Livros.  Uma boa notícia.  O Evangelho de Marcos … sob medida para você

Livros. Uma boa notícia. O Evangelho de Marcos … sob medida para você

Roma (NEV), 23 de setembro de 2020 – Tem como título “Boas notícias. O Evangelho de Marcos … sob medida para você” a nova publicação, recém-saída da imprensa, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI).

O livro é dedicado principalmente a meninos e meninas, meninos e meninas para uma leitura mais fácil do texto do Evangelho de Marcos. De fato, não se trata de uma harmonização da vida de Jesus tomando aqui e ali dos quatro evangelhos, nem de uma paráfrase da história bíblica. O volume, ao contrário, propõe o texto do Evangelho de Marcos, baseado na tradução muito recente da Bíblia italiana da Reforma e elaborado com características de alta legibilidade – tanto do ponto de vista linguístico quanto gráfico -; uma leitura agradável para todos, acessível tanto para aqueles com dificuldades específicas de aprendizagem (DSA) quanto para aqueles com outras dificuldades de linguagem e leitura.

“O esforço para tornar o texto o mais acessível possível do ponto de vista linguístico, tentando permanecer fiel às intenções do texto evangélico, produziu uma nova ferramenta. A esperança é que ela permita que mais pessoas descubram a boa nova proclamado no Evangelho de Marcos”, explicou Patrícia Barbanotti, professora, membro da Comissão do Serviço Educativo (SIE) da FCEI, editora dos textos do volume. A supervisão do texto bíblico foi confiada ao professor Eric Noffkeprofessor de Novo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma.

Como lembra o pastor Luca Maria Negro, presidente da FCEI, na apresentação do volume, “As igrejas nascidas da Reforma Protestante sempre promoveram a difusão da Bíblia, traduzindo seus textos para a língua falada pelo povo, para favorecer a alfabetização e escolarização da populações. Não é, portanto, por acaso que a FCEI decidiu comprometer-se com este projeto aceitando o desafio de chegar a um texto que facilite a leitura independente do texto bíblico”. E o volume fá-lo através de um texto bíblico simplificado mas fiel ao original, desenhos, mapas, breves notas explicativas sobre personagens e temas da narrativa, tiras do tempo.

A publicação é também fruto de vários profissionalismos e competências: foi editada pela referida SIE; financiado com recursos dos metodistas e valdenses Otto por mil; elaborado pela editora Giunti Edu; e por fim distribuído pela editora protestante Claudiana, em cujo site é possível adquirir o volume.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Corredores humanitários, recém-chegados da Líbia

Corredores humanitários, recém-chegados da Líbia

Roma (NEV), 30 de junho de 2022 – 95 pessoas chegaram ao aeroporto de Roma Fiumicino da Líbia à noite, graças a um corredor humanitário, em implementação de um protocolo assinado em abril de 2021 pelos Ministérios do Interior e Relações Exteriores e Cooperação Internacional, ACNUR, Comunidade de Sant'Egidio, Federação das Igrejas Evangélicas na Itália e Tavola Valdese. Aqui o comunicado de imprensa conjunto.Amanhã, sexta-feira, 1º de julho, às 11h30, haverá um momento de acolhida aos refugiados da Líbia e uma coletiva de imprensa "Salvar, acolher, integrar", na sala de conferências da Comunidade de Sant'Egidio, via della Paglia 13b (em Trastevere).Os palestrantes irão:marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio,Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália,Charlotte Samiporta-voz do ACNUR na Itália. ...

Ler artigo
Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – AObservatório inter-religioso sobre a violência contra a mulher manifesta sua indignação com a resolução adotada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre violência sexual em conflitos armados (nº 2.467 de 23 de abril de 2019). "O que aconteceu na ONU é uma violação gravíssima dos direitos de todas as mulheres do mundo - as mulheres do Observatório (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judias, islâmicas , hindu, budista) –. Não ter escrito expressamente que após um estupro de guerra a mulher tem direito à proteção da saúde e a possibilidade legal de aborto é intolerável”. O comunicado recorda ainda a necessidade de fiscalizar as leis sobre a matéria: “tanto no julgamento de Nuremberga como no de Tóquio, embora a violação já tivesse sido estabelecida como crime, não foi processada; de facto, nem sempre é suficiente que existam leis, mas é também necessário que exista um contexto cultural capaz de as transpor e aplicar”. A condenação da violência, explicam as mulheres do Observatório, está muito articulada no texto da resolução: "de fato, ela recomenda a todas as comunidades, inclusive religiosas, que desempenhem um papel mais ativo na defesa contra a violência sexual nos conflitos, evitar a marginalização e a estigmatização dos sobreviventes e suas famílias, e comprometer-se a auxiliá-los em sua reintegração social e econômica". Por exemplo, o documento reconhece a importância de apoiar e promover "organizações de mulheres, guias religiosas e lideranças comunitárias, para uma mudança do estigma da violência sexual da figura da vítima para a do agressor", mas revela-se completamente insuficiente no que diz respeito à proteção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres violentadas, sobre o que, continua o Observatório, "a Resolução nos decepciona e nos ofende com suas reticências". Mais uma vez, os corpos das mulheres se tornam objeto de discórdia. O Observatório explica ainda: "Para evitar o incumprimento total do acordo, a linha pretendida pelo Donald Trumpde acordo com qual as mulheres estupradas na guerra não têm direito ao aborto; a referência à saúde reprodutiva teria sido um sinal verde para o aborto. Aliás, notamos que foi retirado do texto o estabelecimento de um mecanismo formal para monitorar e denunciar atrocidades cometidas na guerra, contra Estados Unidos, Rússia e China, três das nações mais poderosas do mundo”. O secretário-geral da ONU António Guterres ela disse: “Apesar de muitos esforços, a violência sexual continua a ser uma característica horrível dos conflitos em todo o mundo e é usada deliberadamente como uma arma de guerra. Devemos reconhecer que o estupro na guerra afeta em grande medida as mulheres porque está ligado à questão da discriminação de gênero”. Apesar disso, o veto dos EUA negou a dignidade e o respeito humanos. “Como mulheres de fé, dizemos que o veto dos EUA também nega o misericórdia para mulheres horrivelmente ofendidas e violentadas – conclui o Observatório -. O estupro de guerra tem uma longa história nas culturas patriarcais; tem muitos significados, inclusive para humilhar o país inimigo e consolidar o pacto criminoso homofóbico entre os agressores. É um ato brutal, muitas vezes vivenciado no silêncio e na vergonha da vítima; um acto de crueldade feroz, cujas consequências dilacerantes para a integridade da pessoa são gravíssimas. Se, além disso, a mulher também é ferida pela humilhação de ter engravidado pelo agressor voraz, então outro vexame se junta a um vexame. É desumano impor-lhe este 'peso', forçá-la a acolher a presença de um feto nas suas entranhas que só pode ser um sinal dessa terrível desgraça. Cada uma então será livre para escolher seu próprio destino, mas precisamente: ela terá o direito de escolhê-lo. E apoio não deve faltar para ela seja qual for a sua escolha”. O Observatório nasceu em março passado com um Memorando de Entendimento e suas atividades incluem iniciativas culturais, de conscientização e vigilância sobre o tema da violência contra as mulheres. ...

