Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Lionel Andrés Messi
Foto de Lionel Andrés Messi tirada de seu site oficial, messi.com

Roma (NEV), 19 de dezembro de 2022 – A vigésima segunda edição da Copa do Mundo da FIFA no Qatar terminou. Foi uma Copa do Mundo bastante polêmica, principalmente pelo número impressionante de trabalhadores que morreram durante a construção dos estádios e da infraestrutura necessária. Em um artigo de Pete Pattisson E Niamh McIntyre de 23 de fevereiro de 2021, em Guardião falou de 6.500 trabalhadores migrantes do subcontinente indiano que estão desaparecidos. Para fazer uma comparação, trinta e dois anos atrás, o boletim relativo da Itália ’90 era de 24 mortos e 678 feridos, o que já era um número muito alto e inaceitável.

Esta figura se eleva sobre todas as outras questões controversas. Entre eles, destaca-se o impacto ambiental de sete novos estádios, embora com todas as precauções para limitar as emissões, num país essencialmente sem campeonato nacional de futebol: a expressão “catedral no deserto” nunca pareceu tão adequada . Além disso, há a questão da corrupção direta ou indireta, do tipo “investir em mim vai render para você”. As notícias que nos chegam do Parlamento Europeu não são reconfortantes deste ponto de vista. Por último, mas não menos importantehá a questão dos direitos humanos, em particular no que diz respeito aos cidadãos estrangeiros (ou seja, 87% da população do Catar), mulheres e homossexuais.

Questões polêmicas monumentais, que deram origem nos países ocidentais a movimentos que pedem o boicote à Copa do Mundo. Esses movimentos tiveram adesão considerável, mas sucesso limitado. De fato, as partidas do Catar 2022 tiveram público adequado para o evento e uma das finais mais emocionantes já vistas em campo.

O Catar merecia sediar a Copa do Mundo? Não, não era. Por outro lado, o mesmo pode ser dito da Itália 1934, Argentina 1978 e Rússia 2018, três ocasiões para os respectivos regimes se mostrarem belos e respeitáveis ​​aos olhos do mundo. O mesmo poderia ser dito para a atribuição dos Jogos Olímpicos. A esse respeito, lembro que se falava em suborno de membros do Comitê Olímpico Internacional com o objetivo de atribuir as Olimpíadas de Inverno de 2002 a Salt Lake City.

Talvez o Qatar 2022 deva ser uma oportunidade para refletir sobre nossa sociedade.

De facto, sem o consentimento dos países ocidentais e da confederação mais forte, nomeadamente a UEFA, decisões tão importantes não são tomadas. A UEFA tem um grande poder político e há poucos dias conseguiu, por exemplo, obter o monopólio do jogo de futebol nos países da União Europeia, instituição que tem no livre mercado e na livre concorrência uma das suas bandeiras.

Ou seja, sem o apoio dos “nossos” países e dos nossos representantes eleitos democraticamente, a Copa do Mundo não teria acontecido na Rússia (que já ocupava o Donbass) e no Catar.

Diante do grande número de mortes relacionadas ao trabalho e das condições dos trabalhadores estrangeiros no Catar, a pergunta que devemos fazer não é “Que tipo de sociedade existe no Catar”, mas “Que tipo de sociedade somos nós?”

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, e ex-vice-presidente do Parlamento Europeu, Eva Kaili (presos por terem recebido dinheiro de um “país do Golfo”, segundo o Ministério Público de Bruxelas) tiveram um jogo fácil para dizer que as críticas da Europa ao Qatar são hipócritas, dadas as milhares de pessoas que mata no Mediterrâneo. E precisamente a alegada corrupção das instituições europeias evidencia a forte permeabilidade da nossa sociedade, economicamente viciada e fundada na dívida pública e privada, relativamente a quem tem reservas monetárias ou energéticas inimagináveis, como a Rússia ou o Qatar.

Longe de mim dizer que morar na Itália ou no Catar é a mesma coisa. A questão é que em nossa fatia do mundo, que muitas vezes reivindica uma primazia moral, com igrejas, partidos e movimentos que reivindicam as raízes cristãs de nossa civilização, agora falta uma cultura de confissão do pecado, que foi substituída por uma cultura de repressão. Refiro-me à confissão do pecado no sentido protestante, ou seja, aquela consciência da própria insuficiência e maldade que só pode esperar o perdão na intervenção sobrenatural de Deus. Já a cultura da repressão é autoabsoluta: «Eh, o mundo é assim; o que posso fazer sobre isso?”

É por isso que a Copa do Mundo é um sucesso de qualquer maneira. É por isso que o governo do futebol tem esse poder. É por isso que o dinheiro se torna o ídolo a ser adorado e obtido a qualquer custo.

