A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Bruxelas

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Bruxelas

Roma (NEV), 2 de março de 2023 – A reunião anual da Conselhos Nacionais de Igrejas Europeias (ENCC), a primeira reunião presencial desde 2019. Dezoito participantes de toda a Europa, da Escandinávia às Ilhas Britânicas e aos países bálticos e da Europa Central, reuniram-se nos escritórios da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) que convocou a reunião. A Itália foi representada pelo pastor Luca Barattosecretário-executivo do Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI).

“Os conselhos de igrejas são organismos ecumênicos nacionais muito diferentes: desde o alemão ou inglês formado por todas as tradições cristãs, até o polonês ou irlandês formado por igrejas protestantes e ortodoxas, até a FCEI que reúne apenas igrejas protestantes” , ele explicou Barter.

Os três dias de trabalho foram uma ocasião para uma troca de informações sobre as atividades dos Conselhos que vão desde o acolhimento de refugiados vindos tanto das rotas dos Balcãs e do Mediterrâneo e da Ucrânia, até questões de relações entre o Estado e as igrejas, até atividades juvenis, produção de textos litúrgicos para o Tempo da Criação.

Katarina Pekridou / Foto CEC

“Como sempre – acrescentou Baratto – a participação nestes encontros oferece um recorte da diversidade que atravessa a Europa do nosso tempo, dos diferentes centros geopolíticos e das diferentes preocupações que eles implicam, quer nos debrucemos sobre o Mar Mediterrâneo, quer nos olhemos para leste, para a Rússia “.

A paz, no que se refere à Ucrânia, foi um dos temas principais do encontro, abordado sob diferentes pontos de vista, muitas vezes ligados às preocupações presentes em cada país de origem. “Foi interessante ouvir o representante do Conselho Polonês de Igrejas explicar como essa guerra já dura não há um ano, mas desde 2014, sem que os países da Europa Ocidental se preocupem particularmente com o que está acontecendo no leste”.

Durante a reunião, que também contou com a presença do secretário geral do CEC, pastor Jørgen Skov Sørenseno projeto foi apresentado “Caminhos para a Paz“. “É um programa que procura criar um espaço de mediação privilegiada entre as igrejas, oferecendo os espaços que o CEC tem à sua disposição como lugares de diálogo entre russos e ucranianos”, disse. Katarina Pekridousecretário executivo para o diálogo teológico da CEC.

Logo e lema da Assembleia Geral KK, Tallinn 2023

Uma das esperanças do programa é trazer representantes da Igreja Ortodoxa Ucraniana e da Igreja Ortodoxa Russa para a próxima Assembleia Geral da CEC a ser realizada em Tallinn (Estônia) de 15 a 20 de junho próximo, sob o título “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro“. “O projeto KEK também prevê uma ação de reconciliação em perspectiva – especificou Prekridu – com o envolvimento sobretudo dos jovens das duas igrejas, porque a guerra cria um ódio que pode durar muito além do fim das hostilidades”.

Um espaço de discussão também foi dedicado à relação entre o Estado e as igrejas na Europa. “Também neste caso – sublinhou Baratto – foi possível observar a grande diversidade que existe entre igrejas maioritárias e minoritárias na Europa. Os primeiros experimentam a perda de privilégios em estados onde a filiação eclesiástica está diminuindo como uma diminuição de sua liberdade; estes veem na ação dos Estados que afirmam o princípio da laicidade uma oportunidade para uma maior igualdade e o reconhecimento de um pluralismo religioso que já se pratica em todo o continente”.

A reunião dos Conselhos Nacionais das Igrejas europeias em Roma em 2019

O grupo decidiu continuar com as reuniões presenciais anuais a serem realizadas, a partir de 2024, cada ano em um estado diferente, convidados do respectivo Conselho Nacional. “O último encontro presencial realizou-se em Roma, em 2019, organizado pela FCEI, encontro que foi várias vezes referido pelos presentes. Positivamente, claro”, lembrou Baratto.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O grito de Paz.  Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

