Lutero e a Santa Ceia.  História, ontologia e atualidades

Lutero e a Santa Ceia. História, ontologia e atualidades

Roma (NEV), 4 de junho de 2021 – Uma conferência sobre Lutero e a Santa Ceia. Esta é a proposta da Academia de Estudos Luteranos da Itália (ASLI) para os dias 4 e 5 de junho.

A conferência, aberta a todos, ocorre eletronicamente no Zoom.

Estão previstos 11 relatórios. O tema será abordado sob diferentes perspectivas, a histórico-teológica e a ontológico-ecumênica. Entre os temas: a teologia da Ceia para Lutero. O aprofundamento das questões sacramentais, teológicas, eclesiológicas e terapêuticas. O “sacrifício de intercessão”. Os “desafios” à ontologia dados pelas opções “virtuais” da Santa Ceia. A crítica de Martinho Lutero à doutrina da transubstanciação.

Também falaremos sobre Dietrich Bonhoeffer como intérprete da teologia do Sacramento do Altar de Lutero, da Disputa de Marburg (1529) revisitada à luz do Acordo de Leuenberg (1973), e muito mais.

Aqui está o programa (para a versão em pdf para impressão clique aqui).


Sexta-feira, 4 de junho, 15h

Saudações: Frank Buzzi – Presidente da ASLI

Italo Pons – membro do Conselho Valdense, Milão

Heiner Bludau – Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI)

Roberto M. Pagani – Responsável pelo serviço Ecumenismo e Diálogo da Diocese de Milão

Introdução ao tema:

Lubomir Žak – Diretor Científico da ASLI

Relações:

Johannes SchillingA Gênese e Desenvolvimento da Teologia da Ceia de Lutero

Paulo ricoA disputa de Marburg (1529) revisitada à luz do Acordo de Leuenberg (1973)

A discussão segue. Retoma às 17h30

Moderador: Michael Cassese

Relações:

Antonio Sabetta, o realismo sacramental de Lutero. Significado e importância

Dieter KampenA Santa Ceia como encontro com o sagrado

A discussão segue.


Sábado, 5 de junho, 9h

Moderador: Markus Krienke

Relações:

Ângelo MaffeisA crítica de Martinho Lutero à doutrina da transubstanciação

Sérgio RostagnoA identificação com Cristo e o crente na Ceia

A discussão segue. Ele recomeça às 11

Moderador: Frank Buzzi

Relações:

Lubomir Žak, O Sacramento do Altar no contexto dos Catecismos de Lutero. Uma leitura teológico-fundamental

Michael CasseseA eficácia da Santa Ceia em Lutero: seu valor eclesiológico e terapêutico

Markus KrienkeD. Bonhoeffer como intérprete da teologia do Sacramento do Altar de Lutero

A discussão segue. Recomeça às 15h30

Moderador: Antonio Sabetta

Relações:

Mário Galzignato, o vere sacrificium propiciatorium de Trento e o “sacrifício de intercessão” no BEM. As razões para uma equivalência

Dietrich KorschÉ possível participar de forma virtual da celebração da Santa Ceia? Desafios à ontologia da Santa Ceia

Segue-se uma discussão e uma pausa. Retoma às 17h30

Conclusões:

Dieter Kampen e Lubomir Žak (perspectiva histórico-teológica)

