente da Associação dos Livreiros de Roma, sediada na Nuvola di Fuksas, em Roma, onde decorre a Feira "Mais Livros, Mais Grátis". Ele trouxe suas saudações para a manifestação do Cric Ricardo Franco Levi, presidente da Associação Italiana de Editores. Coordenou o debate Cláudio Paravatisecretário geral Cric.“A ação do Governo, das Regiões, das autarquias para garantir que as revistas tenham espaços de exposição e debate pode ser muito importante, a começar naturalmente pela relação que estabelecemos com o Centro do Livro e da Leitura”, continuou Spini . "A anterior legislatura encerrou sem poder aprovar a lei do Livro", acrescentou, manifestando-se satisfeito pelo facto de o Ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano, comprometeu-se a reapresentá-lo. Com efeito, o projeto de lei da anterior legislatura fala da produção, distribuição e comercialização de livros, mas nunca consta do texto a expressão “revistas de cultura”. Valdo Spini ilustrou então o pedido ao governo de apoio às revistas de cultura, solicitando a inclusão de um artigo no projeto de lei que prevê a seguinte fórmula: "As medidas de apoio previstas neste projeto de lei estendem-se também à produção, distribuição e comercialização de revistas culturais. Por revistas culturais entende-se aquelas que nos últimos vinte anos, a partir de 2002, foram admitidas aos prêmios e menções especiais para as publicações periódicas de alto valor cultural da Direção Geral de Bibliotecas do Ministério da Cultura, ou são publicadas por Fundações ou institui os destinatários das contribuições do Ministério da Cultura nos termos da lei n. 534 de 1996". Por fim, Spini lembrou que “a presença no Più Libri, Più Liberi com um estande coletivo de revistas é possível graças sobretudo a uma contribuição de oito por mil da Igreja Valdense, que deve ser reconhecida por este precioso apoio”. ...

Ler artigo
França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

Foto de Alexandre Lallemand, unsplash.com Roma (NEV), 22 de março de 2021 – A lei contra o fundamentalismo islâmico desejada pelo presidente Emmanuel Macron, na França chamado contra o "separatismo" religioso, preocupa e questiona todas as confissões religiosas. Nós conversamos sobre isso com François Clavairoly, presidente da Federação Protestante da França (FPF), a partir do polêmico projeto de lei que o Senado francês vai apreciar a partir do próximo dia 30 de março. O presidente dos protestantes, como havíamos explicado neste artigo, juntamente com Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa, e ao Metropolita (Ortodoxo) Emmanuel Adamakisassinaram recentemente uma carta em que criticam alguns aspectos da nova legislação "pelo respeito dos princípios da República". Para os representantes cristãos, o texto corre o risco de penalizar todas as igrejas, associações e comunidades religiosas. Em primeiro lugar, você pode explicar a lógica desse projeto de lei? Sobre o que é isso? “Por vários anos, a inteligência tem relatado associações de obediência muçulmana onde os ensinamentos dados estão em contradição com os princípios republicanos. Por exemplo, há espaços onde o ensino de árabe para jovens de fé muçulmana questiona a democracia, a república e os princípios da educação nacional. Ou outros grupos onde a igualdade de gênero é explicitamente rejeitada. Por fim, há a desescolarização: ensinos que nem são regulamentados por lei que são ministrados clandestinamente, em casa, sem regulamentação. As crianças, menores, que sejam retiradas das escolas, incluindo as primárias, e recebam uma educação substitutiva da república.Aqui estão três exemplos concretos e documentados de ameaças diretas ao respeito pela república. São jovens, uma geração que será criada num clima de ódio à república, de ódio à democracia e à Europa – é um problema que não diz respeito apenas à França, claro. Portanto, é absolutamente necessário lutar contra esse "separatismo". Mesmo como protestantes, somos muito apegados à liberdade, à República e à lei e, portanto, muito vigilantes contra essas práticas fundamentalistas. Não questionemos, portanto, o princípio geral da lei, porque os perigos são reais. Mas nos perguntamos sobre o estado de espírito em que esta lei está sendo discutida e sobre um certo número de disposições