Estamos prontos para nos indignar com os contratos milionários dos jogadores de futebol, mas a cultura da repressão bloqueia as verdadeiras questões: “Quem tem dinheiro para pagar 100 milhões de dólares por ano por um jogador como Kylian Mbappé? Como ele conseguiu o dinheiro? O que há para ele?” Talvez a resposta a essas perguntas nos assuste, porque no final nos leva a nos questionarmos e como aceitamos uma sociedade injusta.

O futebol, como tudo o que move as massas, deve ser objecto de uma análise cuidada e séria, precisamente porque nos diz quem somos. Quando desprezamos o futebol, nos colocamos fora de nossa sociedade de forma irresponsável. Quando toleramos violência, homofobia, misoginia nos estádios, toleramos violência, homofobia, misoginia em nossa sociedade. O estádio é o espelho e o ginásio do que acontece lá fora.

Neste quadro sombrio, porém, não podemos afastar a luz que emana do futebol, uma luz que atrai bilhões de pessoas a um espetáculo litúrgico, vivido de forma espiritual. É a luz da redenção de comunidades esquecidas e marginalizadas; é a luz dos heróis dessas comunidades, que não são divindades que desceram do céu, mas pessoas que “conseguiram” das periferias do mundo.

Ontem assistimos ao culminar da extraordinária carreira de Lionel Messi, terceiro filho (de quatro) de uma trabalhadora e de uma faxineira. Ele mostrou algum talento futebolístico quando criança, mas aos 11 anos foi diagnosticado com hipopituitarismo, uma glândula pituitária com defeito, com consequências potencialmente graves para o crescimento e desenvolvimento. Nenhum clube na Argentina estava disposto a pagar os cerca de US$ 1.000 por mês necessários para tratar aquela criança, mas na Europa o Barcelona se ofereceu para apoiar seu tratamento, fazendo com que ele e sua família se mudassem para a Espanha. O grande sucesso como futebolista profissional no Barcelona fez com que fosse alvo de várias invejas, que o atingiram com comparações injustas: «Nunca serás como Diego Armando Maradona: ele era D10svocê no máximo é Pulga!» Ontem “A Pulga” Lionel Andrés Messi ergueu a Copa da FIFA aos céus.

Será retórica, será fumo construído pelos patrocinadores, mas como não ver aquela luz que brilha apesar da corrupção, da hipocrisia e por vezes da gestão criminosa do futebol e da nossa sociedade?

Pedro Ciaccio

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 13º dia.  Mulheres atrás das grades: é a vida?

16 dias para superar a violência, 13º dia. Mulheres atrás das grades: é a vida?

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 7 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 13: 7 DE DEZEMBRO Mulheres atrás das grades: isso é vida? SOLICITARdiscutir Como tornar visível não apenasas condições das mulheres nas prisões, mas também suas vidas? Helena, 39 anos euA primeira coisa que eles fazem aqui é privá-lo deseus afetos. não consigo receber telefonenascido, nem tem entrevistas. Mas eu redescobriàs cartas. As pessoas de fora apenas assistem aos crimes, ele não sabe por que os fizemos, ele não sabe os nossos história por trás, ele não sabe que somos seres humanos. Poucas pessoas acabam atrás das grades na Itália mulheres (4,5%), maioritariamente estrangeiras e provasnada da periferia da sociedade. Suas células eles são pequenos e superlotados, raramente banheiros eles têm o bidês, indispensável para a higiene íntimamas, o fornecer espaços adequados para crianças. O controle dos guardas não raramente flui em assédio sexual, estupro ou mesmo brutalidadelivre (dois casos marcantes: um detido feito dar à luz algemado, outro arrastado nupousar em água fria por agentes masculinos). Numerosos suicídios! Uma carta composta de março passado 31 reclusos da prisão "Le Vallette" em Turim: eles corajosamente pediram às instituições que ter em conta o agravamento das suas condiçõesprisões após a pandemia e de aumentar a liberação antecipada de 45 para 75 dias. Uma medida, esta, utilizada de 2010 a 2015 devido à superlotação (proproblema endêmico) que pode ser concedida para bom comportamento. “Nosso confinamento da Covid foi prestado muito pesado do ponto de vista psicológico ede afetividade: temos estado ainda mais isolados» rcita uma passagem do texto: «pedimos parareconhecer a todos nós a dignidade de sermos citadostadines e não apenas números». VERSÍCULO BÍBLICO Cinco pardais não podem ser vendidos por dois centavos? No entanto, Deus não se esquece de nenhum. Deus também sabe o número de cabelos em sua cabeça. Portanto, não tenha medo: você vale mais do que muitos pardais. (Lucas 12, 6-7) COMENTE O Novo Testamento contém muitos exemplos e muitas parábolas para indicar o amor de Deus. Para todos nós, nos momentos mais difíceis e tristes de nossas vidas, devido à solidão, medo, doença, isolamento, desânimo e desânimo, este versículo de Lucas pode representar uma certeza e uma promessa: você vale, você vale muito. Eu sei da situação em que você está e garanto que não vou te abandonar. Não tenha medo, eu te conheço completamente, com seus pensamentos, seus problemas, seus defeitos e seus dons. Estarei perto de você, não tema os homens, mas tema (procure) a mim. Quando criança, o fato de Deus nos conhecer tão profundamente me preocupava, até que percebi que esta palavra não é uma expressão para admoestar, mas para manifestar o amor imenso e incondicional que Ele reserva para nós. Não preciso me preocupar com meus erros e meus limites, mas buscar o bem e vivê-lo e o apoio DELE não falhará. ORAÇÃO Deus Pai e Mãe,As prisioneiras são amavocê se dá como suas filhas,você os ama e os respeita como cada um de nós.Sabemos que eles estão enfrentandolevando uma vida muito difícil.Dê-nos o entendimento corretoe a sensibilidade para ficar com elesconcretamente perto.por favor,livra-nos de ruime curar os deles e nossas feridas.Ajude-nos a não perder o coragem e tenacidadePara construir um futuro melhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Entrevista com Giovanni Bernardini.  Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Entrevista com Giovanni Bernardini. Ministério pastoral: trabalho, escolha, alegria

