Mirly, a 31ª edição do encontro sobre questões laborais

Mirly, a 31ª edição do encontro sobre questões laborais

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2021 – A XXXI edição do “Rencontre de Mirly”, o encontro anual da Missão para a indústria das igrejas reformadas e luteranas na região de Lyon, foi realizada online. Ele fala sobre isso neste artigo Francesca Evangelistaque participou do encontro como membro da Comissão FCEI GLAM (Globalização e Meio Ambiente).


“Quando no ano passado, no banlieue de Lyon, apertando a mão de Denis Costilorganizador do Rencontre di Mirly, me despedi com a promessa de me encontrar novamente “l’année prochaine”, Nunca imaginei que cumpriria minha palavra permanecendo confortavelmente sentado em meu sofá em Roma.

Pois é, depois de 30 anos de encontros, pela primeira vez Mirly marcou uma consulta no Zoom, provando que não se deixará abater nem por uma pandemia global; por outro lado, foram muitas as dificuldades que enfrentou ao longo de sua história e que temperaram sua alma forte.

Mirly é a sigla de “Mission in l’industrie de la Région Lyonnaise” (Missão na Indústria da Região de Lyon), nascida em 1984 no distrito Duchère de Lyon por vontade das Igrejas Protestantes de Lyon (Reformadas e Luteranas), nas instalações da Mission Populaire (Missão do Povo, uma Igreja Protestante Francesa instituição de ensino e ajuda popular).

Há 25 anos, Mirly oferece um curso de formação profissional para aprendizes de carpinteiro, com o objetivo de conter o grande desemprego que atingiu a França na década de 1980. Desde 2016, devido à crescente falta de fundos, o curso foi confiado à missão diocesana.

Paralelamente ao curso para carpinteiros, em 1987 Mirly abriu uma filial para a luta contra o desemprego e a procura de trabalho no V arrondissement de Lyon, que ainda hoje está ativa.

O primeiro nasceu em 1990 Reunião de Mirly: uma reunião anual, no último final de semana de janeiro, para discutir, explorar e discutir o tema do trabalho. Cerca de 60-90 pessoas de diferentes partes da França e da Suíça francófona, cristãos (principalmente protestantes, mas também católicos), se reúnem por dois dias no Centro Protestante de Oullins (subúrbios ao sul de Lyon) para discutir juntos a sempre presente tema de trabalho.

A 31ª edição do la Rencontre decorreu nos dias 30 e 31 de janeiro de 2021, a primeira em modo virtual.

Um olhar sobre os acontecimentos atuais é inevitável: como a covid-19 está afetando o mundo do trabalho? Parte inesperada da resposta dada por Dennis Maillard, filósofo político e autor de inúmeros ensaios, que destacou como o mundo está se dando conta de um grande número de trabalhadores “invisíveis, mas indispensáveis” (título de seu novo livro a ser lançado em 4 de fevereiro) como, por exemplo: entregadores, os que trabalham na logística, caixas, funcionários da manutenção, pessoal da limpeza, enfermeiros que já foram promovidos a heróis e muitos outros. “Neste período de quarentena”, disse Maillard, “finalmente percebemos que nossa vida cotidiana é facilitada por tantos desses invisíveis, antes os olhávamos sem perceber, enquanto agora finalmente os vemos e os valorizamos”. Devemos trabalhar duro para garantir que isso não diminua quando a pandemia terminar.

A intervenção de foi no mesmo sentido Dominique Bolliet, professor universitário e prefeito do 4º arrondissement de Lyon, que destacou como “vivemos em um mundo onde as profissões mais úteis não gozam de nenhum reconhecimento social”. Os empregados aceitam a chantagem pela qual se submetem ao empregador em troca de dinheiro, o que os priva de qualquer possibilidade de encontrar um emprego que corresponda às suas expectativas. O trabalho torna-se assim uma mercadoria e não mais uma vocação. Há uma forte necessidade de uma nova disciplina jurídica do trabalho que permita o envolvimento e valorização do indivíduo em suas atividades laborais, que restitua dignidade a TODO tipo de trabalho, que leve em conta a emergência climática e ambiental.