Paolo Ricca e Franco Buzzi (perspectiva ontológico-ecumênica)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo
Igrejas e intercultura.  O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Igrejas e intercultura. O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Grupo de jovens interculturais - foto Alessia Passarelli Roma (NEV), 15 de maio de 2023 - O vídeo do encontro de formação "Igrejas e intercultura" organizado em abril pelo Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e por L' é online Amigo das Crianças. o missionário Grace Pratt Morris-Chapman ele abriu os procedimentos com uma meditação introdutória. Então o pesquisador interveio Alessia Passarelli, que falou sobre a evolução e as novas perspectivas do projeto “Sendo Igreja Juntos” (ECI). A pastora valdense Anne Zell e o pastor batista Nicolau Laricchio eles falaram sobre sua experiência pessoal e profissional em igrejas batistas, metodistas e valdenses interculturais. Entre os temas abordados e explorados, o conceito de mediação e integração, formas de ser comunidade encontrando lugares e espaços de entendimento mútuo e pontos de acordo. “Ser uma igreja juntos – explicou Passarelli – é uma experiência, mas também um caminho sociológico”. Em sociologia falamos de três tipos de abordagens: assimilação, exclusão, integração. Esta última, a integração, é um “processo dinâmico de reconhecimento mútuo e mudança que leva a uma nova forma de ser a sociedade”, disse Passarelli. Mas o que significa "integração" em um contexto eclesiástico? No vídeo há algumas respostas, que dizem respeito a como renegociar o habitus religioso, portanto as práticas e modo de vida de uma comunidade. “Desde os lugares preferidos nos bancos, à forma de ler a Bíblia e a liturgia, aos hinos que se cantam, que instrumentos e como tocar, a outras pequenas rotinas que definem zonas de conforto…” são muitos os elementos a considerar, continuou Passarelli. Igrejas interculturais e comunidades inclusivas já são uma realidade, porém ainda há muito trabalho a ser feito e deve ser feito constantemente. Irmãs e irmãos que vêm de outros países levaram ao crescimento e mudança no protestantismo italiano de todas as denominações, disse Passarelli, com diferenças de igreja para igreja. Também precisamos falar sobre liderança, participação democrática, linguagem, trabalho, relações amigáveis ​​entre comunidades e abordagem ética. Relacionamentos de "boa vizinhança" não significam "ser convidados juntos". Por exemplo, a definição de "igrejas étnicas" é um termo problemático. Mesmo uma igreja italiana é "étnica", pois é "monocultural". Um dos elementos fundamentais a ter presente diz respeito à necessidade de todos e cada um se “sentir em casa”, redescobrir o reconhecimento social e desenvolver visões comuns de futuro. “Estar juntos na igreja é uma direção”, concluiu Passarelli. Para saber mais, assista a gravação (link abaixo). O vídeo também foi relançado na página da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). [embed]https://www.youtube.com/watch?v=unbm-VreBi4[/embed] ...

Ler artigo
17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

Roma (NEV), 19 de julho de 2022 – 17 de fevereiro é uma festa pela liberdade de todos, "que faz parte da história geral da liberdade de consciência", na Itália e na Europa, "deve ser uma festa para todos". Ele disse isso hoje, em uma entrevista para a Rádio Beckwith, Bruna Peyrotpresidente da Fundação Centro Cultural Valdense de Torre Pellice, o "coração" dos vales valdenses no Piemonte. Fundo: ontem Mônica Canalis, vice-secretário do PD Piemonte e vereador e Mark Cognovereador da Cidade Metropolitana e prefeito de Torre Pellice (Turim) denuncia que no calendário escolar do Piemonte a minoria religiosa dos valdenses teria sido "ignorada", pois "ao contrário dos anos anteriores, foi negado suspender as aulas no dia da festa, 17 de fevereiro”. A Valdensian Cultural Center Foundation envia imediatamente uma carta pública ao governador Albert Círio e ao prefeito de Torre Pellice, para pedir "reconsideração de decisões que prejudicam a expressão cultural e civil de grande parte da cidadania", conforme consta no texto abaixo, publicado na página fb da instituição protestante. Algumas horas depois da resposta do Conselheiro para a Educação da Região do Piemonte Elena Chiorino: "O calendário escolar é uma referência para todos, visando garantir a uniformidade e continuidade das atividades em sala de aula, também e sobretudo no interesse das famílias: isso não exclui a plena autonomia das escolas que têm o direito de estabelecer adaptações para o calendário, face às necessidades decorrentes do alargamento do plano de oferta formativa e às necessidades ambientais específicas. As escolas podem definir projetos ligados a tradições locais ou eventos intimamente ligados ao seu território, adaptando assim as atividades escolares”. Aqui a entrevista da Rádio Beckwith com Bruna Peyrot e que um Mônica Canalis. Para saber mais:“17 de fevereiro na escola? A Região está retrocedendo”, artigo de Reforma FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.