Um frame do vídeo feito por www.chiesavaldese.org/aria_video_player.php?video_id=242 Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – Entrevista com João Bernardinipároco consagrado pelo Sínodo Valdense de 2023. Nascido em Turim, Bernardini tem 31 anos e cumpre período experimental em Riesi, na Sicília. Qual foi o momento mais crítico para você, durante o período passado na Faculdade Valdense de Teologia, e qual, por outro lado, foi o mais bonito, o mais criativo? O momento mais difícil foi um momento de tensão entre o corpo docente e o corpo discente. Não é relevante aqui refletir sobre quais foram as causas desencadeadoras, mas apesar da dificuldade, devo admitir que houve vontade de ambos os lados de se reunirem, de discutirem, de tentarem compreender o problema e resolvê-lo. Portanto, a dificuldade acabou sendo uma oportunidade para reiniciar o diálogo. Para quem não conhece, a Faculdade está distribuída por um edifício de vários pisos. Na mesma estrutura estão as salas de aula e os alojamentos dos estudantes, depois os alojamentos dos professores. A vida universitária está, portanto, inevitavelmente entrelaçada, quase fundida com a vida privada. A roupa suja fica pendurada no mesmo pátio dos professores, e discursos e telefonemas podem ser filtrados pelas paredes históricas. A convivência tem seus aspectos positivos e negativos, mas devo dizer que um dos melhores momentos foi quando conseguimos criar a nova cozinha. Durante muito tempo, a cantina representou um elemento altamente problemático. Com este espaço para alojamento estudantil criámos uma nova dimensão de estarmos juntos. Estudantes e internos do sexo masculino e feminino podem combinar almoço ou compras juntos; as diferentes necessidades de horários e cardápios foram atendidas. Ao mesmo tempo, socializar e cuidar dos espaços comuns e, portanto, das relações, encontrou um novo caminho. Este é certamente um aspecto muito positivo. Você pode nos contar sobre seu período experimental em Riesi? O que ele faz? Existe um dia “típico”? A beleza deste trabalho, que não é um trabalho, mas uma escolha de vida, é que não existe um dia “típico”. Além de alguns compromissos fixos, como o culto dominical ou o estudo bíblico, o dia se desenrola num equilíbrio entre o que você pensava que estava fazendo e o que realmente fará. Desde uma visita pastoral que dura mais porque há necessidades, até ao “pouco trabalho”. Esta é a beleza da realidade pastoral numa área que não experimenta a neurose de calendário que muitas realidades urbanas têm agora. Aqui ainda fica a ideia de tocar o interfone para pegar um café. E às vezes, com aquele café, um convite de convívio transforma-se num encontro de cuidado, de relação pastoral com aquela pessoa que escolheu uma fórmula discreta para entrar em diálogo contigo. Em Riesi cuido da igreja valdense. Também exerço o ministério pastoral no Serviço Cristão. Aprendi muito nesses meses. Como auxiliar de eletricista, limpeza, trabalho agrícola, me medi em diversas atividades e fiquei muito satisfeito porque me fez voltar no tempo, quando fazia trabalho de campo no centro ecumênico de Ágape, na província de Turim. Foi também uma forma de criar vínculos com os funcionários. Às vezes pode-se pensar que os pastores ficam parados atrás de uma mesa. Não é assim. Aprendemos juntos, no dia a dia, a gerir problemas e soluções, a construir relacionamentos. Também cuido da comunidade de Agrigento. Finalmente, infelizmente, cheguei à Sicília num momento em que a igreja valdense de Caltanissetta estava fechada por falta de números. As instalações ainda estão lá; com a ajuda de Cabeça de pinheiro – que serviu de ponte humana e emocional entre mim, recém-chegado, e alguns membros históricos da comunidade – tivemos a ingrata tarefa de recolher e empacotar o arquivo. Um grande valor histórico e documental que hoje está guardado no Gabinete do Património Cultural “Património Cultural Metodista e Valdense” em Torre Pellice. Igrejas esvaziadas, crise vocacional. Qual é a sua opinião sobre essas questões como jovem pastor? Estou relutante em usar o termo “crise vocacional” porque significaria negar o compromisso com a vocação de muitas pessoas dentro das nossas igrejas e comunidades. Em vez disso, eu falaria de uma crise de pessoas. Quem escolhe dedicar toda a sua vida à atividade pastoral ou diaconal faz-no como uma opção de estilo de vida que tem uma certa substância. Você tem que se deslocar de cidade em cidade, fazer um curso que inclui período de um ano no exterior. Lidando com diferentes realidades. Para os mais novos significa abandonar pela primeira vez o núcleo familiar, pelo contrário para os mais adultos significa, depois de anos de vida independente vividos sozinhos, encontrarem-se subitamente a partilhar quarto, espaços públicos, duches, com outras pessoas. É uma escolha de estilo de vida que faria todos os dias com grande convicção, mas na minha opinião devemos encontrar a coragem de dizer as coisas como elas são, para além de uma ideia “romântica” de vida pastoral. Na prática, pode ser penalizador. Devemos levar em conta os aspectos emocionais, psicológicos e econômicos. A igreja está realmente em declínio? Embarcamos nesta aventura, numa realidade laboral assustadora como a nacional. É assustador para alguém com um diploma altamente dispensável, muito menos um diploma como o de teologia, onde se você não trabalha no contexto religioso, ou você tem um emprego secular ou está fora. Depois tem o aspecto relacional: um pastor pode se casar, ou optar pela solidão, ou ter um companheiro ou uma companheira, mas você também deve fazer avaliações sérias com a pessoa com quem você decide se relacionar, por que ser pastor ou pastora significa deslocamentos e desafios. Você tem que ter honestidade intelectual para dizer isso. Ao mesmo tempo, gostaria de dizer que para mim não há nada mais belo do que viver a realidade comunitária e dedicar a minha vida inteiramente ao anúncio da Palavra. Sou pago para fazer um trabalho que amo e gosto, e isso é um luxo que nem todos podem ter. É uma escolha que tem suas dificuldades, mas que oferece muito mais alegria. ...