Hubert Menet trouxe testemunho prático com o experimento”Territoires zero chômeurs” (Zero Territórios desempregados) que já envolveu cerca de sessenta pequenas realidades francesas entre 5 e 10 mil habitantes. O projeto visa empregar todos os desempregados de forma permanente. As seleções de pessoal são proibidas, o treinamento e a escuta são favorecidos. Parte da análise das necessidades locais e dos seus recursos, para depois procurar uma resposta envolvendo os desempregados desde a fase de planeamento. Assim, cria-se uma consciência social coletiva que leva ao trabalho em equipe e toca em temas antes pouco considerados, como atenção ao meio ambiente e reciclagem (novos empregos).

Na conclusão do Rencontre, o pároco da Igreja Protestante Unida da França Françoise Mesi ele relembrou o processo criativo de Deus em Gênesis 1, enfatizando que o trabalho nos foi ensinado por ele, mas que também é necessário um tempo de descanso e adoração: o sétimo dia.

Nomeação no final de janeiro de 2022, com a esperança de vê-los novamente em Lyon”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) organiza, para terça-feira, 14 de dezembro, o webinar: “Por que a igreja precisa do feminismo interseccional“. Este é o relançamento das políticas de justiça de gênero da Comunhão Mundial. O horário é das 15h às 16h30 (horário da Europa Central). eles participam Isabel Apawo Phiri, Peggy Kabonde, Aruna Gnanadason, Hanna Reichel e Eva Rebecca Parker. Moderado Karen Georgia Thompson*. “A intenção do webinar é destacar a disparidade de gênero em nossas igrejas. E aprender com o que o feminismo pode nos oferecer para nos tornarmos uma comunidade justa de iguais”, disse ela. Philip Vinod PavãoCMCR Justiça e Testemunho Executivo. Para se inscrever no webinar clique aqui A Política de Justiça de Gênero do CMCR foi iniciada pelo Conselho Geral de 2017 e adotada pelo Conselho Executivo no início deste ano. Isso combina com a visão da Comunhão de viver seu chamado por justiça. Também convida as igrejas a participar da missão transformadora de Deus, e entre seus objetivos mais específicos está, por exemplo, abordar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas-membro. “A justiça de gênero inclui relacionamentos justos e igualitários, respeito e responsabilidade na reciprocidade, respeito pela criação e o direito de todas as pessoas de experimentar a vida ao máximo. Justiça de gênero aborda gênero e injustiça econômica, violência baseada em gênero e toda uma gama de questões sociais que estão enraizadas em relações de poder desiguais. É um elemento fundamental para a Igreja e para a sociedade”, lê-se na introdução do documento sobre a política de gênero da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas. O Comitê Executivo do CMCR, entre outras coisas, reuniu-se recentemente, lançando a Década do clima. A Comunhão também está organizando o Conselho Geral, a ser realizado em 2025, e iniciou um processo de reorganização tanto para os Conselhos Regionais adicionais quanto para a busca de um novo Secretário Executivo (prazo para nomeações: 15 de janeiro de 2022). *Phiri é secretário-geral adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). Kabonde é o ex-secretário geral da Igreja Unida da Zâmbia. Gnanadason é ex-coordenadora do Programa de Mulheres do WCC e da equipe de Justiça, Paz e Criação. Reichel ensina no Seminário Teológico de Princeton. Parker é professor na Durham University. Thompson é Ministro Geral Associado para Ministérios da Igreja e Co-Diretor de Ministérios Globais da Igreja Unida de Cristo. ...