diretamente relacionadas à vida dos cultos na França”. François Clavairoly (da página fb da Federação Protestante Francesa) À recente carta conjunta sobre Le Figaro O ministro do Interior, Gérald Darmanin, respondeu, dizendo que a lei "não ameaça a liberdade de religião de forma alguma". O que você acha? Você tem alcançado resultados com essa postura? “Se ele tivesse dito mais alguma coisa seria muito grave, como dizer... No entanto, o ministro não respondeu às perguntas que lhe fizemos. Vemos uma série de novos constrangimentos para a vida da associação cultual, dita "1905" (do ano em que foi instituída a separação entre Igreja e Estado, com o texto fundador da laicidade, ed.): a entrada em a autonomia interna dos cultos pela administração, um controle geral dos recursos vindos do exterior e sanções estendidas aos dirigentes das associações. Esses pontos nos questionam porque as associações religiosas são formadas principalmente por protestantes e judeus, portanto cidadãos, franceses ou estrangeiros não importa, que não são "separatistas" de forma alguma. Perguntei, portanto, ao presidente do Senado e ao presidente da Assembleia Nacional a razão deste testamento, considerando que as associações muçulmanas não fazem parte da 1905, classificam-se de acordo com a 1901, a "clássica" lei associativa. Disseram-me: "porque estamos à frente do tempo, os muçulmanos logo retornarão a 1905". Este projeto de lei tem, portanto, dois objetivos, o primeiro é lutar contra o fundamentalismo e estamos de pleno acordo. Mas o segundo objetivo é fazer com que os muçulmanos saiam da clássica lei de associação e caminhem para 1905. Portanto, queremos tornar o estatuto de 1905 atraente, interessante. em si. Não é por acaso, por exemplo, que a grande mesquita de Paris, a mais importante de todo o país, segundo declarou o seu reitor, já disse que não cairá sob o 1905”. Qual é o problema da transparência dos recursos vindos do exterior? “Não somos absolutamente contra a transparência dos fundos, pelo contrário. Já declaramos todos os valores que recebemos do exterior, a informação que rastreia o dinheiro é visível e ao alcance de todos, qualquer um pode verificar. Os próprios bancos podem alertar (com o sistema "tracfin") se houver movimentações anormais de dinheiro, enfim, o sistema de controle já existe. Portanto, essas verificações adicionais são inúteis. Sabemos da existência de fluxos do Catar, Kuwait, Turquia, para alguns grupos de 1901, e nos perguntamos qual é a sua natureza e destino, mas não é justo que para rastrear esses fundos sejamos obrigados a pagar um auditor ad hoc por seis anos. Uma despesa considerável, além disso, para nós, dinheiro que não poderemos usar para a vida da igreja senão para remunerar o auditor por esta contabilidade extraordinária. São muitas as pequenas coisas que se acumulam e que podem impedir o exercício sereno e proveitoso do culto”. O projeto, já aprovado na Câmara, será analisado pelo Senado a partir de 30 de março. Quais são suas expectativas? “Houve algumas mudanças desde a carta. Conseguimos duas coisas e meia das quatro questões que levantamos. Primeiro, a capacidade de administrar investimentos imobiliários, ou seja, propriedades pertencentes a uma igreja. Até agora, pela lei de 1905, as igrejas não tinham o direito de alugar seus espaços, por exemplo. Essa possibilidade foi introduzida no projeto de lei atual, estamos pedindo desde 2014, acho que vamos conseguir e, portanto, estamos satisfeitos nesse aspecto preciso. O segundo resultado é – ou pelo menos esperamos – a renovação tácita da declaração da associação cultural, enquanto antes ela tinha que ser renovada a cada 5 anos pela prefeitura. A adaptação às novas disposições do projeto de lei deve ser feita em um ano: mas é impossível para nós, precisamos de pelo menos dois anos para entrar em ordem, a partir da entrada em vigor. Espero que eles possam nos dar mais tempo.Abro um parêntese importante. Essas dificuldades estão muito relacionadas ao fato de que os deputados e senadores não conhecem a vida das igrejas, têm um modelo católico em mente, mas não conhecem nem um pouco o sistema protestante. É por desconhecimento ou desinteresse pela nossa forma de funcionar que propõem apenas um ano para fazer mudanças tão importantes.Por