O grito de Paz. Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

Roma (NEV), 19 de outubro de 2022 - O habitual encontro internacional de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo, organizado pela Comunidade de Sant'Egidio, será realizado em Roma de 23 a 25 de outubro. Título desta edição: "O grito da Paz". O programa desenvolve-se em várias sessões e fóruns no Centro de Congressos “La Nuvola”. Na terça-feira, 25, dentro do Coliseu, às 16h30, haverá uma oração cristã presidida por Papa Francisco, na presença de representantes das Igrejas e comunidades cristãs. Outras religiões também se reúnem em oração em outros locais da cidade. A cerimônia de encerramento, novamente no Coliseu às 17h, conta com a presença de representantes de religiões e instituições mundiais. Na cota “protestante”, o presidente participa pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Daniele Garrone E Paulo Naso, ex-coordenador do programa Mediterranean Hope. Haverá também outros líderes de igrejas reformadas europeias e mundiais, incluindo Parque Jong Chun E Gillian Kingstonrespectivamente Presidente e Vice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Olav Fykse Tveit, Bispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega, ex-Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Junto com eles, também líderes ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e outros. “Enquanto as tensões e os conflitos se multiplicam no mundo, homens e mulheres de diversas religiões e culturas se encontram para três dias de diálogo e oração, para ouvir o clamor dos povos do mundo e encontrar juntos os caminhos da paz”, lê-se no site da iniciativa. A Assembleia de abertura (23 de outubro) conta com a participação, entre outros, do fundador da Comunidade de Sant'Egidio Andrew Riccardido Presidente da República Italiana Sérgio Mattarellado Presidente da República Francesa Emmanuel Macrondo Presidente da República do Níger Mohamed Bazoumdo Presidente da Conferência Episcopal Italiana Matteo Zuppipelo rabino-chefe da França Haim Korsiado secretário-geral da Liga Mundial Muçulmana Shaykh Muhammad bin Abdul Karim al-Issa. Abaixo, uma seleção do programa geral com os atendimentos reformados. 24 de outubro de 2022 09h30 – A Nuvem FÓRUM 1 – MÃE TERRA: UM PLANETA, UMA HUMANIDADE Mudanças climáticas, crise climática: além das negações, o planeta grita há tempos seu sofrimento, enquanto os eventos extremos, que sempre e cada vez mais afetaram os países mais pobres, também se tornaram a experiência cotidiana dos países mais ricos. Seca, fome, exploração da terra, grandes migrações, poluição, modelos de desenvolvimento. A resposta será global ou uma não resposta. Participe entre outros: Gillian Kingstonvice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 5 – A GUERRA DESAFIA O FUTURO DA EUROPA A Queda do Muro de Berlim deu esperança ao mundo e acelerou o caminho para a formação de uma Europa unida, para uma União como um grande ator global de estabilidade e paz. As guerras não desapareceram, mas multiplicaram-se e a guerra na Ucrânia, por si só, arrisca quebrar a globalização, a cooperação entre países e povos, estilos de vida de forma não ocasional, trazendo as suas terríveis consequências em grande parte do planeta mas também entre os europeus. Muito do futuro da Europa e do seu papel no mundo depende da capacidade de fomentar o diálogo e os caminhos da paz mesmo em tempos de guerra. Participe entre outros: Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 7 – A PALAVRA DE DEUS GERA SONHOS Na Bíblia, a Palavra de Deus é a palavra que cria, que realiza o que promete e realiza, não está distante da história, é a Palavra-que-faz a história. A história do mundo não é um tempo linear e há épocas em que é mais difícil ver e imaginar um futuro capaz de eliminar os sofrimentos e distorções do presente: "A palavra do Senhor era rara naqueles dias, as visões não eram frequentes” (I Sam. 3, 1). Na Palavra de Deus está também o segredo de não se aplanar no presente e de gerar o futuro com a imaginação de Deus e a sua amizade para cada mulher e cada homem. Participam entre outros: Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Parque Jong ChunPresidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 25 de outubro 09h30 – A Nuvem FÓRUM 10 – NINGUÉM SE SALVA: DIÁLOGO E MULTILATERALISMO EM UM MUNDO DIVIDIDO A guerra voltou a entrar com força no mundo ocidental no século XXI. Toda guerra promete ser curta e decisiva, mas todas as guerras se autoperpetuam, abrem-se para cenários impensáveis ​​antes de começarem, imprevisíveis. Dependem das decisões de poucos, mas envolvem todos. A crise alimentar, a instabilidade social e política repercutem-se agora não só nas populações dos países em guerra, nos países vizinhos, mas no resto do mundo, noutros continentes, no diálogo e nas fracturas geopolíticas do mundo . É preciso redescobrir os caminhos do diálogo e do multilateralismo para curar as feridas do mundo e reabrir o gosto pela paz. Participe entre outros: Olav Fykse TveitBispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega. 09h30 – A Nuvem FÓRUM 13 – A RESPONSABILIDADE DAS RELIGIÕES NA CRISE DA GLOBALIZAÇÃO Nas últimas décadas, a globalização unificou os mercados e aproximou as populações. A globalização inacabada encontrou-se numa luta contraditória pela livre circulação de mercadorias, mas não de pessoas e povos. A globalização quebrou, após um aumento das tensões, com a guerra na Ucrânia e suas consequências. Nunca houve uma globalização do espírito e da solidariedade, ela não cresceu junto com a riqueza produzida, enquanto as desigualdades cresceram exponencialmente. As religiões têm a responsabilidade de ajudar todos a pensarem juntos uns com os outros e não uns contra os outros, além das fronteiras pessoais e nacionais, étnicas, religiosas e sociais. Por uma nova globalização. Participe entre outros: Paulo NasoFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF). “A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”. Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense. “Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa. O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico. A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença - concluem os promotores - será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”. A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense). artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidadePróximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.