Ler artigo
Uma aula (e concerto) de Martin Luther King

Uma aula (e concerto) de Martin Luther King

Roma (NEV), 16 de março de 2022 – Uma lição – concerto sobre Martin Luther King. Para mantê-lo, a partir de seu livro “Martin Luther King. Uma história americana” (Ed. Laterza) será o professor Paulo Nasocom música e vozes de Alberto Annarilli E Elisa Biason, com a participação do coral Voz da Graça. O encontro, organizado pela revista e centro de estudos Confronti, acontecerá no sábado, 19 de março, às 17 horas, no grande salão da Faculdade de Teologia Valdense, na via Pietro Cossa 44, em Roma. “Numa história envolvente e apaixonante – explicam os promotores -, Paolo Naso reconstrói a história de Martin Luther King a partir de seu assassinato em Memphis em 4 de abril de 1968 com letras e músicas que levam o espectador a compartilhar as emoções daqueles anos. A história centra-se no King mais "radical", menos conhecido e celebrado e, por isso mesmo, incompatível com o ícone tranquilizador e inofensivo que o inseriu no establishment político e uma historiografia apologética que acabou por congelar King à imagem de o enésimo e solitário herói americano. Pelo contrário, a história adota a tese de Ella Baker - uma das primeiras colaboradoras de King - segundo a qual "não foi Martin quem criou o movimento, mas o movimento criou King". E por isso a sua ação deve situar-se no quadro de um movimento mais amplo e articulado. As dez canções propostas não são uma simples ajuda musical, mas constituem um fio condutor da história que leva o espectador a partilhar a música e as emoções daqueles anos. Os ritmos e letras dos negros espirituais executados, por exemplo, integram-se perfeitamente com a pregação, retórica e ação de King e do Movimento dos Direitos Civis. Por outro lado, nos anos das marchas de protesto e sit-ins, outros gêneros musicais "profanos" também se destacaram, recuperando canções de luta do início dos anos 1900, como a conhecida e famosa We Shall Supere. Mas foram também os anos das canções de protesto contra a guerra, assinadas por autores que marcaram época: Bob Dylan, Joan Baez, Peter, Paul e Mary… Por fim, as fotos projetadas no fundo constituem uma terceira trilha da história e ilustram a coragem, a criatividade, a esperança, mas também a injustiça e a violência daqueles anos”. Para mais informações, evento fb: Segue abaixo o flyer do evento: ...