Ler artigo
O pré-sínodo das mulheres

O pré-sínodo das mulheres

Roma (NEV), 11 de agosto de 2023 – Na véspera do Sínodo Valdense, vários encontros estão agendados na Torre Pellice, na província de Turim. Entre eles, no sábado, 19 de agosto, o pré-sínodo organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) em colaboração com a Federação das Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM). Este ano, o pré-sínodo tem como título “Mulheres – protagonistas de uma sociedade em mudança”. “Será uma oportunidade de focar nossa atenção no papel da mulher na sociedade atual entre saltos, abordagens originais e contradições, com o olhar voltado para aspectos temáticos relacionados como a violência contra a mulher em suas diversas formas (física, psicológica, econômica) e a dependência econômica que não permite que muitos se emancipem de situações violentas e restritivas”, escreve o pastor Mirella Manocchiopresidente da FDEI, no comunicado de convite à iniciativa.“Partilharemos estímulos e reflexões que nos advirão do trabalho e das experiências pessoais dos nossos três bem-vindos – continua a nota -: Bárbara Oliveri Tornozelopresidente do Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE); Sara Rossi Guidicelliescritor e jornalista; Antonella Visintinmembro da Comissão GLAM (Globalização e Meio Ambiente) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI)”.Moderar a reunião Alberto Corsani, diretor da Riforma-Eco delle Valli. Segue-se uma discussão com o público. Descarregue o cartaz: PRESINODE 19 23 de agosto A nomeação é para sábado 19 às 15 no salão Filippo Scroppo da Civica Galleriad'Arte Contemporanea, na via R. D'Azeglio 10, na Torre Pellice, ou online ao vivo no YouTube e no Facebook nestes links ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.