fim, há outro elemento de debate, que é o aumento da redução do imposto de 66% para 75%. Não fizemos essa afirmação diretamente - foi um pedido dos judeus -, mas há poucos dias eu disse ao representante do primeiro-ministro que poderia ser uma boa fórmula especialmente para os muçulmanos incentivá-los a praticar doações, à tradição, a essa hábito que já temos, de fazer oferendas”. Então, o que esse debate francês sobre o separatismo religioso ensina? Na sua opinião, qual pode ser a "lição" para a Itália e para os outros países? “Primeira lição: o que os sociólogos nos ensinam ocorre entre parlamentares, o fato religioso torna-se periférico, fenômeno cada vez menos conhecido ou reconhecido por quem legisla. A religião é percebida cada vez mais negativamente, o extremismo está crescendo e isso só reforça a desconfiança dos parlamentares em relação aos cultos.O mesmo pode acontecer na Itália: um país católico, mas, como nós na França, atravessado por esses fenômenos de secularização e distanciamento cultural entre os valores cristãos e os de uma sociedade pós-moderna que praticamente não precisa mais de religiões para construir o futuro e o lei. A segunda observação diz respeito às igrejas e religiões, como chegamos aqui? É preciso fazer uma autocrítica: é preciso reafirmar que as religiões são recursos de inteligência, compreensão e interpretação do mundo, de ação solidária, que lidam com os excluídos, os últimos, os migrantes. Cabe a nós reafirmar que as religiões e a fé cristã em particular contêm elementos positivos, são uma riqueza. Finalmente, terceiro e último “ensinamento”: devemos, com o Islã e não contra o Islã, reinventar uma sociedade na qual falemos uns com os outros, na qual a fé e a lei, “fides et ratio”, possam dialogar.Não podemos imaginar uma sociedade onde os cultos são primeiro humilhados e depois apagados. Isso pode criar ressentimento – vemos isso com o Islã, mas também com o catolicismo. Como a fé e a razão devem dialogar sem se humilhar? Judaísmo, Cristianismo e Islamismo juntos podemos contribuir para o futuro de uma sociedade ocidental sem perder nossa alma. Mas o que significa "culto"? Devemos nos lembrar disso: é a cultura de um espaço no qual o outro, o diferente, encontra seu lugar. Para os protestantes, o culto permite que todos se reúnam ao redor da mesa sagrada, todos equidistantes de Cristo.Uma sociedade que erradica o culto suprime esse gesto simbólico de aceitação incondicional do outro que é diferente de nós. Nesse ponto, restaria apenas o político, que se torna o valor que satura o espaço social. Muitos, Nazismo, Comunismo e outros, tentaram fazê-lo, para erradicar o culto, esquecendo-se que a fraternidade tem uma dimensão da qual não podemos fugir. Eis o papel das religiões: recordar a fraternidade como elemento essencial”. Por falar em hospitalidade e solidariedade, a Federação Protestante Francesa compartilha com a FCEI o compromisso dos corredores humanitários. Em que estágio está o projeto? “Somos muito gratos às igrejas valdenses, seguimos o seu modelo em todos os aspectos, construído pela Fcei com a Mesa Valdense e Santo Egídio. Na França terminamos a primeira fase, o primeiro protocolo e agora esperamos iniciar o segundo projeto, que será ainda mais ecumênico, e envolverá a Federação dos Protestantes, a Federação de Ajuda Protestante (Fédération de l'Entraide Protestante, A FEP, reúne 360 ​​associações e fundações envolvidas nos setores da saúde, social e assistencial, nota do editor), o Ministério do Interior e os católicos como apoio à hospitalidade”. Ultima questão. Como avalia o papel da Europa na crise do Covid19? “Todos os países sofreram este período como algo terrível, extraordinário, novo, todos fomos duramente atingidos pela pandemia, mesmo os estados que dizem ter gerido bem ou melhor esta emergência. A pandemia testou a todos nós. A Europa, apesar das críticas, conseguiu muito rápido, de forma extraordinária, adquirir a vacina. Não estou a entrar numa reflexão que opõe uns aos outros, houve e há uma vontade europeia comum de tornar as vacinas acessíveis a todos, espero que as escolhas feitas - em França por exemplo começámos a vacinar grupos mais vulneráveis ​​- sejam sempre ser ético e coerente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.