Ler artigo
30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

Marica das três nações, a partida no Lungo Reno Roma (NEV/Riforma.it) 14 de junho de 2019 – Continua a memória e o relançamento do espírito de Basileia 1989, da primeira Assembleia Ecumênica Europeia, poucos meses antes da queda do Muro de Berlim e da crise da União Soviética para inspirar o trabalho e os pensamentos de muitas mulheres e homens de fé. Como lembrou o pároco no programa de rádio Culto Evangélico Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) “Em 15 de maio de 1989 foi aberta a primeira Assembléia Ecumênica Européia, sobre o tema 'Paz na justiça', inspirada no Salmo 85: 'Justiça e paz se abraçarão'. Pela primeira vez em séculos - desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante - mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs - ortodoxos, católicos e protestantes - reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa”. Uma passagem chave, portanto, também lembrada pelo seguinte texto de Otto Schäfer pastor da Igreja Protestante Unida da França e responsável pelas questões teológicas e éticas da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça. Para o site da CLCC, a comunidade de trabalho das igrejas cristãs na Suíça, um local de planejamento e colaboração ecumênica dentro das igrejas suíças: “O milagre de Pentecostes se repete ano após ano. O mesmo Espírito sopra sobre nós, em nossas igrejas, grandes e pequenas. Fazemos parte da mesma família e todos juntos fazemos parte do mundo: o Espírito de Deus age por sua vez no mundo. Um duplo milagre ganha vida no Pentecostes. Em um mundo polarizado, nos aproximamos uns dos outros. E em comunidades e paróquias que podem cuidar de si mesmas, somos enviados ao mundo. No Pentecostes de 1989, em Basel, durante o primeiro encontro ecumênico europeu, este duplo milagre foi sentido intensamente. As convulsões na Europa Central e Oriental abalaram um continente até então dividido. Claro, a Suíça em particular nunca esqueceu completamente a grande Europa, aquela que se estende até os Urais e o Cáucaso. Mas nunca esta visão foi tão visível como comunhão eclesial como em Basileia, no Pentecostes de 1989. Muitas irmãs e irmãos da Europa Central e Oriental participaram ativamente do evento de Basel. Pertencemos à mesma família, experimentamos isso rezando, cantando, celebrando, ouvindo a Palavra, compartilhando tantos dons e talentos diferentes. Esses momentos nos deixam gratos e esperançosos. Ficarão em nossas memórias por toda a vida. Este é o primeiro milagre, um milagre eclesial, no Pentecostes de 1989 em Basileia: uma Igreja de toda a Europa, aberta ao mundo além-fronteiras, animada e unida pelo Espírito. O outro milagre foi, e ainda é, a mudança política e social geralmente pacífica na Europa. O que seis meses depois se tornou realidade em muitos países, ou seja, uma revolução pacífica, já se fazia sentir no Pentecostes de 1989. Com muita esperança e não menos medo: parecia impossível quebrar o equilíbrio do terror sob a ameaça de armas de destruição em massa em ambos os lados, parecia impossível chegar a uma situação de normalidade sem sacrifício ou destruição. O fato de que as coisas poderiam ter tomado um rumo pacífico nunca foi previsto. Foi um milagre e ainda é hoje. Nunca será suficientemente lembrado o milagre político de 1989, que se opôs e ainda se opõe ao 'curso das coisas', como acontece com o Espírito de Pentecostes. Devemos a ele este milagre, e não apenas isso, e pode ser visto hoje onde homens e mulheres envolvidos na Igreja trabalham como construtores de paz. A decepção e a desilusão não esperaram 30 anos para aparecer. Conflitos, velhos e novos, injustiças, velhos e novos, a crescente desintegração de um mundo cada vez mais inquieto deixam seus rastros na consciência pública. A Europa está mancando, as igrejas na Europa estão mancando. O ecumenismo dobrou suas asas largas, parece caminhar, com os pés doloridos, por caminhos pedregosos. No entanto, o ecumenismo é a tela que pintamos e que fica gravada em nossas mentes. O duplo milagre de Pentecostes em Basel em 1989 parece muitas vezes deixado de lado. Mas podemos revogar um milagre? Onde o milagre acontece, ele pede uma lembrança agradecida e um novo começo, com coragem. Para uma vida inspirada pelos milagres de Deus: 'Contarei todas as tuas maravilhas', reza o salmista. De novo e de novo … As sensibilidades também mudam com o tempo; vejamos hoje a maravilhosa encíclica Laudato Si, 26 anos após a manifestação de 1989. É inegável a influência do primeiro encontro ecumênico sobre este texto, com seu ensinamento sobre a Terra como casa comum. Podemos ver quão perspicaz foi a Assembléia Ecumênica de Pentecostes de 1989 ao tornar a mudança climática causada pelo homem uma questão importante, em colaboração com a European Physical Society. Em muitas igrejas, o impulso daqueles dias é implementado diariamente. Claro que o diabo está sempre aninhado nos detalhes, segundo uma bela expressão da língua alemã usada para evocar as dificuldades encontradas na realização dos próprios projetos. Mas o Espírito perseguindo o diabo e quebrando os círculos viciosos não conta mais? E o espírito daquela época continua. Assim como os Atos dos Apóstolos continuam depois de Pentecostes. O Pentecostes é mencionado nos capítulos 2, 26 e seguintes – com maravilhosas descobertas, corajosas reconciliações, difusão da Boa Nova e crescimento da jovem Igreja. Mas também com contratempos, cativeiro, terremoto, naufrágio. Seguimos os outros capítulos da história do milagre de Pentecostes de 1989 em Basel: 'Paz e justiça para toda a criação'. Vamos escrever juntos: o Espírito guia nossa pena”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.