Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 – “Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato “seguro” para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista.

As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses.

“Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”.

As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano.

A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta“Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter – mesmo em um ano tão particular – o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”.

No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: “Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população”.

Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma.

Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária).

Para saber mais:

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

a consagração é baseada na felicidade e no otimismo da graça

Pastor Luca Anziani, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) Roma (NEV), 24 de maio de 2023 – Entrevista com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, no encerramento da Consulta Metodista. A reunião habitual das igrejas metodistas da Itália, com mais de 100 delegados de toda a Itália, foi realizada no fim de semana passado no centro Ecumene (Velletri). Quais foram os pontos fortes e fracos desta Consulta Metodista? A Consulta Metodista tem a grande vantagem de não ser uma assembléia decisória. Portanto, não há atas, atos a serem aprovados, eleições a serem realizadas. Em suma, é um momento importante para nossas igrejas em que é possível, em liberdade, discutir aqueles assuntos para os quais a Comissão Permanente solicita, de fato, uma consulta. Foi uma ocasião de adoração, reflexão e celebração. A reflexão centrou-se em três tópicos. Cinquenta anos do pacto de integração entre as igrejas metodistas e valdenses, que se completam em 2025. A ação social da igreja. O papel do centro de formação Ecumene. Todos esses três pontos estão ligados entre si pelo tema mais amplo da vocação. A noite de sábado foi de festa, com o coro nacional de Gana. Depois das dificuldades de encontro devido ao covid, foi lindo e significativo estarmos juntos novamente para orar, discutir e conviver. O limite… é que haja apenas uma Consulta por ano. Quais são os próximos compromissos e compromissos para a OPCEMI? Estamos no período de aproximação do Sínodo, que será realizado em agosto, e por isso estamos trabalhando no relatório anual. Em junho participaremos da Conferência das Igrejas Metodistas da Grã-Bretanha. Com a nova Comissão Permanente também estamos preparando um itinerário com um bispo da Igreja Metodista de Gana que visitará a Itália em novembro. Apresentaremos o projeto Being the Church Together (ECI), falaremos sobre a importância social e política de programas como o Mediterranean Hope e o projeto Rosarno realizado dentro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Qual é a sua mensagem pastoral neste momento caracterizado, por um lado, pela fragilidade e impermanência devido à guerra e às tantas crises em curso e, por outro lado, pelo desejo de paz, confiança, renovação e compromisso no presente? Como todos os anos, o culto de encerramento da Consulta foi um culto litúrgico da Renovação da Aliança, como aquele que fazemos em nossas igrejas no primeiro domingo do ano. Teologicamente, a Renovação da Aliança é uma renovação da própria consagração, ou seja, dizer sim à aliança que Deus fez, como se dissesse "estamos ao Seu serviço". Isso tem sido feito por todas as gerações de crentes. As igrejas metodistas também o construíram do ponto de vista litúrgico. O que significa consagrar a vida ao Senhor em tempos difíceis? Partindo do princípio que nunca houve momentos fáceis... o mais importante na minha opinião é entender que a tua relação com Deus não depende de como vão as coisas no mundo, por isso se as coisas correrem bem Deus está presente, e se as coisas correrem Deus errado está em silêncio. Deus não evita situações difíceis, mas é nessas situações que Ele se revela. A presença de Deus não é Apesar de mal, mas precisamente no mal, por isso numa época em que temos de lidar com velhos monstros que reaparecem, como a guerra, ou com novas dificuldades, a nossa consagração assenta na felicidade. Sobre o otimismo da graça. Ao saber que no árduo caminho Deus não é um hóspede ausente, mas uma presença constante. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Vamos, em um futuro próximo

Sínodo Luterano. Vamos, em um futuro próximo

Roma (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – A quarta sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi concluída com o serviço religioso de 1º de maio em Catania.Um Sínodo participativo e animado que reacendeu a percepção de como é importante para os luteranos na Itália não apenas debater sobre o fato de serem igreja hoje, mas também sobre o papel que o CELI deve ter no espaço público, diante de pequenas e grandes temas que preocupam as sociedades modernas: a mudança climática, a relação com o meio ambiente, a violência das guerras. Durante uma sugestiva meditação de frente para o mar de Siracusa, o Decano do CELI, pároco Carsten Gerdes, questionou: “Em todo o mundo, cada vez mais pessoas vivem em cidades, em centros industriais. Entre o asfalto e o concreto, circulam em caixas de lata climatizadas e, das garagens subterrâneas, passam direto para o shopping. Quem conhece a esteira apenas como um movimento e, após meia hora de uso, está sempre na mesma academia, percebe menos as mudanças no ambiente natural. Será que as pessoas deveriam voltar a viver em aldeias, no interior, a cultivar pequenas hortas, para ver claramente o quanto a Natureza à nossa volta mudou?” Os Sínodos, por mais complexos, ricos e envolventes, buscam não apenas respostas para a Igreja hoje, mas questões que possam levá-la adiante, em um futuro próximo.Não há respostas simples, fáceis e definitivas para um Sínodo. Carsten Gerdes explicou: “Acho que sempre é preciso que as pessoas façam perguntas para fazer uma mudança. […] Acho que isso dá certo sobretudo quando muitas dessas pessoas, anteriormente, já fizeram perguntas na mesma direção, questionaram posições, ficaram inquietas”. A variedade das intervenções, as numerosas participações de convidados e delegações, a própria escolha de organizar um Sínodo nacional não só em Roma, mas também nos territórios, e este ano na Sicília, é expressão da vontade de pesquisar, de questões que merecem encontrar tempo e espaço para serem ouvidos e compartilhados. Leia a entrevista com o Reitor: Carsten Gerdes. Fé e esperança para o futuro da Igreja Luterana Leia a entrevista com o vice-reitor: Kirsten Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem Curiosidade: a campanha oito por mil da Igreja Evangélica Luterana na Itália foi apresentada durante o Sínodo. A campanha terá como tema principal o lema do capítulo 5 do Evangelho de Mateus: “vós sois o sal da terra”. A hashtag será de fato #siamosale e a campanha estará acessível a partir de 8 de maio no site www.ottopermilleluterano.org. O CELI usa os oito por mil para iniciativas sociais e humanitárias, principalmente voltadas para a Itália. Participa, com projetos próprios, no desenvolvimento social e cultural dos territórios onde se situam as suas comunidades e, através do apoio a projetos online, apoia iniciativas a favor das pessoas mais fragilizadas, minorias discriminadas, migrantes. Para saber mais: O especial do NEV sobre o Sínodo Luterano 2023. Os materiais oficiais do CELI: comunicados de imprensa, fotos, vídeos, etc…, ainda disponíveis aqui por alguns dias (Sínodo 2023). FORMA. A Igreja Evangélica Luterana na Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.