Ler artigo
Um obstáculo para Jacopo Lombardini

Um obstáculo para Jacopo Lombardini

Jacopo Lombardini. Foto Fondazionevaldese.org Roma (NEV), 13 de abril de 2023 - Jacopo Lombardini (Gragnana, 13 de dezembro de 1892 - Mauthausen, 25 de abril de 1945), metodista, antifascista, professor, partidário, com o codinome de "Professor". Ele foi deportado, torturado e morto em Mauthausen, pouco antes do Dia da Libertação. Na sexta-feira, 21 de abril de 2023, às 17h30, será descoberto um pedra de tropeço em sua memória. A ideia parte da classe V do Escola Secundária Valdense de Torre Pellice. Por muitos anos, o colégio valdense dedicou um espaço de estudo aprofundado para lembrar a figura de Jacopo Lombardini. Feito pelo artista alemão Gunter Demniga pedra será colocada na via Beckwith, em frente ao atual centro cultural valdense de Torre Pellice, um antigo internato valdense, última residência de Lombardini antes de escalar as montanhas com os guerrilheiros. Ele também falará sobre Jacopo Lombardini Gian Mario Gillio próximo domingo em Rádio RAI1, culto evangélico na coluna por ele editada intitulada "Entre as palavras". Diferentes vozes pintarão um afresco desta figura histórica. São as vozes de Marco Fraschiaprofessor, ex-diretor da escola secundária valdense. Anna Giampiccoli, diretor do documentário “Jacopo Lombardini. Protestantes e liberdade” (feito em conjunto com alunos do colégio valdense, link no final da página). Bruna Peyrothistoriador e ensaísta. Jean Louis Sappéco-autor com Maura Bertin do espetáculo teatral realizado em Fossoli, campo de prisioneiros por onde se passava antes de ir para os campos de concentração. Lorenzo Tibaldo professor e autor, entre outras coisas, de "O viajante da liberdade. Jacopo Lombardini”, publicado por Claudiana. O projeto de colocação da pedra de tropeço também aderiu ao Fundação do Centro Cultural Valdense, o Município de Torre Pellice, a Igreja Valdense de Torre Pellice, o Colégio Valdense de Torre Pellice. Jacopo Lombardini, "Um homem de grande estatura moral e intelectual que viveu e ensinou os alunos do internato valdense, pagando por si mesmo o preço muito alto de uma vida gasta lutando contra o fascismo e todas as suas formas de opressão", escreve a Fundação, será lembrado durante uma cerimônia pública. Estarão também presentes representantes da ANPI, da Câmara Municipal de Torre Pellice e da Comissão de defesa dos valores da resistência e da constituição republicana. Haverá algumas leituras do Grupo de Teatro do Colégio Valdense e canções do Coro do Colégio. Para saber mais: Acesse o FACTSHEET do NEV: Jacopo Lombardini (1892-1945). Na Rádio Beckwith (RBE), Jorge Trombottoaluno do quinto ano do colégio valdense, relata o longo processo de introspecção que o colégio realizou ao longo dos anos sobre a figura de Lombardini. Angariação de fundos para a pedra de tropeço dedicada a Jacopo Lombardini Para apoiar este projeto, é possível participar com uma doação na arrecadação de fundos na Rete del Dono: www.retedeldono.it Além disso, a associação Amigos da Faculdade Valdense e a Escola Secundária Valdense de Torre Pellice organizam a viagem do “Barramento de memória”: uma viagem ao longo do itinerário do partidário Jacopo Lombardini. A viagem é aberta a visitantes de fora e acontecerá de 16 a 21 de maio. a cela do Quartel Ribet de Torre Pellice, o Quartel Pettinati de Luserna San Giovanni, o "Novo" quartel de Torino, Fossoli, Bolzano e finalmente Mauthausen. Por fim, o artigo de Luca Maria Negro sobre a ressurreição de Lázaro em uma meditação dada por Jacopo Lombardini para os guerrilheiros, publicada por ocasião da Páscoa em Riforma: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=GpRzHm0HJ1w[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.